Parábolas de Jesus

parabole

Parábolas Evangélicas

As parábolas são histórias em que Jesus presenta a Deus, os sentimentos de Deus, a vontade de Deus, usando eventos que acontecem todos os dias na vida cotidiana.

Resumo

Introdução à exegese

Antes de tratar as parábolas de Jesus, é necessário lembrar quem era Jesus.Um homem nazareno chamado Jesus, através da encarnação, entrou na história humana no duplo papel de verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Ele, guardião do conhecimento perfeito de Deus, não queria entregar esse conhecimento de maneira teórica, de modo que tudo era adquirido apenas em um nível mental, mas o Espírito de Deus nos comunicava.

Sua missão não era social para eliminar a pobreza, porque os pobres permaneciam. Ele não veio para eliminar as doenças porque, apesar das muitas curas, estas permaneceram. Ele não veio para nos libertar do Demônio porque, apesar de ter realizado muitas liberações, a Antiga Serpente permaneceu. O ministério messiânico de Jesus foi a proclamação do Reino de Deus.

Quando Jesus entrou no mundo, o povo de Israel era um rebanho sem pastor. Se é verdade que Moisés entregou os Dez Mandamentos obtidos de Deus no Monte Sinai para a classe Sacerdotal dos levitas, com o passar do tempo os escribas, fariseus e sacerdotes mudaram a lei de Deus, que era a lei do amor, para a lei humana. Eles, sob a influência de Satanás, obscureceram a face de Deus ao introduzir cerca de seiscentas regras e preceitos detalhando a vida dos fiéis. A religião transformou-se assim em uma organização humana relacionada à política, aos poderosos, aos seus próprios interesses.

Jesus veio para tirar este grande pecado satânico e restaurar a verdadeira face de Deus.Esta missão levou-o a uma morte atroz decretada e desejada por toda a classe religiosa, e decretada pela cabeça do Sinédrio Caifás. Isso mostra que não é suficiente estudar as Escrituras como os escribas - teólogos atuais - ou pertencer à casta Sacerdotal para conhecer a Jesus.Apesar de serem estudiosos da Bíblia e dedicados a ritos religiosos, eles cometeram um deicídio.

Jesus ensinou através de parábolas narrativas e estas foram as histórias que começaram a partir do que ele observou para comparar realidades eternas ao que era familiar, ele queria convidar os ouvintes a se colocarem no lugar dos personagens para fazê-los entender as realidades divinas e entrar no reino dos Deus, seu gênero literário universal e único, inventado por um mestre divino para expressar sua teologia e seu ensino.

Jesus, portanto, usou as Parábolas para fins pedagógicos e para revelar o Reino de Deus e dirigiu-se à multidão, mas muitos com o coração duro não entenderam, não puderam entender, rejeitaram, como também hoje acontece, sua sublime mensagem. Além disso, Deus pode revelar os segredos do Seu Reino somente para aqueles que têm fé e querem se tornar seus discípulos.

A distância histórica entre o texto original e o presente é evidente. De fato, lemos um texto antigo projetado e escrito para aquele momento cultural específico, para aquela situação social e religiosa. Se os escritos permaneceram quase os mesmos ao longo dos séculos, as interpretações mudaram.

Existem duas categorias de parábolas: narrativa e semelhanças. As parábolas podem ser interpretadas de maneira alegórica, um método adotado desde o início do cristianismo pelo patrístico e por todos os comentaristas mais experientes. Este método baseia-se na suposição de que dentro da parábola existem alegorias a serem interpretadas e um significado é dado a cada detalhe, para cada imagem.

No século passado, se outro método literário é adicionado. Este método para interpretar as Parábolas usa numerosas metodologias que podem ser resumidas em análises retóricas, estruturais e filológicas. Um método moderno adequado para estudar o contexto histórico original. Um método que usa um trabalho filológico para entender o significado das palavras, tanto as expressões romanas da Palestina, quanto as imagens já usadas no Antigo Testamento.

Finalmente, um método de abstração que não usa nem alegorias nem análise literária, mas a idéia preconcebida do comentarista, que adapta a parábola ao seu mundo moral e cultural e a interpreta como ele gosta, não para expressar o ensinamento de Jesus, mas o seu próprio.

Parábolas Indexadas

  1. Servo impiedoso
  2. Trabalhadores da vinha
  3. A ovelha perdida
  4. A moeda perdida
  5. O filho pródigo
  6. O Bom Samaritano
  7. O rico tolo
  8. Os ricos e Lázaro
  9. O fariseu e o publicano
  10. Construtores sábios e tolos
  11. A construção da torre
  12. O rei que vai para a guerra
  13. O administrador desonesto
  14. O escravo fiel e sábio
  15. As dez virgens
  16. O semeador
  17. Crianças no mercado
  18. Os dois devedores
  19. Os dois filhos
  20. O amigo à meia-noite
  21. Os dons do Pai
  22. O figo estéril
  23. O dever do escravo
  24. A viúva e o juiz
  25. Escravos esperando
  26. Talentos
  27. As minas
  28. O joio
  29. A rede
  30. O juízo final
  31. O Grande Banquete
  32. O banquete de casamento
  33. Os rendeiros maus
  34. A semente que cresce em segredo
  35. A semente de mostarda
  36. Levedura
  37. O tesouro no campo
  38. A pérola de grande valor
  39. A figueira
  40. A lâmpada embaixo do alqueire
Parábolas características do Evangelho de João

Índice temático parabólico

Evangelistas cristãos

Um convite especial

Se você sente em seu coração o convite de Jesus, ou apenas quer tentar orar a partir de sua casa, clique aqui e você vai encontrar um grupo maravilhoso de oração. Assim, você pode espiritualmente se juntar aos muitos irmãos e irmãs maravilhosos em todos os continentes, e sua vida vai mudar.

Se você deseja receber o livreto de oração preencha o formulário e você receberá a sua entrega, sem incorrer em despesas ou qualquer tipo de responsabilidade e oração. A informação apresentada é protegida por lei e considerados altamente confidenciais.

Pode interessar