São Francisco

Francesco

Vida

Francisco nasceu em Assis em 1182, filho de Pedro e Pica Bernardone. Seu pai exercia a profissão de comerciante de tecidos, por isso ele viajava e ia com frequência à França. Durante seu batismo, ele deu a seu filho o nome de João.

Pedro amava muito a França e, ao retornar de uma viagem a este país, quis mudar o nome de seu filho de João para Francisco.

Vida de São Francisco

Em 1202, Francisco em busca da glória militar participou como voluntário na guerra em curso entre Perugia e Assis. O destino não estava do seu lado, na verdade o exército de Assis foi derrotado e Francisco foi feito prisioneiro. A prisão durou um ano após o qual seu pai o resgatou por motivos de saúde. A longa e deprimente doença persistiu em Francisco ao longo de 1204.

Após este período difícil a saúde se recuperou e Francisco, estamos em 1205, partimos novamente para a guerra. Ele se alistou como voluntário para lutar contra as tropas papais em Puglia. Quando chegou a Spoleto, ouviu uma voz instando-o a retornar a Assis. Francisco ouviu o aviso e voltou para Assis, onde começou a conversão.

No final do ano 1205, enquanto Francisco reza em frente ao crucifixo colocado na capela de Dan Damiani, ele recebe esta ordem de Cristo Jesus: "Vai e repara a minha Igreja". Francisco aceitou o convite e começou diligentemente a restaurar as igrejas em ruínas localizadas nos arredores de Assis.

Pedro Bernardone, o pai de Francisco, que investiu esperança e financiou o caro tipo de vida mundana, não gostou de sua conversão. Por isso, recorreu a Dom Guido, Bispo Ordinário Episcopal de Assis, para atuar com autoridade sobre o jovem místico, induzindo-o a respeitar os deveres filiais e as tarefas familiares e profissionais que o aguardavam. O prelado ouviu Francisco e ficou impressionado com a sinceridade e seriedade de suas resoluções, depois o acolheu na Igreja e o colocou sob sua proteção. Aqui, então, Francisco está renunciando à sua herança paterna, desnudando-se publicamente diante do bispo, de seu pai e de seus concidadãos. O bispo então cobriu sua nudez com uma capa.

Para Francesco, hoje com vinte e cinco anos, começa a caminhada nas pegadas de Jesus. Ele cuida dos pobres e leprosos, primeiro fica na mata do Monte Subiasio e depois rio abaixo, perto da Capela de Santa Maria degli Angeli, conhecida como a "Porciúncula". Durante a celebração da Santa Missa, 24 de fevereiro de 1208, Francisco sente a necessidade de deixar definitivamente o "mundo", como o orienta o texto do evangelista Mateus: "Privar-se de tudo para fazer o bem em todos os lugares". Ele voltou a Assis e começou a pregar reunindo ao seu redor uma dúzia de seguidores fervorosos, a maioria velhos companheiros de brincadeiras e companheiros de festa. Estes se tornaram os primeiros membros de uma fraternidade livre de leigos dedicada à pobreza, à vida comum, à caridade. Esta associação, no ano de 1210, foi reconhecida e legitimada pelo Papa Inocêncio III, provavelmente graças à mediação de João Colonna, cardeal de São Paulo., a quem Francisco havia sido recomendado pelo Bispo de Assis.

Francisco acolheu Chiara di Offreduccio em sua comunidade, era Domingo de Ramos de 18 de março de 1212. Chiara, nascida em 1194, era doze anos mais nova que Francisco. Hoje ela é homenageada como Santa Clara, fundadora das Clarissas.

A comunidade de San Francisco entre 1209 e 1220 cresceu rapidamente. Os frades pregaram a mensagem do perdão e da paz, não só na Itália, mas além dos Alpes e também na Síria. O próprio Francisco visitou Dalmácia, Espanha, França e Terra Santa, ele também tentou chegar a Marrocos para pregar o Evangelho aos muçulmanos.

Durante o período de dois anos 1215-16, a presença de Francisco em Perugia por ocasião da morte do Papa Inocêncio III é certa. O sucessor, Honório III, foi muito importante para a consolidação da fraternidade e sua transformação em uma verdadeira Ordem mendicante, cuja primeira expressão foi o famoso capítulo geral celebrado em Assis no Pentecostes de 1217.

Comemorado o segundo capítulo geral da Ordem, em maio de 1219, Francisco embarcou em Âncora em 21 de junho com uma dezena de companheiros, entre eles Pietro Cattani e Illuminato da Rieri, e navegou primeiro ao Acre para se encontrar com seus irmãos ali instalados, depois ao Egito para o Acampamento dos cruzados, onde ele deseja pregar para aqueles que responderam com armas ao apelo da Igreja. Ele também deseja encontrar muçulmanos para testemunhar a eles sua fé em Cristo. É provável que ele tenha realmente encontrado o sultão al-Malik al-Kamil, conhecido por seus dons de longanimidade, nesta ocasião. O encontro abriu a grande temporada da vocação missionária franciscana, embora a Ordem posteriormente tenha dado provas de compreendê-la em um sentido predominantemente apologético e alheio às intenções primitivas dos Pobres de Assis.

Nos primeiros meses de 1202, Francisco retorna do Oriente e descobre que em sua ausência foram tomadas decisões que impuseram à sua comunidade uma organização mais rígida, uma disciplina mais rígida para alinhar esta nova comunidade com as outras Ordens já firmemente estabelecidas. Ele também deve enfrentar as dificuldades derivadas do sucesso de sua fraternidade, para a qual convergiam seguidores de diversas origens sociais e culturais. As solicitações visavam amenizar e tornar a regra menos severa, especialmente para o conceito de pobreza absoluta que incluía a recusa de qualquer propriedade e também a proibição do exercício de qualquer forma de poder. Francisco entende que sua pequena comunidade se transformou em uma organização mundial e que ele não pode mais governar. Com sabedoria e tristeza, ele pede ao Papa Honório III que designe o Cardeal Ugolino (o futuro Gregório IX) para cuidar dos assuntos da Ordem. Francisco renuncia como chefe jurídico de sua Ordem, permanecendo como chefe espiritual até sua morte.

