Parábolas de Jesus

Parábolas

Conduta Exemplar

Nome da Parábola:
- Os ricos e Lázaro
- Os ricos e os pobres

Resumo

O rico e Lázaro

Do Evangelho de Lucas, capítulo 16, versículos 19-31

Havia um homem rico que usava um manto de linho púrpura e muito fino, e ele fazia um grande banquete todos os dias. Um mendigo chamado Lázaro estava à sua porta, coberto de feridas, ansioso por se alimentar do que caía da mesa do homem rico; mas foram os cachorros que chegaram a lamber suas feridas. Um dia o pobre homem morreu e foi levado pelos anjos ao lado de Abraão. O homem rico também morreu e foi enterrado. Permanecendo no inferno com tormentos, ele olhou para cima e viu Abraão de longe, e Lázaro ao lado dele. Então, gritando, ele disse: Padre Abraão, tem piedade de mim e manda Lázaro molhar a ponta do dedo na água e banhar a minha língua, porque eu sofro terrivelmente nesta chama. Mas Abraão respondeu: Filho, lembre-se que na vida você recebeu suas posses, e Lázaro seus males; agora, enquanto ele está tão consolado, você está no meio de tormentos. Além disso, um grande abismo foi estabelecido entre nós e você: aqueles que querem vir até você daqui, não podem, nem ninguém, de lá, podem nos alcançar. E ele respondeu: "Então, pai, por favor envie Lázaro para a casa de meu pai, porque eu tenho cinco irmãos. "Coloque-os em guarda para que eles também não cheguem a este lugar de tormento. Mas Abraão. ele respondeu: Eles têm Moisés e os Profetas; ouça-os. E ele: Não, pai Abraão, mas se algum dos mortos for a eles, eles se arrependerão. Abraão respondeu: "Se eles não ouvirem a Moisés e aos Profetas, eles não serão convencidos, mesmo se alguém se levantar dos mortos".

Parábola Lucas exegese

Numa primeira leitura, a interpretação dessa parábola poderia nos desencaminhar, porque aqui falamos de riqueza e pobreza na medida em que os pobres são agradáveis a Deus e os ricos não são bem-vindos a Deus; e esta é geralmente a interpretação e explicação que é atribuída ao seu conteúdo. Mas faz parte de um discurso mais amplo, que alude ao contexto dos fariseus: ele nos apresenta um homem rico que usa roupas de linho muito finas e roxas e banquetes luxuosos são dados todos os dias, e um homem pobre (Lázaro) que está em casa. porta dos ricos, cobertos de feridas: quem eles representam? Para descobrir, devemos tentar entender o que Jesus vê nos fariseus, isto é, o perigo do comportamento insensato que não perde a oportunidade de denunciar: "Cuidado e cuidado com o fermento dos fariseus e dos saduceus! ... Então eles entenderam que não dissera que se guardasse do fermento do pão, mas da doutrina dos fariseus e dos saduceus".
(Mt 16.6-12).

Deste ponto de vista, os ricos são aqueles que acreditam que são perfeitos para com a lei; O próprio Lucas, além deste exemplo, também nos mostra a parábola do fariseu que vai diante do Senhor para proclamar sua riqueza, afirmando que ele não é como os outros "Dois homens subiram ao templo para orar: um era fariseu e outro publicano, [...] este último, diferente do outro, retornou ao seu lar justificado, porque quem se exaltar será humilhado, e quem se humilhar será exaltado".
(Lc 18.9-14)

Essa "riqueza", portanto, por semelhança, representa acreditar ser perfeito perante a lei e Deus, para receber a admiração dos outros: o homem rico da parábola mostra de fato um vestido de linho púrpura muito fino e dá banquetes luxuosos, deu a sua vida na admiração porque ele queria se destacar dos outros. Este é o pecado do qual Jesus acusa os fariseus: eles observam e fazem tudo de acordo com a Lei, mas o seu verdadeiro objetivo é a conquista da admiração. Lázaro, por outro lado, é o publicano que vive a cada dia, apenas no temor de Deus.

O significado da parábola que os vê como protagonistas se reflete no testemunho do profeta Jeremias: "Maldito é o homem que confia no homem, que coloca seu apoio na carne e cujo coração se afasta do Senhor". (Jer 17.5), isto é, que ele confia somente no que pertence à vida terrena. é evidente, neste caso, que não é mais o Senhor quem guia a conduta do homem, mas tudo o que pertence à carne, com o único propósito de ganhar a admiração de outros homens (certamente não de Deus). Mas tudo isso não acontece sem conseqüências, o que pode demorar um pouco para se manifestar, mas cedo ou tarde elas se tornam concretas; e eles não devem ser entendidos como um castigo divino, mas como o curso inevitável de tais escolhas erradas; De fato, Jeremias continua: "Ele será como um tamerisco nas estepes, quando vier o bem, ele não o verá; ele habitará em lugares áridos do deserto, numa terra salgada, onde ninguém pode viver".
(Jer 17.6)

A parábola, relatada pelo evangelista Lucas, reafirma precisamente este conceito: o que nos diz quando o homem rico se volta para Abraão? "Tende piedade de mim, manda Lázaro molhar a ponta do dedo na água e banhar a minha língua, porque eu sofro terrivelmente nesta chama". Enquanto Lázaro é um mendigo que pacientemente espera, o homem que vive em confiança no Senhor e coloca tudo de si nele. Esse homem é "como uma árvore plantada ao longo de correntes de água, que frutifica no devido tempo: suas folhas não murcham e tudo o que faz tem sucesso [...]. Pois o Senhor cuida do caminho dos justos, enquanto o caminho dos ímpios está em ruínas". (Sl 1: 3-6); "é como uma árvore plantada ao longo de um riacho, em direção à corrente que espalha suas raízes; não tem medo quando o calor chega, suas folhas permanecem verdes, no ano da seca não há dor, não pára de produzir frutos". (Jr 17: 8) Com esta parábola, Lucas está nos dizendo que Jesus é o cumprimento de todas as profecias.

