São Francisco

Francesco

Folhas

Esta obra destaca-se sobretudo pela franqueza da linguagem falada, pela franqueza do sentimento religioso, pelas palavras elevadas do magistério moral de Francisco.

Capítulo 1

Dos primeiros companheiros de São Francisco
Em primeiro lugar, deve-se considerar que o glorioso Senhor São Francisco em todos os atos de sua vida foi conformado ao bendito Cristo: ele determinou que, como Cristo no início de sua pregação, ele elegeu doze apóstolos para desprezar todas as coisas do mundo, e segui-lo na pobreza e em 'outras virtudes; assim, São Francisco elegeu no início da fundação da Ordem seus doze companheiros, professores da mais alta pobreza; e como um dos doze apóstolos de Cristo, que se chamava Iuda Scariotto, censurado por Deus, finalmente se enforcou pela garganta; assim, um dos doze companheiros de São Francisco, que assumia o nome de Irmão João da Capela, apostatou e finalmente se enforcou pela garganta. E isso é para os eleitos um grande exemplo e questão de humildade e medo; considerando que ninguém está certo de ter que perseverar até o fim na graça de Deus e, como aqueles santos apóstolos, eles foram maravilhosos em santidade e cheios do Espírito Santo para todo o mundo; assim, aqueles santíssimos companheiros de São Francisco eram homens de tal santidade, que desde o tempo dos Apóstolos aqui o mundo não teve homens tão santos e maravilhosos; porque nenhum deles foi raptado até o terceiro céu, como São Paulo, e este era o irmão Egídio; alguns deles, isto é, o irmão Philip Lungo, foi tocado nos lábios pelo Anjo com a brasa do fogo, como o profeta Isaías; alguns deles, este era o irmão Silvestro, falavam com Deus como um amigo com o outro, como Moise o fazia; alguns voaram, pela sutileza do intelecto, até a luz da sabedoria divina, como a águia, isto é, João Evangelista, e este foi o mais humilde Irmão Bernardo, quem mais profundamente inspirou a Sagrada Escritura; alguns deles foram santificados por Deus e canonizados no céu, enquanto ele ainda vivia no mundo, e ele era Frei Ruffino, senhor de Ascesi. E assim todos foram privilegiados com um sinal singular de santidade, como no processo ele se declarará.

Capítulo 2

De Frei Bernardo da Quintavalle primeiro companheiro de São Francisco.
O primeiro companheiro de São Francisco foi Frei Bernardo d'Ascesi, que assim se converteu. Sendo São Francisco ainda no hábito secular embora já tivesse desprezado o mundo, e indo todo desrespeito e mortificado pela penitência, enquanto por muitos ele era considerado um tolo e como um louco zombado e expulso com pedras e lama por seus parentes e estranhos; e ele em cada insulto e zombaria se passando por paciente, como surdo e mudo; Messere Bernardo d'Ascesi, que foi um dos mais nobres, ricos e sábios da cidade, passou a considerar sabiamente em São Francisco desprezado por todas as pessoas e sempre pareceu mais constante e paciente, começou a pensar e a dizer a si mesmo: Em nenhum como pode ser que este Francisco não tenha grande graça de Deus, e sim o convidou à noite para jantar e hotel; e São Francisco aceitou e jantou com ele à noite e se hospedou.

E então, Messire Bernardo, se encarregou de contemplar a sua santidade: por isso mandou fazer para ele uma cama em seu próprio quarto, onde sempre acendia uma lamparina à noite. E São Francisco, para esconder a sua santidade, logo que entrou no quarto, atirou-se na cama e deu um pulo para dormir; e também Messere Bernardo depois de algum tempo se deitou e começou a roncar alto, como se dormisse profundamente. Por isso São Francisco, acreditando verdadeiramente que Messere Bernardo dormia, levantou-se da cama no seu primeiro sono e foi rezar, erguendo os olhos e as mãos ao céu; e com grande devoção e fervor ele disse: Meu Deus, meu Deus, e dizendo isso e chorando alto, ele persistiu até de manhã, sempre repetindo: Meu Deus, meu Deus, e nada mais; e este disse São Francisco, contemplando e admirando a excelência da Majestade divina, que era digna de condescender com o mundo que perecia; e para seu pobre Francesco se dispõe a remediar a saúde de sua alma e a dos outros. E, portanto, iluminado pelo Espírito de profecia, prevendo as grandes coisas que Deus tinha que fazer por meio dele e de sua Ordem, e considerando sua insuficiência e pouca virtude, chamou e orou a Deus que com sua piedade e onipotência, sem a qual nada pode a fragilidade humana, ele compensou, ajudou e realizou o que ele não poderia por si mesmo. Vendo Messere Bernardo, à luz da lâmpada, os atos mais devotos de São Francisco e considerando diligentemente as palavras que proferiu, foi tocado e inspirado pelo Espírito Santo para mudar sua vida.

Do qual, pela manhã, ele chamou São Francisco e disse assim: Irmão Francisco, estou totalmente disposto no meu coração a abandonar o mundo e seguir-te naquilo que me mandares. Ouvindo este São Francisco, ele se alegrou em espírito e disse assim: Señor Bernard, o que você diz é um trabalho tão grande e maravilhoso, que queremos pedir conselho a nosso Senhor Jesus Cristo, e orar para que ele goste de nos mostrar a respeito a sua vontade, e nos ensine como podemos fazer isso: e por isso vamos juntos ao bispado, onde há um bom sacerdote, e vamos ter a missa rezada; depois ficaremos em oração até o terceiro, orando a Deus para que nas três aberturas do missal ele nos mostre o caminho que deseja que escolhamos. Señor Bernard respondeu que gostou muito disso. Da qual então se mudaram e foram ao bispado: e como tinham ouvido a missa e rezado até a terceira, o sacerdote, na oração de São Francisco, pegou o missal e, tendo feito o sinal da cruz, abriu-o em nome de nosso Senhor Jesus Cristo três vezes: e na primeira abertura ocorreu aquela palavra que Cristo disse no Evangelho ao jovem que lhe perguntou sobre o caminho da perfeição: Se você quer ser perfeito, vá e venda o que você tem e dê aos pobres, e venha e siga-me; na segunda abertura ocorreu aquela palavra que Cristo disse aos apóstolos, quando os enviou a pregar: Não carreguem nada na estrada, nem bengala, nem bolso, nem meia, nem dinheiro; desejando assim ensiná-los, que toda a esperança de vida deve estar em Deus, e ter toda a intenção de pregar o santo Evangelho. Na terceira abertura do missal ocorreu aquela palavra que Cristo disse: Quem quiser vir após mim, abandone-se, tire a sua cruz e siga-me. Então São Francisco disse ao senhor Bernardo: Eis o conselho que Cristo nos dá: vai, portanto, e faze plenamente o que tens ouvido; e bendito seja nosso Senhor Jesus Cristo, que se dignou a mostrar-nos a sua vida evangélica. Ao saber disso, o senhor Bernardo saiu e vendeu o que tinha, que era muito rico; e com grande alegria ele distribuiu tudo aos pobres, viúvas, órfãos, prisões, munisterii e hospitais e peregrinos; e em tudo São Francisco a ajudou com fidelidade e providência.

Vendo aquele que tinha o nome de Messire Salvestro, a quem São Francisco deu tanto dinheiro aos pobres e fez dar, avarento, disse a São Francisco: Você não me pagou inteiramente com aquelas pedras que comprou de me para estabelecer as igrejas. e ainda, agora que você tem dinheiro, me pague. Então São Francisco, maravilhado com sua avareza e não querendo contender com ele, como verdadeiro observador do Santo Evangelho, colocou as mãos no colo de Messire Bernardo, e cheio de dinheiro, colocou-as no colo de Messire Salvestro, dizendo que, se ele quisesse mais, ele lhe daria mais. Feliz com Messer Salvestro, ele saiu e voltou para casa; e à noite repensando o que fizera durante o dia, recuperando-se da avareza e considerando o fervor de Messere Bernardo e a santidade de São Francisco; na noite seguinte e em outras duas noites ele teve uma visão de Deus: que da boca de São Francisco saiu uma cruz dourada, cujo topo tocava o céu, e seus braços estendidos de leste a oeste. Por esta visão deu para Deus o que tinha e tornou-se um Frade menor; e foi na Ordem de tanta santidade e graça que ele falou com Deus, como um amigo o faz com o outro, segundo o qual São Francisco tentou várias vezes, e mais adiante se declarará.

Da mesma forma, Messere Bernard recebeu tanta graça de Deus que muitas vezes foi pego na contemplação de Deus: e São Francisco disse dele que era digno de toda reverência e que havia fundado aquela Ordem; ele dominou que foi o primeiro que abandonou o mundo, não reservando nada, mas dando tudo aos pobres de Cristo, e a pobreza evangélica começou, oferecendo-se nu nos braços do Crucifixo. Que ele seja abençoado por nós em saecula saeculorum. Um homem.

Capítulo 3

Quanto à má cogitação que São Francisco tinha contra o Irmão Bernardo, ele ordenou ao referido Irmão Bernardo que fosse três vezes com os pés na garganta e na boca.

O servo mais devotado do Messer Crucificado São Francisco, devido à dureza de sua penitência e aos gemidos constantes, quase ficou cego e quase não viu. Uma vez entre os outros deixou o lugar onde estava e foi para um lugar onde estava o irmão Bernard, para conversar com ele sobre as coisas divinas; e chegando ao lugar, ele descobriu que estava na floresta em oração, unido a todas as criaturas de Deus. Então São Francisco entrou na floresta e o chamou: "Venha - disse ele - e fale com este cego". E o irmão Bernard nada lhe respondeu, porque era um homem de grande contemplação e tinha a mente suspensa e elevada a Deus; e, portanto, que ele tinha uma graça singular ao falar de Deus, como São Francisco havia tentado várias vezes, e por isso queria falar com ele. Depois de algum intervalo, chamou-o pela segunda e terceira vez da mesma maneira: e nenhuma vez o irmão Bernard o ouviu e, portanto, não lhe respondeu, nem se dirigiu a ele. Pelo que São Francisco deixou um pouco consolado e maravilhado e arrependido de si mesmo, que o Irmão Bernardo, chamado três vezes, não tivesse ido com ele.

Partindo deste pensamento, São Francisco, quando ainda era morador, disse ao companheiro: "Espera-me aqui"; e ele foi para um lugar solitário ali, e se lançou em oração, orando a Deus para revelar a ele por que o irmão Bernard não lhe respondeu. E sendo assim, veio-lhe uma voz de Deus que dizia assim: "Pobre rapaz, de que te incomodas? Deveria o homem deixar Deus pela criatura? O irmão Bernard, quando o chamaste, juntou-se a mim; e portanto ele não poderia vir até você, nem responder-lhe. Portanto, não se surpreenda se ele não pudesse responder, mas que ele estava lá fora de si, não ouvindo nada de suas palavras. " Tendo São Francisco esta resposta de Deus, imediatamente com grande pressa, o Irmão Bernardo voltou a ele, para acusá-lo humildemente do pensamento que tinha contra ele.

E ao vê-lo virando de cabeça para baixo, o irmão Bernard veio ao seu encontro e se pôs de pé; e então São Francisco fez com que se levantassem e lhe contassem com grande humildade o pensamento e a perturbação que ele teve por ele, e como Deus lhe respondeu. Portanto, ele concluiu assim: "Eu te ordeno, por santa obediência, que faças o que eu te mando". Temendo o Irmão Bernardo de que São Francisco não lhe ordenasse algo excessivo, como costumava fazer, ele sinceramente quis descartar essa obediência; ao que ele respondeu assim: "Estou preparado para fazer a sua obediência, se você me prometer fazer o que eu te mandar". E prometendo-lhe São Francisco, o irmão Bernardo disse: "Agora, padre, diga o que quer que eu faça". Então São Francisco disse: "Eu te ordeno por santa obediência que, para punir minha prosunção e a ousadia de meu coração, agora que vou deitar de costas no chão, colocar um pé na minha garganta e o outro no a boca, e assim tu me passas três vezes e de um lado para o outro, dizendo-me vergonha e censura, e especialmente tu me dizes: "Deita-te, filho rude de Pietro Bernardoni; De onde vem tanto orgulho para você, de que você é uma criatura das mais vil? ". Ouvindo este irmão Bernard, e embora fosse muito difícil para ele fazê-lo, mesmo por santa obediência, por mais que pudesse cortesmente, ele cumpriu o que São Francisco lhe ordenou. Tendo feito isso, São Francisco disse: "Agora você me ordena o que você quer que eu faça a você, mas eu prometi obediência a você". O Irmão Bernardo disse: "Eu te ordeno por santa obediência que cada vez que estivermos juntos, você me leve de volta e corrija meus defeitos com amargura. "Com o que São Francisco forte se espantou, mas que o irmão Bernardo era de tanta santidade, que a tinha em grande reverência e não o considerava repreensível de coisa alguma E por isso, desde então, São Francisco cuidou de ficar com ele por muito tempo, por causa da dita obediência, para que nenhuma palavra de correção fosse dita a ele, que ele conhecia de tanta santidade, mas quando quis. vê-lo, ou melhor, ouvi-lo falar de Deus, quanto mais cedo ela poderia se passar por ele e ir embora. E foi uma grande devoção ver com quanta caridade, reverência e humildade São Francisco o pai usava e conversava com o irmão Bernardo, o filho primogênito.
Para louvor e glória de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 4

Como o anjo de Deus levantou uma questão ao irmão Elia, guardião de um lugar em Val di Spoleto; e porque o irmão Elias respondeu com orgulho, partiu e dirigiu-se a São Jacopo, onde encontrou o irmão Bernardo e contou-lhe esta história.

No início e na fundação da Ordem, quando havia poucos frades e os lugares ainda não haviam sido ocupados, São Francisco, por sua devoção, foi a São Jacopo da Galiza, e trouxe consigo vários frades, entre os quais um Frei Bernardo. E assim indo juntos no caminho, encontrou em uma terra um pobre doente, a quem, com compaixão, disse ao Irmão Bernardo: "Filho, quero que fiques aqui para servir a este enfermo". E o irmão Bernard, humildemente ajoelhado e curvando a cabeça, recebeu a obediência do santo padre e permaneceu naquele lugar; e São Francisco com seus outros companheiros foram para São Jacopo. Tendo chegado lá, e passando a noite em oração na igreja de São Tiago, isso foi revelado por Deus aos São frades. E nesta revelação São Francisco começou a tomar lugar nesses bairros, ele deu autoridade para que sua Ordem se expandisse e se tornasse uma grande multidão de frades.E voltando São Francisco do jeito que estava antes, ele encontrou o irmão Bernardo, e o doente com quem o havia deixado, perfeitamente curado; por isso São Francisco concedeu no ano seguinte ao Irmão Bernardo que fosse para São Jacopo.

E assim São Francisco voltou ao vale do Spuleto; e ele e o irmão Masseo e o irmão Elijah e alguns outros estavam em um lugar deserto, todos os quais foram muito cuidadosos para não entediar ou aleijar São Francisco de oração, e eles fizeram isso pela grande reverência que tinham por ele e porque sabiam que Deus estava revelando a ele grandes coisas em suas orações. Aconteceu um dia que, estando São Francisco em oração na floresta, um belo jovem, preparado para caminhar, veio até a porta do lugar, e bateu tão rápida e forte e por um espaço tão grande, que os frades se maravilharam uma forma não utilizada de bater. O irmão Masseo foi, abriu a porta e disse ao jovem: "Venha, filho, que parece que nunca mais volta, já te espancaste muito?". O jovem respondeu: "E como deve bater?". Frei Masseo disse: "Ele bate três vezes um após o outro, raramente, então ele te espera tanto que o frade disse seu pai e vai até você; e se ele não vier nesse intervalo, ele bate de novo." O jovem respondeu: "Estou com muita pressa e, portanto, bato com tanta força; portanto, devo fazer uma longa jornada, e aqui vim falar com o Irmão Francis, mas ele agora está na floresta em contemplação. e, no entanto, não quero aleijar; mas vai e manda-me o irmão Elias, quero fazer-lhe uma pergunta, mas entendo que é muito sábio". O irmão Masseo vai e diz ao irmão Elia para ir até o mais novo. E o irmão Elias está escandalizado e não quer ir para lá; o que o irmão Masseo não sabe o que fazer, ou o que responder a ele; é importante que se ele dissesse: O irmão Elias não pode vir, ele estava mentindo; se ele disse o quanto estava chateado e não quer vir, eles temeram dar-lhe um mau exemplo. E porque nesse ínterim o irmão Masseo estava com dor de voltar, o jovem bateu novamente como antes; e pouco depois o irmão Masseo voltou à porta e disse ao jovem: "Você não observou a minha doutrina ao bater." O jovem respondeu: "O irmão Elias não quer vir ter comigo; mas vai dizer ao irmão Francis que vim falar com ele; mas, como não quero impedi-lo de rezar, diga-lhe que me mande o irmão 'Elijah". E então o irmão Masseo foi até São Francisco, que agora estava na floresta com o rosto voltado para o céu, e eu contei a ele sobre a visita do jovem e a resposta do irmão Elia. E aquele jovem era o Cordeiro de Deus em forma humana. Então São Francisco, sem mudar de lugar nem abaixar o rosto, disse ao Irmão Masseo: "Vá e diga ao Irmão Elia que vá até o jovem por obediência imanente". Ouvindo a obediência do irmão Elias a São Francisco, ele foi até a porta muito perturbado, e com grande emoção e rugido abriu-a e disse ao jovem: "O que você quer?". O jovem respondeu: "Olha, irmão, que tu não te incomodas, como igual, mas que a raiva atrapalha a alma e não permite discernir a verdade". O irmão Elijah disse: "Diga-me o que você quer de mim." O jovem respondeu: "Eu te pergunto, se os observadores do santo Evangelho podem comer do que é colocado diante deles, segundo o que Cristo disse aos seus discípulos. Que é contrário à liberdade evangélica". O irmão Elijah respondeu de forma soberba: "Sei bem disso, mas não quero responder-lhe: vá por sua conta". O jovem disse: "Eu seria mais capaz de responder a essa pergunta do que você." Então o irmão Elijah ficou perturbado e furiosamente fechou a porta e eu fui embora. Então ele começou a pensar na questão acima e duvidar de si mesmo; e não sabia como resolver. Decidiu que era Vigário da Ordem e ordenou e fez uma constituição, além do Evangelho e da Regra de São Francisco, que nenhum frade da Ordem comesse carne; de modo que a questão acima foi expressamente contra ele. Do qual, não sabendo se declarar, e considerando a modéstia do jovem e que ele havia dito que poderia responder a essa pergunta melhor do que ele, ele volta à porta e a abre para perguntar ao jovem sobre o referido pergunta, mas ele já foi deixado; fortaleceu que o orgulho do irmão Elijah não era digno de falar com o Anjo. Feito isso, São Francisco, a quem todas as coisas foram reveladas por Deus, voltou da floresta e retomou em alta voz o irmão Elias, dizendo: "Ai de ti, orgulhoso irmão Elias, que expulsas de nós o santo Anjo, que nos é ensinado; digo-lhe que temo fortemente que o seu orgulho não o fará acabar fora desta Ordem ". E assim lhe ocorreu mais tarde, como São Francisco previu, mas que morrera fora da Ordem.

