São Francisco

Francesco

Testamento de São Francisco

O Testamento de São Francisco é um dos escritos mais importantes deixados pelo santo de Assis aos seus irmãos.

Este testamento espiritual redigido por São Francisco foi provavelmente escrito pelo santo em setembro do ano 1226.

Testamento

O Senhor concedeu-me, Irmão Francisco, começar assim a fazer penitência: porque, estando eu em pecados, parecia muito amargo ver leprosos; e o próprio Senhor me conduziu entre eles e eu mostrei misericórdia para com eles.
E quando me afastei deles, o que parecia amargo para mim se transformou em doçura de alma e corpo. E então, eu fiquei um pouco e deixei o mundo.
E o Senhor me deu tanta fé nas igrejas, que eu simplesmente orei e disse: "Nós te adoramos, Senhor Jesus Cristo, até em todas as tuas igrejas que estão no mundo inteiro e te bendizemos, porque com a tua santa cruz tu tens redimiu o mundo".

Então o Senhor me deu e me dá tanta fé nos sacerdotes que vivem segundo a forma da santa Igreja Romana, por causa de sua ordem, que mesmo que me perseguam, quero recorrer a eles. E se eu tivesse tanta sabedoria quanto Salomão tinha, e encontrei nos pobres padres deste mundo, nas paróquias onde eles moram, não quero pregar contra a vontade deles.

E esses e todos os outros que quero temer, amar e honrar como meus mestres. E não quero considerar o pecado neles, porque neles reconheço o Filho de Deus e eles são meus senhores. E eu faço isso porque, do mesmo Filho Altíssimo de Deus, não vejo nada mais corporalmente, neste mundo, se não o corpo santíssimo e o sangue santíssimo que eles recebem para si mesmos, eles administram aos outros.

E quero que esses santos mistérios, acima de todas as outras coisas, sejam honrados, venerados e colocados em lugares preciosos.
E em todos os lugares encontrarei manuscritos com os santos nomes e suas palavras em lugares indecentes, quero colecioná-los e oro para que sejam coletados e colocados em um lugar decente.
E devemos honrar e venerar todos os teólogos e aqueles que administram as santíssimas palavras divinas, bem como aqueles que administram nosso espírito e vida. E depois que o Senhor me deu alguns frades, ninguém me mostrou o que eu deveria fazer, mas o próprio Altíssimo me revelou que eu deveria viver segundo a forma do santo Evangelho. E mandei escrever com poucas palavras e com simplicidade, e o Senhor Papa me confirmou.
E os que vieram abraçar esta vida distribuíram aos pobres tudo o que podiam, contentando-se com uma única batina, remendada por dentro e por fora, com cinto e calça. E eles não queriam ter mais.

Nós, clérigos, dissemos o escritório, de acordo com os outros clérigos; os leigos disseram o Pater Noster; e com muito gosto paramos nas igrejas. E éramos analfabetos e submissos a todos. E trabalhei com as mãos e quero trabalhar; e desejo firmemente que todos os outros frades tenham um trabalho condizente com a honestidade. Quem não sabe, não aprende por cobiça de recompensa pelo trabalho, mas para dar o exemplo e afastar o ócio. E quando não temos a recompensa do trabalho, recorremos à mesa do Senhor, pedindo esmolas de porta em porta.

O Senhor revelou-me que diríamos esta saudação: "O Senhor te dê a paz!". Os frades devem ter o cuidado de não aceitar igrejas, casas pobres e tudo o mais que se construa para eles, se não forem como convém à santa pobreza, que prometemos na Regra, acolhendo-vos sempre como estrangeiros e peregrinos.

Ordeno com firmeza por obediência a todos os frades que, onde quer que estejam, não se atrevam a pedir qualquer carta (de privilégio) na Cúria Romana, quer pessoalmente, quer por intermédio, nem para uma igreja nem para qualquer outro lugar, nem para pregar, nem para perseguir seus corpos; mas onde não forem recebidos, fujam para outra terra para fazer penitência com a bênção de Deus.

E quero obedecer com firmeza ao ministro geral desta fraternidade e àquele guardião que quiser me designar. E então eu quero ser um prisioneiro em suas mãos, que não posso ir ou fazer além da obediência e de sua vontade, porque ele é meu senhor.
E embora eu seja simples e enfermo, quero sempre ter um clérigo, que me recite o ofício, como está prescrito na Regra.

E não digam os frades: Esta é uma outra Regra, porque esta é uma advertência, uma admoestação, uma exortação e meu testamento, que eu, irmãozinho Francisco, faço a vocês, meus irmãos abençoados, para que observemos mais catolicamente. Governe que prometemos ao Senhor.

E o ministro geral e todos os outros ministros da custódia são obrigados, por obediência, a não acrescentar ou retirar nada dessas palavras.
E a todos os meus frades, clérigos e leigos, ordeno firmemente, por obediência, que não insiram explicações na Regra e com estas palavras dizendo: "Assim devem ser entendidos", mas, como o Senhor deu que eu diga e escreva com simplicidade e pureza a Regra e estas palavras, então tente compreendê-las com simplicidade e sem comentários e observá-las com obras sagradas até o fim.

E quem quer que observe essas coisas, que seja preenchido no céu com a bênção do Pai Altíssimo, e na terra seja preenchido com a bênção de seu amado Filho com o Espírito Santo Paráclito e com todos os poderes do céu e com todos os santos. E eu, irmãozinho Francisco, teu servo, pelo pouco que posso, confirmo-te por dentro e por fora esta santíssima bênção. (Um homem).

Pode interessar