Parábolas de Jesus

Parábolas

Parábola

Do julgamento final.

Resumo

O julgamento final

Do Evangelho de Mateus Capítulo 25, Versículos 31-46

Quando o Filho do homem vier em sua majestade com todos os anjos, ele se sentará no trono de sua glória. E todas as nações estarão diante dele, mas ele as separará uma da outra, como o pastor separa as ovelhas dos bodes; e ele colocará as ovelhas à sua direita e as cabras à sua esquerda. Então o rei dirá aos que estão à sua direita: Vinde, abençoado por meu Pai, tome posse do reino preparado para você desde a criação do mundo. Porque eu estava com fome e você me deu comida, eu estava com sede e você me deu para beber; Eu era um peregrino e você me acolheu, nu e você me vestiu, doente e você me visitou, eu estava na prisão e você veio me ver. Então os justos lhe responderão: Senhor, quando é que o vimos com fome e o alimentamos, ou com sede e lhe demos uma bebida? Quando te vimos como um peregrino e o recebemos, ou nus e o vestimos? E quando te vimos doente ou na prisão e viemos visitá-lo? E o rei lhes responderá: Em verdade vos digo que, toda vez que você fez isso com um dos menos meus irmãos, você fez isso comigo. Então ele também dirá àqueles à sua esquerda: Vá para longe de mim, amaldiçoado, no fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos. Porque eu estava com fome e você não me deu comida; Eu estava com sede e você não me deu para beber; Eu era um peregrino e você não me recebeu bem, nua e você não me vestiu, doente e na prisão e você não me visitou. Eles também responderão: Senhor, quando é que o vimos com fome ou sede, ou um peregrino ou nu ou doente ou na prisão e não o ajudamos? Mas ele lhes responderá: "Em verdade, eu digo a você, toda vez que você não fez isso com um desses pequeninos, você não fez isso comigo. E eles irão para a eterna tortura eterna, os justos, para a vida eterna.

Mateus parábola exegese

Este capítulo 25 é composto por duas parábolas que têm o tema "assistir"; a parábola agora apresentada, que conclui o capítulo, trata do que acontecerá quando o Filho do homem voltar, aqui representado como o rei que divide as ovelhas das cabras. Portanto, Jesus virá para dividir os "abençoados" dos "amaldiçoados", mas em que sentido? Uma certa correspondência pode ser encontrada no Evangelho de Lucas, quando Jesus diz: "Você acredita que eu vim trazer paz à terra? Não, eu lhe digo, mas a divisão" (Lc 12:51). Jesus nos oferece a única verdade sobre a qual o homem pode decidir livremente: aceitar ou não o chamado de Deus, e dessa escolha seu destino final surgirá. Na parábola relatada por Mateus, Jesus, portanto, se revela como o futuro juiz da humanidade, para quem o único critério de avaliação será a Verdade absoluta, que se você reconhecer e acolher, estará do lado de Deus, mas se não o reconhecer, estará em desespero e do lado do diabo.

E qual é então esse "critério da verdade absoluta" com o qual o rei divide as ovelhas das cabras, isto é, avalia seu rebanho? O próprio Jesus revela: "Porque eu estava com fome e você me deu para comer, eu estava com sede e você me deu para beber; eu era um peregrino e você me acolheu, nu e você me vestiu, doente e você me visitou, eu estava na prisão e você veio me ver ". E a partir daqui a explicação: "toda vez que você fez isso com um dos menores desses meus irmãos, você fez comigo". A verdade é a proclamação do Evangelho, proclamada inicialmente por Jesus, mas depois levada adiante por aqueles que aderem ao Seu discipulado, que por sua vez desejam transmiti-lo para a salvação das gerações futuras: são aqueles que, desta maneira, alimentam, beber, vestir-se, cuidar e visitar o caçula de seus irmãos.

Mas quem são esses irmãos? Sempre Jesus, em outra passagem do Evangelho de Marcos, se vê cercado por uma multidão sentada ao seu redor quando lhe dizem: "" Eis que sua mãe e seus irmãos estão procurando por você do lado de fora ". Ele responde:" Quem é minha mãe? " e quem são meus irmãos? ". Então, olhando em volta daqueles que estavam ao seu redor, ele diz:" Aqui estão minha mãe e meus irmãos! Porque quem faz a vontade de Deus é meu irmão, minha irmã e minha mãe "" (Mc 3,32-35). Nesses termos, Jesus se dirige a seus discípulos e à multidão que o ouve, que ficou com ele porque o reconheceram como o Messias, acreditavam nele, estavam aprendendo a viver de acordo com Seus ensinamentos e, portanto, eram aqueles que eles expressaram seu sim à vontade de Deus.

Aqui é revelado quem são os "pequeninos" que ainda precisam crescer na fé, aqueles a quem devemos alimentar, beber, ajudar a aproximá-los da vontade de Deus e crescer na verdade absoluta proclamada pelo Filho ", porque quem faz isso para um dos meus irmãos mais novos fez isso comigo ". E seus irmãos, reitera Jesus, são aqueles que fazem a vontade do Pai, portanto aqueles que estão perto dele depois de entenderem que Ele é a única manifestação de Deus. E, em um significado ainda mais extenso e profundo, "pequeno" é e será tanto os que proclamarão o Evangelho após sua morte e ressurreição, como os que crerão mesmo sem terem visto e conhecido o Messias diretamente: é assim que deve ser a união dos crentes, ou seja, a comunidade, a família, os irmãos-irmãs-mães do Filho de Deus.

E a partir dos Atos dos Apóstolos deduz-se que a primeira comunidade cristã se baseou realmente nos ensinamentos do Evangelho, no compartilhamento e na ajuda mútua: "Todos os crentes estavam juntos e tinham tudo em comum. Eles venderam seus bens e distribuíram o preço entre eles. tudo de acordo com a necessidade de cada um "(Atos 2:45). A partir disso, agora fica mais claro que os bodes da parábola são aqueles que não reconhecem Jesus e, portanto, não pertencem à comunidade e não podem fazer a vontade de Seu Pai.

Agora, compartilhar surge de um ato de fé, de acreditar que Jesus está sempre presente através da proclamação do Evangelho, sem vê-lo: "Então ele disse a Tomé:" Coloque seu dedo aqui e olhe para minhas mãos; estique sua mão e coloque-a ao meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente. "Thomas respondeu:" Meu Senhor e meu Deus ". Jesus disse-lhe:" Porque você me viu, você acreditou; Bem-aventurados os que crêem sem ter visto "" (Jo 20, 27-29). Aqui começa a história da comunidade cristã que nasce, permanece e vive na proclamação do Evangelho, e o modelo deve ser o proposto por Jesus, isto é, o compartilhamento, que deve ser fundamentado na fidelidade ao evangelho que nos faz andar em esperança. E quando vier em Sua glória, examinará de que lado decidimos ficar.

Mateus, com esta parábola, pretende manter a comunidade futura acordada e ativa na responsabilidade de ser o corpo de Cristo, com o objetivo de tornar Jesus vivo e presente em todos os momentos, através de Sua palavra e Seus ensinamentos. A parábola é, portanto, também endereçada a nós hoje, para encorajar-nos a fortalecer nossa vontade de fazer parte daqueles que crêem infinitamente: só então seremos irmãos de Jesus, porque viveremos verdadeiramente Sua palavra concretamente. Por isso, pedimos a ele, direta e insistentemente, que fortaleça esse desejo e esse desejo de aderir cada vez mais à Sua Palavra.

Pode interessar