No mesmo dia, à hora em que partiu Anjo, apareceu nessa mesma forma ao Irmão Bernardo, que regressava a São Jacopo e se encontrava às margens de um grande rio; e saúda-o na sua própria língua, dizendo: "Deus te dê a paz, bom frade". E o bom frei Bernardo maravilhado fortemente e considerando a beleza do jovem e a fala de sua pátria, com sua saudação serena e com um rosto alegre, perguntou: "De onde vens, bom jovem?". Anjo respondeu: "Venho de um lugar onde habita São Francisco, e fui falar com ele e não pude, porém, que ele estivesse na floresta contemplando coisas divinas, e eu não queria aleijá-lo. Irmão Masseo e o irmão Egidio e o irmão Elia moram naquele lugar; e o irmão Masseo me ensinou a bater na porta como um irmão. Ele se arrependeu; e ele queria me ouvir e me ver, mas não pôde. " Depois dessas palavras, Anjo disse ao irmão Bernard: "Por que você não vai lá?". O irmão Bernard respondeu: "Mas temo o perigo devido à profundidade da água que vejo." O Anjo disse: "Vamos passar juntos; não duvide." E ele pegou sua mão e, em um piscar de olhos, o vômito do outro lado do rio. Então o irmão Bernard soube que era o Cordeiro de Deus, e com grande reverência e alegria disse em voz alta: "Bendito Anjo de Deus, diga-me qual é o seu nome". Anjo respondeu: "Por que você pergunta sobre o meu nome, que é maravilhoso?". E dito isso, Anjo desapareceu e deixou o irmão Bernard muito consolado, tanto que todo aquele caminho foi feito com alegria. E ele considerou o dia e a hora em que o Agnolo tinha aparecido para ele; e chegando ao lugar onde se encontrava São Francisco com os citados companheiros, recitou-lhes tudo ordenadamente. E eles certamente sabiam que aquele mesmo Anjo, naquele dia e naquela hora, tinha aparecido para eles e para ele. E eles agradeceram a Deus.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 5

Como o santo frei Bernardo d'Ascesi foi enviado por São Francisco a Bolonha, e ali ocupou seu lugar.

Reinou que São Francisco e seus companheiros foram chamados e eleitos por Deus para levar com o coração e com as operações, e pregar com a língua a cruz de Cristo, parecia e eram homens crucificados, quanto ao hábito e quanto ao vida austera, e quanto aos seus atos e operações; e ainda assim eles queriam mais suportar vergonha e opróbrio pelo amor de Cristo, do que honras do mundo ou reverências ou louvor vão; pelo contrário, eles se alegraram com os insultos e entristeceram suas honras. E assim eles deram a volta ao mundo como peregrinos e estrangeiros, trazendo com eles nada além de Cristo crucificado; e porque ele era da videira verdadeira, isto é, Cristo, eles produziram grandes e bons frutos de almas, que ganharam para Deus.

Sucedeu, no início da religião, que São Francisco mandou o Irmão Bernardo a Bolonha, para que ali, segundo a graça que Deus lhe havia concedido, desse frutos para Deus, e o Irmão Bernardo fazendo-se sinal de todos. Santa Cruz para Santa Obediência, partiu e chegou a Bolonha. E, vendo-o como uma criança em trajes desusados, covardemente fizeram-lhe muitas zombarias e insultos, como seria feito a um louco; e o irmão Bernard com paciência e alegria apoiou tudo por amor de Cristo. Ao contrário, para que ele possa ser mais bem educado, pode-se facilmente colocar-se na praça da cidade; então sentados ali tantas crianças e homens reunidos ao seu redor, e aqueles que puxaram seus capuzes atrás dele e aqueles na frente, aqueles que jogaram poeira e aquelas pedras, aqueles que o empurraram aqui e ali: e o irmão Bernard, sempre de uma maneira e uma paciência, com uma cara feliz, não se arrependeu e não mudou. E por vários dias ele voltou ao mesmo lugar, também para sustentar coisas semelhantes. E, portanto, essa paciência é obra de perfeição e prova de virtude, sábio doutor em direito, vendo e considerando tanta constância e virtude de o irmão Bernard não poder se incomodar em tantos dias por nenhum assédio ou insulto, disse a si mesmo : "Impossível é que ele não seja um homem santo". E aproximando-se dele perguntou-se: "Quem és tu e porque vieste aqui?". E o irmão Bernardo, em resposta, pôs a mão no peito e tirou a Regra de São Francisco e disse-lhe que a lesse. E depois de ler que ele o tinha, considerando seu alto estado de perfeição, com grande espanto e admiração, ele se voltou para seus companheiros e disse: "Verdadeiramente este é o mais alto estado de religião que já ouvi; e, portanto, com seus companheiros, eles são dos homens mais santos deste mundo, e é um grande pecado quem o insulta, a quem ele gostaria de homenagear supremamente, por ser amigo de Deus". E disse ao Irmão Bernardo: "Se queres ocupar um lugar onde deves servir a Deus, de bom grado te daria para a saúde da minha alma». O irmão Bernardo respondeu: "Senhor, creio que isso te inspirou por nosso Senhor Jesus Cristo e, portanto, aceito de bom grado a tua oferta em honra de Cristo". Então o referido juiz com grande alegria e caridade conduziu o Irmão Bernard até sua casa; e então ele deu-lhe o lugar prometido, e ele concordou e fez tudo às suas custas; e a partir de então tornou-se pai e defensor do irmão Bernard e de seus companheiros.

E o irmão Bernard, por sua sagrada conversa, passou a ser muito honrado pelo povo, tanto que bem-aventurados aqueles que puderam tocá-lo ou vê-lo. Mas como verdadeiro discípulo de Cristo e humilde Francisco, temendo que a honra do mundo não impedisse a paz e a saúde de sua alma, um dia partiu e voltou a São Francisco e disse-lhe assim: "Pai, o lugar é tomada na cidade de Bolonha; mandaste frades para mantegnino e aí fiquem, mas como eu já não a estava a ganhar, aliás pela demasiada honra que me foi feita, temo não perder mais que não o fiz". Então São Francisco ouvindo tudo por ordem, já que Deus tinha usado para o Irmão Bernardo, agradeceu a Deus, que assim começou a expandir os pobres discípulos da cruz; e então ele enviou seus companheiros para Bolonha e Lombardia, que os levaram de muitos lugares em diferentes partes.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 6

Como São Francisco abençoou o santo Irmão Bernardo e deixou seu Vigário quando ele passou esta vida.

Ele era o Irmão Bernardo de tamanha santidade que São Francisco o reverenciava e muitas vezes o elogiava. Sendo um dia São Francisco e estando devotamente em oração, foi-lhe revelado por Deus que o Irmão Bernardo, por permissão divina, teve que suportar muitas e diferentes e combativas batalhas contra os demônios; do qual São Francisco, tendo grande compaixão pelo dito Irmão Bernardo, a quem ele amava como seu filho, há muitos dias com lágrimas, orando a Deus por ele e recomendando-o a Jesus Cristo, que deveria dar-lhe a vitória do demônio. E rezando assim a São Francisco com devoção, Deus respondeu-lhe sim um dia: "Francisco, não tenhas medo, mas que todas as tentações contra as quais deve ser combatido o irmão Bernardo sejam permitidas por Deus exercer a virtude e a coroa do mérito; e finalmente a todos os inimigos terão vitória, mas ele é um dos convidados do reino dos céus". Com essa resposta São Francisco teve grande alegria e agradeceu a Deus. E daquela hora em diante ela trouxe a ele mais e mais amor e reverência.

E bem, ele mostrou isso a ele não apenas em sua própria maneira, mas também na morte. Dominou que, quando São Francisco foi morto, à maneira daquele santo patriarca Jacó, ao seu redor os filhos devotos entristecidos e chorosos pela partida de um pai tão amável, ele perguntou: "Onde está o meu primogênito? eu, filho, que minha alma o abençoe, antes que eu morra. " Então o Irmão Bernardo disse em segredo ao Irmão Elias (que era Vigário da Ordem): "Pai, vai à direita do santo, para que ele te abençoe". E colocando o irmão Elia com a mão direita, São Francisco, que perdera a visão de tantas lágrimas, colocou a mão direita na cabeça do irmão Elia e disse: "Esta não é a cabeça do primogênito irmão Bernardo". Então o irmão Bernardo foi até ele com a mão esquerda, e São Francisco então cruzou os braços em forma de cruz, e então colocou a mão diretamente na cabeça do irmão Bernardo, e ele errou na cabeça do referido irmão Elias e disse: "Irmão Bernardo, abençoe o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo em todas as bênçãos espirituais e celestiais em Cristo, pois você é o primogênito eleito nesta Santa Ordem para dar um exemplo evangélico, para seguir a Cristo na pobreza evangélica: ele determinou que não só você deu a sua e distribuiu total e gratuitamente aos pobres pelo amor de Cristo, mas você mesmo se ofereceu a Deus nesta Ordem como um sacrifício de mansidão. Bendito sejas, pois, por nosso Senhor Jesus Cristo e por mim seu pobre servo de bênçãos. eterno, vai, fica, vê e dorme, e vive e morre; e quem te abençoar seja cheio de bênçãos, quem te amaldiçoar não ficará sem punição. Seja o chefe de seus irmãos, e ao seu comando que todos os frades obedeçam, tenham permissão para receber quem quiserem nesta Ordem, e nenhum frade tenha senhorio sobre vocês, e possam ir e ficar onde quiserem".

E depois da morte de São Francisco, os frades amaram e reverenciaram o Irmão Bernardo como um pai venerável. E quando ele morreu, muitos frades de diferentes partes do mundo vieram a ele; Entre eles estava o hierárquico e divino frei Egidio, que, vendo Frei Bernardo, disse com grande alegria: "Sursum corda, frate Bernardo, sursum corda". E o Irmão Bernard Santo disse secretamente a um irmão que preparasse um lugar adequado para a contemplação do Irmão Egídio, e assim foi. Sendo o Irmão Bernard na última hora de sua morte, ele se levantou e falou aos frades que estavam diante dele, dizendo: "Queridos irmãos, não quero dizer muitas palavras a vocês, mas vocês devem considerar que o estado da religião que eu tive, você tem, e isso que tenho agora, você ainda terá. E eu encontro isso em minha alma, que por mil mundos iguais a este eu não gostaria de ter servido nenhum outro Senhor além de nosso Senhor Jesus Cristo. Cada ofensa que eu fiz, eu sou culpado diante do meu Senhor Salvador Jesus e vocês. Por favor, meus amados irmãos, que vocês se amem juntos ". E depois dessas palavras e outros bons ensinamentos, colocando-se na cama, seu rosto tornou-se esplêndido e extremamente feliz, o que deixou todos os frades maravilhados; e nessa alegria sua alma santíssima, coroada com glória, passa desta vida para o abençoado dos Anjos.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 7

Como São Francisco, ele fez uma Quaresma em uma ilha no lago de Perugia, onde jejuou quarenta dias e quarenta noites e comeu apenas meio pão.

O verdadeiro servo de Cristo São Francisco, porém, que em certas coisas foi quase outro Cristo, dado ao mundo para a salvação do povo, Deus Pai quis fazê-lo em muitos atos conformados e semelhantes a seu filho Jesus Cristo, como ele nos mostra no venerável colégio dos doze companheiros e no admirável mistério do sagrado Istimmate e no contínuo jejum da santa Quaresma, o que ele fez desta forma.

Certa vez, São Francisco era São Francisco no dia da Carnascia próximo ao lago de Perugia, na casa de um de seus devotos com quem estava passando a noite, foi inspirado por Deus que deveria ir fazer aquela Quaresma em um ilha no lago. De que São Francisco rezou pour seu devoto, que por amor de Cristo o levasse com seu navio a uma ilha no lago onde ninguém vivia, e isso ele faria na noite do dia de cinzas, para que essa pessoa não esteja ciente disso. E ele, pelo amor da grande devoção que tinha a São Francisco, prontamente atendeu ao seu pedido e o levou para a dita ilha; e São Francisco trouxe consigo apenas dois pães. E, tendo chegado à ilha, e seu amigo saindo para voltar para casa, São Francisco rogou-lhe muito que não revelasse a ninguém como estava ali e que não fosse buscá-lo senão na Quinta-feira Santa. E então ele partiu; e São Francisco foi deixado sozinho.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 8

Enquanto São Francisco e o Irmão Leão caminhavam pela estrada, cuspiam nele coisas que são uma alegria perfeita.

Vindo uma vez São Francisco de Perugia a Santa Maria degli Angioli com Frei Lyons na época do inverno, e o frio extremo o incomodava muito, chamou Frei Lyons que se adiantou, e disse assim: "Frei Lyons, desde os Frades Menores em cada terra é um grande exemplo de santidade e boa edificação; no entanto, escreva e observe diligentemente que não há alegria perfeita lá. " E mais adiante, São Francisco o chamou pela segunda vez: "Ó Irmão Lyons, embora o Irmão Menor aluminize-os cegos e relaxe os atraídos, ele dissipa o mal, faz ouvir os surdos e vai aos coxos, fala aos mudos e, o que é mais, ressuscitou-os mortos quatro dias; entenda que não há alegria perfeita nisso". E indo um pouco, São Francisco grita: "Ó Irmão Lyons, se o Irmão Menor soubesse todas as línguas e todas as ciências e todas as escrituras, para saber profetizar e revelar, não só o futuro , mas também segredos. das consciências e dos homens; você escreve que nisto não há alegria perfeita". Indo um pouco mais longe, São Francisco ainda chamou em voz alta: "Ó Irmão Lyons, ovelhinhas de Deus, embora o Irmão Menor fale com a língua de Anjo, e conheça os cursos das estrelas e as virtudes das ervas, e todos os tesouros têm foi revelado a eles. da terra, e conhecia as virtudes dos pássaros e peixes e todos os animais e pedras e águas; você deve registrar que não há alegria perfeita nisso ". E indo um pouco mais, São Francisco chamou em voz alta: "Ó Irmão Lyons, embora o Irmão Menor soubesse tão bem que converteria todos os infiéis à fé de Cristo; escreve que aí não há alegria perfeita".

E falando bem por três quilômetros, o irmão Lyons, com grande admiração, perguntou-lhe e disse: "Pai, rogo-te da parte de Deus que me digas onde está a alegria perfeita". E São Francisco respondeu-lhe: "Quando estivermos em Santa Maria degli Agnoli, tão molhados da chuva e congelados do frio e lamacentos de lótus e aflitos de fome, e vamos bater na porta do lugar, e o porteiro vai zangar-se-á e dirá: quem és? E diremos: somos dois dos teus frades; e ele dirá: não estás a dizer a verdade, antes sois dois canalhas que vão enganar o mundo e roubar a esmola de os pobres; vão embora; e não a nós ele se abrirá, e nos fará ficar do lado de fora, na neve e na água, com frio e fome até a noite; então, se tanto insulto e tanta crueldade e tantas despedidas, suportaremos pacientemente sem perturbando e sem murmurar sobre ele, e humildemente pensaremos que aquele porteiro nos conhece verdadeiramente, que Deus o faz falar contra nós; Ó Irmão Lyons, escreva que aqui há alegria perfeita. então, ladrão vilissimi celli, vá para o hospital, porque aqui você não vai comer, nem vai se hospedar; se o mantivermos com paciência, alegria e bom amor; Ó irmão Lyons, escreva que existe uma alegria perfeita ali. E se nós, apesar de sermos forçados pela fome e pelo frio e pela noite, batermos mais e clamarmos e rezarmos pelo amor de Deus com grande pranto, abramo-nos e ponhamo-nos lá dentro, e os mais escandalizados dirão: Estes são importunas canalhas, eu os pagarei, assim como eles são dignos; e ele vai sair com um pedaço de pau, e nos agarrar pelo capô e gitteracci no chão e nos envolver na neve e nos bater nó a nó com aquele pedaço de pau: se suportarmos todas essas coisas com paciência e alegria, pensando das dores do bendito Cristo, que devemos apoiar por seu amor; Ó irmão Lyons, escreva que aqui e nisto existe uma alegria perfeita. E ainda assim você odeia a conclusão, irmão Lyons. Acima de todas as graças e dons do Espírito Santo, que Cristo concede aos seus amigos, é superar a si mesmo e de boa vontade por amor de Cristo suportar dores, injúrias e opróbrios e desconfortos; é importante que em todos os outros dons de Deus não possamos nos orgulhar, senão que não são nossos, mas de Deus, por isso o apóstolo diz: "O que tens que não tens de Deus? dele, por que você se vangloria disso, como se fosse você mesmo?". Mas na cruz da tribulação e da aflição podemos nos gloriar, porém o que diz o apóstolo: "Não quero gloriar-me senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo".
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 9

Como São Francisco ensinou respondeu ao Irmão Lyons, e ele nunca poderia dizer outra coisa senão o contrário do que Francisco queria.

Já que São Francisco estava uma vez no início da Ordem com Frei Lyon em um lugar onde não havia livros para dizer o Ofício Divino, quando chegou a hora das matinas, São Francisco disse ao Irmão Lyons: "Querido, não temos breviário, com o que podemos dizer manhã, mas para que tenhamos tempo para louvar a Deus, direi e você me responderá como eu te ensinarei: e veja que não mude as palavras, caso contrário eu te ensinarei. assim: O Irmão Francis, você cometeu tantos males e pecados no século, que é digno do inferno; e você, irmão Lyons, responderá: é verdade que você merece o inferno mais profundo". E o irmão Lyons, com simplicidade colombiana, respondeu: "Feliz, pai, comece pelo nome de Deus". Então São Francisco começou a dizer: "Ó Irmão Francisco, você cometeu tantos males e tantos pecados neste século, que é digno do inferno". E o irmão Lyons responde: "Deus fará tantas coisas boas por você que você irá para o céu". São Francisco disse: "Não diga isso, irmão Lyons, mas quando eu digo: Irmão Francisco, você que fez tantas coisas injustas contra Deus, que é digno de ser caluniado por Deus; e você responde assim: Verdadeiramente você é 'digno de ser colocado entre os' bandidos '. E o irmão Lyons responde: "De boa vontade, padre". Então São Francisco, com muitas lágrimas e suspiros e batidas no peito, diz em voz alta: "Ó meu Senhor do céu e da terra, cometi contra ti tantas iniqüidades e tantos pecados, que em tudo sou digno de ser condenado". E o irmão Lyons responde: "Ó irmão Francisco, Deus te fará tal que entre eles abençoado seja singularmente abençoado". E São Francisco maravilhado que o irmão Lyons respondesse ao contrário do que lhe havia imposto, ele respondeu, dizendo: "Por que você não responde como eu te ensino? Eu direi assim.: Ó mau irmão Francisco, você acha que Deus vai dar misericórdia de você? Com isso é algo que você cometeu tantos pecados contra o Pai da misericórdia e Deus de toda consolação, que você não é digno para encontrar misericórdia., ovelhas frei Lyons, respondereis: De modo algum sois dignas de encontrar misericórdia". Mas então, quando São Francisco disse: "Ó irmão Francesco mau" etc.; O irmão Lyons respondeu: "Deus Pai, cuja misericórdia é infinita mais do que o teu pecado, dar-te-á grande misericórdia e sobre ela acrescentará muitas graças". A esta resposta, São Francisco, docemente irado e pacientemente perturbado, disse ao Irmão Lyons: "E por que você se atreveu a se opor à obediência, e tantas vezes respondeu o contrário do que eu lhe impus?". O irmão Lyons responde com muita humildade e reverência: "Deus sabe, meu pai, que todas as vezes em que pus em meu coração responder como me ordenaste; mas Deus me faz falar segundo o que ele gosta, não segundo o que me agrada. " Com o que São Francisco ficou pasmo e disse ao Irmão Lyons: "Peço-lhe a gentileza de responder desta vez como eu disse a você". O irmão Lyons responde: "Diga em nome de Deus que desta vez responderei como quiser". E São Francisco, chorando, disse: "Ó frei Francesco mau, você acha que Deus tem misericórdia de você?". O irmão Lyons responde: "Ao contrário, você receberá uma grande graça de Deus e se exaltar e glorificar para sempre, ele determinou que todo aquele que se humilhar será exaltado. E não posso dizer mais nada, é imperativo que Deus fale por meio de minha boca". E assim, nesta humilde restrição, com muitas lágrimas e com muito consolo espiritual, eles foram vistos até agora.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 10

Como Frei Masseo quase proverbialmente, disse a São Francisco que o mundo inteiro iria diretamente para ele; e ele respondeu que esta era uma confusão do mundo e da graça de Deus; porque eu sou o mais vil do mundo.