Assim foi realizada a necessária definição da Regra do que era agora a Ordem dos Frades Menores mendicante. Por isso, foi importante o chamado "Capítulo das Esteiras" do Pentecostes de 1221. Na presença de mais de cinco mil frades, vindos de todas as partes do Cristianismo, Francisco reiterou com energia a especificidade de sua proposta cristã, diferente da de qualquer outra Ordem, e não em competição com qualquer um deles.

A Regra, desde a laboriosa gestação, conheceu um primeiro texto de 1221 (Regula non bullata, que não se legitima por documento papal oficial) e um segundo de 1223 que, em comparação com o primeiro, modificou um pouco o seu rigor. Entretanto, foi esclarecido o papel tanto da Segunda Ordem Franciscana, das Senhoras Pobres (as Clarissas), como da Ordem Terceira, dedicada aos leigos.
A transição da primeira para a segunda regra não foi nada fácil. Os dirigentes da Igreja estimavam a regra de 1221 - que de fato não recebia legitimidade hierárquica formal - muito dura e confusa, inadequada para a vida da Ordem, que se desenvolvia muito além de qualquer previsão. Ugolino e Elia fizeram suas propostas e pressionaram o fundador: as circunstâncias em que tudo isso aconteceu não são nada claras.
Francisco retirou-se para meditar na ermida da Fonte Colombo, perto de Rieti e, ao final, lançou um novo esboço do documento, não mais dividido em vinte e três, mas em apenas doze capítulos. Essa regra foi aprovada por Honorius III com a bula Solet annuere emitida em 29 de novembro e mais tarde conhecida como Regula bullata.

Francisco passou o Natal de 1223 em Greggio, no vale de Rieti. Onde construiu um presépio para celebrar a festa com uma espécie de representação sagrada que deu origem à tradição do presépio em que, sem dúvida, reviveu com emoção a dor de não ter podido visitar os lugares sagrados há cerca de quatro anos mais cedo. Por milhas e milhas ao redor, as pessoas vieram para Greggio, que: "estava preparado como se fosse uma nova Belém".

Nas semanas de meados de agosto até o final de setembro de 1224, Francesco os passou para La Verna, uma rocha apenina, entre a Toscana e a Romagna, que havia sido dada a ele, uma década antes, por um senhor feudal local, para a época de uma Quaresma dedicada ao Arcanjo Miguel: e ali, no dia da Exaltação da Santa Cruz, 14 de setembro, ele recebeu os estigmas, ou seja, os sinais da corcifixação de Cristo foram impressos em suas mãos, pés e lado.

Na primavera de 1223, durante uma visita a Santa Clara em São Damião, Francisco adoeceu gravemente. A causa era uma doença ocular que o atormentava há vários anos. Agora ele estava quase cego. Isso o obrigou a ficar em San Damiano por quase dois meses. Após uma experiência mística em que lhe foi revelado que obteria a vida eterna, ele compôs O Cântico das Criaturas. Saiu de São Damião no início de julho, na Fonte Colombo foi mandado cauterizar as têmporas e suportou esse doloroso tratamento.

Em abril de 1226, Francisco foi levado a Siena para mais cuidados com os olhos, mas sem sucesso. Agora ele estava vomitando sangue e era óbvio para todos que ele não viveria muito porque as forças não o apoiavam mais. Francisco mudou-se finalmente para Cortona, no confortável convento de Celle, onde, segundo a tradição, redigiu o documento fundamental e definitivo da sua experiência, o Testamento, no qual recomendava veementemente que a regra de 1223 fosse constantemente seguida e ao carta, sem nenhuma forma de comentário que de alguma forma a alterasse.

Por sua própria vontade foi levado de volta a Assis, onde chegou em junho, no mês de setembro, percebendo que a morte se aproximava, fez questão de ser levado para a Porciúncula. Poucos dias antes de sua morte, Francisco deixou-se deitar nu no chão. Ele exortou a morte a louvar e a convidou a morar com ele. Então, ao anoitecer da noite de sábado, 3 de outubro de 1226, Francisco adormeceu no Senhor. Um dos frades presentes viu sua alma como uma estrela, do tamanho da lua e brilhando como o sol, ascendendo diretamente ao céu. As cotovias se juntaram no local onde ele estava morrendo e voaram cantando. Naquela mesma noite todos os sinos de Assis tocaram e o evento passou de boca em boca com a rapidez de um raio.

O funeral foi celebrado na Igreja de San Giorgio, em seguida o corpo foi colocado em uma maciça urna de pedra, fechada à superfície por uma estreita grade, que, por sua vez, foi presa à urna por tenazes enrolamentos de ferro. Por fim, o depósito sagrado foi baixado sob o altar da Igreja.
Enquanto isso, milagres floresciam naquela tumba. Cegos, aleijados, surdos, mudos, paralíticos, afetados por qualquer doença recuperaram repentinamente a saúde do corpo, e as almas encontraram a luz da fé e a força para uma renovação interior.

Foi canonizado quase imediatamente, a 16 de julho de 1228. Gregório IX, vindo de Perugia para Assis, inscreveu solenemente o nome de Francisco no registo dos santos, enquanto, em sua homenagem, pontificava na praça de San Giorgio. Ainda hoje, Francisco é homenageado como um alter Christus, um segundo Cristo.

Pode interessar