Parábolas de Jesus

Parábolas

Parábolas da vida

As minas

Resumo

As minas

Do Evangelho de Lucas Capítulo 19, Versos 12.27

Naquela época, Jesus contou uma parábola porque estava perto de Jerusalém e os discípulos acreditavam que o reino de Deus deveria aparecer a qualquer momento.
Ele então disse: "Um homem de linhagem nobre partiu para um país distante para receber um título real e depois retornar. Chamou dez servos e entregou-lhes dez minas, dizendo: Empregue-os até eu voltar. Mas seus cidadãos o odiaram e o mandaram de volta uma embaixada para dizer: "Não queremos que ele venha reinar sobre nós. Quando ele voltou, depois de obter o título de rei, chamou os servos a quem ele dera o dinheiro, para ver quanto cada um ganhara".

O primeiro se apresentou e disse: Senhor, a sua mina produziu mais dez minas. Ele lhe disse: Bem, bom servo; desde que você se mostrou fiel em pouco, você recebe poder sobre dez cidades. Então chegou o segundo e disse: "Sua mina, senhor, rendeu mais cinco minas". Para isso, ele disse: "Você também será o líder de cinco cidades".
Então o outro veio também e disse: Senhor, aqui está a minha, que eu guardei em um lenço; Eu tinha medo de você ser um homem severo e você pegar o que não guardou, colher o que não plantou.
Ele respondeu: "Com suas próprias palavras, eu o julgo, servo mau!" Você sabia que sou um homem severo, que pego o que não pus em depósito e colho o que não semeei: por que não entregou meu dinheiro a um banco? No meu retorno, eu o teria recolhido com interesse.

Então ele disse aos presentes: Pegue a mina dele e dê para quem tem dez. Disseram-lhe: Senhor, ele já tem dez minas! Eu lhe digo: a quem ele será dado; mas para aqueles que não têm o que têm também serão levados embora. E aqueles meus inimigos que não queriam que eu me tornasse rei deles, os lideram aqui e os matam na minha frente. ”Tendo dito essas coisas, Jesus passou à frente dos outros, subindo para Jerusalém.

Exegese parábola

A breve parábola das minas relatada por Lucas é semelhante à dos talentos de Mateus, embora difira em alguns aspectos. O protagonista de Luca é um nobre que, tendo que deixar seu país de origem para "receber um título real e depois voltar", chama dez servos e lhes dá dez minas para dar frutos em sua ausência. Na Grécia antiga, a "mina", além de ser uma medida pesada, também se tornara uma moeda de conta: uma mina de prata correspondia a 100 dramas e 60 minas correspondiam a um talento. O valor variou de acordo com o local e o horário, mas 60 minas de prata corresponderam ao salário reconhecido por quase 17 anos de trabalho de um trabalhador (uma mina era, portanto, o salário de mais de 3 meses).

Diferentemente de Matteo, Luca ressalta que o protagonista está prestes a ir para um país "distante", sugerindo que - por esse motivo - ele não poderá voltar muito em breve: a parábola, como Lucas sublinha, foi narrada por Jesus "porque estava perto de Jerusalém e os discípulos acreditavam que o reino de Deus deveria se manifestar a qualquer momento "; com esse "longe", queremos aludir que o retorno do "homem nobre" não teria sido imediato, mas somente após sua investidura real: aludimos aqui à ascensão e ao retorno de Jesus no fim dos tempos. Seus cidadãos, no entanto, o odiavam e, por meio de embaixadores, informaram que eles não o queriam como rei, pois quando Arquelau foi a Roma para obter a sucessão de seu pai Herodes, o Grande, os judeus enviaram embaixadores para que Augusto, depôs-o como rei; mas Arquelau foi confirmado novamente no reino, embora apenas como etnarca, e fez vingança feroz de seus inimigos.

Quando o nobre da parábola voltou, depois de obter o título de rei, convocou os servos a quem ele dera o dinheiro, para ver quanto cada um deles havia ganho. Os soberanos do Oriente costumavam compensar seus servos colocando-os à frente da cidade ou das províncias com base em sua lealdade: aos servos que haviam feito a mina dar frutos em outras dez e cinco minas, o prêmio era proporcional ao lucro obtido e se tornavam líderes, respectivamente de dez e cinco cidades; para o servo que se apresentava apenas com o capital entregue e justificava sua própria indolência acusando o mestre de ser severo e insaciável, a mina que lhe foi confiada antes da partida também foi removida: ele não havia investido o dinheiro recebido para não se expor ao perigo de perdê-lo, nem ele considerou oportuno entregá-lo ao banco para amadurecer seus interesses; portanto, o rei o condenou; de fato, o servo sabia bem qual era a intenção pela qual ele fora entregue (para fazê-lo dar frutos, e não mantê-lo) e, portanto, sabia o modo de agir de seu mestre (severo e insaciável), retendo a mina e escondendo-a em um lenço. para fazê-lo dar frutos, ele agiu com plena consciência, ao contrário do que lhe haviam dito: "Com suas próprias palavras, eu o julgo, servo mau! [...]

Tire a mina e dê a quem tem dez. "O homem rico, de fato, adquire facilmente nova riqueza, enquanto o pobre com a mesma facilidade, temendo perder até o pouco que tem, não a compromete ou a desvaloriza. Quem usa bem das graças de Deus merece novos incrementos de graça, enquanto aqueles que as abusam merecem ser privados também dos dons que já receberam. "E aqueles meus inimigos que não queriam que eu me tornasse rei deles, os lideram aqui e os matam diante de mim": o castigo reservado aos súditos rebeldes é terrível, isto é para aqueles que o "odiavam" porque, provavelmente, o consideravam - como o último servo da mina preservada - "um homem severo, que pega o que não guardou e colhe o que não semeei". Eles são condenados à morte por terem tomado o lado errado, da mesma maneira que o "servo perverso": aquilo que é severidade e injustiça aos olhos deles, é justiça aos olhos de Deus! A conduta e os pensamentos do homem não serão julgados de acordo com as leis que foram dadas ou a interpretação que foi feita deles para seu próprio uso e consumo, mas de acordo com a Lei e a Palavra do Bem Maior e da Justiça Perfeita.

O homem nobre da parábola representa Jesus Cristo, que subiu ao céu para receber o reino conquistado com sua paixão e morte com investida solene e real. Ele retornará oportunamente ao julgamento universal. Os dez servos são os fiéis; a mina representa as várias graças dadas a cada um para fazer sua própria santificação. Os cidadãos, que não querem que Jesus seja rei, são os judeus e todos os iníquos que julgam sua ação "errada", com base na falsa interpretação que eles mesmos se deram da Lei: no retorno de Jesus, Jesus dará a recompensa ao bem merecido e fará com que os rebeldes suportem o peso de sua "justa" condenação.

Mas o julgamento de Jesus sobre os ímpios começou a fazer-se sentir sobre os judeus já naquele tempo com a destruição de Jerusalém, testemunho concreto do fim reservado àqueles que se apresentarão ao julgamento extremo com a bagagem de suas iniqüidades, por não terem posto em prática o que foi pedido e não ter tornado os bens recebidos frutíferos.

Pode interessar