Certa vez, São Francisco residiu no lugar da Porciúncula com Frei Masseo da Marignano, homem de grande santidade, discrição e graça ao falar de Deus, razão pela qual São Francisco o amava muito; um dia, São Francisco voltando da floresta e orando, e estando fora da floresta, o dito Frei Masseo quis provar o quão humilde ele era, e o encontrou, e quase proverbialmente disse: "Por que você, por que você, por que para você? ". São Francisco responde: "O que você quer dizer?". O irmão Masseo disse: "Digo, porque o mundo inteiro está voltado para você, e cada pessoa parece querer ver você, ouvi-lo e obedecê-lo? Você não é um homem bonito do corpo, não é de grande ciência, você não é nobre; então, por que quer que o mundo inteiro te siga?". Ao ouvir isso São Francisco, todos se alegraram no espírito, erguendo o rosto ao céu, ele ficou por muito tempo com a mente elevada em Deus; e então voltando a si mesmo, ele se ajoelhou e deu louvor e graça a Deus; e então com grande fervor de espírito ele se virou para o irmão Masseo e disse: "Você quer saber por que eu? Você quer saber por que eu? Você quer saber por que o mundo inteiro está me seguindo? olhos do Deus Altíssimo, que em todo lugar contempla o bom e o culpado: assegurou que aqueles santos olhos não viram entre os pecadores ninguém mais vil, nem mais insuficiente, nem pecador maior do que eu; e, portanto, fazer aquele maravilhoso operação, que ele pretende fazer, ele não encontrou mais criatura vil na terra; e, portanto, ele me escolheu para confundir a nobreza e a grandeza e a força e beleza e sabedoria do mundo, para que seja conhecido que todos a virtude e todo o bem vêm dele, e não da criatura, e ninguém pode se gloriar na sua presença; mas quem se gloriar, glorie-se no Senhor, a quem toda a honra e glória são para sempre". Então o irmão Masseo a uma resposta tão humilde, disse com fervor, sim, ele estava assustado e certamente sabia que São Francisco era verdadeiramente fundado na humildade.
Para o louvor de Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 11

Como São Francisco, fez com que Frei Masseo circulasse várias vezes e depois foi para Siena.

Indo um dia a São Francisco em uma viagem com Frei Masseo, o referido Frei Masseo foi um pouco mais longe; e chegando a uma encruzilhada na rua, pela qual era possível ir a Florença, Siena e Arezzo, o irmão Masseo disse: "Padre, para que lado devemos ir?". São Francisco responde: "Pelo que Deus quer". O irmão Masseo disse: "E como podemos saber a vontade de Deus?". Responde São Francisco: "Ao sinal de que te mostrarei; ordeno-te, graças ao mérito da santa obediência, que nesta encruzilhada no lugar onde te manténs os pés, andes à tua volta, como fazem as crianças, e não pare de virar se eu não te contar ". Então o irmão Masseo começou a se virar; e ele se virou tanto que caiu várias vezes no chão por causa da vertigem de sua cabeça, que geralmente é gerada por tal virada; mas ao não dizer a São Francisco que descansasse e ele quis obedecer fielmente, ele se levantou. No final, ao se virar com força, São Francisco disse: "Fique parado e não se mexa". E ele ficou; e São Francisco lhe pergunta: "De que lado você está virado?". Frei Masseo responde: "Inverse Siena". São Francisco disse: "É assim que Deus quer que sigamos".

Indo assim, o Irmão Masseo ficou muito surpreso com o que São Francisco o obrigou a fazer, quando criança, diante dos seculares que passavam; no entanto, por reverência, ele não ousou dizer nada ao santo padre.

Ao se aproximarem de Siena, o povo da cidade soube do acontecimento do santo, e o encontraram e por devoção o levaram com seu companheiro até o bispado, que não tocou o chão com seus pés. Naquela hora, vários homens de Siena estavam lutando juntos, e dois deles já haviam morrido; chegando ali, São Francisco pregou-lhes com tanta devoção e tão santo, que os reduziu a todos à paz e grande humildade e concórdia juntos. Por isso, ouvindo do Bispo de Sena aquela sagrada operação que São Francisco havia feito, ele o convidou a ir a sua casa, e a recebeu com a maior honra naquele dia e também à noite. E na manhã seguinte São Francisco, verdadeiramente humilde, que em suas operações nada buscava senão a glória de Deus, levantou-se a tempo com seu companheiro, e parti sem o conhecimento do Bispo.

Do qual o dito Frade Masseo murmurava para si mesmo ao longo do caminho, dizendo: "O que é que este bom homem fez? Até disse uma palavra boa, nem lhe agradeceu". E parecia a Frei Masseo que São Francisco se portava de maneira tão indiscreta. Mas então por inspiração divina, voltando a si e recuperando-se, disse ao seu coração: "Frei Masseo, tu és demasiado orgulhoso, que julgas as obras divinas, e és digno do inferno pelo teu orgulho indiscreto: reino que ontem Irmão Francisco fez tantas operações que se o Cordeiro de Deus as tivesse feito, não teriam sido mais maravilhosas. Ele assim procedeu da operação divina, como se mostra no bom final que se seguiu; no entanto, se aqueles que lutaram juntos não se reconciliaram, não apenas muitos corpos, como já haviam começado, teriam morrido à faca, mas mesmo muitas almas o diabo seria atraído para o inferno. E, portanto, vocês são os mais tolos e orgulhosos, que murmuram do que evidentemente procede da vontade de Deus".

E todas essas coisas que o irmão Masseo disse em seu coração, indo em frente, foram reveladas por Deus a São Francisco. Por isso São Francisco se aproximou dele e disse assim: "Você se mantém naquilo que você pensa agora, mas elas são boas e úteis e expiram de Deus; mas o primeiro murmúrio que você fez foi cego e vão e orgulhoso e colocado na alma de o diabo". Então o Irmão Masseo percebeu claramente que São Francisco conhecia os segredos de seu coração e certamente compreendeu que o espírito da Sabedoria divina dirigia o santo padre em todos os seus atos.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 12

Como São Francisco, o Irmão Masseo assumiu a função da porta, da esmola e da cozinha; então, a pedido dos outros frades, ele o removeu.

São Francisco, querendo humilhar o Irmão Masseo, para que por tantos dons e graças que Deus lhe deu não se elevasse em vanglória, mas em virtude da humildade crescesse com eles de virtude em virtude; uma vez que viveu em um lugar solitário com aqueles seus primeiros companheiros verdadeiramente santos, dos quais era o dito Fr. Masseo, um dia disse a Fr. Masseo na frente de todos os seus companheiros: "Ó Frade Masseo, todos estes seus companheiros têm o graça da contemplação e da oração; mas tens a graça de pregar a palavra de Deus para satisfazer o povo. E, no entanto, quero, para que compreendam na contemplação, que desempenhas o ofício de porta e esmola e cozinha: e quando o outros frades comem, e você come fora da porta do lugar, para que aqueles que vierem ao lugar, antes de baterem, vocês os satisfaçam com algumas boas palavras de Deus, para que ninguém mais saia além de você. E isso ele faz pelo mérito da santa obediência ". Então o irmão Masseo tirou o capuz e abaixou a cabeça, e humildemente recebeu e perseguiu esta obediência por vários dias, fazendo o ofício da porta, a esmola e a cozinha.

Dos quais os companheiros, como homens iluminados por Deus, começaram a sentir grande remorso em seus corações, considerando que o irmão Masseo era um homem de grande perfeição como ele é ou mais, e todo o peso do lugar foi colocado sobre ele e não sobre eles. Por esta razão, todos eles se moveram com a mesma vontade e foram orar ao santo padre para que ele gostaria de distribuir aqueles ofícios entre eles, era imperativo que suas consciências, pois nenhum mundo pudesse sustentar que o irmão Masseo fez tanto esforço. Ao ouvir isso, São Francisco acreditou em seu conselho e consentiu em sua vontade. E chamado o irmão Masseo, ele disse-lhe: "Irmão Masseo, seus companheiros querem fazer parte dos ofícios que lhe dei; portanto, quero que esses ofícios sejam concedidos." Frei Masseo diz com grande humildade e paciência: "Pai, o que me impõe, total ou parcialmente, considero tudo feito por Deus". Em seguida, São Francisco, vendo a caridade daqueles e a humildade de Frei Masseo, deu-lhes um maravilhoso e grande sermão da santíssima humildade, ensinando-lhes que quanto mais dons e graças Deus nos dá, mais humildes devemos ser; ele determinou que sem humildade nenhuma virtude é aceitável a Deus e, após o sermão, ele distribuiu os ofícios com grande caridade.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 13

Como São Francisco e o Irmão Masseo, o pão que eles aceitaram colocado sobre uma pedra ao lado de uma fonte, e São Francisco elogiava muito a pobreza. Em seguida, rezou a Deus e a São Pedro e São Paulo para que a santa pobreza o apaixonasse, e como São Pedro e São Paulo lhe apareceram.

Maravilhoso servo e seguidor de Cristo, isto é, Senhor São Francisco, para se conformar perfeitamente a Cristo em tudo, que, segundo o Evangelho, enviava seus discípulos dois a dois a todas as cidades e lugares para onde devia ir; visto que ele reuniu doze companheiros como um exemplo de Cristo, ele os enviou ao mundo para pregar dois a dois. E para dar-lhes um exemplo de verdadeira obediência, ele primeiro começou a fazer, do que a ensinar. Assim, tendo atribuído outras partes do mundo aos seus companheiros, ele, tomando por companheiro o irmão Masseo, tomou o caminho para a província da França. E chegando um dia com muita fome a uma villa, foram, segundo a Regra, mendigar pão por amor de Deus; e São Francisco foi para um distrito, e o irmão Masseo para outro. Mas aconteceu que São Francisco era um homem muito desprezado e pequeno de corpo e, portanto, considerado um pobre covarde por aqueles que não o conheciam, aceitou apenas alguns pedaços e pedaços de pão seco; mas o irmão Masseo, quando ele era um grande e belo homem de corpo, então ele recebeu pedaços bons e grandes e muito pão integral.

Tendo recebido o que ele havia recebido, eles se reuniram fora da vila em um lugar para comer, onde havia uma bela fonte, e ao lado dela havia uma bela pedra grande, sobre a qual cada um colocou todo o limosme que havia coletado. E vendo São Francisco que os pedaços do pão do irmão Masseo eram cada vez mais bonitos e maiores que os seus, ele se alegrou muito e disse assim: "Ó irmão Masseo, não somos dignos de tão grande tesouro". E repetindo várias vezes estas palavras, o irmão Masseo respondeu: "Padre, como pode chamá-lo de tesouro, onde está tanta pobreza e falta do que falta? Aqui não há toalha de mesa, nem faca, nem tábua de cortar, nem taças, nem casa, nem mesa, nem soldado de infantaria, nem fancella". Disse São Francisco: "E isto é o que considero um grande tesouro, onde não há uma única coisa preparada para a indústria humana; mas o que existe, é preparado pela providência divina, visto que se vê evidentemente no pão aceito, na mesa de pedra tão bela, e na fonte tão clara. E, no entanto, quero o tesouro da santa pobreza, tão nobre, que Deus tem por seu servo, para nos fazer amar de todo o coração". E tendo dito estas palavras, e tendo orado e tomado o reflexo corporal destes pedaços de pão e daquela água, eles se levantaram para caminhar na França.

E chegando a uma igreja, São Francisco disse ao companheiro: "Vamos nesta igreja rezar". E São Francisco foi atrás do altar, e foi rezar, e nessa oração recebeu da visitação divina um fervor tão excessivo, que inflamava sua alma tão eficazmente pelo amor à santa pobreza, que entre a cor do seu rosto e a novo bocejo da boca parecia lançar chamas de amor. E estando tão entusiasmado com o companheiro, disse-lhe: "A, A, A, frei Masseo, dá-me tu mesmo". E assim ele disse três vezes, e na terceira vez São Francisco ergueu Frei Masseo com sua respiração no ar, e o jogou na sua frente pelo espaço de um grande mastro; do qual frei Masseo teve grande espanto. Em seguida, recitou aos companheiros que, naquele erguer-se e suspirar com o sopro que São Francisco o fez, sentiu tanta doçura de espírito e consolo do Espírito Santo, que nunca em sua vida não sentiu tanto. E feito isso, São Francisco disse: "Meu querido companheiro, vamos a São Pedro e São Paulo, e rezemos para que eles nos ensinem e nos ajudem a possuir o tesouro incomensurável da santíssima pobreza., Que não somos dignos possuí-lo em nossos vasos mais vis, de modo que pode ser que esta seja aquela virtude celestial, pela qual todas as coisas terrenas e transitórias são perturbadas, e para a qual todo obstáculo é removido diante da alma, para que ela possa livremente se juntar ao Deus eterno. Esta é aquela virtude que faz com que a alma, ainda na terra, converse no céu com os Agnoli. Isto é o que acompanhou Cristo na cruz; com Cristo foi suprimido, com Cristo ressuscitou, com Cristo subiu ao céu, que nesta vida também concede às almas, por quem se apaixonam, a facilidade de voar para o céu; assim seja algo que ela olhe para os braços da verdadeira humildade e da caridade. Porém, rezemos ao Santíssimo Apos tolos de Cristo, que eram amantes perfeitos desta pérola evangélica, que nos acede a esta graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que por sua santíssima misericórdia pode nos conceder o merecimento de sermos verdadeiros amantes, observadores e humildes discípulos do mais precioso, pobreza muito querida e evangélica".

E, falando assim, eles foram a Roma e entraram na igreja de São Pedro; e São Francisco é colocado em oração em um canto da igreja, e Frei Masseo no outro. E permanecendo muito tempo em oração com muitas lágrimas e devoções, os santíssimos apóstolos Pedro e Paulo apareceram com grande esplendor a São Francisco e disseram: "É imperativo que pedais e desejais observar o que Cristo e os santos Apóstolos observaram , nosso Senhor Jesus Cristo nos envia a você para anunciar que sua oração foi ouvida, e que Deus concedeu a você e a seus seguidores o tesouro da santíssima pobreza. Ele tem certeza da bem-aventurança da vida eterna; e você e todos os seus seguidores será abençoado por Deus". E essas palavras desapareceram, deixando São Francisco cheio de consolo. Que se levantou da oração e voltou para seu companheiro e perguntou-lhe se Deus havia revelado algo a ele; e ele respondeu que não. Então São Francisco lhe contou como os santos apóstolos lhe apareceram e o que lhe revelaram. Dos quais cada um cheio de alegria decidiram voltar ao vale de Spulito, partindo para ir para a França.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 14

Enquanto São Francisco falava de Deus com seus irmãos, Deus apareceu no meio deles.

Estando São Francisco em um lugar, no início da religião, reunido com seus companheiros para falar de Cristo, ele com fervor de espírito ordenou a um deles que em nome de Deus abrisse a boca e falasse de Deus o que o Espírito Santo os inspira. Cumprindo o mandamento do frade e falando maravilhosamente de Deus, São Francisco impôs silêncio sobre ele, e manda o simigliante a outro frade. Por obedecê-lo e falar sutilmente de Deus, e também de São Francisco, houve um silêncio limpo; e ordenou ao terceiro que falasse de Deus, que também começou a falar tão profundamente das coisas secretas de Deus, que São Francisco certamente sabia que ele, como os outros dois, falava pelo Espírito Santo. E isso também se provou, por exemplo e por sinal expresso; Dominou que, enquanto falava, Cristo abençoado aparecia no meio deles em inspeções e na forma de um belo jovem, e abençoando todos eles os enchia com tanta graça e doçura, que todos estavam fora de si e jaziam como mortos, não sentindo nada deste mundo. E depois, voltando a si, São Francisco disse-lhes: "Meus queridos irmãos, graças a Deus, que quis revelar pela boca dos simples os tesouros da sabedoria divina; é imperativo que Deus seja quem abre a sua boca ao mudos, e as línguas dos simples fazem as pessoas falarem com muita sabedoria".
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 15

Como Santa Clara, ele comia com São Francisco e seus irmãos em Santa Maria dos Anjos.

São Francisco, quando estava em Sciesi, costumava visitar Santa Clara, dando seus ensinamentos sagrados. E tendo desejos muito grandes de comer uma vez com ele, e implorando-lhe muitas vezes por isso, ele nunca quis dar-lhe este consolo. Vendo assim os seus companheiros o desejo de Santa Clara, disseram a São Francisco: "Padre, não nos parece que esta rigidez seja segundo a caridade divina, que Irmã Clara, tão santa virgem, Deus amado não cumprir em uma coisa tão pequena, como comer com você, e especialmente considerando que por sua pregação ela abandonou as riquezas e a pompa do mundo. Então São Francisco respondeu: "Você acha que devo responder?". Os companheiros respondem: "Pai, sim, vale a pena que lhe faças esta graça e esta consolação". Então São Francisco disse: "A partir de então, parece-me, parece-me também. Mas, para que ela se consolasse, quero que esta refeição seja em Santa Maria dos Anjos, pois ela está confinada há muito tempo em San Damian, para que lhe seja vantajoso ver o lugar de Santa Maria, onde foi arredondada e feita esposa de Jesus Cristo; e aí comeremos juntos com o nome de Deus".

Llegado, pues, el día ordenado a esto, Santa Clara salió del monisterio con una compañera, acompañada de los compañeros de san Francisco, y llegó a Santa Maria dos Anjos. Y habiendo saludado devotamente a la Virgen María frente a su altar, donde había sido rodeada y velada, eles a acompanharam vendo o lugar, hasta que llegó la hora de cenar. Y e naquele lugar, San Francisco tenía la mesa puesta en el suelo llano, como era costumbre. Y cuando llega la hora de cenar, San Francisco y Santa Clara se sientan juntos, y uno de los compañeros de San Francisco y el compañero de Santa Clara, y luego todos los demás compañeros se acercan humildemente a la mesa. Y para la primera comida, San Francisco comenzó a hablar de Dios con tanta dulzura, tan alto, tan maravillosamente, que cuando la abundancia de la gracia divina descendió sobre ellos, todos estavam em êxtase em Deus.

Y e estando eles com os olhos fixos em Deus y las manos levantadas en el cielo, los hombres de Sciesi y de Bettona y los del distrito circundante, vieron que Santa Maria dos Anjos e todo a floresta, que então ficava ao lado do lugar, queimavam com força, e parecia que era um grande incêndio que ocupava a igreja e o lugar e a floresta juntos. Assim, os Ascesanos correram até lá para apagar o fogo, realmente acreditando que tudo estava pegando fogo. Mas quando chegaram ao local e não encontraram nada queimando, entraram e encontraram São Francisco com Santa Clara com todos os seus companheiros em êxtase na contemplação de Deus e sentados em volta daquela humilde mesa. Pelo que certamente entenderam que tinha sido fogo divino e imaterial, que Deus fez aparecer milagrosamente, para manifestar e significar o fogo do amor divino, com o qual as almas desses santos frades e santas freiras queimavam; de onde partiram com grande consolo em seus corações e com santa edificação.

Então, depois de muito tempo, quando São Francisco e Santa Clara voltaram a si junto com os outros, e se sentindo bem confortados pela comida espiritual, eles prestaram pouca atenção à alimentação corporal. E assim, completado aquele bendito prato, Santa Clara, bem acompanhada, regressou a Santo Damiano. De que as freiras vendo isso tiveram grande alegria; entretanto, temiam que São Francisco não a tivesse enviado para governar alguns outros mosteiros, visto que ele já havia enviado a Irmã Agnese, sua santa sirocchia, abadessa para governar os mosteiros de Monticelli em Florença; e São Francisco às vezes dizia a Santa Clara: "Faz os teus preparativos, se é necessário que eu te envie a qualquer lugar"; e ela, como filha da santa obediência, respondeu: "Pai, estou sempre disposta a ir aonde quer que me envies". E, no entanto, as freiras se alegraram fortemente quando a recuperaram; e Santa Clara ficou muito consolada a partir de então.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 16

Como São Francisco recebeu o conselho de Santa Clara e do santo Irmão Silvestro, que deveria pregar a converter muitas pessoas, ele fez a Ordem Terceira e pregou aos pássaros e acalmou as andorinhas.

