Parábolas de Jesus

Parábolas

O semeador

Do Evangelho de Marcos Capítulo 4 Versículos 1-12

Jesus novamente começou a ensinar no mar. E uma congregação tão grande se reuniu ao seu redor, que ele foi forçado a subir no barco e sentou-se no mar, enquanto toda a multidão estava no chão ao longo da costa. Ele ensinou-lhes muitas coisas em parábolas e disse-lhes em seus ensinamentos: "Escute! Eis que o semeador foi semear. Agora, aconteceu que semeando parte da semente ele caiu na estrada, os pássaros caíram e o pegaram. Outros caíram. um lugar rochoso, onde não encontrou muita terra e emergiu imediatamente, sem terrenos profundos, mas quando o sol nasceu, secou e, como não tinha raízes, secou e outro caiu entre os espinhos, mas os espinhos cresceram e sufocaram, e não outras sementes caíram no solo bom e produziram frutos, crescendo e se desenvolvendo, de modo que produziam uma trinta, sessenta e uma terceira cem. "Então ele concluiu:" Quem tem ouvidos para ouvir, entende".

Quando ele estava sozinho, seus discípulos com os Doze o interrogaram sobre as parábolas. Ele lhes disse: "O mistério do reino de Deus foi dado a você, mas aos que estão do lado de fora tudo é proposto em parábolas, tão olhando não vejo, ouçam bem, mas não entendam, para que não sejam convertidas e perdoadas. E ele lhes disse: "Você não entende esta parábola? Então, como você entenderá todas as outras? O semeador semeia a Palavra. Agora, aqueles que estão ao longo da estrada são aqueles em quem a Palavra é semeada, e quando a ouvem imediatamente, Satanás vem e eles tira a Palavra semeada neles: da mesma forma aqueles que receberam a semente em terreno rochoso, são aqueles que depois de ouvirem a Palavra, imediatamente a recebem com alegria, mas não têm raízes em si mesmos e são instáveis, e quando ocorre tribulação ou uma perseguição por causa da Palavra, eles imediatamente sucumbem, outros recebem a semente entre espinhos: são aqueles que ouviram a Palavra, mas os cuidados do mundo, as seduções de riquezas e as concupiscências de qualquer outro tipo, penetrante neles, eles sufocam a Palavra, que permanece sem dar frutos. Aqueles que finalmente receberam a semente em boa terra são aqueles que ouvem a Palavra, a recebem e produzem frutos, uns trinta, uns sessenta e cem".

Parábola Marcos exegese

No capítulo que antecede essa parábola, Marcos descreve Jesus exposto a críticas, escárnio e, em seguida, à decisão de sentença de morte pelos fariseus e escribas; sua intolerância aumentou de hora em hora, para ver como Jesus ensinou a multidão cada vez mais numerosa que o seguia. Neste capítulo, Marcos faz uma síntese de algumas parábolas que enfatizam a importância da Palavra, da qual a do semeador é uma introdução a todas as outras. A "parábola do semeador", portanto, serve para entender como nos colocar diante da Palavra de Jesus: somente aqueles que recebem a semente em boa terra dão frutos.

Há quatro passagens (terrenos) com as quais Jesus revela como Sua palavra pode ser difundida, ouvida, aceita e posta em bom uso; e o evangelista Marcos, ao relatá-los nesta parábola, pretende se referir à ação de proclamação que os apóstolos fazem do evangelho. Se compararmos Lucas nos Atos dos Apóstolos, no que diz respeito à descrição da vida da primeira comunidade cristã, o fato de que o que uniu a comunidade era precisamente a Palavra, o anúncio da presença "viva" de Jesus é bem enfatizado. Então aqueles que receberam sua palavra foram batizados e naquele dia cerca de três mil pessoas foram adicionadas.

Eles foram perseverantes no ensino dos apóstolos e na comunhão, no pão e nas orações. Todo mundo tinha um sentimento de medo, e maravilhas e sinais aconteciam através do trabalho dos apóstolos. Todos os crentes estavam juntos e tinham tudo em comum; eles venderam suas propriedades e substâncias e as compartilharam com todos, de acordo com suas necessidades. Todos os dias eles perseveravam juntos no templo e, partindo o pão nas casas, comiam com alegria e simplicidade de coração, louvando a Deus e desfrutando do favor de todo o povo. Enquanto isso, o Senhor acrescentou à comunidade aqueles que foram salvos".
(Atos 2,41-47).

E essa mensagem provocou reações inesperadas, porque todos os que ouviram se sentiram atingidos no coração: é o poder da Palavra viva, de compartilhar uma presença que exige perfeição, é a palavra do Evangelho, o anúncio do Ressuscitado, a presença de Jesus!

A parábola do Evangelho de Marcos está centrada inteiramente em ouvir a Palavra, em Jesus, que continua a ensinar por meio de seus apóstolos, e na importância de que tudo isso encontre "terra fértil" para que não tenha fim. Aqui, então, está o legado deixado por Jesus, a missão deixada aos Seus descendentes: ele anuncia, prega e ensina. Aqui está como ficar diante da palavra: escute, seja bem-vindo e dê frutos.

