Parábolas de Jesus

Parábolas

Parábolas do amor

A moeda perdida

Resumo

A moeda perdida

Do Evangelho de Lucas, capítulo 15, versículos 8-10

Qual mulher, se ela tem dez moedas e perde um, não acende a lâmpada, varre a casa e procura com cuidado até encontrá-la? E depois de encontrá-la, ela chama seus amigos e vizinhos, dizendo: Alegra-te comigo, porque eu encontrei o moeda que eu tinha perdido. Por isso vos digo que há alegria diante dos anjos de Deus por um único pecador convertido".

Parábola Lucas exegese

O Evangelho segundo Lucas coloca essa parábola entre a da ovelha perdida e a do filho pródigo; todos os três estão inseridos no contexto do confronto entre Jesus de um lado e os fariseus e doutores da lei do outro, que murmuravam porque acolhia pecadores e comia com eles, isto é, não os afastava e não os marginalizava como fariseus e doutores. Eles fizeram e impuseram para fazer, mas compartilharam com eles até mesmo os momentos mais conviviais como refeições; em uma única palavra ele permitiu que eles, que mais de uma vez elogiaram comportamentos moralmente mais corretos do que os dos mesmos mestres do templo, o ouvissem e fossem "readmitidos" à comunidade.

Jesus está falando sobre si mesmo e sua missão para as pessoas que na comunidade judaica foram mantidas a uma distância segura porque foram consideradas distantes da lei (cobradores de impostos, pecadores, prostitutas, etc.). Essas pessoas, portanto, nunca tiveram a oportunidade de se confrontar com um "rabino" sobre assuntos religiosos; Jesus, por outro lado, não está apenas disponível para comparação, mas compartilha sua mesa com eles.

Os orgulhosos fariseus não conseguiam entender como Jesus podia se mostrar tão cheio de benevolência para com eles. O ensinamento que Jesus quer expressar com esta parábola é dirigido diretamente a eles e à sua experiência pessoal, demonstrando a falta de fundamento de seus murmúrios. A parábola do moeda perdido é concebida com o mesmo propósito do anterior, ou seja, demonstrar a alegria que vem da união do animal (ovelha), do objeto (moeda) ou da pessoa (filho pródigo) que se separou - mais ou menos voluntariamente - do todo, da comunidade, do todo ao qual deve permanecer amarrado, de modo que tem um significado através de seu sentido de pertencer àquele todo.

Para a mulher da parábola, os dez filhos representam um todo precioso, eles são o tesouro dela: perder até um deles foi, portanto, um grande mal para ela, e isso explica por que ela está tão ocupada em encontrá-la. E como você acha isso, para trazê-lo de volta para o todo ao qual ele pertence? Ele acende a lâmpada e varre a casa, isto é, traz a luz de volta para onde antes havia "escuridão" e varre, limpa, afasta a "sujeira" de sua casa: ele já parece ver Jesus em ação quando "entrou no templo, Ele começou a caçar aqueles que faziam negócios, dizendo-lhes "Minha casa será uma casa de oração. Você, por outro lado, fez disso uma caverna de ladrões!"
[Lc 19,45-46].

Os fariseus e os escribas se sentiram ofendidos, porque Jesus lhes pedira que pensassem como um pastor, na parábola que precedeu a este, e os convidou agora a se imaginarem como uma mulher, um insulto ainda maior: os pastores eram considerados impuros e mulheres dignas de pouca consideração e menos ainda de respeito. Um moeda ou dracma era uma moeda de prata grega equivalente a um denário, a moeda romana correspondendo a um dia de pagamento diário para um trabalhador não qualificado.

Esta mulher se põe a trabalhar para "trazê-la de volta à luz" e não pára até que ela perceba esse objetivo reunindo-a com os outros nove, porque ela é preciosa, ela tem um enorme valor para ela que tem apenas dez moedas. É por isso que, quando ele a encontra e se junta aos outros, ele também chama seus amigos e vizinhos para entrar em sua casa, para se alegrar em seu tesouro que agora está completo novamente: "Assim, eu digo a vocês, há alegria diante dos anjos de Deus, para um único pecador que se arrepende".

A grande alegria conclui essa parábola, assim como a parábola das ovelhas perdidas e achadas concluiu com ela; e Jesus vai além, comparando essa alegria com a que ocorre no céu quando uma alma perdida é salva. A parábola é ainda mais surpreendente e escandalosa para os fariseus e doutores da lei, porque além disso apresenta uma mulher como uma metáfora para a obra salvadora de Deus, algo que não acontece em nenhuma outra parábola.

Como poderiam os fariseus e os escribas entender a alegria de uma mulher humilde de uma aldeia insignificante, julgada pela descoberta de algo de pouca importância para eles? Como eles poderiam imaginar a alegria de Deus no céu pela salvação eterna de um pecador? É por isso que a ênfase da parábola recai sobre a alegria celestial pelo arrependimento de um pecador, é por isso que Jesus não rejeita os pecadores, mas permite que eles se aproximem dele, falem com eles, comam com eles, compartilhem sua alegria com eles expressando antecipadamente a celebração. divina que será com o pecador que se arrepende.

O céu fica animado quando um pecador é encontrado! É um dia glorioso em que uma pessoa perdida é salva pela graça do Senhor Deus: os anjos, Jesus, o próprio Deus se regozijam porque o pecador foi para sempre arrancado da escravidão do pecado e do diabo!

Pode interessar