O humilde servo de Cristo São Francisco, pouco depois de sua conversão, já tendo reunido muitos companheiros e recebido na Ordem, teve grande reflexão e grande dúvida sobre o que deveria fazer: isto é pretender apenas rezar, ou melhor, às vezes pregar; e acima de tudo desejava muito conhecer a vontade de Deus e, portanto, aquela santa humildade que estava nele não lhe permitia presumir de si mesmo ou de suas orações, pensava em buscar sua vontade divina com as orações dos outros. Então ele chamou o irmão Masseo e disse-lhe assim: "Vá até a irmã Clara e diga-lhe de minha parte que ela, com alguns dos companheiros mais espirituais, ore devotamente a Deus, para que ele goste de me mostrar o que é melhor; se eu pretendo pregar ou apenas orar. E depois vá ao irmão Silvestro e diga-lhe o simigliante". Isso tinha sido no século Messere Silvestro, que tinha visto uma cruz de ouro saindo da boca de São Francisco, que era longa até o céu e larga até os confins do mundo; e foi este frei Silvestro de tanta devoção e de tanta santidade, que o que ele pediu a Deus, ele suplicou e foi ouvido, e muitas vezes falou com Deus; e, portanto, São Francisco tinha uma grande devoção nele.

Andonne Irmão Masseo e, de acordo com o mandamento de São Francisco, ele fez a embaixada primeiro para Santa Clara e depois para o Irmão Silvestro. Quem, ao recebê-lo, se lançou imanentemente em oração e rezando recebeu a resposta divina, e o irmão Masseo voltou e disse assim: "Isto é o que Deus diz que você diga ao irmão Francisco: que Deus não o chamou neste estado. Apenas para si mesmo, mas para que dê fruto para as almas e muitos se salvem por ele". Tendo recebido esta resposta, o Irmão Masseo voltou a Santa Clara para saber o que ela havia implorado a Deus, e ela respondeu que ela e os outros companheiros haviam recebido de Deus a mesma resposta que o Irmão Silvestro havia recebido.

Com isso, o Irmão Masseo volta a São Francisco, e São Francisco o recebe com grande caridade, lavando seus pés e preparando o jantar para ele. E depois de comer, São Francisco chamou o irmão Masseo para a floresta e ali se ajoelhou diante dele e tirou o capuz, cruzando os braços e perguntando-lhe: "O que meu Senhor Jesus Cristo me manda fazer?". O irmão Masseo responde: "Sim ao irmão Silvestro e sim à irmã Chiara com as freiras, que Cristo respondeu e revelou que a sua vontade é que saias pelo mundo a pregar, mas que também não te elegeu para ti. apenas mas também para a saúde dos outros ". E então São Francisco, sabendo que tinha essa resposta e por ela conhecido a vontade de Cristo, levantou-se com grande fervor e disse: "Vamos ao nome de Deus". E ele leva como seu companheiro o irmão Masseo e o irmão Anjo, homens santos.

E indo com um ímpeto de ânimo, sem pensar em longe ou semitas, chegaram a um castelo que se chamava Savurniano. E São Francisco estava pronto para pregar, e primeiro ordenou às andorinhas que guardassem silêncio até que ele pregasse. E as andorinhas obedeceram. E ali ele pregou com tal fervor que todos os homens e mulheres daquele castelo por devoção queriam ir atrás dele e deixar o castelo; mas São Francisco não partiu, dizendo-lhes: "Não tenham pressa e não se retirem, e eu ordenarei o que devem fazer pela saúde de suas almas". E então ele pensou em fazer a terceira ordem para a saúde universal de todos. E assim, deixando-os muito consolados e dispostos à penitência, partiu então e interpôs-se entre Cannaio e Bevagno.

E passando com aquele fervor, ele ergueu os olhos e viu algumas árvores ao longo da estrada, onde havia uma multidão quase infinita de pássaros; ao que São Francisco ficou pasmo e disse aos seus companheiros: "Vocês vão me esperar aqui na rua, e eu irei pregar aos meus pássaros sirocchie". E ele foi ao campo e começou a pregar aos pássaros que estavam no chão; e de repente aqueles que estavam nas árvores vieram todos juntos a ele e ficaram parados, enquanto São Francisco terminava de pregar; e então eles não foram embora até que ele lhes deu sua bênção. E segundo o que Frei Masseo então recitou a Frei Jacopo da Massa, São Francisco indo entre eles, tocando-os com seu manto, ninguém então se mexeu. O conteúdo do sermão de São Francisco era o seguinte: "Sirocchie meus pássaros, você gosta muito de Deus, seu criador, e deve louvá-lo sempre e em todo lugar, porque ele lhe deu a liberdade de voar em qualquer lugar"; ele deu a roupa duplicada e triplicada; depois disso, porque ele reservou a sua semente na arca de Noé, para que seu tempero não morresse no mundo; você ainda está ligado a ele pelo elemento do ar que ele designou Além isto, você não semeia nem colhe, e Deus o alimenta e lhe deu os rios e nascentes para você beber, e deu-lhe as montanhas e vales para seu refúgio, e as árvores altas para fazer seus ninhos. E com isso é algo que tu não sabes fiar nem costurar, Deus te veste, tu e a teus filhos. Por isso o teu Criador te ama muito, porque te dá tantos benefícios, e por isso cuidado com o pecado, meu senhorio. Da ingratidão, e sempre tente louvar a Deus. "São Francisco dizendo estas palavras a eles, todos aqueles pássaros começaram a abrir seus bicos e esticar seus pescoços e abrir as asas e reverentemente suas cabeças ao chão, e com atos e canções mostram que o Santo Padre lhes dava grande alegria. E São Francisco com eles se alegrou e se deleitou, e se maravilhou muito com tantos pássaros e sua bela variedade e sua atenção e familiaridade; pelo que ele devotamente louvou o Criador neles. Por fim terminada a pregação, São Francisco fez-lhes o sinal-da-cruz e deu-lhes permissão para partir; e então todos aqueles pássaros se elevaram no ar com canções maravilhosas, e então, de acordo com a Cruz que São Francisco havia feito para eles, eles se dividiram em quatro partes; e uma parte voou para o leste e a outra parte para o oeste, e a outra parte para o meio-dia, e a quarta parte para a pipa, e cada grupo saiu cantando canções maravilhosas; neste sentido que, como por São Francisco gonfalonier da Cruz de Cristo, o sinal da Cruz foi pregado a eles e feito sobre eles, egundo o qual ele se dividiu em quatro partes do mundo; assim, a pregação da cruz renovada de Cristo por São Francisco deve ser realizada para ele e para seus irmãos em todo o mundo; que frades, para que as aves, nada possuindo neste mundo, entreguem suas vidas somente à providência de Deus.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 17

Como uma criança fraticino, rezando São Francisco à noite, ele viu Cristo e a Virgem Maria e muitos outros santos conversando com ele.

Uma criança muito pura e inocente foi recebida na Ordem, vivendo São Francisco; e ele estava em um lugar pequeno, onde os frades, por necessidade, dormiam em pequenos campos. São Francisco uma vez veio ao referido lugar; e à noite, chamado Completas, ia dormir para poder levantar-se à noite para rezar, quando os outros frades dormiam, como ele costumava fazer. A dita criança tem o coração de espiar prontamente os caminhos de São Francisco, para poder conhecer sua santidade e, principalmente, para saber o que ele fazia à noite, ao se levantar. E para que o sono não o enganasse, aquela criança poderia dormir ao lado de São Francisco e amarrar sua corda com a de São Francisco, para ouvi-lo quando se levantasse: e nada ouviu deste São Francisco. Mas na noite de seu primeiro sono, quando todos os outros frades dormiam, ele se levantou e encontrou sua corda tão amarrada e desamarrada suavemente, para que a criança não sentisse, e São Francisco foi sozinho para a floresta que ficava perto do lugar, e entra numa cela que estava ali e vai orar.

E depois de um tempo a criança acorda e encontrando a corda desamarrada e São Francisco levantado, ele se levanta e vai procurá-lo; e encontrando aberta a porta pela qual se entrava na floresta, ele pensou que São Francisco tinha estado lá, e entrou na floresta. E chegando perto do lugar onde agora se encontrava São Francisco, começou a ouvir um grande discurso; e se aproximando mais, para ver e entender o que ele ouviu, uma luz maravilhosa foi vista que envolveu São Francisco, e nela viu Cristo e a Virgem Maria e São João Batista e o Evangelista e uma grande multidão de Anjos, ali que falou com São Francisco. Vendo e ouvindo isso, a criança caiu no chão atordoada. Então, tendo completado o mistério daquela santa aparição e devolvendo São Francisco ao lugar, ele encontrou o dito menino, com o pé, caído na rua como morto, e por compaixão o levantou e enrolou em seus braços e carregou-o como o bom pastor faz com suas ovelhas.

E então, sabendo dele como ele tinha visto a dita visão, ele ordenou que ele nunca contasse em pessoa, isto é, enquanto ele estivesse vivo. O menino então, crescendo na graça de Deus e na devoção de São Francisco, era um homem digno na Ordem, e depois da morte de São Francisco, ele revelou a dita visão aos frades.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 18

Do Capítulo maravilhoso que São Francisco celebrou em Santa Maria dos Anjos, onde havia mais de cinco mil frades.

O fiel servo de Cristo São Francisco celebrou certa vez um Capítulo Geral em Santa Maria dos Anjos, no qual o Capítulo reuniu mais de cinco mil frades; Domingos era o santo, cabeça e fundamento da Ordem dos Pregadores; que então ia da Borgonha a Roma, e ouvindo a congregação do Capítulo que São Francisco fazia na planície de Santa Maria dos Anjos, foi vê-lo com sete frades de sua Ordem. Também no referido Capítulo esteve um Cardeal muito devoto de São Francisco, a quem profetizou que seria Papa, e assim foi, que o Cardeal tinha vindo instintivamente de Perugia, onde se encontrava o Tribunal, a Ascês; e todos os dias ele ia ver São Francisco e seus frades, e às vezes ele cantava missa, às vezes ele sermão para os frades no Capítulo; e o referido Cardeal sentiu grande deleite e devoção quando veio visitar aquele sagrado colégio. E vendo sentados naquela planície ao redor de Santa Maria os frades enfileirados, aqui quarenta, onde cem, onde oitenta juntos, todos empenhados em raciocinar sobre Deus, em orações, em lágrimas, em exercícios de caridade; e eles permaneceram com tanto silêncio e com tal modéstia, que não houve um barulho, nenhum atrito: e maravilhando-se com tanta multidão em um tão ordenado, com lágrimas e com grande devoção ele disse: "Verdadeiramente este é o acampamento e o exército de 'cavaleiros de Deus!". Ninguém ouviu em tantas multidões ninguém falando contos ou mentiras, mas onde quer que um grupo de frades se reunisse, eles oravam, ou chamavam um ofício, ou reclamavam de seus pecados ou de seus benfeitores, ou raciocinavam sobre a saúde das almas. Nesse campo havia telhados de esteiras, e distinguidos por multidões, segundo os frades das diferentes Províncias; e, portanto, foi chamado de Capítulo, o Capítulo de racks ou esteiras. Suas camas eram de terra plana e algumas tinham um pouco de palha; as almofadas eram de pedra ou madeira. Por isso houve tanta devoção a eles, a quem os ouviu ou viu, e tanto a fama de sua santidade, a da corte do Papa, que então ficava em Perugia, e das demais terras do Vale do Spulito veio ver muitos condes, barões e cavaleiros e outros homens gentis e muitos plebeus e cardeais e bispos e abades e muitos outros padres, para ver aquela congregação tão santa e grande e humilde, que o mundo nunca teve, de tantos homens santos juntos ; e principalmente eles vêm para ver a cabeça e o pai santíssimo daquele povo santo, que havia roubado do mundo uma presa tão bela e reunido um rebanho tão lindo e devotado para seguir o governo do verdadeiro pastor Jesus Cristo.

Por isso, reunido todo o Capítulo geral, o santo padre de todos e ministro geral São Francisco, com fervor de espírito, propõe a palavra de Deus e lhes prega em voz alta o que o Espírito Santo o fez falar; e como tema do sermão, ele propôs estas palavras: "Meus filhos, grandes coisas que prometemos a Deus, muito maiores são as promessas de Deus para nós se cumprirmos aquelas que prometemos a ele; e certamente esperamos aquelas que são prometidas para nós. Brieve é o deleite do mundo, mas a dor que se segue é perpétua. Pequena é a dor desta vida, mas a glória da outra vida é infinita ". E acima destas palavras, pregando com devoção, ele confortou e induziu todos os frades à obediência e reverência da Santa Mãe Igreja e ao canto fraterno, e a rezar por todo o povo Deus, para ter paciência nas adversidades do mundo e temperança na prosperidade e para manter o mundanismo e castidade angelical, e para ter harmonia e paz com Deus e com os homens e com a própria consciência, e amor e observância da santíssima pobreza. E aí ele disse: "Eu ordeno, em virtude da santa obediência, que todos vocês que estão congregados que nenhum de vocês tenha nenhum cuidado ou preocupação com qualquer coisa para comer ou beber ou com as coisas necessárias para o corpo, mas apenas para intentar orar e louvar a Deus; e deixar toda a solicitude do teu corpo a ele, porque ele tem um cuidado especial de ti". E todos eles recebem esse mandamento com o coração alegre e o rosto feliz. E quando o sermão de São Francisco terminou, todos se lançaram à oração.

Do qual São Domingos, que esteve presente em todas essas coisas, ficou muito maravilhado com o mandamento de São Francisco e o considerou indiscreto, não podendo imaginar como poderia sustentar tal multidão, sem ter nenhum cuidado e preocupação com o necessário. para o corpo. Mas o pastor principal, Cristo bendito, querendo mostrar como cuida de suas ovelhas e o amor singular por seus pobres, inspirou imediatamente os povos de Perugia, Spulito e Foligno, Spello e d'Ascesi e demais terras ao redor, levando comida e bebida para aquela sagrada congregação. E de repente você vem das terras mencionadas, homens com baús de vento, cavalos, carroças, carregados de pão e vinho, feijão, queijo e outras coisas boas para comer, segundo o que os pobres de Cristo estavam precisando. Além disso, carregavam toalhas de mesa, potes, tigelas, copos e outros vasos que rendiam empregos para tantas multidões. E bem-aventurado foi considerado quem poderia trazer mais coisas, ou servir mais prontamente, para que até mesmo os cavaleiros e barões e outros homens gentis que vêm ver, com grande humildade e devoção os servissem diante deles. Pelo que São Domingos, vendo essas coisas e sabendo verdadeiramente que a providência divina estava agindo nelas, humildemente se reconheceu que havia julgado falsamente São Francisco de mandamento indiscreto, e ajoelhou-se diante dele e humildemente disse sua culpa e acrescentou: "Verdadeiramente Deus o fez cuidado especial por este pobre povo santo, e eu não sabia, e de agora em diante prometo observar a pobreza evangélica e santa, e estarei ao lado de Deus todos os frades da minha Ordem, que na referida Ordem eles vai assumir que eles possuem ". De modo que São Domingos foi grandemente edificado pela fé do Santíssimo Francisco, pela obediência e pela pobreza de tão grande e ordenado colégio, pela divina providência e pela abundante abundância de todos os bens.

In quello medesimo Capitolo fu detto a santo Francesco che molti frati portavano il cuoretto in sulle carni e cerchi di ferro; per la qual cosa molti ne infermavano, onde ne morivano, e molti n'erano impediti dallo orare. Di che santo Francesco, come discretissimo padre, comandò per la santa obbidienza, che chiunque avesse o cuoretto o cerchio di ferro, sì se lo traesse e ponesselo dinanzi a lui. E così fecero. E furono annoverati bene cinquecento cuoretti di ferro e troppo più cerchi tra da braccia e da ventri, in tanto che feciono un grande monticello e santo Francesco tutti li fece lasciare ivi.

Poi compiuto lo Capitolo, santo Francesco confortandoli tutti in bene e ammaestrandoli come dovessino iscampare e sanza peccato di questo mondo malvagio, con la benedizione di Dio e la sua li rimandò alle loro provincie, tutti consolati di letizia spirituale.
A laude di Gesù Cristo e del poverello Francesco. Amen.

Capítulo 19

Desde a vinha do sacerdote de Rieti, em que São Francisco rezava, as uvas eram colhidas e colhidas pelas muitas pessoas que o procuravam; e então, milagrosamente, ele fez mais vinho do que nunca, como São Francisco lhe havia prometido. E como Deus revelou a São Francisco que ele teria o paraíso para seu jogo.

Uma vez que São Francisco estava gravemente enfermo dos olhos, Messere Ugolino, cardeal protetor da Ordem, por grande ternura que sentia por ele, o instruiu a ir a Rieti onde eram excelentes oftalmologistas. Então São Francisco recebeu a carta do cardeal, foi primeiro a Santo Damiano, onde Santa Clara era muito devotada esposa de Cristo, para dar-lhe algum consolo e depois ir ao cardeal. Estando São Francisco ali, na noite seguinte ele piorou tanto os olhos que não viu o ponto de luz; então ele não pôde mais sair, e Santa Clara fez para ele uma celuzza de canudos, na qual ele poderia descansar melhor. Mas entre a dor da enfermidade e a multidão de surci que o entediava, São Francisco não conseguia descansar, nem de dia nem de noite. E suportando mais do que dor e tribulação, ele começou a pensar e a saber que isso era um flagelo de Deus por seus pecados; e ele começou a agradecer a Deus com todo o seu coração e boca: e então ele clamou em voz alta e disse: "Senhor meu Deus, eu sou digno disso e muito pior. Meu Senhor Jesus Cristo, bom pastor, que para nós pecadores você tem colocado a tua misericórdia em várias dores e angústias corporais, concede-me graça e virtude as tuas ovelhinhas, que por nenhuma enfermidade e angústia e dor me afasto de ti". E depois dessa oração, veio-lhe uma voz do céu que dizia: "Francisco, responde-me. Se toda a terra fosse ouro, e todos os mares e nascentes e rios fossem bálsamos, e todas as montanhas, colinas e pedras fossem pedras preciosas , e você encontraria outro tesouro mais nobre do que essas coisas, como o ouro é mais nobre do que a terra, e o bálsamo do que a água, e as pedras preciosas mais do que montanhas ou pedras, e essa querida mais nobre, você não deveria estar feliz?". São Francisco responde: "Senhor, não sou digno de tão precioso tesouro". E a voz de Deus disse-lhe: "Alegra-te, Francisco, mas que este é o tesouro da vida eterna, que te reservo e até agora com ele te invisto; e esta enfermidade e aflição é a fonte desse bendito tesouro. " Então São Francisco chamou seu companheiro com a maior alegria de tão gloriosa promessa e disse: "Vamos ao Cardeal". E primeiro consolando Santa Clara com palavras sagradas e, humildemente, despedindo-se dela, iniciou o caminho de Rieti.

E quando ele chegou lá, tantas multidões de pessoas o encontraram, que ele não queria entrar na cidade, mas foi a uma igreja que ficava perto da cidade, a cerca de três quilômetros de distância. Os cidadãos sabendo que ele estava na dita igreja, correram tanto para vê-lo, que a vinha da igreja estava toda estragada e as uvas colhidas. Do qual o forte padre sofreu em seu coração, e eu me arrependi de ele ter recebido São Francisco em sua igreja. Deus, tendo revelado o pensamento do sacerdote a São Francisco, chamou-o a si e disse-lhe: "Querido padre, quantos copos de vinho esta vinha faz para ti por ano, quando te torna melhor?". Ele respondeu, que doze alguns. Diz São Francisco: "Peço-te, Padre, que apoies pacientemente a minha permanência aqui alguns dias, mas nela encontro muito descanso, e que cada pessoa se fortaleça das uvas desta tua vinha, por amor de Deus e de mim coitado; e eu prometo a você, do lado de meu Senhor Jesus Cristo, que ela fará com que você seja igual a vinte. " E assim fez São Francisco ficando ali, para o grande fruto das almas que fizeram as pessoas que ali chegaram, muitas das quais saíram embriagadas do amor divino e abandonaram o mundo. Eu confiei ao padre a promessa de São Francisco e deixei livremente a vinha para aqueles que vinham a ele. Coisa maravilhosa! A vinha ficou completamente danificada, de modo que assim que sobraram alguns cachos de uvas. Chega a época da colheita, e o sacerdote recolhe esses restos, coloca-os no tanque e esmaga-os; e de acordo com a promessa de São Francisco, ele colhe vinte alguns de um excelente vinho. Em cujo milagre foi evidentemente entendido que, como graças a São Francisco a vinha despojada de uvas abundou em vinho, o povo cristão estéril de virtude para o pecado, devido aos méritos e doutrina de São Francisco, muitas vezes abundou em bons frutos de penitência.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 20

De uma belíssima visão que teve um jovem frade, que tinha o manto de tal abominação, que se dispôs a deixar o hábito e sair da Ordem.

