Parábolas de Jesus

Parábolas

Parábola

Do julgamento final.

Nomes comuns de parábola:
- O joio
- A erva daninha no trigo.

Resumo

O joio

Outra parábola explicou-lhes desta maneira: "O reino dos céus pode ser comparado a um homem que semeou boa semente em seu campo. Mas enquanto todos estavam dormindo, seu inimigo veio, ele semeou joio entre o trigo e se foi. Então a colheita floresceu e ele deu fruto, e o joio também apareceu, e os servos foram ao dono da casa e disseram: "Mestre, você não plantou boa semente no seu campo? De onde vem o joio? E ele lhes respondeu: Um inimigo fez isso, e os servos disseram-lhe: "Você quer que a gente vá buscá-la? Não", respondeu ele, "para que não aconteça que, ao apreender o joio, você também arrancará o trigo com ele. Vamos crescer juntos", até a colheita e no momento da colheita, direi aos ceifeiros: Primeiro colha o joio e amarre-os em maços para queimá-los, enquanto o grão deve ser colocado no meu celeiro".

Então Jesus despediu a multidão e entrou na casa; seus discípulos se aproximaram dele para lhe dizer: Conte-nos a parábola do joio no campo. E ele respondeu: Quem semeia a boa semente é o Filho do homem. O campo é o mundo. A boa semente são os filhos do Reino. O joio são os filhos do Maligno e o inimigo que os semeou é o diabo. A colheita é o fim do mundo e os ceifeiros são os anjos. Como o joio é recolhido e queimado no fogo, assim será no fim do mundo. O Filho do homem enviará seus anjos, que reunirão do seu reino todos os escândalos e todos os que cometem iniqüidade e os jogarão na fornalha ardente, onde haverá choro e ranger de dentes. Então os justos brilharão como o sol no reino de seu Pai. Quem tem ouvidos, ouça!

Exegese parábola

O evangelista Mateus estrutura o capítulo 13 das parábolas e, destas, a parábola do joio, de uma maneira particular, é dividida em duas partes: a primeira consiste na exposição feita à multidão, a segunda na explicação da mesma reservada apenas aos doze discípulos. Mesmo na parábola do semeador, Jesus havia dado a seus discípulos a explicação. Mateus parece nos dizer que essas duas parábolas, do semeador e do joio, são fundamentais, a partir do momento em que Jesus faz uma pausa para dar explicações precisas aos seus discípulos.

Mas por que Jesus explica as parábolas aos discípulos e não diretamente a toda a multidão? Antes de tudo, são os discípulos que perguntam a Jesus: "Conte-nos a parábola do joio no campo"; esperaríamos, no entanto, que os discípulos, tão próximos de Jesus e de Sua vida cotidiana, fossem capazes de entender imediatamente o significado dos ensinamentos do Mestre e, em vez disso, inesperadamente, são eles que pedem explicações.

Como ninguém da multidão, durante a exibição da parábola, se apresenta para pedir a Jesus que se explique melhor, para exemplificar o que ele acabou de dizer? Por que Matteo nos fornece esse detalhe? Com o mesmo objetivo descrito no capítulo 10, quando, chamado para si mesmo os doze, Jesus lhes dá o poder de expulsar espíritos imundos, curar todo tipo de mal e enviar os doze para pregar que o Reino dos céus está próximo: realizar nesta missão, eles devem ter pleno conhecimento do Reino dos Céus, tanto que - sempre no capítulo 10 - encontramos outras disposições precisas de Jesus: não vão entre os pagãos, não entram nas cidades samaritanas, não recebem ouro nem prata.

Entendemos, portanto, o motivo pelo qual a explicação das parábolas era fundamental e indispensável para os apóstolos, para que, por sua vez, ensinassem ao povo. Mas Mateus especifica que os apóstolos não exortaram Jesus a dar uma explicação de todas as parábolas declaradas (da semente de mostarda, do fermento, do tesouro escondido, das redes lançadas ao mar etc.), mas dessas duas em particular é evidente que Matteo atribui a essas parábolas um significado muito importante, inerente à pregação. Quais são os elementos que Matteo deseja destacar? Os apóstolos devem anunciar o Evangelho de Jesus: em que devem insistir?

O anúncio do Reino deve basear-se na certeza da verdade, pois Jesus diz: quem semeia a boa semente é o Filho do homem, e continua: a boa semente são os filhos do Reino e, em vez disso, o joio são os filhos do maligno. Aqui também há uma expressão para dizer o menos surpreendente, quando ele afirma que a "boa semente" são os filhos do Reino: a boa semente é a verdade; portanto, a pregação deve ter um fundamento nessa verdade; mas a verdade de Deus pressupõe Seu conhecimento, por essa razão aqueles que semeiam podem ser apenas o Filho de Deus.

O campo é o mundo. Se a verdade é a semente, a semente pode crescer apenas se essa verdade for aceita; a semente pode se tornar uma "boa semente". O termo "boa semente" é usado com duas tonalidades de significado, ligeiramente diferentes, mas intimamente relacionadas: na primeira parte da parábola está o Filho do homem que semeia a boa semente; portanto, a "boa semente" é o anúncio de verdade; na segunda parte, a "boa semente" são os filhos do Reino, ou seja, aqueles que aceitaram a verdade pregada por Jesus. é evidente que quem aceita a Palavra de Jesus, consequentemente, se torna filho do Reino. Este Reino é o Reino de Deus, que na parábola é entendido como o Reino dos Céus: se você entrar neste Reino, também se tornará filho de Deus! E esta é a verdade que os apóstolos são chamados a anunciar!

A parábola fala então de ervas daninhas: mas o que é e, acima de tudo, quem a semeou? Ou melhor, quem representa o joio e quem é o semeador? Os apóstolos, em sua obra de evangelização e proclamação do Reino, além do anúncio da verdade, devem poder tornar conhecidos o perigo do diabo e não devem ter medo de suas ações diabólicas. Jesus é, portanto, orientado em sua explicação: o inimigo é o diabo e é ele quem semeia o joio. O joio representa a realidade do mundo que atrapalha a verdade, aqui representada na ação de atrapalhar o crescimento do grão, da "boa semente".

E a esse respeito, o mais curioso dessa parábola é quando os servos dizem ao mestre: "Mestre, você não plantou boas sementes em seu campo? Então, de onde vem o joio? [...] Então você quer que a gente vá buscá-la? Não, respondeu [o Mestre], para que não aconteça que, apreendendo o joio, você também arranca o trigo. Que um e outro cresçam juntos até a colheita e no momento da colheita direi aos ceifeiros: Pegue a erva primeiro e amarre-a em maços para queimá-la; ponha o grão no meu celeiro".
(Mt 13,26-30).

Esse detalhe é muito importante, porque os apóstolos devem proclamar o Evangelho de Deus, lidando com o joio, que tentará de todas as formas embaçar a Palavra de Jesus e sua proclamação. O próprio Jesus ensina que o joio não deve ser erradicado, mas deve crescer até a época da colheita, quando será o tempo da colheita do trigo: isso significa que a pregação não deve se tornar um conflito, pois a verdade não pode impor, mas deve ser continuamente afirmado e, quando for aceito e colocado em prática, será fácil distinguir as "ervas daninhas" do "trigo", que será o único a ser coletado e colocado no celeiro do Mestre, para ter a possibilidade de entrar e faça parte do Reino de Deus.

Pode interessar