Parábolas de Jesus

Parábolas

Parábolas da alegria

A videira e os galhos.

Resumo

A videira e os galhos

Do Evangelho de João Capítulo 15, Versículos 1-11

"Eu sou a videira verdadeira e meu Pai é o agricultor. Todo galho que não produz frutos em Mim, corta e todo galho que produz frutos, poda para produzir mais frutos. Você já é puro, por causa da palavra que Eu anunciei você. Permaneça em Mim e Eu em você. Como o ramo não pode dar frutos por si só, se não permanecer na videira, assim como você, se você não permanecer em Mim. Eu sou a videira, você os ramos. Quem permanece em Mim e nele produzo muitos frutos, porque sem Mim você não pode fazer nada. Quem não permanece em Mim é jogado fora como o galho e seco; então eles o recolhem, jogam no fogo e o queimam. Minhas palavras permanecem em você, pergunte o que você quer e isso será feito para você: Meu Pai é glorificado nisso: que você dê muitos frutos e se torne meus discípulos. Assim como o Pai me amou, eu também te amei. Se você guardar meus mandamentos, permanecerá no Meu amor, como observei os mandamentos do Meu Pai e eu permanecemos no amor dele. Eu te disse essas coisas para que Minha alegria esteja dentro de você e sua alegria seja completa".

Exegese de parábolas João

Em toda a Bíblia, a videira é um símbolo de fecundidade, bênção e bem-estar; o vinho também está conectado a ele, um símbolo de festa de casamento, aliança e partilha alegre. No livro de Números, os enviados por Moisés, para explorar a terra prometida, voltam para ele carregando um broto de videira com um cacho de uvas, como demonstração da abundância e riqueza daquela terra. (Nm 13,23-25).

A videira, além de representar a fecundidade da terra dada pelo Senhor, também expressa uma vida que ocorre em tranquilidade e paz: "Judá e Israel estavam seguros; cada um estava sob sua própria videira e figueira, de Dan a Berseba por toda a vida de Salomão". (veja 1Mac 14.2; 1Ki 5.5).

No Novo Testamento, o símbolo da videira é usado principalmente pelo evangelista João, que em seu Evangelho relata a parábola em que Jesus, anteriormente identificado como o bom pastor, a porta do redil, o pão que desceu do céu, agora aparece como "parafuso"; e se Jesus é a videira, o lavrador é o Pai que, para fazer a videira dar frutos, poda os galhos secos no tempo oportuno. Portanto, é necessário entender o motivo dessa identificação com a videira. Nele existe o princípio vital, porque é a seiva que permite que o ramo dê frutos: os camponeses o conhecem bem, pois há séculos eles dão vida às raízes de novas videiras (e ao choque de palavras vida/videiras é muito significativo) não plantando sementes, mas usando galhos preexistentes e um sistema de propagação por estacas.

O significado, portanto, é que a videira contém vida, o principal motor para permanecer vivo para sempre; por essa razão, Jesus se define como "a videira" e se apresenta como quem tem em si mesmo esse princípio vital que é a verdade de Deus, é a própria presença de Deus. A imagem da videira é, portanto, uma semelhança usada por Jesus para afirmar que em Ele encontra a plenitude de Deus, isto é, a própria fonte da vida. Sem Deus, o homem caminha em direção à morte; de fato, se o ramo permanece preso à videira viva, do contrário, seca; Nesse sentido, Jesus é a fonte certa da vida: se vivermos unidos a ele, como o ramo vive pela seiva da videira, poderemos desfrutar a vida plena e dar frutos; caso contrário, os galhos se desprenderão da videira, secarão ou serão podados e depois queimados.

A imagem do galho seco que é queimado é tirada das palavras do profeta Ezequiel que, quando alertou o povo sobre o que teria acontecido com ele se ele não tivesse permanecido fiel ao Senhor, afirmou: "Como a madeira da videira entre as madeiras da floresta. "Acendi o fogo para tratar os habitantes de Jerusalém" (Ez 15,16). O mesmo conceito de "sangue vital" é repetido por Jesus à mulher samaritana quando, ao encontrá-la no poço, ela diz: "Quem bebe a água que eu lhe der, nunca terá sede para sempre. De fato, a água que Eu darei a ele que se tornará nele uma fonte de água que jorra para a vida eterna" (Jo 4:14). Jesus é a videira que infunde a vida, é uma presença decisiva que leva a uma escolha igualmente decisiva entre a vida ou a morte, entre a alegria eterna ou o desespero sem fim: "Quem permanece em mim e eu nele traz muito fruto [...]. Quem não permanece em mim é jogado fora como o galho e seco", porque sem ele nada pode ser feito, muito menos será possível alcançar a felicidade plena, o que significa estar com Deus. Ele é condenado à morte e à queima eterna, o mesmo descrito pelos ricos recém-expirados que, voltando-se para o pai Abraão, pedem para ser acalmados por seu tormento: o fogo o está devorando e implora a Abraão por apenas uma gota de água . (cf. Lc 16, 19-31); aqui está a identificação da queima, que é a situação na qual o homem incorrerá em seu eterno desespero, em sua morte sem fim.

Cabe a você decidir se apega à videira ou se afasta; o convite que Jesus faz aos seus discípulos é estar com ele, mas não permanecer morno à sombra, mas viver estritamente em solidariedade como galhos da videira, porque somente se o galho estiver ligado à videira ele poderá usar e se alimentar da seiva. E para nos convencer com amor, Jesus usa outra bela expressão: "Você já é puro, por causa da palavra que lhe falei": pelo fato de poder aceitar Sua palavra, somos dignos de poder ver Deus "Abençoado os puros de coração, porque verão a Deus" (Mt 5: 8). Ficar com ele ou não ficar, portanto, depende da relação que temos com a Sua Palavra, cujo poder é bem expresso na "Parábola do semeador", na qual a semente que cai na boa terra e dá frutos é comparada por Jesus àqueles que Jesus que ouvem a palavra e a acolhem, colocando-a em prática; ao contrário, se a semente cair em um terreno estéril ou inadequado, mais cedo ou mais tarde ela morrerá e, portanto, a Palavra será extinta.

Ficar com Jesus significa ouvir e colocar em prática sua palavra, dando-lhe confiança, crença, estabelecendo nosso modo de agir, nosso ser naquilo que ele herdou de nós através de seus ensinamentos. São Paulo também nos encoraja neste caminho, porque "depois de ouvir a palavra da verdade, o Evangelho da sua salvação, e tendo crido nela, você recebeu o selo do Espírito Santo que foi prometido, que é um depósito de nossa herança., aguardando a completa redenção daqueles a quem Deus adquiriu em louvor à sua glória" (Ef 1,13-14). Vivemos de acordo com os seus ensinamentos, deixemo-nos guiar por Jesus: então a seiva entrará em nós e daremos muitos frutos.

Pode interessar