São Francisco

Francesco

Santa Clara 1193-1253

Clara de Assis foi uma religiosa colaboradora de Francisco de Assis e fundadora da Ordem das Clarissas.

Em 1255 ela foi canonizada como Santa por Alexandre IV.

Em 1958 foi declarada santa por Pio XII, padroeira da televisão e das telecomunicações.

Vida de um santo

No Domingo de Ramos, na noite de 18 de março de 1212, a jovem Chiara di Offreduccio acompanhada por Pacifica di Guelfuccio, escapou de uma porta secundária da casa paterna, localizada perto da catedral de Assis, San Ruffino e dirigiu-se secretamente à Porciúncula onde Francisco a esperava com seus primeiros frades que a acolheram em sua comunidade. Francisco cortou-lhe o cabelo e deu-lhe o hábito rude da pobreza e da penitência, com uma corda na cintura e um véu sobre a cabeça raspada. Seu desejo de seguir a Cristo como Francisco havia se realizado, então Clara tinha dezoito anos.

Este foi o epílogo, de fato, Chiara e Francesco já se encontravam periodicamente há dois anos, durante esses encontros Chiara era supervisionada por Bona di Guelfuccio, enquanto Francesco estava acompanhado pelo Irmão Filippo, e durante todo esse tempo Chiara recebeu um guia luminoso no caminhos do espírito, o resultado desses encontros foi sua decisão de abraçar uma vida de acordo com o evangelho.

Clara perseguiu seu projeto com tenacidade, mesmo diante de todas as tentativas de impedi-la de seguir uma vida de pobreza absoluta, por sua fidelidade às intenções de Francisco, por compartilhar seus ideais e ainda mais por ter sido chamada por Deus para seguir esses ideais. Também um primo de Chiara, o Rufino, já havia aderido à comunidade por volta de 1210 e tornou-se um dos companheiros mais fiéis de Francisco. Chiara estava certamente ciente da briga pública que Francisco teve com seu pai na presença do bispo em 1206 e de sua mudança total de vida e ficou fascinada por isso.

Porém, depois de ser admitida na Ordem, Chiara foi hospedada por um breve período com as freiras beneditinas. Evidentemente, isso aconteceu porque ela não podia ficar na Porciúncula e simplesmente não havia outro lugar para colocá-la. Quase imediatamente, ela foi acompanhada por sua irmã Agnes. No entanto, não demorou muito para que Clara implorasse a Francisco que permitisse que ela deixasse os Beneditinos e levasse uma vida verdadeiramente franciscana. Assim, com a permissão do bispo, Francisco colocou ela e sua irmã Agnese na capela de São Damião, que ele mesmo reconstruiu e onde ouviu a voz do Crucifixo, na primavera de 1206, que lhe ordenou: "Francisco, consertar minha casa, que está caindo aos pedaços".

Celano descreve os primeiros dias de Clara em San Damiano da seguinte forma: "Depois de alguns dias, ela foi para a igreja de Sant'Angelo di Panzo. Mas como sua alma não estava completamente em paz, ela finalmente voltou para a igreja de San Damiano. No cárcere daquele pequeno claustro Chiara se fechou por amor de seu esposo celestial. Lá se escondeu do tumulto do mundo e encarcerou seu corpo enquanto viveu".

Não antes de 1215, Francisco redigiu uma fórmula especial de vida para Clara e suas companheiras, que então já haviam aumentado para cinco. Durante esses três anos seguiram a Regra de vida que Inocêncio III aprovou para os frades em 1209.

Clara obteve de Inocêncio II e Gregório IX o privilégio da pobreza, segundo o qual às irmãs foi concedido viver na pobreza total e que ninguém as poderia obrigar a aceitar bens de qualquer espécie. As casas das Clarissas careciam de donativos e esta pobreza absoluta é o traço característico da originalidade da sua vida. Até aquele momento, nunca se tinha ouvido falar que um mosteiro pudesse viver sem propriedades.

Santa Clara continuou morando em San Damiano por mais de quarenta anos. Aqui Chiara foi inicialmente acompanhada por sua outra irmã Beatrice e sua mãe Ortolana, depois por outras mulheres e meninas, e logo elas tinham cerca de cinquenta. Chiara queria dar vida a uma família de claustros pobres, imersa na oração por ela e pelos outros. Popularmente chamados de "Damianite" e "pobres senhoras" por Francesco, eles serão conhecidos para sempre como "Clarissas".

Clara continuou inabalável em sua fidelidade aos ideais e ensinamentos de São Francisco. Ela morreu em 11 de agosto de 1253 e foi canonizada dois anos depois. De todos os seguidores de São Francisco, antes e depois dela, ninguém jamais o amou e compreendeu a ele e sua vocação evangélica como Clara, que se autodenominava a "plantinha do bendito padre Francisco".

Em 1958, Pio XII a proclamou a padroeira universal da televisão. No dia de Natal, na missa servida por Francisco, Chiara não compareceu porque estava de cama por causa de sua enfermidade. Se ela quisesse participar da festa de Natal, uma visão da festa apareceria para ela.

Os sarracenos estavam às portas de Assis e sitiavam São Damião. Chiara pegou na custódia e expôs na janela. Uma luz ofuscante assustou os sarracenos fazendo-os fugir do convento e de Assis.

Ela é homenageada hoje como Santa Clara, a fundadora das Clarissas, que vivem uma vida completamente enclausurada.

Pode interessar