Parábolas de Jesus

Parábolas

Parábolas do perdão

Nomes de parábola comum:
- O escravo sem piedade.
- Servo impiedoso.

Resumo

O escravo sem piedade

Do Evangelho de Mateus, capítulo 18, versículos 21-35

Naquele tempo, Pedro se aproximou de Jesus e disse a ele: "Senhor, quantas vezes eu terei que perdoar meu irmão se ele pecar contra mim? Até sete vezes?" E Jesus lhe respondeu: "Eu não lhe digo até as sete, mas até setenta vezes sete.
A este respeito, o reino dos céus é como um rei que queria entrar em acordo com seus servos. Os relatos começaram, um foi apresentado àquele que lhe devia dez mil talentos. No entanto, desde que ele não tinha dinheiro para pagar, o mestre ordenou que ele fosse vendido com sua esposa, filhos e o que ele possuía, e assim pagaria a dívida. Então aquele servo, caindo no chão, implorou: Senhor, tenha paciência comigo e eu lhe darei tudo de volta. O mestre deixou-o ir e perdoou sua dívida. Assim que ele saiu, aquele servo encontrou outro servo como ele que lhe devia cem denários e, agarrando-o, sufocou-o e disse: Pague o que você deve! Seu companheiro, caindo no chão, implorou, dizendo: "Seja paciente comigo e eu vou pagar a dívida." Mas ele não queria cumpri-lo, ele foi e o mandou para a prisão, até que pagou a dívida. Vendo o que aconteceu, os outros servos ficaram tristes e foram contar tudo ao seu mestre sobre o que aconteceu. Então o mestre chamou aquele homem e disse-lhe: Um servo malvado, eu te perdoei todas as suas dívidas porque você orou para mim. Você também não deveria ter pena do seu companheiro, assim como eu tinha pena de você? E desdenhosamente, o mestre entregou-o aos torturadores até que ele devolvesse todo o seu dinheiro. Assim também meu Pai celestial fará a cada um de vocês, se você não perdoar seu irmão do seu coração".

Exegese da parábola de Mateus

Anteriormente, Jesus havia falado da importância do perdão e da necessidade de saber acolher irmãos e irmãs, para ajudá-los a se reconciliar com a comunidade (Mt 18.15-20). Diante dessas palavras de Jesus, Pedro pergunta: "Quantas vezes devo perdoar o irmão que peca contra mim? Até sete vezes?" Os rabinos ensinaram que se deve perdoar três vezes (três é um símbolo de "santidade e amor" para com Deus, por isso toda oração no judaísmo é repetida três vezes) e Pedro, acreditando ser generoso, propõe perdoar sete vezes ( sete é o número que no judaísmo simboliza a conclusão no relacionamento com Deus, perfeição.

Jesus responde: "Eu não lhe digo até sete, mas até setenta vezes sete". A expressão "setenta vezes sete" é uma clara alusão às palavras de Lameque, que disse: "Eu matei um homem pelo meu arranhão e um menino pelo meu hematoma. Sete vezes Caim será vingado, mas Lameque setenta e sete" (Gn 4 23-24). Jesus quer reverter a espiral de violência que entrou no mundo devido à desobediência de Adão e Eva, à morte de Abel por Caim e à vingança de Lameque: quando a violência desenfreada invade a vida, tudo dá errado e a vida se torna desintegra-se.

O exemplo que ele usa para fazer as pessoas entenderem esse conceito é muito agudo: "Nesse sentido, o reino dos céus é como um rei que queria entrar em acordo com seus servos [...] Comece as contas, ele foi apresentado a alguém que ele lhe devia dez mil talentos ". No Oriente, até mesmo os governadores das províncias maiores eram chamados de servos do rei; Portanto, pode-se supor que esse devedor era um grande funcionário do Estado: ele poderia, por exemplo, ser um sátira que, por força do abuso de poder, conseguira fraudar o tesouro público de uma grande quantia; os dez mil talentos da época seriam, de fato, comparáveis a seis bilhões de euros hoje, mas a dívida desse servidor está aqui para representar a dívida com Deus, com a sua então e com a nossa hoje.

