Parábolas de Jesus

Parábola

Parábolas do reino

Nome comum da parábola:
- Nome comum da parábola
- O tesouro escondido.

Resumo

O tesouro no campo - Mateus

Do Evangelho de Mateus Capítulo 13, Versículos 45-46

O reino dos céus é como um tesouro escondido no campo; um homem a encontra e a esconde de novo; então ele vai, cheio de alegria, vende todos os seus bens e compra esse campo. O reino dos céus também é semelhante a um mercador que procura pérolas preciosas; ele encontrou uma pérola de grande valor, ele vende todos os seus bens e a compra.

Exegese de parábola Mateus

Essa parábola deve nos ajudar a entender o que é o reino dos céus, mas, para isso, precisamos primeiro entender as semelhanças relatadas: a primeira imagem com a qual o reino dos céus é comparado é a de um tesouro escondido em um campo; o segundo, de um comerciante que procura pedras preciosas. Ambas as semelhanças aludem ao reconhecimento de Jesus, um ato estritamente necessário para alcançar o reino dos céus.

Na primeira semelhança, o homem reconhece Jesus naquele campo que contém um grande tesouro e no qual ele esconde novamente o tesouro que acabou de encontrar, para então se alegrar ao vender todas as suas posses, a fim de comprar aquele campo; o que é descrito para esse homem é o que Jesus resume como condições indispensáveis para segui-lo quando diz: "Quem ama mais o pai ou a mãe do que eu não é digno de mim" (Mt 10:37); portanto, quem encontrar Jesus deve deixar tudo para segui-lo, como fizeram os primeiros discípulos que deixaram redes, barcos, pais, irmãos, tudo apenas para estar ao seu lado.

Mas esse "deixar tudo" também significa abandonar todas as dúvidas, porque quando você "descobre" Jesus, também encontrará aqueles que dão a certeza da presença de Deus: é esse tesouro escondido que você estava procurando e que agora fará tudo para mantê-lo. O tesouro, portanto, é a verdade de Deus; e o campo onde o tesouro está oculto é Jesus, é Jesus quem te leva às verdades de Deus e, quando você o descobre, não poderá deixar tudo para segui-lo: Ele lhe dará a luz da verdade e ninguém será capaz de enganá-lo; por isso você venderá tudo o que tiver, para comprar esse campo e manter esse tesouro com você para sempre.

Esse detalhe é importante: o homem na parábola compra o campo onde há o tesouro, e não diretamente o tesouro: o homem que compra o campo onde há o tesouro representa quem entendeu a verdade de Deus (tesouro), mas está ciente de que sem Jesus (campo) até essa verdade seria divulgada; é por isso que sempre existe a necessidade desse campo, ou seja, Jesus, preservar e tornar o tesouro que ele contém eternamente por último, tanto que seja escondido novamente para que não seja desfigurado, roubado, disperso: a verdade de Deus é boa o mais precioso que podemos conquistar é o reino dos céus. Se você descobriu a verdade de Deus em Jesus, deve estar com ele, caso contrário, perde a verdade em si.

Mas o reino dos céus também é semelhante "a um comerciante que procura pérolas preciosas; depois de encontrar uma pérola de grande valor, ele vende todas as suas posses e as compra". O ato do comerciante, vagando e quase perdido, em sua busca pela pérola mais preciosa conhecida, faz alusão ao que Jesus faz para confirmar o conteúdo dessa parábola quando "saiu do barco, viu uma grande multidão, teve compaixão por". eles, porque eram como ovelhas sem pastor, e ele começou a ensinar-lhes muitas coisas".
(Mc 6:34).

Aquela multidão, como ovelhas sem pastor, procurando por ele, está sedenta por essa verdade que ninguém conseguiu preencher; sou, portanto, como o comerciante em busca da pérola de grande valor. Novamente, é uma semelhança que se refere a algo (aqui a pérola, primeiro o campo) que possui grande valor. A pérola, à semelhança do campo, representa Jesus: se você reconhecer nele a verdade que procura, então se comportará como descrito nesta parábola, isto é, venderá todos os seus bens para possuí-los.

