Parábolas de Jesus

Parábolas

Parábolas da vida

Nomes comuns de parábola:

- A viúva e o juiz.
- A viúva insistente.
- O juiz injusto.

Resumo

A viúva e o juiz

Do Evangelho de Lucas Capítulo 18, Versos 2.8

Ele contou a eles uma parábola sobre a necessidade de orar sempre, sem nunca se cansar: "Numa cidade vivia um juiz, que não temia a Deus nem tinha respeito por ninguém. Nessa cidade, havia também uma viúva que o procurava e lhe dizia: "Dá-me justiça contra o meu adversário." Por um tempo ele não quis, mas depois disse a si mesmo: "Mesmo que eu não tema a Deus e não tenha consideração por ninguém, já que essa viúva me incomoda tanto, eu a farei justiça. para que ele não venha me incomodar continuamente. "E o Senhor acrescentou:" Ouça o que o juiz desonesto diz. E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele dia e noite? Isso os fará esperar muito tempo? Eu lhe digo que ele lhes fará justiça imediatamente. Mas será que o Filho do homem, quando vier, encontrará fé na terra?".

Exegese de Parábola Lucas

A parábola diz respeito à prescrição de orar sempre, sem se cansar, e à importância de uma oração perseverante, especialmente em momentos de perigo e aflições, nas quais os justos serão expostos, especialmente nos últimos tempos. A viúva, como o órfão, está frequentemente presente nas Escrituras Sagradas como um símbolo de uma criatura fraca, sem proteção, abandonada à injustiça e à violência dos poderosos.

Na parábola de Lucas, uma viúva, que pedia a ela que fizesse justiça contra um de seus adversários, encontra esse juiz que não temia a Deus, nem tinha consideração por ninguém: ele provavelmente era pagão, cético sem consciência, sem moral, que nada respeitava; mas a viúva nunca se cansa de reivindicar a justiça que merece. Por um tempo ele não quis ceder aos pedidos constantes, mas depois de tanta insistência, já que essa viúva estava realmente o incomodando, ele faz justiça a ela para não vê-la constantemente incomodando-o novamente.

Evidentemente, a perseverança tenaz daquela mulher, ao se apresentar diante dele sempre que ele estava sentado no tribunal, o irritou e o achatou a ponto de finalmente ceder apenas para se livrar desse assédio. E Jesus, ao explicar a reação desse juiz injusto, vencido pela insistência de uma viúva pobre, pergunta se, portanto pergunte Deus em Sua Santidade não seria movido pela oração perseverante de Seus fiéis que insistentemente Lhe pediam justiça ser libertado de seus inimigos.

Deus demorará a resgatá-los dos perigos em que se encontram? No momento oportuno, sem demora, Deus fará justiça; portanto, os justos, no tempo da perseguição, desejam que o dia do Senhor venha e apresse-o com suas orações; mas, infelizmente, serão poucos, porque a maioria dos homens estará ocupada em seus assuntos terrenos, e certamente não pensarão em Deus.

Jesus já havia feito a pergunta de seus discípulos: quando o Filho do homem vier, você acredita que ele ainda encontrará a fé viva acima da terra que torna a oração perseverante e eficaz? Ou seja, ele encontrará aqueles que terão a coragem de esperar, ter paciência, mesmo que Deus esteja atrasado em fazer o que pedimos a ele? A pergunta é retórica, porque é claro que a resposta só pode ser negativa.

É a segunda vez que Lucas relata as palavras de Jesus dirigidas ao ensino da oração. A primeira vez que Jesus proclama o "Pai Nosso". (Lc 11: 1-13) e, por meio de comparações e parábolas, ele sugere que oremos insistentemente, sem nos cansarmos.

A recomendação de orar sem se cansar aparece muitas vezes no Novo Testamento (1 Ts 5,17; Rm 12,12; Ef 6,18; etc.) e também é um tópico central nesta parábola: ore sem interrupção, faça seus pedidos para Deus com a oração do pedido, mas também com a oração do agradecimento, na certeza de que, no momento considerado oportuno por Deus para o seu bem, você certamente será ouvido; não se preocupe com nada, mas em todas as necessidades, com súplica e ação de graças, manifeste seus pedidos a Deus, que é acima de tudo preocupação humana.

No entanto, pergunte com fé, sem hesitação, caso contrário a súplica se parecerá com uma onda do mar empurrada e golpeada pelo vento, em vez de um barco conduzido com coragem, mesmo contra a corrente, em direção à metade predestinada.

Pode interessar