São Francisco

Francesco

Cântico das Criaturas

Da Antiqua Lenda de Sao Francisco: "Retornando de La Verna (com os estigmas do Senhor gravados em seu corpo) exausto de forças, Francisco parou no mosteiro de San Damiano, onde Clara e suas irmãs viviam. Por cinquenta dias e não mais. ele era capaz de suportar a luz do sol durante o dia, nem o brilho do fogo durante a noite. Seus olhos o atormentavam tanto que ele dificilmente o deixava descansar e dormir.

Laude

Francisco com os olhos inflamados e as pálpebras semicerradas, reviveu na quase escuridão a sua vida que se aproximava do fim, percebeu o espanto e a angústia pelo seu corpo reduzido à ruína porque consumido pelo cansaço, mas a ponto de se render no abismo da dor Poverello di Assisi fez jorrar de seu coração o grito de súplica: "Ó Senhor, ajuda-me nas minhas enfermidades, para que eu tenha a força de suportá-las com paciéncia!".

Foi então que Francisco ouviu novamente a mesma voz encantadora que ouvira do crucifixo de São Damião: Diga-me, irmão, se alguém te ofereceu como presente, como compensação por seus sofrimentos e tribulações, um imenso e precioso tesouro, como o Terra inteira transformada em ouro fino, seixos em pedras preciosas e a água dos rios em perfume, vocé ainda teria em alguma conta, em comparação com tal tesouro, a terra, os seixos e as águas? Vocé não vai se alegrar?

Francisco respondeu: "Senhor, seria um tesouro imenso, muito precioso, inestimável, além de tudo o que se pode amar e desejar!". O Senhor "Pois bem, irmão, alegra-te e alegra-te no meio da tua enfermidade e das tuas tribulações: doravante vive em paz, como se já estivesses no meu Reino!".

A sua alma naquele instante foi invadida pela alegria, Francisco chamou os seus companheiros, narrou o diálogo que teve com o seu Senhor e disse-lhes: "Quero, portanto, fazer um novo louvor ao Senhor das suas criaturas".

Francisco, em plena realização de sua vida, volta em seu cântico à manhã da criação, quando o Criador se agradava de suas criaturas.

Francisco "dá" ao Altíssimo, todo-poderoso e bom, o louvor, a glória, a honra e a bénção que não são posse nem linguagem do homem, não são valores expressos pela riqueza do homem, cuja pobreza, para com Deus, ele é tão radical, que mesmo ele não é digno de evocar ou ter Deus em mente.

O amor é o fundamento da linguagem de Francisco; aquele "mais" que nos fascina. O homem do nosso tempo tem sede desta mensagem de amor. Ele tira vida e alimento de um estado geral de ressentimento, cuja primeira expressão é o ressentimento para com Deus. O ressentimento para com o Criador envenena o modo de ser e de se comportar do homem para com as criaturas, para si mesmo e para outros homens.

Cântico das criaturas.
Altíssimo, omnipotente, bom Senhor,
a ti o louvor, a glória, a honra
e toda a bénção.
A ti só, Altíssimo, se hão-de prestar,
e nenhum homem é digno de te nomear.

Louvado sejas, meu Senhor, com todas as tuas criaturas
especialmente o meu senhor irmão Sol,
o qual faz o dia e por ele nos alumia.
E ele é belo e radiante, com grande esplendor
de ti, Altíssimo, nos dá ele a imagem.

Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã lua e as estrelas;
no céu as acendeste, claras, e preciosas, e belas.
Louvado sejas, meu Senhor, pelo irmão vento e pelo ar
e nuvens, e sereno, e todo o tempo,
por quem dás às tuas criaturas o sustento.

Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã água,
que é tão útil, e humilde, e preciosa e casta.
Louvado sejas, meu Senhor, pelo irmão fogo,
pelo qual alumias a noite:
e ele é belo e jucundo e robusto e forte.

Louvado sejas, meu Senhor, pela nossa irmã, a mãe terra,
que nos sustenta e governa,
e produz variados frutos, com flores coloridas, e verduras.

Louvado sejas, meu Senhor, por aqueles que perdoam
por teu amor,
e suportam enfermidades e tribulações.
Bem-aventurados aqueles que as suportam em paz,
pois por ti, Altíssimo, serão coroados.

Louvado sejas, meu Senhor,
por nossa irmã a morte corporal,
à qual nenhum homem vivente pode escapar.
Ai daqueles que morrem em pecado mortal!.
Bem-aventurados aqueles que cumpriram tua santíssima vontade,
porque a segunda morte não lhes fará mal.

Louvai e bendizei a meu Senhor
et rengratiate e dai-lhe graças e servi-o com grande humildade.
Francisco de Assis.

Pode interessar