Um jovem muito nobre e delicado veio para a Ordem de São Francisco; que depois de alguns dias, por instigação do diabo, começou a ter tal abominação na roupa que ele estava vestindo que parecia estar vestindo um saco muito vil; ficou horrorizado com as mangas e abominou o capuz, e o comprimento e aspereza pareciam-lhe um fardo insuportável. E à medida que o desprazer pela religião crescia, ele finalmente decidiu deixar o hábito e voltar para o mundo.

Ele já tinha tomado como costume, como seu mestre lhe ensinou, a qualquer hora que passasse em frente ao altar do convento, no qual o corpo de Cristo estava guardado, ajoelhar-se com grande reverência e tirar o capuz e com os braços cruzados para se curvar. Aconteceu que na noite em que se devia sair e sair da Ordem ficou combinado que ele passaria em frente ao altar do convento; e passando por ela de acordo com o costume, ele se ajoelhou e se curvou. E de repente ele foi estuprado em espírito, e foi mostrado por Deus uma visão maravilhosa; império que viu diante de si quase uma infinidade de santos em procissão de dois em dois, vestidos com lindos e preciosos mantos de cortinas, e seus rostos e mãos brilhavam como o sol, e iam com cantos e com sons de anjos: entre os quais dois santos estavam mais nobremente vestidos e adornados do que todos os outros, e estavam rodeados de tal clareza que causavam grande espanto a quem os olhava; e quase no final da procissão, ele viu um adornado com tal glória, que parecia um novo cavaleiro, mais honrado do que os outros. Ao ver aquele jovem com a dita visão, ele ficou maravilhado e não sabia o que aquela procissão significava, e não ousou perguntar a respeito e ficou maravilhado com a doçura. Uma vez que toda a procissão já passou, ele também toma coragem e corre direto até o fim e com muito medo pede-lhes, dizendo: "Ó queridos, peço-vos que me digam quem são aqueles tão maravilhosos, que estão nesta procissão tão venerável". Eles respondem: "Saiba, filho, que todos nós somos Frades Menores, vindos agora da glória do paraíso". E então pergunta: "Quem são esses dois que brilham mais que os outros?". Eles respondem: "Estes são São Francisco e Santo Antônio, e o último que viste tão honrado é um santo frade que morreu de novo; que, no entanto, que lutou bravamente contra as tentações e perseverou até o fim, nós o conduzimos com triunfo até a glória do céu. E essas vestimentas de cortinas tão lindas que usamos, são dadas a nós por Deus em troca dos tônicos ásperos que pacientemente usamos na religião, e a clareza gloriosa que você vê em nós, é dada a nós por Deus pela humildade e paciência e pela santa pobreza e obediência e castidade, que servimos até o fim. E ainda assim, filho, não é difícil para ti carregar o saco da religião tão fecundo, mas que se com o saque de São Francisco pelo amor de Cristo você desprezará o mundo e mortificará a carne e contra o diabo você lutará bravamente, você terá conosco roupas semelhantes e clareza de glória". E, tendo dito essas palavras, o jovem voltou a si e, consolado pela visão, expulsou de si toda tentação. Ele reconheceu sua falta com o guardião e os frades; e daí em diante ele desejou a dureza da penitência e vestimentas, e terminou sua vida na Ordem em grande santidade.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 21

Do santíssimo milagre que São Francisco realizou ao converter o feroz lobo de Agobbio.

Na época em que São Francisco vivia na cidade de Agobbio, um lobo muito grande, terrível e feroz apareceu no distrito de Agobbio, que devorava não só animais, mas também homens; tanto que todos os cidadãos estavam com muito medo, mas que ele freqüentemente se aproximava da cidade; e todos saíram armados ao deixar a cidade, como se fossem lutar; e com tudo isso eles não podiam se defender dele, que nele se chocava sozinho. E por medo deste lobo chegaram a tal ponto que ninguém ousou sair da terra.

Por isso, tendo piedade de São Francisco para com os homens da terra, ele quis ir até este lobo, pois bem que os cidadãos não o aconselharam em absoluto; e fazendo o sinal da cruz santíssima, ele e seus companheiros saíram da terra, pondo toda a sua confiança em Deus e, duvidando que os outros fossem mais longe, São Francisco tomou o caminho inverso ao lugar onde estava o lobo. E aqui, vendo ali muitos cidadãos que vieram ver este milagre, o dito lobo se aproxima de São Francisco, com a boca aberta; e, aproximando-se dele, São Francisco fez-lhe o sinal-da-cruz, chamou-o a si e disse-lhe assim: "Vem cá, irmão lobo, ordeno-te por parte de Cristo que não faças mal nem a mim nem à pessoa". Coisa maravilhosa para se dizer! Imediatamente que São Francisco fez a cruz, o lobo terrível fechou a boca e parou de correr; e, cumprindo o mandamento, veio humildemente como um cordeiro e se jogou aos pés de São Francisco para se deitar. E São Francisco lhe falava assim: "Irmão lobo, você faz muito mal por aqui, e tem feito muita maldade, estragando e matando as criaturas de Deus sem a sua permissão; e não só matou e devorou o bestas, mas você teve a coragem de matar homens feitos à imagem de Deus, pelo qual você é digno da forca como um ladrão e um terrível assassino; e todo povo grita e murmura sobre você, e toda esta terra é seu inimigo .Mas eu quero, irmão lobo, fazer as pazes entre você e eles, para que você não os ofenda mais, e eles te perdoem qualquer ofensa passada, e nem os homens nem os cantores te perseguem mais". E, tendo dito essas palavras, o lobo com atos de corpo e cauda e orelhas e inclinando a cabeça mostrou que aceitava o que São Francisco dizia e queria observá-lo. Então São Francisco disse: "Irmão lobo, como você gosta de fazer e manter esta paz, prometo-lhe que o farei pagar as despesas continuamente, enquanto você viver, pelos homens desta terra, para que você não mais sofra fome; entendo que sei muito bem que pela fome fizeste todo o mal. Mas desde que te aceito esta graça, desejo, irmão lobo, que me prometas que não farás mal a nenhum ser humano nem a nenhum animal; me isso? "E o lobo, inclinando a cabeça, deu um sinal claro de que o prometia. E São Francisco diz: "Irmão lobo, quero que confie em mim nesta promessa, para que eu possa confiar bem". E estendendo a mão a São Francisco para receber a sua fé, o lobo ergueu o pé à sua frente e familiarmente colocou-o na mão de São Francisco, dando-lhe aquele sinal que ele podia da fé.

E então São Francisco disse: "Irmão lobo, ordeno-te em nome de Jesus Cristo, que venha agora comigo sem duvidar de nada, e vamos acabar com esta paz em nome de Deus". E o lobo obediente vai com ele como um cordeiro manso; em que os cidadãos, vendo isso, ficaram muito surpresos. E de repente essa notícia se espalhou pela cidade; do qual todos os povos, homens e mulheres, grandes e pequenos, jovens e velhos, atraem à praça para ver o lobo com São Francisco. E todo o povo reunido ali bem, levantou-se sobre São Francisco e pregou-lhes, dizendo, entre outras coisas, como pelos pecados Deus permite tais coisas e pestes, e demais é a chama do inferno que nos deu mais perigo. Durar eternamente aos condenados, que não é a cólera do lobo, que só pode matar o corpo: "quanto vale então a boca do inferno para temer, quando tanta multidão segura a boca de um pequeno com medo e tremor Portanto, meus queridos, voltem para Deus e façam penitência digna pelos seus pecados, e Deus os livrará do lobo no presente e no futuro do fogo infernal". E depois do sermão, São Francisco disse: "Escutem, meus irmãos: Irmão Lobo, que está aqui na sua frente, me prometeu, e confie em mim, fazer as pazes com vocês e nunca os ofender em nada, e vocês prometem dar-lhe as coisas necessárias todos os dias; e tenho a garantia de que observará com firmeza o pacto de paz". Então, todas as pessoas com uma voz prometeram alimentá-lo continuamente. E São Francisco, diante de todos, disse ao lobo: "E você, irmão lobo, promete manter-lhes o pacto de paz, de não ofender os homens, os animais ou qualquer criatura?". E o lobo ajoelhando-se e abaixando a cabeça e com atos mansos de corpo e cauda e orelhas mostrou, na medida do possível, que ele queria servir a eles todos os convênios. São Francisco diz: "Irmão lobo, eu quero que, assim como você me dá fé nesta promessa do lado de fora da porta, antes que todas as pessoas me dêem fé em sua promessa, que você não me enganará de minha promessa e garantia que fiz para você". Então o lobo, erguendo o pé direito, colocou-o nas mãos de São Francisco. Portanto, entre este ato e os demais ditos acima havia tanta alegria e admiração em todas as pessoas, sim pela devoção do Santo e sim pela novidade do milagre e sim pela paz do lobo, que todos começaram a chorar ao céu, louvando e abençoando a Deus, que os enviou São Francisco, que por seus méritos os livrou da boca da besta cruel.

E então o dito lobo viveu dois anos em Agobbio, e ele entrava pelas casas de porta em porta, sem machucar a pessoa e sem ser feito a ela; e ele era cortesmente alimentado pelo povo e, assim, percorrendo a terra e as casas, nenhum cachorro jamais latia para ele. Finalmente, depois de dois anos, Irmão Lobo, sim, ele morreu de velhice, o que fez com que os cidadãos sofressem muito, e era imperativo que, vendo-o andar tão mansamente pela cidade, eles estivessem melhor conectados com a virtude e santidade de São Francisco.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 22

Como São Francisco esqueceu a tortola salva.

Um jovem pegou muitas rolas um dia e as trouxe para vender. Encontrando-se nele, São Francisco, que sempre teve uma piedade singular dos animais mansos, olhando aquelas rolas com olhar compassivo, disse ao jovem: "Ó bom jovem, rogo-te que as dês a mim e aos pássaros tão inocentes que na Escritura se assemelham a almas castas, humildes e fiéis, não caem nas mãos dos cruéis que os matam". Imediatamente ele, inspirado por Deus, as deu todas a São Francisco: e recebendo-as em seu seio, começou a falar baixinho a elas: "Ó meu siróquias, tortolas simples, inocentes, castas, por que vocês se deixam agarrar? Fujam da morte e façam ninhos, para que frutifiquem e se multipliquem segundo os mandamentos do nosso Criador".

E São Francisco foi e fez um ninho para todos eles. E elles, usando-se, começou a pôr ovos e parir antes dos frades, e tão familiarmente eles o eram e se usavam com São Francisco e com os outros frades, como se fossem galinhas que sempre foram alimentadas por eles. E eles nunca partiram, até que São Francisco com sua bênção lhes deu permissão para partir.

E ao jovem, que as doou, São Francisco disse: "Filho, ainda serás frade nesta Ordem e servirás graciosamente a Jesus Cristo». E assim foi, era imprescindível que o dito jovem se tornasse frade e vivesse na dita Ordem com grande santidade.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 23

Como São Francisco libertou um frade que estava em pecado com o diabo.

Estando São Francisco uma vez em oração no lugar da Porciúncula, ele viu por revelação divina todo o lugar cercado e assediado por demônios como um grande exército; mas nenhum deles poderia entrar no lugar, foi autorizado que esses frades eram de tal santidade, que os demônios não tinham nada para entrar. Mas perseverando assim, um dia um desses frades se escandalizou com outro e pensou em seu coração como poderia acusá-lo e se vingar dele. Por isso, pensando mal, o diabo, com a entrada aberta, entrou no local e se colocou no pescoço daquele frade. Vendo isso, o pastor misericordioso e solícito, que sempre via acima de seus rebanhos, que o lobo havia entrado para devorar suas ovelhas, imediatamente chamou aquele frade e ordenou-lhe que descobrisse agora o veneno do ódio concebido contra o próximo , para o qual ele estava nas mãos do inimigo. Portanto o assustado, que se viu compreendido pelo santo padre, descobriu todo veneno e rancor, reconheceu sua falta e humildemente pediu-lhe penitência com misericórdia. E tendo feito isso, absoluto que ele era do pecado e tendo recebido penitência, o demônio imediatamente partiu antes de São Francisco; e o frade assim libertado das mãos da besta cruel, pela bondade do bom pastor, agradeceu a Deus, e voltando correto e ensinado ao rebanho do santo pastor, viveu então em grande santidade.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 24

Como São Francisco, ele converteu à fé o soldado da Babilônia e a prostituta que o pedia de pecado.

São Francisco, instigado pelo zelo da fé de Cristo e pelo desejo do martírio, uma vez foi para o exterior com doze de seus santíssimos companheiros, ficando de pé para ir ao Soldão da Babilônia. E chegando em qualquer distrito de Saracini, onde os passos foram vigiados por certos homens tão cruéis, que nenhum dos cristãos, que por ele passou, pôde escapar que ele não estava morto: e como aprouve a Deus eles não estavam mortos, mas levados , espancados, foram amarrados e apresentados a Soldano. E estando diante dele São Francisco, ensinado pelo Espírito Santo, ele pregou tão divinamente a fé de Cristo, que mesmo por meio dela quis entrar no fogo. Da qual Soldano passou a ter grande devoção nele, sim pela constância de sua fé, sim pelo desprezo do mundo que ele via nele, ele determinou que nenhum presente ele quisesse receber dele, sendo muito pobre, e sim mesmo para o fervor do martírio., que viu nele. A partir daí Soldano ouviu-o de boa vontade, e oro para que muitas vezes voltasse a ele, dando-lhe gratuitamente e aos seus companheiros que pregassem onde quisessem. E ele deu-lhes um sinal de que não poderia ser ofendido pessoalmente.

Tendo, portanto, esta licença gratuita, São Francisco enviou seus companheiros escolhidos dois a dois a diferentes partes de Saracini para pregar a fé de Cristo; e ele com um deles elegeu um distrito, ao qual ao chegar entrou em um hotel para descansar. E ali estava uma bela mulher de corpo, mas imunda de alma, que mulher travessa pedia a São Francisco do pecado. Francisco respondeu: "Aceito, vamos dormir"; e ela o levou para a sala. E São Francisco disse: "Vem comigo, eu te levo a uma bela cama". E menolla em um fogo muito grande que foi feito naquela casa; e com fervor de espírito ele se despe nu e se joga ao lado do fogo no espaço aquecido, e a convida a se despir e ir deitar-se com ele naquela cama desgrenhada e bonita. E como São Francisco era assim para um grande espaço com um rosto alegre, sem arder nem bronzear, aquela mulher assustada e composta em seu coração por tal milagre, não só se arrependeu do pecado e da má intenção, mas também foi perfeitamente convertida à fé de Cristo, e tornou-se de tal santidade, que por ela muitas almas foram salvas naqueles distritos.

Por fim, vendo que São Francisco não pode mais dar fruto naqueles bairros, por revelação divina combinou com todos os seus companheiros um retorno aos fiéis; e os reuniu todos, voltou para Soldano e se despediu dele. E então Soldano lhe disse: "Irmão Francesco, me converteria de bom grado à fé de Cristo, mas agora tenho medo de fazê-lo: é imperativo que, se o ouvirem, matem a você e a mim com todos os seus companheiros , e para que você ainda possa fazer muito bem, e eu tenho que vender certas coisas de muito peso, não quero induzir a sua e a minha morte agora; mas me ensine como posso me salvar: estou preparado para fazer o que você impõe". Então São Francisco disse: "Senhor, eu vou embora de ti, mas depois de ter voltado ao meu país e ido para o céu, pela graça de Deus, depois da minha morte, conforme o que agrada a Deus, eu te enviarei dois de meus irmãos, de quem recebereis o santo batismo de Cristo, e sereis salvos, como meu Senhor Jesus Cristo me revelou de Deus, estais preparados para a fé e a devoção". E então ele prometeu fazer e fez.

Feito isso, São Francisco volta com aquele venerável colégio de seus irmãos santos; e depois de alguns anos São Francisco, por morte corporal, devolveu sua alma a Deus .Soldan estava doente e aguarda a promessa de São Francisco, e manda colocar guardas em certos degraus, e manda que se dois frades aparecessem ali vestidos de santo Francesco, foram imediatamente conduzidos a ele. Naquele momento São Francisco apareceu a dois frades e ordenou-lhes que fossem imediatamente a Soldano e procurassem sua saúde, conforme ele havia prometido. Esses frades se mudaram imediatamente e, passando o mar, foram conduzidos pelos ditos guardas até Soldano. E, ao vê-los, Soldano se alegrou muito e disse: "Agora sei realmente que Deus me enviou seus servos para a minha saúde, segundo a promessa que São Francisco me fez por revelação divina". Recebendo, portanto, a informação da fé de Cristo e do santo batismo dos ditos frades, assim renascido em Cristo, morreu naquela enfermidade, e sua alma foi salva pelos méritos e pelas orações de São Francisco.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 25

Como São Francisco curou milagrosamente o leproso da alma e do corpo, e o que a alma lhe disse indo para o céu.

O verdadeiro discípulo de Cristo, Messer São Francisco, vivendo nesta vida miserável, com todo o seu esforço, esforçou-se por seguir Cristo, o mestre perfeito: para que muitas vezes por operação divina, que curou o corpo, Deus curou seu corpo. na mesma hora, quando lemos sobre Cristo. E, portanto, que não só serviu os leprosos de boa vontade, mas além disso ordenou que os frades de sua Ordem, indo ou permanecendo no mundo, servissem aos leprosos por amor de Cristo, que queria ser considerado leproso por nós; Era uma vez, em um lugar perto de onde morava São Francisco, os frades serviam em um hospital para leprosos enfermos: no qual havia um leproso tão impaciente e tão incompreensível e arrogante, que cada um certamente acreditou e assim era, que ele estava possuído pelo mal, ele governou que ele injuriou com palavras e datilografia tão vergonhosamente quem o serviu, e, o que é pior, que ele blasfemava vituperamente de Cristo bendito e sua santíssima mãe, a Virgem Maria, que de forma alguma foi que ele encontrou aqueles que podiam ou queriam servi-lo. E embora os frades procurem carregá-los com paciência para aumentar o mérito da paciência, os frades procuram carregá-los com seus próprios insultos e grosserias; não obstante, as de Cristo e de sua Mãe, não podendo sustentar suas consciências, decidiram abandonar o leproso ditado: mas não o quiseram até que lhe atribuíssem um sentido ordenado a São Francisco, que então vivia em um lugar lá em.

E querendo dizer que eles o tinham, e São Francisco trata desse leproso perverso; e chegando a ele, ele o cumprimenta dizendo: "Deus te dê a paz, meu querido irmão". O leproso responde: "Que paz posso ter de Deus, que tirou a minha paz e todo o bem, e me fez todo quebrantado e usuário?". E São Francisco dizia: "Filho, tem paciência, é necessário que as enfermidades dos corpos nos sejam dadas por Deus neste mundo para a saúde da alma, mas que sejam de grande mérito, quando são suportadas com paciência». O enfermo responde: "E como posso suportar com paciência a contagem das dores que me afligem dia e noite? E não só estou aflito com a minha enfermidade, mas os frades que me dás porque me servem fazem-me pior, e eu não não preciso deles como deveriam. " Então São Francisco, sabendo por revelação que este leproso estava possuído por um espírito maligno, foi e sentou-se em oração e orou a Deus com devoção por ele.