Sendo este o caso, porque o homem rico vivia assim, e porque ele foi ouvido dizer, "se eles não escutam a Moisés e aos Profetas, eles nem sequer ouvirão se alguém ressuscitar dos mortos?" Aqui fica claro que a denúncia da dureza de coração dos fariseus, que conheciam as Escrituras, conheciam o testemunho deixado pelos Profetas, eram considerados os maiores especialistas e expositores precisos da Lei, mas comportavam-se de maneira completamente diferente. Por que essa dureza? Jeremias já havia predito: "Nada é mais traiçoeiro que o coração e dificilmente cura! [...] Eu, o Senhor, examino a mente e testo os corações, para dar a cada um de acordo com sua conduta, segundo o fruto de suas ações" (Jer 17: 9-10) Os fariseus tinham todas as oportunidades de se redimir, mas não queriam, porque o coração deles era indigno de confiança, longe de Deus, mesmo que na aparência pertencessem a Deus, daí a sua hipocrisia. na parábola de Lucas, enquanto o mendigo Lázaro tem um coração puro e merece desfrutar da visão de Deus, na verdade, é descrito como sendo no ventre de Abraão, o rico que tem um coração traiçoeiro e hipócrita, está no tormento. É físico porque agora o corpo está morto, mas é espiritual, portanto muito mais agudo e atemporal: nunca terminará, é para sempre, e a gravidade desse tormento é ainda mais enfatizada por Abraão, quando ele diz: "entre nós e você é um grande abismo foi estabelecido, aqueles que querem ir daqui você, nem ninguém, de lá, pode nos alcançar".

Quando nossa existência terrena terminar, entraremos no perfeito conhecimento de Deus, compreenderemos os mistérios de Deus e, à luz desse conhecimento, também compreenderemos plenamente a vida que levamos. Nesse preciso momento, perceberemos que não seremos capazes de alcançar a comunhão com Ele, se na vida terrena não tivermos cuidado para colocá-lo em primeiro lugar; só então teremos total consciência disso. No entanto, não será mais possível empreender qualquer caminho, o que só é possível quando estamos na dimensão terrena "Eles têm Moisés e os Profetas, ouvi-los". O que é perturbador é que quando isto é realizado, não haverá mais nada para fazer e será para sempre; a consciência de ter errado na conduta da vida será inútil, porque agora tudo estará terminado; com o encerramento do tempo, o remorso não pode ser transformado em arrependimento, e a dor de ter perdido o bem maior se transformará naquele tormento eterno semelhante ao fogo: um castigo verdadeiramente terrível, se é verdade que até a ponta de um dedo molhado é verdadeira na água, seria o suficiente para ter algum alívio!

Agora a mensagem básica é clara, e é isso que Jesus resumirá ao falar aos fariseus: "Assim anulou a palavra de Deus em nome da sua tradição. Hipócritas! Bem, Isaías profetizou de você, dizendo:" Este povo me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim" (Mt 15, 6-8), o que em poucas palavras significa que não me reconheceste. E os fariseus não reconhecerão Jesus mesmo depois da ressurreição, por isso sabemos da boca de Abraão" eles não serão persuadidos, mesmo que alguém se levante dos mortos".

A parábola do Evangelho de Lucas é muito severa, porque confronta a responsabilidade por seu próprio modo de vida: tudo depende da escolha que alguém faz, caminhando em direção a Deus ou em direção à condenação eterna. Então, será inútil acusar a Deus dessa condenação: é você quem se destinou a isso, escolhendo o caminho da perdição! E a situação de nossos dias é terrível, porque a humanidade está apenas seguindo na mesma direção que aquele homem rico, vestido de linho roxo e muito fino, descrito na parábola. A cultura de hoje nos empurra para a conquista de objetivos terrestres, para satisfazer todos os desejos pessoais e profissionais. O mais clássico da tentação do diabo é a insinuação sibilina de nos fazer acreditar que podemos nos tornar "como Deus", o que não significa aspirar a ser eterno, mas satisfazer todos os desejos com ganância, cotoveladas e colocando-nos acima de tudo "um deus na terra". Aqui, então, porque Jesus proclama: "Se alguém quiser vir atrás de mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz todos os dias e siga-me. Quem quer salvar a sua vida, perderá a sua vida por mim, ele a salvará".
(Lc 9: 23-24).

E novamente: "O que sai do homem é aquilo que torna o homem impuro. De dentro, na verdade, é do coração dos homens que saem as intenções do mal: impureza, roubo, assassinato, adultério, ganância, maldade, engano, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, loucura. Todas estas coisas ruins saem de dentro e tornam o homem impuro". (Mc 7,20-23) Se você for guiado pelo egoísmo, pelo carreirismo, pelo desejo de onipotência, aonde suas ações o levarão? Para você conhecer a Deus, você deve ter um coração puro, e isso depende apenas de você. Você decide para onde ir, que decisão tomar agora, o que terá repercussões no futuro. Lázaro é o modelo a seguir, isto é, o de um homem temeroso de Deus, que se entrega à sua divina justiça e misericórdia. Ó Senhor, examina a minha mente, prova o meu coração, faz-me compreender a bondade das minhas acções, para que o diabo nunca tenha poder sobre mim, não age na minha vontade, instilando desejos maus e enganadores, desviando-se da verdade, conduzindo-me inexoravelmente a aquele lugar de tormento eterno!

Pode interessar