Os argumentos dos apóstolos, no Novo Testamento, estão todos centrados no reconhecimento das verdades de Deus em Jesus, e esse objetivo é muito importante, pois se o homem não alcançar essa verdade, ele não poderá alcançar a salvação, o reino dos céus. Jesus é a resposta para essa sede de verdade e ele mesmo a declara quando responde à pergunta de Pilatos: "Você é o rei dos judeus? [...] Meu reino não é deste mundo [...]. Você diz isso: Sou rei. Por isso nasci e por isso vim ao mundo: testemunhar a verdade "(Jo 18,33-37). Se Jesus aceitou ser imolado, é porque ele queria que os homens pudessem entender a verdade e, consequentemente, obter a salvação.

Essa verdade mudará sua vida e, se você depositar toda a certeza nele, Jesus se tornará seu guia para a conquista da verdade e você será investido com infinita alegria, porque se ele é o único a guiá-lo, certamente estará em comunhão com Deus. Até os primeiros apóstolos , eles se comportaram como descrito na parábola e deixaram tudo: este é o fundamento de ser cristão. Infelizmente, os cristãos de hoje estão cercados pela hipocrisia de verdades hipotéticas; no entanto, ainda temos a oportunidade de descobrir a única verdade: imersos na confusão que nos cerca, eles nos encontram na condição de multidão/rebanho que não tem pastor; mas Mateus, devolvendo essa parábola à comunidade cristã, nos exorta a crer apenas em Jesus, para que a verdade possa ser recuperada nele.

Portanto, os cristãos são aqueles que reconhecem Jesus e Sua única verdade. Até os primeiros apóstolos sabiam disso bem, já logo após a morte e ressurreição do Mestre, estavam preocupados com a insinuação de outros evangelhos, em contraste com a verdade anunciada por Jesus, mas os apóstolos, especialmente Pedro e Paulo, em suas cartas endereçadas às primeiras comunidades cristãs, insistem no anúncio dado por Jesus e testemunham com sua própria vida.

O ensino deles também se aplica a nós hoje, que devemos aprender a não abandonar nossas certezas, nossas convicções, perseguindo falsas verdades; hoje, de fato, preferimos deixar que a verdade seja interpretada livremente e o critério dessa interpretação não é mais Jesus, mas é um bem: em virtude de Jesus ser descrito como bom e infinitamente misericordioso, tudo se torna lícito na crença de que em qualquer caso, qualquer queda, qualquer erro será justificado e perdoado sem qualquer consequência. Mas que tipo de anúncio é esse? Dessa maneira, para justificar certos comportamentos, espalhar e dar credibilidade aos pensamentos humanos, a verdade é prejudicada, mesmo se falarmos de Jesus.

Os apóstolos deram a vida para espalhar a verdade, a única verdade, sem hesitação: "No dia seguinte, seus líderes, anciãos e escribas, o sumo sacerdote Ana, Caifás, João, Alexandre e todos se reuniram em Jerusalém. eles pertenciam a famílias de sumos sacerdotes e os fizeram aparecer diante deles e perguntaram: "Com que poder ou em que nome você fez isso?" [...] "O que devemos fazer com esses homens? [...] Para não se espalhar mais entre as pessoas, proibimos-lhes ameaças de falar com alguém com esse nome novamente. "Eles os chamaram de volta e ordenaram que não falassem de maneira alguma ou que ensinassem em nome de Jesus. Mas Pedro e João respondeu: "Se está certo diante de Deus obedecer a você em vez de Deus, julgue-o. Não podemos ficar calados o que vimos e ouvimo".
(Atos 4,5-20).

Ainda hoje, essa deve ser a atitude daqueles que querem seguir Jesus, implementando Seus ensinamentos e crendo em Sua verdade: se reconhecermos Jesus como nosso guia, em nós não haverá mais pecado porque, reconhecendo-o e vivendo como Ele diz que estaremos em comunhão com Deus, conquistando a salvação e a vida eterna: "Eu sou a videira verdadeira e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que não produz frutos em mim, corta-o e todo ramo que produz frutos, poda para dar mais fruto. Você já é puro, por causa da palavra que lhe falei. Permaneça em mim e eu em você (Jo 15: 1-4); "busque primeiro o reino de Deus e faça sua vontade: todo o resto Deus te dará mais".
(Mt 6,33).

Pode interessar