Ouvir é importante: não se diz, de fato, que a Palavra deve ser ouvida, mas ouvida; ouvir é o ato daqueles que estão interessados, daqueles que estão convencidos da importância do que estão recebendo; então, o desejo de entender em profundidade o que é ouvido é acionado. Mas uma premissa fundamental, para poder ouvir, é sintonizar Sua palavra, porque isso por si só nos revela as verdades de Deus: se Jesus nos dá conhecimento, é evidente que precisamos entendê-lo cada vez mais, mesmo que nem sempre seja fácil; a parábola enfatiza a presença de três "terrenos" que não dão frutos, uma característica comum daqueles que podem sentir, mas certamente não escutam. Se você não escuta, a Palavra não pode produzir efeito porque não pode ser entendida: é o intelecto que deve nos guiar para a sabedoria, envolvendo a vontade de entender com determinação, sem hesitação (como no terreno rochoso, que não permite afundar o raízes e, portanto, as torna instáveis) e sem se distrair com as tentações lisonjeiras do mundo (como no chão coberto de espinhos, que sufoca o florescimento de possíveis frutos). Não basta entender: você precisa decidir o que fazer!

Está iluminando a história daquela pessoa que, depois de ouvir e entender, recebe o convite de Jesus "venha! siga-me! Mas, com essas palavras, ficou sombrio e foi embora triste" (Mc 10,21-22): não aceita o convite, porque não deseja tomar essa decisão, ou seja, atender a chamada. Jesus lhe dá confiança, tanto que ele já o quer com ele (siga-me!). Mas é a sua vontade que decide se aceita ou não o convite; e essa força de vontade a conquista somente quando você entende o poder da Palavra, você entende que somente Ele pode guiá-lo: aquele homem foi embora, porque ele não aceitou ser guiado", mas se você se deixar guiar pelo Espírito, você não será sob a Lei. O comportamento de quem é carnal é bem conhecido: fornicação, impureza, libertinismo [...].

O fruto do Espírito, por outro lado, é amor, alegria, paz, paciência, benevolência, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio" (Gal 5,18-23). Para entender se realmente obedecemos ao Espírito de Jesus, precisamos ver se em nós nós carregamos os frutos do Espírito, aqueles frutos que modificam nossos pensamentos e comportamentos. Trazer frutos não significa dar conta de nossas realizações humanas, mas aplicar e ampliar os dons do Espírito, colocando em prática os ensinamentos de Jesus, que na medida dos trinta, que dos sessenta e quem dos cem ou, com referência à "Parábola dos Talentos", quem do dobro do que recebeu: "existem carismas diferentes, mas apenas um é o Espírito; existem vários ministérios, mas apenas um é o Senhor; existem atividades diferentes, mas apenas uma é Deus, que opera tudo em todos.

A cada um é dada uma manifestação particular do Espírito para o bem: a um, de fato, por meio do Espírito, é dada a linguagem da sabedoria; para outro, pelo mesmo Espírito, a linguagem do conhecimento; a um, no mesmo Espírito, fé; para outro, em um Espírito, o dom de curas; a um o poder dos milagres; para outro o dom de profecia; para outro, o dom de espíritos exigentes; para outro a variedade de idiomas. Mas todas essas coisas são cumpridas pelo mesmo e mesmo Espírito, distribuindo-as a cada um como ele deseja".
(1Co 12,4-11).

E é nesse sentido que damos frutos nas medidas expressas pelas parábolas do semeador e dos talentos, em relação aos dons recebidos; enquanto as três terras que não produzem frutos correspondem à tribulação interior, àquele conflito que não dá paz até que alguém se adira totalmente à Palavra de Jesus: somente decidindo segui-Lo até o fim, você será capaz de derrotar toda a ganância e ganhar dinheiro com a Sua ajuda, os dons (talentos) que lhe foram dados, para que você também possa oferecer sua participação voluntária e ativa no cumprimento do Reino dos Céus.

O semeador - Mateus

Do evangelho de Mateus, capítulo 13, versículos 3-9.18,23

Ele falou com eles de muitas coisas em parábolas.
E ele disse: "Eis que o semeador saiu para semear. E enquanto semeava parte da semente, ele caiu na estrada e os pássaros vieram e a devoraram. Outra parte caiu em um lugar rochoso, onde não havia muita terra; porque o chão não era profundo, mas quando o sol nasceu, queimou e não tinha raízes, secou. Outra parte caiu sobre os espinhos e os espinhos cresceram e a sufocaram. Outra parte caiu sobre a boa terra e deu frutos, onde os cem, onde os sessenta, onde os trinta. Quem tem ouvidos que ele ouve".

Você entende, portanto, a parábola do semeador: toda vez que ouve a palavra do reino e não a entende, o maligno vem e rouba o que foi semeado em seu coração: esta é a semente semeada ao longo da estrada. O que foi semeado no terreno rochoso é o homem que ouve a palavra e imediatamente a recebe com alegria, mas ele não tem raiz em si mesmo e é inconstante, de modo que, logo que surgem tribulações ou perseguições por causa da palavra, ele é escandalizado. O que é semeado entre os espinhos é aquele que ouve a palavra, mas a preocupação do mundo e o engano das riquezas sufocam a palavra e ela não dá frutos. O que é semeado na boa terra é aquele que ouve a palavra e a entende; estes dão frutos e agora produzem os cem, agora os sessenta, agora os trinta".

Pode interessar