No entanto, desde que ele não tinha a grande quantia a ser reembolsada, o mestre ordenou que ele, sua esposa, filhos e tudo o que ele possuía fosse vendido, a fim de pagar sua dívida. As antigas leis do Oriente permitiam que o credor processasse ou escravizasse o devedor insolvente, para confiscar todas as substâncias, incluindo sua esposa e filhos. Mas aquele servo, assaltado pelo pânico e terror do temível futuro que estava à sua frente, caiu no chão e implorou: "Senhor, tenha paciência comigo e eu lhe darei tudo de volta. Pena que o servo, o mestre, o deixe ir e o perdoe a dívida"; Mateus, depois de relatar os ensinamentos de Jesus sobre como ajudar as irmãs e os irmãos pecadores a se reconciliarem com a Lei, agora relata como Jesus quer que eles sejam recebidos quando eles se mostrarem arrependidos pelo que cometeram.

Tão logo ele saiu de sua conversa com seu mestre, aquele servo, no entanto, encontra outro servo como ele que lhe devia cem denários, uma quantia muito menor do que sua dívida, igual a cerca de dez euros hoje; apesar disso, ele alega que devolveu todas as suas dívidas, não sente razão alguma, não tem piedade diante dos pedidos de seu devedor, vai denunciá-lo e o manda para a prisão, até pagar a dívida. Quando o mestre descobre o que aconteceu, ele não pode deixar de exclamar: "Um servo mau, eu te perdoei todas as suas dívidas porque você orou para mim.

Não tinha também piedade do seu companheiro, pois eu tinha piedade de você? "Com essa pergunta, ele enfatiza a desumanidade do servo e a justiça da sentença pronunciada contra seu devedor: em face de tanta dureza de coração, o mestre é forçado a seguir o raciocínio de seu servo, negar o perdão concedido a ele primeiro e dar aos torturadores, até que ele devolve tudo o que lhe é devido. "Assim também meu Pai celestial fará a cada um de vocês, se você não perdoar sincero ao seu irmão".

Com essa parábola, Jesus nos mostra que o que Ele exige não é demais: Deus perdoa aos homens os intermináveis insultos contra ele cometidos; ele, portanto, tem o direito de ordenar aos homens que perdoem os pequenos insultos de outros, perdoem "setenta vezes sete", isso é um número indefinido de vezes. A caridade cristã deve estar sempre pronta para perdoar insultos. Quantas vezes Deus tem concedido o seu perdão em você através de Sua misericórdia! Não seja ingrato, use-o para o seu irmão: se você deseja obter o perdão dos seus pecados de Deus, é necessário que você perdoe o seu próximo. De fato, o único limite para a gratuidade do perdão de Deus é nossa incapacidade de perdoar nosso irmão! (Mt 18,34; 6,15).

O comportamento de Deus é ditada pelo amor, o mesmo amor que temos visto expressa na parábola da ovelha perdida, mas também na parábola do filho pródigo: o pai, certamente ofendido filho riaccoglie que retorna arrependido e agora está preparando um grande festa para ele. Perdoar não é simples nem banal, a vingança é instintiva e muito mais imediata; mas perdoar é necessário, para não continuar alimentando o ódio, o ressentimento e outras injustiças inexoráveis, é um ato sincero de amor, daquele amor que pode derrotar o orgulho humano, que não sente razão, que não se curva à piedade, e que ele não permanece insensível aos pedidos de perdão de seu irmão.

O ato de perdoar aos irmãos e irmãs arrependidos é um passo precioso para podermos ser perdoados por Deus, por todas aquelas ofensas que, às vezes inconscientemente, lhe causam dia após dia e que no final de nossa vida terrena nos impedirá de sermos recebidos de volta em Seus braços paternos. Vamos colocar o orgulho de lado, ouvir a voz do coração, perdoar os justos e teremos a certeza de receber o perdão do Pai, por nossa vez!

Pode interessar