Parábolas de Jesus

Parábola

Parábolas do reino

O fermento

Resumo

O fermento

Do Evangelho de Mateus Capítulo 13, Versículos 33

Ele contou a eles outra parábola: "O reino dos céus é semelhante ao fermento, que uma mulher toma e amassa com três medidas de farinha até que toda a massa suba".


Exegese de parábolas - Mateus

Por que Jesus insiste em exemplos e símiles no reino dos céus? Por que uma obstinação tão persistente? Porque, na realidade, quando ele fala do reino de Deus ou dos céus, Jesus fala de si mesmo, do significado e das conseqüências de Sua vinda ao mundo, das promessas e herança deixadas aos que decidem segui-lo no caminho do "Reino". Fermento, pérola e grão de mostarda são imagens com as quais o Reino dos Céus é identificado. O que eles têm em comum? Eles são todos pequenos, podem ser escondidos, podem crescer ou fazer crescer, enriquecer o que os rodeia.

Uma mulher pega e amassa o pão é feito com fermento natural, um fermento que tradicionalmente chama de "fermento", gerador, alimentador de fermento novo e pão novo: um pedaço da massa crua e fermentada dos dias anteriores aumentar toda a massa de farinha nova, à qual ela comunica seu sabor; por esse precioso poder produtivo, a "massa fermentada" era zelosamente preservada, transmitida de geração em geração e mantida viva com refrescos apropriados, que precisavam ser repetidos diariamente produzindo pão novo: "nos dê nosso pão diário hoje", nos regenere diariamente! O fermento é uma substância viva, uma pequena quantidade muda o "destino" de uma massa feita de água e farinha simples: a massa cresce, muda, incha e se torna um pão de verdade.

Na parábola, o pequeno pedaço de fermento é escondido e misturado em uma enorme quantidade de farinha. Três medidas de farinha, em grego "sata", representam cerca de trinta quilos! E três medidas de farinha também são a quantidade de farinha usada para Sarah, esposa de Abraão, para preparar o pão para oferecer aos três mensageiros do Senhor, quando eles vêm em uma visita repentina.
(Gn 18,6).

Três medidas de farinha, que serão mais de quarenta quilos de pão, sugerem a festa e o banquete final. Assim diz o profeta Isaías: "O Senhor dos exércitos preparará para todos os povos deste monte um banquete de comidas suculentas, um banquete de vinhos velhos, de alimentos cheios de substância, de vinhos velhos refinados".
(Isaías 25, 9)

O pão, milagrosamente fermentado, não promete o advento do Reino dos Céus em um futuro que não veremos, mas na vida cotidiana: é vital, presente ao nosso lado todos os dias na pessoa de Jesus, por isso Jesus encoraja os apóstolos a não temerem, enfrentar o mundo: mesmo que agora ainda sejam poucos, com Sua ajuda, a Palavra se espalhará até os confins da terra. Como o fermento faz a massa crescer, penetrando-a, espalhando e misturando-se com os outros ingredientes, da mesma forma que a Palavra, isto é, o Filho de Deus, se estenderá à Igreja e além, através do anúncio de Seus seguidores. No Antigo Testamento, o fermento também representa o pecado, que "fermentando" contamina os homens; aqui, na parábola do fermento relatada por Mateus, simboliza o anúncio do Evangelho; não é por acaso que o próprio Jesus convida seus discípulos a evitar o fermento dos fariseus e saduceus (Mt 16: 1), conceito reafirmado com significado semelhante também por São Paulo.
(1 Cor 5: 5-8).

O fermento nesta parábola descreve a força fermentadora que vem de fora da massa, que vem de cima, diretamente de Deus, para reiterar que a expansão do Reino é obra de Deus: o discípulo tem apenas a tarefa de aceitar isso "pão diário" e colabore no anúncio do Reino.

O fermento - Lucas

Do Evangelho de Lucas Capítulo 13, Versículos 20-21

E novamente: "Como será o reino de Deus? É semelhante ao fermento que uma mulher pegou e escondeu em três alqueires de farinha, até que esteja completamente fermentado".

Pode interessar