Parábolas de Jesus

Parábolas

Parábolas alegóricas

Nomes comuns da parábola:
- Os inquilinos maus
- Vintners assassinos.
- Assassinar camponeses.

Resumo

Os inquilinos maus - Mateus

Do Evangelho de Mateus Capítulo 21, Versículos 33-45

Ouça outra parábola: havia um homem que possuía terras e plantou uma vinha ali. Ele o cercou com uma cerca viva, cavou um buraco para a imprensa e construiu uma torre. Ele o alugou para os camponeses e foi embora. Quando chegou a hora de colher as recompensas, enviei seus servos aos fazendeiros para colher a colheita. Mas os camponeses pegaram os criados e um espancou, o outro o matou, o outro o apedrejou. Novamente, ele enviou outros servos, mais numerosos que o primeiro, mas eles os trataram da mesma maneira. Finalmente, ele enviou o filho para eles dizendo: Eles terão respeito pelo meu filho! Mas os camponeses, vendo o filho, disseram um ao outro: Ele é o herdeiro. Vamos lá, vamos matá-lo e teremos sua herança! Eles o pegaram, o expulsaram da vinha e o mataram. Então: quando o dono da vinha chegar, o que ele fará com esses agricultores? Eles disseram-lhe: "Os iníquos os farão morrer miseravelmente e arrendarão a vinha a outros camponeses, que entregarão os frutos no devido tempo". E Jesus lhes disse: "Você nunca leu nas Escrituras: "A pedra que os construtores eles descartaram que se tornou a pedra angular; pelo Senhor, isso foi feito e é uma maravilha aos nossos olhos. Por isso eu digo a você: o reino de Deus será tirado de você e entregue a um povo que produzirá seus frutos. Quem cair nesta pedra será esmagado; e se cair sobre alguém, esmagará. Ao ouvir essas parábolas, os principais sacerdotes e os fariseus entenderam que ele falava deles. Eles tentaram pegá-lo, mas tinham medo da multidão porque ele o considerava um profeta.

Exegese de parábola Mateus

A parábola, dirigida aos principais sacerdotes, fariseus e escribas, deve ser entendida em seu contexto. O povo de Israel é representado pela vinha, que Jesus diz ser confiada aos camponeses: esses "operadores" tinham que manter desperta no povo o conhecimento do dono da vinha, isto é, daquele que a fazia, mas a tomou. Então, quem são esses operadores injustos? Eles são os fariseus, os escribas, os sumos sacerdotes e todos aqueles que a todo momento obscurecem o mandamento de Deus com suas próprias interpretações. Mas porque é que Deus, o mestre da vinha, ordenou tão importante? Em seu significado literal, "mandamento" é uma prescrição específica, uma ordem que deve ser observada, para não sofrer suas conseqüências e punições.

O mandamento no campo religioso pretende ser um mandamento que vem diretamente de Deus; no entanto, em seu sentido mais profundo, é uma manifestação do pensamento de Deus; portanto, é uma revelação do Pai para com suas criaturas, um ato de amor, um "mandamento" dado para a salvação dos filhos. No Antigo Testamento, no final do Êxodo e em Deuteronômio, os ensinamentos messiânicos são relatados, ou seja, a verdadeira interpretação da Lei que Deus deu a Moisés, para que pudesse ser aceita pelo Povo para a salvação do próprio Povo. A obediência aos mandamentos não é, portanto, comparável à observância de uma lei humana: a obediência aos mandamentos divinos deve se alegrar, porque neles Deus ofereceu o caminho para alcançar a meta da salvação e da felicidade.

Jesus, com esta parábola, quer destacar que já em sua época o Mandamento de Deus havia sido desviado, afastado da verdade. Dirigindo-se aos fariseus, escribas e sumos sacerdotes, ele lembra qual deveria ter sido sua missão como "operadores" na vinha do Pai: eles tinham que ensinar a pureza do mandamento, que ele prepararia para a revelação final; em vez disso, ensinaram às pessoas o que era lícito e consistente com sua vida cotidiana, e inclinaram o mandamento de Deus à sua interpretação livre e finalizada. Eles eram como os camponeses que se tornaram donos da vinha. E Jesus se volta para eles com indignação, acusando sua injustiça e hipocrisia, com expressões severas e diretas: "cobras, raça de víboras!" (Mt 23,33); "Ai de vocês, escribas e fariseus hipócritas!" (Mt 23,13); "Ai de você, guias cegos". (Mt 23,16).

E novamente "Você preenche a medida de seus pais!", Exclama Jesus depois de acusar ainda mais os escribas e fariseus de serem cúmplices do assassinato dos profetas". (Mt 23,29-32): "vocês são como túmulos caiados de branco, que elas parecem bonitas por fora, mas por dentro estão cheias de ossos dos mortos e de todo o lixo". (Mt 23,27). Mas Deus nunca deixa de enviar seus servos para manter Sua vinha fértil e em ordem, isto é, para libertar seu povo a partir do escurecimento da verdade.Em textos proféticos, quando o servo de Deus fala, ele precede sua palavra com "Oráculo do Senhor", para sublinhar a fonte de suas palavras. Elias também, quando trabalhou para restaurar a pureza para a verdade de Deus, mesmo que ele tivesse que fugir, porque uma perseguição contra ele havia começado.

E outros profetas não tiveram destino diferente; Jeremias, por exemplo, não teve melhor sorte: "queremos andar seguindo nossos pensamentos, queremos agir cada um seguindo a obstinação de nosso coração maligno ... ... Vamos, tramaremos armadilhas contra Jeremias! Porque a lei não falhará. falta de sacerdotes, nem conselho por falta de sábios, nem discurso por falta de profetas. Vamos, vamos grudá-lo com a língua e não escutar nenhuma de suas palavras". (Gr. 18,12-18).