E depois da oração, ele volta a ele e diz assim: "Filho, eu quero servir-te, pois então tu não estás satisfeito com os outros". "Gosto, diz o paciente: mas o que você pode fazer comigo mais do que os outros?". São Francisco responde: "O que você quiser, eu farei". O leproso diz: "Quero que você lave tudo, porque tanto eu posso, que eu mesmo não posso sofrer". Então São Francisco imediatamente tinha água aquecida com muitas ervas aromáticas, então o despia e começava a lavar com as mãos, e outro frade colocava a água. E por milagre divino, onde São Francisco tocou com as mãos, a lepra foi deixada e a carne ficou perfeitamente curada. E como a carne começou a curar, também começou a curar a alma: pelo que, vendo o leproso começar a curar, ele começou a ter grande remorso e arrependimento por seus pecados, e começou a chorar amargamente; de forma que enquanto o corpo foi purificado da lepra lavando a água, a alma foi purificada do pecado por arrependimento e lágrimas.

E estando completamente curado de corpo e alma, humildemente se culpou e disse, chorando em voz alta: "Ai de mim, pois sou digno do inferno pelas grosserias e injúrias que fiz e disse aos 'frades, e pelos impaciência e blasfêmias que tenho contra Deus". Assim, por quinze dias ele perseverou em amargo choro por seus pecados e em pedir misericórdia a Deus, confessando-se inteiramente ao sacerdote. E São Francisco, vendo este milagre expresso, que Deus tinha usado por suas mãos, agradeceu a Deus e depois fui embora, indo para países muito distantes; ele decidiu que por humildade ele queria fugir de toda a glória e em todas as suas operações ele buscou apenas a honra e a glória de Deus e não a sua própria.

Então, como quis Deus, o dito leproso curado de corpo e alma, depois de quinze dias de sua penitência, adoeceu com outra enfermidade: e armado com os sacramentos eclesiásticos sim morreu santamente. E sua alma, indo para o céu, apareceu no ar a São Francisco que estava em uma floresta em oração, e disse-lhe: "Você me reconhece?". "O que é você?", Disse São Francisco. "Eu sou o leproso que bendisse Cristo curado pelos seus méritos, e hoje vou para a vida eterna; pelo que agradeço a Deus e a você. Bendita seja sua alma e corpo, e benditas sejam as palavras e operações de seus santos; é imperativo que por ti muitas almas serão salvas no mundo, partes do mundo; e ainda assim consolar-te e agradecer a Deus, e estar com a sua bênção". E, tendo dito essas palavras, ele foi para o céu; e São Francisco ficou muito consolado.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capitulo 26

Como São Francisco, ele converteu três ladrões mortais e tornou-se frade; e da visão mais nobre que um deles teve, que foi um frade santíssimo.

Certa vez, São Francisco foi ao povoado deserto de Santo Sipolcro e, passando por um castelo chamado Monte Casale, um jovem nobre e delicado se aproximou dele e disse: "Padre, eu seria de bom grado um de seus frades". São Francisco responde: "Filho, tu és jovem, delicado e nobre; talvez não suportaste a nossa pobreza e amargura". E ele disse: "Pai, você não é homem como eu? Então, enquanto você a apoiar, eu também posso com a graça de Cristo". San Francisco gostou muito dessa resposta; do qual, abençoando-o, imediatamente o recebeu na Ordem e o nomeou irmão Anjo. E eu trouxe este jovem com tanta graça que São Francisco lá o nomeou recentemente como guardião no lugar chamado Monte Casale.

Naquela época eles usaram três ladrões nomeados no distrito, que fizeram muitos males no distrito; Chegaram um dia ao referido lugar dos frades e pediram ao referido guardião Frei Anjos que os alimentasse. E o guardião respondeu assim, repreendendo-os duramente: "Vocês, ladrões e cruéis e assassinos, não se envergonhem de roubar o trabalho dos outros; mas também, como presunçosos e hostis, vocês querem devorar as esmolas que são enviadas aos servos de Deus ... que você não é digno de ser sustentado pela terra, mas que não tem respeito pelos homens ou pelo Deus que o criou: portanto, cuide da sua vida e não aparecerá mais aqui. " Do qual os aflitos partiram com grande indignação.

E vejam só, São Francisco voltou lá fora com o bolso de pão e uma jarra de vinho que ele e seu parceiro haviam comprado; y recitando o guardião como os tinha expulsado, São Francisco o repreendeu fortemente, dizendo que ele o trouxe cruelmente, "um império que é melhor reduzi-los a Deus com mansidão do que com reprovação cruel; daí o nosso mestre Jesus Cristo, aquele cujo evangelho prometemos observar, diz que não é uma necessidade do médico são, mas dos enfermos, e que ele não veio para chamar os justos, mas os pecadores à penitência; e é por isso que muitas vezes ele comia com a eles, o que fizeste contra a caridade e contra o santo evangelho de Cristo, ordeno-te, por santa obediência, que tome imediatamente este saco de pão que comprei e este copo de vinho, e vá rapidamente atrás deles para as montanhas e vales. Todo este pão e este vinho da minha parte, e então ajoelhe-se diante deles e humildemente diga-lhes a sua culpa por sua crueldade, e então peça-lhes que não os machuquem mais, mas a você. Fazem, prometo atender às suas necessidades e dar-lhes continuamente comida e bebida. E quando você disser isso a eles, humildemente vire-se." Enquanto o referido guardião ia cumprir o mandamento de São Francisco, ele orou a Deus para abrandar o coração daqueles ladrões e convertê-los à penitência.

O obediente guardião veio até eles e presenteou-os com o pão e o vinho, e fez e disse o que São Francisco lhe havia imposto. E, como aprouve a Deus, comendo aqueles ladrões a esmola de São Francisco, eles começaram a dizer juntos: "Ai de nós infortúnios! E quão duras dores do inferno esperamos, que vamos não só roubando nossos vizinhos e espancando e ferindo , mas também matando; e não menos do que tantos males e coisas tão perversas, como nós, não temos agonia de consciência ou temor a Deus. Justamente por nossa malícia, ele humildemente nos disse sua culpa e, além disso, ele nos trouxe o pão e o vinho e a promessa tão liberal do santo pai. Verdadeiramente, estes são irmãos santos de Deus que merecem o céu de Deus, e nós somos filhos da perdição eterna, que merecemos as dores do inferno, e cada vez que aumentamos a nossa perdição, e não sabemos se poderemos voltar à misericórdia de Deus dos pecados que cometemos até aqui". Essas e outras palavras semelhantes dizendo uma delas, as outras duas dizem: "Claro que você está falando a verdade; mas aqui temos que fazer?". "Vamos, disse ele, a São Francisco, e se ele nos dá esperança de que possamos voltar à misericórdia de Deus pelos nossos pecados, fazemos o que ele nos manda e podemos libertar nossas almas das dores do inferno".

Os outros gostaram deste conselho; e assim os três concordaram em vir rapidamente a São Francisco e dizer-lhe: "Pai, nós por muitos dos pecados não resolvidos que cometemos, não acreditamos que podemos voltar à misericórdia de Deus; mas se você não tem esperança de que Deus vai nos receber. à misericórdia, aqui estamos preparados para fazer o que você nos disser e fazer penitência com você ". Então, São Francisco, recebendo-os com caridade e bondade, confortou-os com muitos exemplos e, certificando-se da misericórdia de Deus, certamente prometeu-lhes aceitá-la de Deus e mostrar-lhes que a misericórdia de Deus é infinita: "e se tivéssemos pecados infinitos , no entanto, a misericórdia divina é maior do que os nossos pecados, segundo o Evangelho, e o santo apóstolo Paulo disse: "Bendito Cristo veio a este mundo para resgatar os pecadores". Por que palavras e ensinamentos semelhantes, os ditos três ladrões renunciaram ao diabo e suas obras, e São Francisco os recebeu na Ordem, e eles começaram a fazer grande penitência; e dois deles viveram logo após sua conversão e foram para o paraíso. Mas o terceiro sobrevivendo e pensando em seus pecados, ele se entregou a fazer tal penitência, que por quinze anos você continuou, exceto pela Quaresma comum, que ele fazia com os outros frades, de outro tempo sempre três dias por semana jejuava a pão e na água, e sempre andando descalço e com apenas uma tônica, e nunca dormir depois das matinas.

Entre esta época, São Francisco passou desta vida miserável. E tendo, portanto, por muitos anos continuado tal penitência, uma noite após as matinas, ele estava tão tentado a dormir, que de forma alguma poderia resistir ao sono e ver como costumava fazer. Finalmente, incapaz de resistir ao sono ou orar, ele foi para a cama dormir; e assim que ele deitou sua cabeça, ele foi estuprado e levado em espírito a uma montanha muito alta, a qual era um banco muito profundo, e aqui e ali pedras inspecionadas e lascadas e rochas desiguais que saíram das pedras; de qual infra este banco era aspecto temeroso de olhar. E o Anjo que estava conduzindo este frade o empurrou e o jogou naquela margem; que, cambaleando e batendo de pedra em pedra, finalmente chegou ao fundo dessa margem, toda desmembrada e minúscula, segundo o que lhe parecia. E deitado tão mal no chão, aquele que o conduzia disse: "Deita-te, é melhor tu fazeres outra grande viagem". O frade respondeu: "Você é um homem muito indiscreto e cruel para mim, que você me vê morrer de queda, que assim me inspecionou, e me diga; continue a ler!". E o Anjo se aproxima dele e tocá-lo solda perfeitamente todos os seus membros e o cura. E então ele mostra-lhe uma grande planície de pedras afiadas, e de espinhos e abrolhos, e diz-lhe que com todo esse plano ele deveria correr e andar descalço até chegar ao fim; no qual ele viu uma fornalha ardente na qual é conveniente para ele entrar.

E o frade tendo passado por toda a planície com grande angústia e dor, e o Anjo lhe disse: "Entre nesta fornalha, mas é isso que você deve fazer". Ele responde: "Oime, quão cruel você é o motorista, que você me vê perto da morte nesta planície agonizante, e agora para descansar diga-me que eu entro nesta fornalha ardente". E olhando para ele, ele viu ao redor da fornalha muitos demônios com garfos de ferro nas mãos, com os quais ele, porque hesitou em entrar, empurrou de repente para dentro. Tendo entrado na fornalha, ele olhou e viu alguém que tinha sido seu companheiro, que estava queimando tudo. E ele faz a pergunta: "Ou infeliz aparece, e como você veio aqui?". E ele responde: "Vá um pouco mais longe e você encontrará minha esposa, sua querida amiga, que lhe contará a causa de nossa danação". Indo mais longe, a dita senhora parece toda excitada, envolvida em uma medida de milho toda de fogo; e ele pergunta a ela: "Ó senhora infeliz e miserável, por que você entrou em tormento tão cruel?". E ela respondeu: "Era imperativo que na época da grande fome, que São Francisco previu antes, meu marido e eu falsificássemos o trigo e a forragem que vendíamos até o ponto, e ainda assim eu queime forte até esse ponto".

E, tendo dito estas palavras, o Anjo que conduzia o frade sim o empurrou para fora da fornalha, e então lhe disse: "Prepare-se para uma jornada horrível, que você tem que passar". E ele, arrependido, disse: "Ó condutor ríspido, que não tem compaixão de mim; vê que estou quase todo queimado nesta fornalha, e também queres conduzir-me numa viagem perigosa e horrível?". E então o Anjo o tocou, e o fez sólido e forte; então ele o levou a uma ponte, que não podia ser cruzada sem grande perigo, porque ele era muito fino e estreito e muito escorregadio e sem margens laterais, e embaixo passava um rio terrível, cheio de cobras e dragões e sapatos, e dava fora de um grande fedor. E o Anjo disse-lhe: "Atravesse esta ponte, e é melhor para você atravessá-la." Ele responde: "E como poderei atravessá-lo, para não cair naquele rio perigoso?". O Anjo diz: "Venha atrás de mim e coloque o seu pé onde você verá que eu colocarei o meu, e assim você vai se divertir". Este frade passa atrás do Anjo, como ele lhe ensinou, tanto que chega ao meio da ponte; e estando assim no meio o Anjo voou para longe e, partindo dele, subiu uma montanha muito alta muito além da ponte. E ele considera bem o lugar onde o Anjo tinha voado, mas permanecendo sem o motorista e olhando para baixo viu aqueles animais tão terríveis parados com suas cabeças fora da água e com suas bocas abertas, preparados para devorá-lo se ele caísse, e foi em tal tremor que de forma alguma ele soube o que fazer ou o que dizer, mas que ele não poderia voltar ou continuar.

Por isso, vendo-se em tantas tribulações e sem refúgio senão em Deus, curvou-se e abraçou a ponte e com todo o seu coração e com lágrimas se entrega a Deus, para que pela sua santíssima misericórdia o ajude. E depois da oração, parecia-lhe que as asas estavam começando a crescer para voar; do qual ele esperou com grande alegria que eles crescessem para poder voar além da ponte onde o Anjo tinha voado. Mas depois de algum tempo, pela grande vontade que tinha de cruzar esta ponte, ele começou a voar; e porque o beco não tinha crescido tanto para ele, ele caiu na ponte e suas penas caíram: então ele abraça a ponte novamente e como primeiro se recomenda a Deus; mas como a princípio não esperou que crescessem perfeitamente, de modo que, começando a voar antes do tempo, caiu da cabeça ao convés e suas penas caíram. Por isso, vendo que por causa de sua pressa em voar antes do tempo, começou a dizer a si mesmo: "Certamente, se eu me colocar no terceiro tempo, esperarei tanto que serão tão grandes que poderei voar sem cair para trás". E de pé com estes pensamentos, e ele se viu pela terceira vez colocar asas; e esperar muito tempo, tanto que eram muito grandes; e pareali, para a primeira e segunda e terceira asas colocadas, esperaram bem cento e cinquenta anos ou mais. Finalmente ele se levantou pela terceira vez, com todo o seu esforço à vontade, e voou até o local para onde o Anjo havia voado.

E batendo na porta do palácio onde estava, o porteiro pergunta: "Quem é você que veio aqui?" Ele respondeu: "Sou um frade menor". O porteiro diz: "Espere por mim, sim, quero levar São Francisco para ver se ele te conhece. Ele vai para São Francisco e começa a olhar as maravilhosas paredes deste palácio; e aqui essas paredes pareciam tão brilhantes. E tão claro., Que viu claramente os coros dos santos e o que se fazia lá dentro. E quando se surpreendeu com isso, aí vieram São Francisco e Frei Bernardo e Frei Egidio, e depois de São Francisco tantas multidões de santos que Tinha seguido o seu caminho, parecia quase inumerável, e quando São Francisco chegou disse ao porteiro: "Deixa-o entrar, deve ser um dos meus frades".

E assim que entrou, sentiu tanto conforto e tanta doçura, que se esqueceu de todas as tribulações que teve, como nunca existiram. E então São Francisco, levando-o para dentro, mostrou-lhe muitas coisas maravilhosas, e então disse-lhe: "Filho, é melhor você voltar ao mundo e ficar sete dias, nos quais você se prepara diligentemente com grande devoção, ele decidiu que depois de sete dias, eu irei buscá-lo, e então você virá comigo a este lugar dos bem-aventurados. " E era São Francisco envolto em um manto maravilhoso, adornado com lindas estrelas, e seus cinco entes queridos eram como cinco lindas estrelas de tal esplendor que todo o palácio se iluminava com seus raios. E o Irmão Bernardo tinha na cabeça uma coroa de belas estrelas, e o Irmão Egídio estava adornado com uma luz maravilhosa; e muitos outros santos frades que ele conheceu entre eles, que ele nunca tinha visto no mundo. Assim despedido de São Francisco, ele voltou, embora com relutância, para o mundo. Ao despertar, recobrar a consciência e e ter contato com os frades; então ele não tinha estado lá, exceto das matinas até antes, embora lhe parecesse que já haviam se passado muitos anos. E recitando esta visão ao seu guardião na ordem, entre os sete dias ele começou a ter febre, e no oitavo dia São Francisco veio procurá-lo, conforme a promessa, com uma grande multidão de santos gloriosos, e enviar seu alma para o reino. de 'abençoado, para a vida eterna.
A la alabanza de Jesucristo y del pobre Francisco. Amén.

Capítulo 27

Como São Francisco, ele converteu dois eruditos e fez frades em Bolonha; e então para um deles ele sofreu uma grande tentação.

Assim que São Francisco chegou à cidade de Bolonha, todas as pessoas da cidade correram para vê-lo; e a multidão de pessoas era tão grande, que com grande dor eles podiam chegar à praça. E toda a praça cheia de homens e mulheres e crianças em idade escolar, e São Francisco se levanta no meio do lugar, alto, e começa a pregar o que o Espírito Santo o tocou. E ele pregou tão maravilhosamente, que parecia estar pregando Anjo em vez de um homem, e suas palavras celestiais pareciam flechas afiadas, que perfuraram o coração daqueles que o ouviram, que naquela pregação uma grande multidão de homens e mulheres se converteram à penitência.

Entre eles estavam dois estudantes nobres da Marca d'Ancona; e um tinha o nome de Pellegrino e o outro Rinieri; Os dois foram tocados no coração pela inspiração divina pelo dito sermão e vieram a São Francisco, dizendo que queriam abandonar o mundo e pertencer aos seus irmãos para tudo. Então São Francisco, sabendo por revelação que estes eram enviados por Deus e que na Ordem deviam manter uma vida santa e considerando seu grande fervor, ele os recebeu com alegria, dizendo-lhes: "Vós, Peregrino, guardai o caminho da humildade na Ordem.; e você, Irmão Rinieri, sirva aos frades". E assim foi: era preciso que o irmão Pellegrino nunca quisesse ir como clérigo, mas como leigo, embora fosse muito letrado e grande decretalista; pelo qual a humildade alcançou uma grande perfeição de virtude, tanto que o Irmão Bernardo, o filho mais velho de São Francisco, disse dele que ele era um dos irmãos mais perfeitos deste mundo. E finalmente o dito irmão Pellegrino, cheio de virtude, passou desta vida para a vida abençoada, com muitos milagres antes e depois da morte. E disse o irmão Rinieri devota e fielmente serviu os irmãos, vivendo em grande santidade e humildade; e ele ficou muito familiarizado com São Francisco, e muitos segredos revelaram São Francisco a ele. Tendo sido nomeado Ministro da Marcha de Ancona, ele passou um grande momento em grande paz e discrição.

Depois de algum tempo, Deus permitiu-lhe uma grande tentação em sua alma; do qual ele se preocupou e angustiou, se afligiu fortemente com jejum, com disciplinas e com lágrimas e orações dia e noite, e não pôde, entretanto, afastar aquela tentação; mas muitas vezes ficava em grande desespero, acreditava que por isso se considerava abandonado por Deus. Estando neste desespero, como último remédio decidiu ir a São Francisco, pensando assim: "Se São Francisco me mostre um bom face, e mostre-me familiaridade Sim, como é de costume, creio que Deus terá ainda mais misericórdia de mim; mas se não, será um sinal de que serei abandonado por Deus. " Então ele se muda e vai para São Francisco.

Quem naquela época estava no pelagio do bispo de Ascesi, gravemente doente; e Deus lhe revelou todo o caminho da tentação e do desespero do referido Irmão Rinieri e sua resolução e sua vinda. E imediatamente São Francisco chama o Irmão Lyons e o Irmão Masseo, e lhes diz: "Ide depressa ao encontro do meu querido filho Irmão Rinieri, e abraçá-lo ao meu lado, saudá-lo e dizer-lhe que entre todos os irmãos que estão no mundo eu amá-lo individualmente ". Eles vão e encontram o irmão Rinieri na rua e o abraçam, contando-lhe o que São Francisco lhes havia imposto. Conseqüentemente, havia tanto consolo e doçura em sua alma que ele quase saiu de si mesmo; e, agradecendo a Deus de todo o coração, foi e chegou ao lugar onde São Francisco estava doente. E embora São Francisco estivesse gravemente doente, mesmo assim ouvindo Frei Rinieri chegando, levantou-se, encontrou-o e o abraçou com muita ternura e sim lhe disse: "Meu querido filho, Frei Rinieri, entre todos os frades que estão no mundo eu te amo singularmente". E dito isso, ele fez o sinal da cruz santíssima em sua testa e beijou-o ali e então disse-lhe: "Querido filho, esta tentação Deus te permitiu para o seu grande ganho de mérito; mas se você não quiser mais esse ganho, não tem". E uma coisa maravilhosa! assim que São Francisco disse essas palavras, todas as tentações foram imediatamente afastadas dele, como se nunca a tivesse sentido em sua vida, e ele se consolou completamente.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 28

De um arrebatamento que veio ao irmão Bernard, pelo qual ele ficou desde a manhã até o dia nove que ele não ouviu.

