São Francisco

Francesco

Pobreza franciscana

São Francisco escolheu praticar uma vida radical marcada pelo voto de total pobreza evangélica.

São Francisco proibiu a propriedade privada de sua Ordem, mas a respeitou como legítima. Para ele, a pobreza exigia apenas discípulos voluntários e os possuidores de riquezas eram inimigos, mas benfeitores.

Pobres entre os pobres

Francisco compreendeu de imediato a importância mística que tinha a renúncia a todas as coisas terrenas e não teve dúvidas, com uma coragem que nos espanta, abraçou sem vacilar a renúncia aos bens e empobreceu entre os pobres. Disse Francisco: "A santa pobreza envergonha a ganância, a avareza e as preocupações deste mundo. A pobreza é aquela virtude celeste pela qual tudo o que é terreno e transitório é pisoteado; é aquela virtude pela qual os impedimentos são removidos. Para que o espírito humano pode se unir livremente ao Deus eterno. Faz com que a alma, ainda peregrina na terra, converse com os anjos do céu e, no momento da morte, livre de todos os grilhões, vá para Cristo".

A concepção de pobreza para Francisco não era apenas a renúncia de todas as coisas materiais, mas também o despojamento de qualquer posse desordenada de propriedade espiritual. Francisco exortou: "Quem quiser chegar a este patamar de pobreza deve renunciar não só à prudência do mundo, mas também de certa forma à valência do conhecimento, para assim entrar no poder do Senhor e lançar-se nu no as armas do Crucificado. Aquele que guarda o tesouro do seu próprio significado no segredo do seu coração nunca renuncia perfeitamente".

Para Francisco, a renúncia, ou seja, a escolha da pobreza absoluta, é indispensável para desmantelar o velho e abrir o caminho para a ascensão, e também é um meio de escapar aos constrangimentos do lugar e do tempo, é a simplificação da vida, é a condição indispensável para usar as coisas sem se tornarem seus escravos.

Convém-te, ó alma, estar nua, se queres ser perfeita em Cristo e é sempre conveniente para ti lutar contra os espíritos malignos, que de dia e de noite lutam incansavelmente contra as criaturas que por amor de Cristo renunciaram ao coisas do mundo. Quem quer de seu inimigo que queira a vitória total deve jogar fora os bens terrenos, para que não seja tomado por eles e caído.
Veja novamente, alma, por que é melhor você estar nu de todas as coisas do mundo para correr sob a orientação de Cristo, porém se você quiser segui-lo, deixe todo fardo.
Você, alma, tem muito pouco tempo e a jornada que tem que fazer é daqui para o céu, que é enorme, quase sem fim.
Ó alma, pense em compreender bem esta pobreza em Cristo porque se você for pobre por ele, Ele ficará contente com você.
Sem Jesus você está na pobreza porque nele podemos encontrar toda alegria, consolo e paz. Portanto, se você, alma, tem pobreza perfeita em você, você terá removido os meios que não permitiam que você se unisse perfeitamente com o Mestre Supremo.

A pobreza tem como irmãs humildade, obediência, paciência e solidão. Ao colocar-se no seguimento de Cristo, é evidente que prevalece o campo dos valores, mas é preciso colocar em prática segundo a lei natural do desenvolvimento orgânico, que é a escolha para a obtenção da pobreza, o desapego. dos bens terrenos, mas também do despojamento interior de si mesmo, resultando no estilo de vida.

Tomás de Celano nota explicitamente como Francisco rejeitou humildemente as propostas dos superiores eclesiásticos, não porque não as tenha levado devidamente em conta, mas porque fez prevalecer os motivos da mais alta ordem. Neste caso, como em todos os outros, só o Evangelho era a regra e o guia.

No Evangelho, Jesus atesta: "As raposas têm seus covis e os pássaros do céu seus ninhos; mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça". Ao jovem rico Jesus diz: "Se você quer ser perfeito, vá, venda o que você tem e dê aos pobres, para que você tenha um tesouro no céu, então venha e siga-me”. Aos que pretendem ser seus discípulos, ele coloca esta condição: "Nenhum de vocês, que não renuncie a tudo o que possui, pode ser meu discípulo". Ele também envia aos discípulos para pregar no mundo íntimo: "De graça recebestes e de graça dai.

Não queira ter ouro, prata ou dinheiro na bolsa, nem carregar alforje no caminho, nem duas roupas, nem sapatos, nem bengala: o trabalhador merece o seu salário. "E exorta todo o seu seguimento com palavras: "Venda o que você tem e dê em esmolas; faça das suas malas, que não envelhecem, um tesouro inesgotável no céu".

Francesco era realmente um pobre homem feliz. Separou das coisas o coração e as atitudes dos pobres e dos peregrinos e os incutiu nos seus frades que desejava peregrinos e estrangeiros neste mundo, servindo ao Senhor na pobreza e na humildade.

Pode interessar