Na parábola relatada por Mateus, entende-se como séculos depois os fariseus se comportaram exatamente da mesma maneira: "Ao ouvir essas parábolas, os principais sacerdotes e fariseus entenderam que ele falava deles. Eles tentaram pegá-lo", com a intenção de matá-lo. Nesse sentido, a parábola traça toda a história do povo de Israel, apresentando os vários servos enviados por Deus que foram espancados de vez em quando, caçados, frequentemente torturados até a morte, até o momento em que o dono da vinha decide enviar seu Filho, esperando que eles tenham respeito pelo menos por ele: "finalmente ele enviou seu próprio filho para eles", finalmente, ou seja, depois Dele, não haverá mais revelação, é o último ato com que Deus dá ao mundo Palavra dele. Mas, à vista do herdeiro, os camponeses têm apenas um pensamento: matá-lo! É o cumprimento da maldade do homem, que não tem limites e chega a matar Deus, e é sobre isso que Mateus quer nos avisar, porque o que já aconteceu pode ser repetido na igreja de hoje: agora e sempre haverá agricultores que querem dominar a vinha.

O livro do Apocalipse antecipa esse momento, onde a revelação é dificultada em sua proclamação: começa com a descrição do conteúdo das sete letras destinadas às sete igrejas e nos adverte contra os anticristos, ou seja, aqueles que querem se apropriar da vinha, daqueles que afirmam levar o povo ao conhecimento de Deus, como novos "sacerdotes", "fariseus" e "escribas". O que é surpreendente, mesmo na história do Apocalipse, é que os anticristos são aqueles que devem liderar a igreja com verdade. Hoje, como então, muitos falam de um Deus que não é o Deus revelado por Jesus, mas é um Deus adaptado aos seus pensamentos humanos, conhecimentos e filosofia. Na carta à igreja de Laodicéia, "assim Amém, a Testemunha digna de fé e verdade, fala o princípio da criação de Deus: conheço suas obras, sei que você não é nem frio nem quente. Oh, eu estava pelo menos frio ou quente! Mas, como você é morno, nem frio nem calor, estou prestes a vomitar da minha boca". (Ap 3,15-16).

Essa igreja é liderada por aqueles que a tornam morna, indiferente ao mandamento de Deus e, portanto, condenada a ser rejeitada, vomitada pela boca de Deus. É por isso que Mateus relata essa parábola deixando-a como uma herança para a comunidade cristã: ele nos adverte, nos exorta a discernimento, para que Deus nos conceda a luz para entender a verdadeira palavra, e caminhar naquele caminho que nos dá a revelação de Jesus Cristo!

Os inquilinos do mal - MarcoS

Do Evangelho de Marcos Capítulo 12, Versículos 1-12

Jesus começou a falar com eles em parábolas: "Um homem plantou uma vinha, colocou uma cerca viva em volta dela, cavou uma prensa, construiu uma torre, depois a alugou para alguns produtores de vinho e foi embora. Na época, ele enviou um servo para colher os frutos da vinha daqueles produtores de vinho. Mas eles o agarraram, espancaram e o enviaram de mãos vazias. Ele enviou outro servo novamente: eles também bateram na cabeça dele e o cobriram de insultos e isso o matou, e de muitos outros a quem ele ainda enviou, alguns os espancaram, outros os mataram. Ele ainda tinha um, o filho amado: ele os enviou por último, dizendo: Eles terão respeito por meu filho!

Mas aqueles viticultores disseram um ao outro: Este é o herdeiro; vamos lá, vamos matá-lo e a herança será nossa. E, agarrando-o, mataram-no e o jogaram para fora da vinha. Então, o que o dono da vinha fará? Esses viticultores virão, exterminarão e darão a vinha a outros. Talvez você não tenha lido esta Escritura: A pedra que os construtores descartaram se tornou a cabeça do canto; Isso foi feito pelo Senhor e é admirável aos nossos olhos".

Então eles tentaram pegá-lo, mas tinham medo da multidão; eles entenderam que ele havia dito essa parábola contra eles. E, deixando-o, eles foram embora.

Os inquilinos do mal - Lucas

Do Evangelho de Lucas Capítulo 20, Versículos 9-19

Então ele começou a contar ao povo essa parábola: "Um homem plantou uma vinha, confiou-a aos agricultores e foi embora por um longo tempo. Com o tempo, ele enviou um servo a esses agricultores para lhe dar parte da colheita da vinha. Mas os cultivadores o espancaram e o mandaram de volta de mãos vazias.Ele enviou outro servo, mas eles também o espancaram, o insultaram e o enviaram de mãos vazias.Ele enviou outro terço, mas isso também o feriu e o afugentou. O dono da vinha: O que devo fazer? Mandarei meu único filho; talvez eles o respeitem. Quando o viram, os agricultores discutiram entre si dizendo: "Este é o herdeiro. Vamos matá-lo e assim a herança será nossa. E eles o caçaram". e eles o mataram. O que então o dono da vinha fará a eles? Ele virá e matará esses agricultores, e confiará a vinha a outros. "Mas quando ouviram isso, exclamaram: "Nunca seja!".

Então ele se virou para eles e disse: "O que está escrito então: a pedra que os construtores descartaram se tornou uma cabeça de esquina? Quem cair nessa pedra se romperá e quem cair nela a esmagará".

Os escribas e os principais sacerdotes tentaram colocar as mãos nele, mas tinham medo do povo. Eles entenderam que a parábola havia dito isso para eles.

Pode interessar