Quanta graça Deus concedeu muitas vezes aos pobres evangélicos que abandonaram o mundo por amor de Cristo, foi demonstrada no Irmão Bernardo de Quintavalle, que, depois de ter tomado o hábito de Santo Deus pela contemplação das coisas celestiais. Entre outras coisas, aconteceu que uma vez, quando estava na igreja para ouvir missa e com toda a sua mente suspensa em Deus, ficou absorvido e arrebatado pela contemplação que, tirando o Corpo de Cristo, nada percebeu, nem percebeu ele se ajoelhou, nem tirou o capuz, como fizeram os outros que ali estavam, mas sem pestanejar, olhando tão fixamente, permaneceu entorpecido da manhã ao dia nove. E depois do nono, voltando aos seus sentidos, ele percorreu o lugar gritando com uma voz de admiração: "Ó frades! Ó frades! Ó frades! Ele não é um homem neste distrito tão grande ou tão nobre, ao qual foi prometido um belo palácio cheio de ouro, não lhe era fácil carregar um saco cheio de esterco para ganhar aquele nobre tesouro".

A este tesouro celestial, prometido aos amantes de Deus, o irmão Bernard foi predito tão elevado com a mente, que por quinze anos contínuos ele sempre foi com a mente e com o rosto erguido ao céu. E nesse tempo ele nunca passou fome da mesa, embora ele comesse um pouco do que foi colocado diante dele; porque ele disse que daquilo que o homem não prova, ele não tem abstinência perfeita, mas a verdadeira abstinência é temperada pelas coisas que são boas na boca. E com isso ele novamente veio a tal clareza e luz de inteligência, que até mesmo os grandes clérigos se voltaram para ele em busca de soluções para questões muito fortes e passagens difíceis das Escrituras; e ele os declarou sobre todas as dificuldades.

E era imperativo que sua mente estivesse completamente livre e abstrata das coisas terrenas, ele, como uma andorinha, voou muito alto para a contemplação; portanto, às vezes vinte dias, e às vezes trinta dias a pessoa ficava sozinha nos picos de montanhas muito altas contemplando as coisas celestiais. Por isso o Irmão Egídio disse dele que este presente que foi dado ao Irmão Bernardo de Quintavalle não foi dado a outros homens, isto é, que ele se alimentaria como uma andorinha voando. E por esta excelente graça que recebeu de Deus, São Francisco de boa vontade e muitas vezes falou com ele dia e noite; então, às vezes, ratos eram encontrados juntos a noite toda em Deus na floresta, onde ambos se reuniam para falar com Deus.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 29

Como o demônio em forma de crucifixo apareceu várias vezes ao irmão Ruffino, dizendo-lhe que estava perdendo o bem que fazia, mas que não era um dos eleitos da vida eterna. Da qual São Francisco, por revelação de Deus, conheceu e fez o Irmão Ruffino reconhecer o seu erro e em que acreditou.

O Irmão Ruffino, um dos mais nobres homens de Ascesi, companheiro de São Francisco, homem de grande santidade, foi outrora fortemente combatido e tentado na alma pelo demônio da predestinação, do qual estava todo melancólico e triste; ele determinou que o diabo também colocou em seu coração que ele era condenado, e não era dos predestinados para a vida eterna, e que o que ele fez na Ordem estava perdido. E como essa tentação durou cada vez mais dias e ele, por vergonha, não a revelou a São Francisco, não deixou de usar as orações e abstinências; então o inimigo começou a adicionar tristeza sobre tristeza; além da batalha interna, externa combatendo-a inclusive com falsas aparições.

Então, uma vez ele apareceu a ele em forma de um crucifixo e disse-lhe: "Ó Irmão Ruffino, por que te afliges na penitência e na oração, por ser algo que não estás predestinado à vida eterna? E acredite em mim, pois sei que o elegi e predestinei, e não acredito no filho de Pietro Bernardoni, se ele disser o contrário, e também não lhe pergunto sobre este assunto, pois nem ele nem ninguém sabe, exceto eu que sou o filho de Deus; e, portanto, acredite em mim com certeza que você é do número dos condenados; e o filho de Pietro Bernardoni, seu pai, e também o pai dele estão condenados, e quem o segue está enganado". E dito estas palavras, o irmão Ruffino começa a ficar tão obscurecido pelo príncipe das trevas, que já estava perdendo toda a fé e o amor que tinha por São Francisco, e nem se deu ao trabalho de lhe dizer nada.

Mas o que o irmão Ruffino não disse ao santo padre revelou o Espírito Santo. Por isso, vendo em seu espírito São Francisco tanto perigo do dito frade, mandou buscá-lo Frei Masseo, a quem Frei Ruffino respondeu, repreendendo: "O que tenho eu a ver com Frei Francesco?". E então frei Masseo todo cheio de sabedoria divina, conhecendo a falácia do mal, disse: "Ò frei Ruffino, não sabes que frei Francesco é como um cordeiro de Deus, que iluminou tantas almas no mundo e de quem tivemos a graça de Deus? Por isso quero que venha comigo a ele em todas as festas, porque vejo que está claramente sendo enganado pelo mal". Dito isto, o Irmão Ruffino mudou-se e foi para São Francisco.

E ao vê-lo vindo do longo São Francisco, começou a gritar: "Ò frade Ruffino mau, em quem acreditaste?". E quando o irmão Ruffino veio ter com ele, disse-lhe por ordem toda a tentação que tinha sentido do demônio por dentro e por fora, mostrando-lhe claramente que aquele que lhe aparecia era o demônio e não Cristo, e que de forma alguma ele era ele teve que consentir com as sugestões: "mas quando o diabo lhe disse mais: Você está condenado, sim você responde a ele: abre a boca. E isso é um sinal para você, que ele é o diabo e não Cristo, porque quando você lhe der tal resposta, ele fugirá imediatamente. Mesmo assim, você ainda deve saber que ele era o diabo, ele deu autoridade para endurecer seu coração para todo o bem; o coração do homem fiel, ou antes, suaviza-o segundo o que diz pela boca do profeta: "Vou tomar o teu coração de pedra e dar-te o coração de carne." Então o irmão Ruffino, vendo que o irmão Francesco lhe contava tudo, O modo da sua tentação, compassado por suas palavras, começou a chorar fortiss e adoro São Francisco e humildemente reconheço sua falta de ter escondido sua tentação dele. E assim ele foi consolado e confortado pelas advertências do santo padre e tudo mudou para melhor. Então, por fim, São Francisco lhe disse: "Vai filho, confessa e não abandona o estudo da oração usada, e sabe com certeza que esta tentação será de grande utilidade e consolo, e em breve você a experimentará".

O Irmão Ruffino voltou à sua cela no bosque e, com muitas lágrimas em oração, o inimigo veio na pessoa de Cristo, segundo a aparência externa, e disse-lhe: "Ó Irmão Ruffino, não te disse que tu não acreditou nele para o filho de Pietro Bernardoni, e que você não se cansa de lágrimas e orações, mas que está condenado? De que adianta você chorar enquanto está vivo, e então, quando morrer, estará condenado? E de repente o irmão Ruffino responde: "Abra a boca ". Do qual o diabo indignado, partiu imediatamente com tanta tempestade e emoção das pedras do Monte Subasio que estava alto, que por um grande espaço a ruína das pedras que caíram para baixo foi suficiente; e tão grande foi a surra que deram enquanto rolavam, que acenderam um fogo terrível em todo o vale; e com o barulho terrível que eles fizeram, São Francisco com seus companheiros com grande admiração saiu do lugar para ver que novidade era aquilo; e ainda assim você pode ver aquela grande ruína de pedras. Então o irmão Ruffino percebeu claramente que fora o demônio que o enganara. E tendo voltado para São Francisco novamente, ele se joga no chão e reconhece sua falta. São Francisco o conforta com palavras doces e o manda consolado para a cela.

No qual ele orou com devoção, o bendito Cristo apareceu-lhe, e toda a sua alma o aqueceu com o amor divino, e disse: "Você fez bem, filho, que acreditou no Irmão Francisco, mas aquele que o afligiu foi o demônio: mas eu sou Cristo, teu mestre, e para te teres muita certeza dou-te este sinal, que enquanto viveres nunca sentirás tristeza ou melancolia". E tendo dito isso, Cristo partiu, deixando-o com tanta alegria e doçura de espírito e nutrição de mente, que dia e noite ele foi absorvido e arrebatado em Deus.

E desde então ele foi tão confirmado na graça e na certeza de sua saúde, que tudo se transformou em outro homem, e seria dia e noite em oração contemplar as coisas divinas se outros o tivessem deixado só. Por isso São Francisco disse dele que o Irmão Ruffino foi canonizado por Cristo nesta vida e que, a não ser diante dele, não duvidaria de dizer São Ruffino, embora ainda vivesse na terra.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 30

Do belo sermão que São Francisco e o Irmão Ruffino deram em Ascesi, quando pregaram nus.

Era o dito Frei Ruffino, para a contemplação constante, tão absorvido em Deus, que quase ficava entorpecido e mudo, falava muito raramente, e depois não tinha nem a graça, nem a ousadia, nem a facundia de pregar. E, no entanto, São Francisco uma vez ordenou que ele fosse a Sciesi e pregasse ao povo o que Deus havia prescrito para ele. A que Frei Ruffino respondeu: "Padre reverendo, peço-lhe que me perdoe e não me envie; entendo que, como sabe, não tenho a graça de pregar e sou simples e idiota". E então São Francisco disse: "Mas porque você não obedeceu, eu ordeno-lhe rapidamente por santa obediência que nu como você nasceu, apenas com suas calças, você vá para Sciesi, e entre numa igreja tão nu e pregue ao povo " A este mandamento, o referido frei Ruffino se despe, vai a Sciesi e entra numa igreja; e tendo feito reverência no altar, ele subiu ao púlpito e começou a pregar. Ao que as crianças e os homens começaram a rir e disseram: "Agora aqui fazem tanta penitência, que se tornam estúpidos e fora de si".

Nesta metade, São Francisco, pensando na pronta obediência do Irmão Ruffino, que foi um dos homens mais bondosos de Ascese, e no duro mandamento que lhe havia dado, começou a se retirar dizendo: "Tanta prosunção a ti, filho de Pietro Bernardoni, homenzinho vil, para comandar o Irmão Ruffino, que é um dos homens mais bondosos de Ascesi, a andar nu e pregar como louco ao povo? Por Deus, você provará em si mesmo o que ordena aos outros". E imediatamente, com fervor de espírito, também se desnuda e vai a Ascesi, trazendo consigo o irmão Leão, que vestia o seu hábito e o do irmão Ruffino. E ao vê-lo da mesma forma, os Ascesanos zombavam dele, considerando que ele e o irmão Ruffino eram loucos por muita penitência. São Francisco entra na igreja onde o irmão Ruffino pregava estas palavras: "Queridos amigos, fujam do mundo e deixem o pecado; rendam os outros, se quiserem desgostar do inferno; sirvam os mandamentos de Deus, amando a Deus e ao próximo, se quiserem céu; faça penitência se quiser possuir o reino do céu". E então São Francisco sobe ao púlpito, nu, e começa a pregar tão maravilhosamente sobre o desprezo do mundo, da santa penitência, da pobreza voluntária, do desejo pelo reino celestial e da nudez e opróbrio da paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, que todos aqueles que estavam no sermão, homens e mulheres em grande multidão, começaram a clamar muito alto com admirável devoção e compaixão de coração; e não só lá, mas por tudo que Ascesi estava naquele dia tanto chorando da paixão de Cristo, que nunca tinha sido igual a você.

E assim, tendo edificado e consolado o povo do ato de São Francisco e de Frei Ruffino, São Francisco vestiu Frei Ruffino e a si mesmo, e assim vestidos voltaram ao lugar da Porciúncula, louvando e glorificando a Deus que lhes deu a graça superar a si mesmos pelo desprezo de si mesmo e edificar as ovelhas de Cristo com bom exemplo, e mostrar quanto o mundo deve ser desprezado. E naquele dia a devoção do povo para com eles aumentou tanto que era considerado bem-aventurado aquele que tocava na bainha de suas vestes.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 31

Como São Francisco, ele conhecia de maneira ordenada os segredos das consciências de todos os seus frades.

Já que nosso Senhor Jesus Cristo diz no Evangelho: "Eu conheço minhas ovelhas e os elas me conhecem" etc .; assim o beato padre São Francisco, como bom pastor, todos os merece e as virtudes de seus companheiros, por revelação divina conheceu, e assim conheceu seus defeitos; pelo que soube dar a todos um excelente remédio, isto é, humilhar os orgulhosos, exaltar os humildes, insultar os vícios e louvar as virtudes; como lemos nas admiráveis revelações que ele teve daquela sua família primitiva.

Entre os quais se encontra que uma vez, estando São Francisco com a dita família em um lugar de conhecimento de Deus, e o irmão Ruffino não estando com eles naquele raciocínio, mas estava na floresta em contemplação, aqui O irmão Ruffino saiu da floresta e passou um pouco longe deles. Então São Francisco, ao vê-lo, voltou-se para seus companheiros e perguntou-lhes, dizendo: "Diga-me, qual você acha que é a alma mais santa que Deus tem no mundo?". E quando eles responderam, eles disseram que pensavam que era dele. E São Francisco disse-lhes: "Caríssimos frades, sou o homem mais indigno e vil que Deus tem neste mundo; mas vês aquele Frei Ruffino que agora sai do bosque? A sua alma é uma das três mais santas almas no mundo; e digo-vos com firmeza que não duvido que o chame de São Ruffino na sua vida, por isso pode ser que a sua alma seja confirmada na graça e santificada e canonizada no céu por nosso Senhor Jesus Cristo". E essas palavras nunca proferidas por São Francisco na presença do dito Frei Ruffino.

Do mesmo modo, como São Francisco conhecia os defeitos de seus irmãos, isso ficava claro no irmão Elias, que muitas vezes censurava seu orgulho; e no irmão Giovanni della Cappella, a quem previu que se enforcaria pela garganta; e naquele frade a quem o demônio segurou sua garganta quando foi corrigido por sua desobediência; e em muitos outros frades, cujos defeitos e virtudes secretas ele claramente conhecia por revelação de Cristo.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 32

Como irmão Masseo, ele implorou de Cristo a virtude da santa humildade.

Os primeiros companheiros de São Francisco, com todos os seus esforços, esforçaram-se por ser pobres nas coisas terrenas e ricos nas virtudes, através das quais se chega às verdadeiras riquezas celestiais e eternas.

Certo dia, quando estavam reunidos para falar de Deus, um deles deu o seguinte exemplo: "Ele foi um grande amigo de Deus, teve grande graça de vida ativa e vida contemplativa, e com isso teve tal humildade excessiva que se considerava um grande pecador: essa humildade o santificou e confirmou na graça e o fez crescer continuamente na virtude e nos dons de Deus, e nunca o deixou cair no pecado". Ouvindo coisas tão maravilhosas de humildade e sabendo que ela era um tesouro de vida eterna, ele começou a ficar tão inflamado de amor e desejo por esta virtude da humildade, que em grande fervor, erguendo o rosto para o céu, ele fez um voto e muito firme resolução de nunca se alegrar neste mundo, na medida em que a virtude acima mencionada fosse perfeitamente sentida em sua alma. E a partir daí ficou quase continuamente trancado em sua cela, macerando-se com jejuns, vigílias, orações e muito pranto diante de Deus, para implorar-lhe esta virtude, sem a qual se considerava digno do inferno e da qual aquele amigo com Deus, que ele tinha ouvido, ele era tão talentoso.

Questionado pelo Irmão Iacopo da Fallerone, por que em seu júbilo ele não mudou de direção, ele respondeu com grande alegria que, quando todo bem é encontrado em uma coisa, não deve mudar de direção.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 33

Como Santa Clara, por ordem do Papa, ela abençoou o pão que estava na mesa; então o sinal da santa cruz apareceu em cada pão.

Santa Clara, discípula devotada da cruz de Cristo e planta nobre de Messer Santo Francesco, era de tal santidade que não só os bispos e cardeais, mas também o Papa desejava com muito carinho vê-la e ouvi-la e muitas vezes a visitava pessoalmente.

Infra das outras vezes o santo Padre foi uma vez ao munistério para ouvi-la falar das coisas celestiais e divinas; e estando assim reunidos em diferentes argumentos, entretanto Santa Clara mandou pôr as mesas e suso o pão para que o Santo Padre a abençoasse. Assim, tendo concluído o raciocínio espiritual, Santa Clara ajoelhada com grande reverência, implora-lhe que gostaria de abençoar o pão colocado à mesa. O Santo Padre responde: "Fiel Irmã Chiara, quero que abençoes este pão e sobre eles faça o sinal da santíssima cruz de Cristo, à qual te entregaste inteiramente». E Santa Clara diz: "Santíssimo Padre, perdoa-me, seria digno de demasiada repreensão se diante do Vigário de Cristo eu, que sou uma mulher covarde, ousasse fazer uma tal bênção". E o Papa respondeu: "Para que isto não seja atribuído à presunção, mas ao mérito da obediência, ordeno-te por santa obediência que neste pão faças o sinal da santíssima cruz e o abençoes em nome de Deus " Então Santa Clara, como uma verdadeira filha da obediência, muito devotamente abençoou aqueles pães com o sinal da santíssima cruz de Cristo. Coisa maravilhosa! de repente, em todos aqueles pães, o sinal da cruz lindamente esculpido apareceu. E então alguns desses pães foram comidos e alguns foram reservados para o milagre. E o Santo Padre, vendo que havia acontecido o milagre, pegou um pão e agradeceu a Deus, saiu, deixando Santa Clara com sua bênção.

Naquela época, Irmã Ortulana, mãe de Santa Clara, e Irmã Agnese, sua sirocchia, viviam naquele mosteiro, ambas junto com Santa Clara cheia de virtudes e do Espírito Santo, e com muitas outras freiras santas. Para onde São Francisco enviou muitos enfermos; e os helenos com suas orações e com o sinal da santíssima cruz traziam saúde para todos.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 34

Na qualidade de São Luís, Rei da França, pessoalmente, em forma de peregrino, foi a Perugia para visitar o santo frade Egídio.

São Luís, Rei da França, fez uma peregrinação para visitar os santuários de todo o mundo e, ouvindo a grande fama da santidade do irmão Egídio, que fora um dos primeiros companheiros de São Francisco, decidiu visitá-lo pessoalmente. Por isso veio a Perugia, onde então se hospedava o referido frei Egídio.

E chegando à porta da casa dos frades, como um peregrino pobre e desconhecido, com poucos companheiros, pergunta ao irmão Egídio com grande urgência, nada dizendo ao porteiro a quem pedia. O porteiro dirige-se ao irmão Egídio e diz que um peregrino está à porta perguntando por ele; e ele foi inspirado por Deus e revelou em espírito que era o rei da França; do qual de repente com grande fervor ele sai de sua cela e corre para a porta, e sem mais perguntar, ou se eles já se tinham visto, juntos com grande devoção, ajoelhados, eles se abraçaram e se beijaram com tanta familiaridade, como se por muito tempo eles mantiveram grande amistà juntos; mas por tudo isso eles não falavam nada um com o outro, mas eram assim abraçados com aqueles sinais de amor caridoso em silêncio. E instantes que ficaram por muito tempo no caminho dito sem dizer uma palavra juntos, eles se afastaram um do outro; e São Lodovico partiu em viagem, e o irmão Egídio voltou para sua cela.

