São Francisco

Francesco

Tau

Francisco acolheu-o como uma mensagem dirigida a ele pessoalmente por Inocêncio III, que dizia: "A misericórdia será dada a quem levará o Tau, sinal de uma vida penitente e regenerada em Cristo". Francisco quis marcar a si e aos seus irmãos com o Tau, que se tornará sinal da Ordem, espiritualidade da cruz e da salvação.

O símbolo da salvação

O significado místico deste símbolo
Devido à sua forma, o Tau tem sido o suporte simbólico da teologia da cruz durante séculos. Os judeus elaboraram progressivamente uma exegese para cada letra do alfabeto. No terceiro século, vários talmudistas foram consultados da origem a respeito da interpretação do Tau de Ezequiel (9,4). De acordo com alguns, o Tau significava o fim, a conclusão, o cumprimento de toda a Palavra revelada. Para outros, no entanto, a primeira letra da palavra Torá significa a soma das leis que levaram à salvação.

O Tau que os piedosos judeus usavam na testa, sinal de sua vinculação à lei e de pertencimento a Deus, só mais tarde, devido à morte de Jesus, essa palavra foi interpretada em relação ao sofrimento.

No alfabeto grego, a letra Tau era o sinal que indicava o número 300. Sempre que esse número é encontrado na Bíblia, é sinônimo de salvação ou vitória. Um exemplo: Deus disse a Noé "Faça para você uma arca de madeira de cipreste. É assim que você deve fazer: a arca terá trezentos côvados de comprimento". (Gênesis 6: 14-15). Genese explica como a arca é a jangada salvadora, prefigurando a cruz redentora, já que 300 é igual a TAU.

"Quando Abraão soube que seu parente havia sido um prisioneiro, ele organizou seus homens habilidosos com armas, trezentos e dezoito em número." A Escritura transcreve este número 318 com as letras IHT. Ou seja, primeiro IH = 18 e, em seguida, T = 300. Portanto, temos o início do nome Jesus, o Tau vem depois de anunciar a chegada da graça através da cruz. Nas duas primeiras cartas, portanto, temos uma alusão a Jesus, na última uma alusão à cruz.

Ezequiel
E ordenou-lhe: "Vai pela cidade, passa por Jerusalém e marca na testa os homens que gemem e choram por todas as atrocidades que se cometem no meio dela". E com os meus ouvidos ouvi que ele dizia aos outros: "Vão atrás dele, pela cidade, e golpeiem! Os teus olhos não perdoam e não têm piedade. Matam velhos, jovens, virgens, crianças e mulheres, até ao extermínio: apenas não toque em ninguém que carregue a cruz na testa.
(Ez 9,4-5).

Apocalipse
"Então eu vi outro anjo subindo do leste e trazendo o selo do Deus vivo. E ele clamou em alta voz aos quatro anjos que haviam recebido o poder de devastar a terra e o mar:" Não devastem nem a terra, nem o mar, nem as plantas, até que tenhamos carimbado o selo do nosso Deus nas testas dos seus servos. "Então ouvi o número dos que foram assinados com o selo: cento e quarenta e quatro mil".
(Ap 7,2-4).

O selo impresso na testa dos servos evidentemente alude a Ezequiel no Tau impresso na testa dos penitentes.
Tau é a última letra do alfabeto hebraico e tem a forma de uma cruz, como a cruz apareceu antes de a escrita de Pilatos ser postada.

O Tau desta carta ocupa um lugar importante na vida e no comportamento de São Francisco, pois não só faz uso dela com freqüência, mas manifesta um verdadeiro afeto, senão mesmo uma devoção, por este sinal.
Frei Tommaso da Celano, no seu Tratado sobre os milagres, composto em 1252, escreve: "Entre as muitas cartas, o Tau era o mais familiarizado, com o qual assinava os bilhetes e decorava as paredes das celas". E mais adiante: "com este selo, São Francisco assinava suas cartas, sempre que, por necessidade ou por um espírito de caridade, enviava alguns de seus escritos". O fato de Francisco ter adotado o Tau também se deve à própria forma dessa carta, a grafia do Tau é a da cruz, de Jesus crucificado.

A adoção do Tau como selo pessoal - então chamado de "sinal manual" - e a proposição dele, por assim dizer, como brasão da nascente Ordem dos Frades Menores, evidencia bem a importância que Francisco lhe atribuía.

A declaração de Fra Celano sobre a inscrição nas paredes por Francesco da letra tau é confirmada pela arqueologia. De facto, durante o restauro da capela de Santa Maddalena, em Fonte Colombo, foi descoberto no vão da janela um Tau pintado de vermelho, então coberto com cal branca no século XV.

Se São Francisco escolheu e adotou o símbolo Tau, a causa pode ser encontrada em seu amor pela cruz. Se ele então a espalhou, é porque queria pregar a salvação por meio da cruz. "Ele passa pelo meio da cidade, no meio de Jerusalém e marca um Tau na testa dos homens que suspiram e choram por todas as abominações que ali se cometem" (Ez 9,4).

Foi este o convite que Francisco ouviu, um convite a uma mobilização geral em vista de uma cruzada de conversão e penitência. Francisco, portanto, quis marcar a si mesmo e a seus irmãos com o Tau, que se tornará o sinal da vocação da ordem, mas também o símbolo da penitência e foi o tema preferido de sua pregação para exortar todos à conversão. Francisco sabe muito bem que o Tau é também o sinal para os vencedores, por isso, depois de pregá-lo, ele o levará até na carne por meio dos estigmas.

Durante a estigmatização, Francisco teria se sentido chamado a se tornar "portador do selo do Deus vivo", ou seja, não apenas apresentar os sinais da redenção em sua própria pessoa, mas também reivindicar a parte do anjo como propriedade pessoal.

Frei Pacifico, companheiro de Francisco, teve uma visão (isso antes de se tornar ministro provincial na França). "Ele viu na testa de Francisco um grande Tau cujas cores davam ao rosto do santo uma beleza maravilhosa". Sobre essa visão, Celano conta: O Tau que brilhou na testa de Francesco era "círculos multicoloridos e maravilhosos como as penas do pavão".

Francisco no símbolo do Tau viu um sinal e o símbolo efetivo da salvação para todos aqueles que aceitam ser marcados por ele.

Deus se torna fecundo com os novos filhos, aqueles marcados por seu Tau, que se realiza em segredo e em silêncio para que Satanás e seus seguidores não os prejudiquem.

Pode interessar