Na saída do rei, um frade perguntou a um de seus companheiros quem era aquele que tanto se abraçara com Santo Egídio; e ele respondeu que era Luís, rei da França, que viera ver o irmão Egidio. Disso, quando o disse aos outros frades, estes ficaram tão melancólicos que o irmão Egídio não lhe falara uma palavra; e se arrependendo, disseram-lhe: "Ó Irmão Egidio, porque foste tão rude, aquele que se tornou rei, que veio da França para te ver e ouvir boas palavras de ti, e tu não falaste com ele em tudo.?". O irmão Egidio respondeu: "Caros frades, não vos estranheis; é imprescindível que nem ele nem eu lhe possamos dizer uma palavra, mas que, assim que nos abraçamos, a luz da sabedoria divina se revela e me manifesta. o coração dele e o meu, e assim por operação divina, olhando para nós em nossos corações, o que eu queria dizer a ele e ele a mim sabíamos muito melhor do que se tivéssemos falado com a boca, e com maior consolo e se quiséssemos expressar com voz o que sentimos em nossos corações, devido ao defeito da linguagem humana, que não pode expressar claramente os mistérios secretos de Deus, haveria mais desolação do que consolação, admiravelmente consolado".
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 35

Como se Santa Clara estivesse doente, ela foi milagrosamente levada na noite do Natal da Páscoa para a igreja de São Francisco, e lá ela ouviu o ofício.

Uma vez que Santa Clara ficou gravemente doente, de forma que ela não poderia ir rezar o ofício na igreja com as outras freiras, quando a solenidade da natividade de Cristo foi alcançada, todas as outras foram às matinas; e ela permaneceu na cama, infeliz por ela, junto com os outros, não poder ir ter aquele consolo espiritual. Mas Jesus Cristo, seu marido, não querendo deixá-la tão desconsolada, milagrosamente a levou para a igreja de São Francisco e para estar em todo o ofício da missa da manhã e da noite, e além disso receber a Sagrada Comunhão, e depois trazê-la de volta para sua cama.

Devolvendo as freiras a Santa Clara, tendo concluído o seu ofício em São Damião, disseram-lhe: "Ó mãe nossa Irmã Clara, que grande consolação tivemos neste santo presépio! Ou se agradou a Deus que estivesses connosco!" E Santa Clara responde: "Graças e louvores dou a Nosso Senhor Jesus Cristo bendito, meus senhores e queridas filhas, determinei que em cada solenidade desta noite sagrada, e maior do que vocês, fui eu com muito consolo do minha alma, mas que, através da obtenção de meu pai São Francisco e pela graça de nosso Senhor Jesus Cristo, estive presente na igreja de meu venerável pai, meu São Francisco, e com meus ouvidos corporais e mentais tenho ouvido todo o ofício e o som dos órgãos que fizestes, e aí tomei a santíssima comunhão, para me alegrar e agradecer a Deus por tanta graça que me foi concedida.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 36

Como São Francisco, ele deu ao irmão Lyons uma bela visão que ele teve.

Uma vez que São Francisco estava gravemente doente e Frei Lyons o servia, o dito Frei Lyons, enquanto orava com São Francisco, foi estuprado em êxtase e levado em inspiração a um rio muito grande, largo e impetuoso. E enquanto observava quem passava, viu entrar neste rio alguns frades encarregados, que foram subitamente derrubados pela enchente do rio e se afogaram, alguns outros foram até o terceiro rio, alguns até o no meio do rio, alguns até o meio do rio, alguns até o próximo à margem; todos os quais, pelo fluxo do rio e pelos fardos que carregavam sobre eles, finalmente caíram e se afogaram. Vendo isso, o irmão Lyons teve grande compaixão por eles; e de repente, sendo assim, vem a você uma grande multidão de frades e sem qualquer carga ou peso de nada, na qual resplandece a pobreza sagrada; e eles entram neste rio e passam lá sem nenhum perigo. E vendo isso, o irmão Lyons voltou a si.

E então São Francisco, ouvindo em espírito que o irmão Lyons tinha tido alguma visão, chamou-o a si e perguntou-lhe o que ele tinha visto; e tendo dito que o Irmão Lyons previu toda a visão por ordem, São Francisco disse: "O que você viu é verdade. O grande rio é este mundo, os frades que se afogaram no rio são aqueles que não seguem a profissão evangélica. e especialmente quanto à maior pobreza; mas aqueles que passaram sem perigo, são aqueles frades que nada procuram ou não possuem nada terrestre ou carnal neste mundo, mas tendo apenas a vida e as roupas temperadas, eles são felizes por seguirem o Cristo nu na cruz, e o peso e o jugo suave de Cristo e da santíssima obediência conduzem com alegria e boa vontade e, portanto, facilmente passam da vida temporal para a vida eterna".
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 37

Como o bendito Jesus Cristo, pela oração de São Francisco, ele fez com que um cavaleiro rico e gentil se convertesse e fizesse um frade, que havia prestado grande honra e oferecido a São Francisco.

São Francisco, servo de Cristo, chegando tarde da noite na casa de um grande homem gentil e poderoso, foi recebido por ele como um hotel, ele e 'o companheiro, como cordeiros de Deus, com grande cortesia e devoção. Pelo que São Francisco lhe devia muito amor, considerando que ao entrar em casa o abraçou e beijou de maneira amigável, depois lavou-lhe os pés, enxugou-o e beijou-o humildemente, acendeu uma grande fogueira e pôs a mesa para muitos, boa comida, e enquanto comia, com uma cara alegre ele serviu continuamente. Agora, tendo comido o que São Francisco e seu companheiro tinham comido, este homem gentil disse: "Eis, meu pai, eu te ofereci a mim e às minhas coisas; sempre que você precisar de um tônico ou de uma capa ou qualquer coisa, compre e eu vou pague; e você vê que estou preparado para prover para você em todas as suas necessidades, mas que pela graça de Deus eu posso, com isso é para que eu abunde em todos os bens temporais e, portanto, pelo amor de Deus, que tem para mim. dado, de bom grado faço o bem aos seus pobres".

Dos quais, vendo São Francisco tanta cortesia e gentileza nele e nas ofertas generosas, ele lhe concedeu tanto amor, que então partiu dizendo com seu companheiro: "Verdadeiramente este homem gentil seria bom para a nossa religião e companhia, que é tão grato e conhecido diante de Deus e tão amoroso e cortês com o seu próximo e com os pobres. Saiba, caro frade, que a cortesia é uma das propriedades de Deus, que dá seu sol e sua chuva aos justos e aos injustos por cortesia; é uma sirocchia de caridade, que extingue o ódio e preserva o amor. E porque conheci tanta virtude divina neste bom homem, gostaria de gostar dele como companheiro; no entanto, quero que voltemos a ele um dia, se talvez Deus toque no seu coração para querer acompanhar-nos no serviço de Deus; e neste meio vamos orar a Deus para que coloque este desejo no seu coração e lhe dê a graça para o concretizar". Coisa maravilhosa! ali, alguns dias depois de São Francisco ter rezado, Deus colocou esse desejo no coração desse homem bondoso; e São Francisco disse ao companheiro: "Vamos, meu irmão, ao homem cortês, tenho certa esperança em Deus de que ele, com a cortesia das coisas temporais, se doará e será nosso companheiro". E eles foram.

Chegando a sua casa, São Francisco disse ao companheiro: "Espere um pouco, é imprescindível que eu primeiro reze a Deus para que nosso caminho prospere, que a nobre presa, que pensamos ser uma torre para o mundo, agradará a Cristo para conceder-nos pobres e fracos, em virtude da sua santíssima paixão". E, tendo dito isso, é colocado em oração em um lugar que poderia ser visto pelo dito homem cortês; portanto, como aprouve a Deus, olhando-o aqui e ali, ele viu São Francisco em oração muito devotamente diante de Cristo, que com grande clareza tinha aparecido a ele na dita oração e estava de pé diante dele; e nesta situação, ele viu São Francisco sendo fisicamente levantado do solo por um bom espaço. Por isso ele foi tão tocado por Deus e inspirado a deixar o mundo, que agora ele saiu de seu palácio e em fervor de espírito corre em direção a São Francisco e, chegando a ele, que estava em oração, ajoelhou-se diante dele seus pés e com a maior preocupação e devoção ele rezou para que o recebesse e fizesse penitência junto com ele. Então São Francisco, vendo que sua oração era ouvida por Deus e que o que ele desejava, aquele gentil homem perguntou com grande preocupação, fermentou com fervor e alegria de espírito e o abraçou e beijou, devotamente agradecendo a Deus, aquele que assim fez um cavaleiro tinha aumentado para sua companhia. E aquele gentil homem disse a São Francisco: "O que me mandas fazer, meu pai? Eis que estou preparado para o teu mandamento, de dar aos pobres o que possuo e seguir a Cristo contigo, tão livre de ti, tudo temporal".

E assim o fez, segundo o conselho de São Francisco, de distribuí-lo pelos pobres e entrar na Ordem, e viveu em grande penitência e santidade de vida e conversação honesta.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 38

Como São Francisco sabia em espírito que o Irmão Elias estava condenado e devia morrer fora da Ordem; porque nas orações do irmão Elias ele orou a Cristo por ele e ele foi ouvido.

Morando uma vez em um lugar junto com uma família de São Francisco e do irmão Elias, foi revelado por Deus a São Francisco que o Irmão Elias estava condenado e deveria apostolar da Ordem e finalmente morrer fora da Ordem. Por isso São Francisco concebeu dele uma dispensação tão inversa, a ponto de não falar com ele nem conversar com ele; e se alguma vez o irmão Elias vai para o lado oposto dele, ele torce o caminho e vai para o outro lado para não colidir com ele. Disso o Irmão Elias começou a ver e compreender que São Francisco estava descontente com ele; Por isso, querendo saber a causa, um dia se aproximou de São Francisco para falar com ele; e quando despediu São Francisco, o irmão Elias certamente o considerou polidamente à força e começou a orar discretamente para que lhe dissesse o motivo pelo qual ele estava despedindo sua empresa e falando com ele. E São Francisco lhe responde: "A razão é esta, é imperativo que Deus me tenha revelado que você vai apostatar da Ordem pelos seus pecados e morrer fora da Ordem, e Deus também me revelou que você estão condenados. ". Ao ouvir isso, o irmão Elijah diz: "Meu Pai, Reverendo, rogo-lhe pelo amor de Cristo, que por isso não me despedire nem se afaste de ti; mas como bom pastor, por exemplo de Cristo, toma voltar e receber as ovelhas que perece, se você não o ajudar; e orar a Deus por mim, se for possível, ele reavive a sentença da minha condenação; é imperativo que seja encontrado escrito que Deus sabe como para mudar a sentença, se o pecador expiar seus pecados; e eu tenho tanta fé em suas orações, que se eu estivesse no meio do inferno e você orasse a Deus por mim, eu não sentiria refração; então, novamente eu imploro você que sou pecador, você recomenda a Deus, que veio a Deus salve os pecadores, que ele me receba à sua misericórdia". E este disse o irmão Elijah com grande devoção e lágrimas; de que São Francisco, como pai compassivo, lhe prometeu orar a Deus por ele; e ele o fez.

E orando a Deus com muita devoção por ele, ele entendeu por revelação que sua oração foi ouvida por Deus quanto à revogação da sentença de condenação do irmão Elias, que finalmente sua alma não seria condenada, mas que certamente deixaria a Ordem, e fora da Ordem ele morreria. E assim aconteceu; deu poder a que, rebelando-se da Igreja, Federigo rei de Cicília e sendo comunicado pelo Papa, ele e quem lhe desse ajuda ou conselho; o referido frei Elia, considerado um dos homens mais sábios do mundo, a pedido do referido rei Federigo, aproximou-se dele e tornou-se rebelde da Igreja e apóstata da Ordem; pelo que foi comunicado pelo Papa e privado do hábito de São Francisco.

E sendo assim comunicado, ele ficou gravemente doente; cuja enfermidade, ouvindo um de seus irmãos leigos, que havia permanecido na Ordem e era um homem de vida boa e honesta, sim foi visitá-lo, e entre outras coisas disse-lhe: "Meu querido irmão, estou muito lamento que você esteja comunicado e fora de sua Ordem, e por isso você vai morrer; mas se você visse uma maneira pela qual eu poderia te tirar deste perigo, eu ficaria feliz em fazer todos os esforços por você ". O irmão Elias responde: "Meu irmão, não vejo outro caminho senão que você vá ao Papa e implore que por amor de Deus e de seu servo São Francisco, por cujos ensinamentos abandonei o mundo, ele me absolvesse de seus iscomunicação e me devolva o hábito da Religião ". Este vosso irmão diz que trabalhará com muito gosto pela sua saúde: e afastando-se dele, dirigiu-se ao santo Papa, rogando-lhe humildemente que dê graças a seu irmão pelo amor de Cristo e de seu servo São Francisco. E como aprouve a Deus, o Papa concedeu-lhe: que voltasse e, se encontrasse o irmão Elias vivo, o absolveria da sua parte da comunicação e restauraria o seu hábito. Da qual parte com alegria e com grande pressa volta ao irmão Elias, e o encontra vivo, mas quase morto, e sim o absolveu da excomunhão; e, voltando a vestir o hábito, o irmão Elias faleceu desta vida, e a sua alma foi salva pelos méritos de São Francisco e pela sua oração, na qual o irmão Elias tinha tantas esperanças.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 39

Do maravilhoso sermão que fez de Santo Antônio de Pádua um frade menor em consistório.

O navio maravilhoso do Espírito Santo Messer Santo Antônio de Pádua, um dos discípulos eleitos e companheiros de São Francisco, a quem São Francisco chamava seu bispo, uma vez pregando em consistório perante o Papa e os Cardeais, nos quais consistorio eram homens de diferentes nações , isto é, grego, latim, francês, alemão, eslavo e inglês e de outras línguas diferentes do mundo, inflamadas pelo Espírito Santo, sim efetivamente, sim com devoção, sim sutilmente, sim docemente, sim claramente e tão conscientemente proposto a palavra de Deus, que todos os que estavam em consistório, embora fossem de línguas diferentes, compreenderam claramente todas as suas palavras distintamente, como ele havia falado na língua de cada um deles; e todos ficaram maravilhados, e parecia que o milagre antigo dos Apóstolos no tempo de Pentecostes, que falavam pela virtude do Espírito Santo em todas as línguas, havia sido renovado.

E diziam com admiração: "Não é este o espanhol que prega? E como é que todos nós o ouvimos falar a nossa língua das nossas terras?". Da mesma forma, o Papa, refletindo e maravilhando-se com a profundidade de suas palavras, disse: "Verdadeiramente esta é a arca do Testamento e o arsenal da divina Inscrição".
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 40

Do milagre que Deus realizou quando Santo António, estando em Rimino, pregou aos peixes do mar.

Desejando que o bendito Cristo demonstrasse a grande santidade de seu mais fiel servo, Messire Santo Antônio, e com que devoção sua pregação e sua santa doutrina deviam ser ouvidas; para animais irracionais uma vez entre outros, isto é, para peixes, ele retomou a tolice dos infiéis heréticos, da mesma forma que nos tempos antigos no Antigo Testamento a ignorância de Balaão havia recomeçado pela boca do burro. Por isso, sendo outrora santo António em Rimino, onde havia uma grande multidão de hereges, desejando reduzi-los à luz da verdadeira fé e ao caminho da verdade, durante muitos dias lhes pregou e contestou a fé de Cristo e Escritura sagrada; mas ele, não só por não consentir com o seu discurso sagrado, mas também como endurecido e obstinado por não querer ouvi-lo, Santo Antônio um dia por inspiração divina dirigiu-se à margem do rio junto ao mar; e assim estando na margem entre o mar e o rio, ele começou a dizer, como um sermão, do lado de Deus para os peixes: "Ouvi a palavra de Deus, vós peixes do mar e do rio, pois os infiéis hereges a enojam de ouvir ". E, tendo dito isso, de repente uma tal multidão de peixes grandes, pequenos e médios veio à costa, que nunca naquele mar ou naquele rio não foi vista uma multidão tão grande; e todos mantiveram a cabeça fora d'água e todos ficaram atentos ao rosto de Santo Antônio, e todos em grande paz e mansidão e ordem: dominava que na frente e mais perto da costa estavam os peixes menores, e depois deles estavam os peixes médios, então atrás, onde ficava a água mais profunda, estavam os peixes principais.

Portanto, estando os peixes nesta ordem e disposição, Santo Antônio começou a pregar solenemente e diz assim: "Meus irmãos peixes, muito se exige, segundo a vossa possibilidade, para agradecer ao Criador que vos deu um elemento tão nobre para vossos habitaçã., para que, como quiseres, tenhas águas doces e molhos, e te deste muitos refugiados para repelir as tempestades; ainda te deu elementos claros e transparentes e alimentos pelos quais podes viver. Deus, teu misericordioso e criador bondoso quando te criou, sim te deu o mandamento de crescer e se multiplicar, e deu sua bênção. Então quando era o dilúvio em geral, todos os outros animais morrendo, só tu reservaste Deus sem dano. Agora ele te deu asas para ser capaz de falar em qualquer lugar que você goste. A você foi concedido, por mandamento de Deus, manter o profeta Jonas e depois do terceiro dia jogá-lo são e salvo na terra. Você ofereceu o censo a nosso Senhor Jesus Cristo, que ele tão pobre ou ele não teve que pagar. Vocês, tambores de comida do eterno rei Jesus Cristo, antes da ressurreição e depois, para um mistério singular. Pelo que todas as coisas deves louvar e bendizer a Deus, que te deu e tantos e tantos benefícios, mais do que a outras criaturas. "Com essas e outras palavras e ensinamentos semelhantes de Santo Antônio, os peixes começaram a abrir a boca. E eles se curvaram e os compreenderam, e com estes e outros sinais de reverência, de acordo com as maneiras que podiam, eles louvaram a Deus. Deus eterno, porém, que quanto mais os peixes aquáticos o honram do que os homens hereges, melhor os animais irracionais ouvem sua palavra do que os infiéis. "E quanto mais Santo Antônio pregava, mais crescia a multidão de peixes e ninguém se afasta do lugar que ocupou.

Nesse milagre, o povo da cidade começou a correr, entre os quais também atraíram os hereges mencionados; que, vendo o milagre tão maravilhoso e manifesto, com compaixão no coração, todos se lançaram aos pés de Santo Antônio para ouvir seu sermão. E então Santo Antônio começou a pregar a fé católica, e tão nobremente pregou, que todos aqueles hereges se converteram e voltaram à verdadeira fé em Cristo, e todos os fiéis permaneceram com grande alegria confortados e fortalecidos na fé. E feito isso, Santo Antônio dispensou os peixes com a bênção de Deus, e todos partiram com atos maravilhosos de alegria, assim como o povo. E então Santo Antônio ficou muitos dias em Arimino, pregando e fazendo muito fruto espiritual nas almas.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 41

Como o venerável frade Simão libertou de uma grande tentação um frade que por isso queria abandonar a Ordem.

Por volta do início da Ordem, vivendo São Francisco, veio para a Ordem um jovem de Ascesi, que se chamava Irmão Simão, a quem Deus adornou e dotou de tanta graça e contemplação e elevação de espírito, que toda a sua vida foi um espelho de santidade, segundo o que ouvi dos que estiveram com ele há muito tempo. Raramente era visto fora de sua cela e, se estava com os frades, sempre falava de Deus, as palavras pareciam palavras sobrenaturais. Então, uma noite, tendo ido para a floresta com o irmão Iacopo da Massa para falar sobre Deus e falar muito docemente do amor divino, eles demoraram a noite toda naquela conversa, e pela manhã pareceu-lhes que haviam passado um espaço muito curto de tempo, de acordo com o que ele me disse, Irmão Iacopo. E 'o referido irmão Simon tinha em tanta doçura de espírito as iluminações divinas e as visitas amorosas de Deus, que muitas vezes, quando as ouvia chegando, colocava-se na cama; fortaleceu que a tranqüila gentileza do Espírito Santo exigia dele não apenas o descanso da alma, mas também do corpo. E nessas visitas divinas ele foi muitas vezes estuprado por Deus e tornou-se completamente insensível às coisas corporais. Assim, uma vez que ele estava tão rato em Deus e insensível ao mundo, ele queimou com o amor divino e não sentiu nada do lado de fora com as sensações corporais, um frade desejando ter a experiência disso, para ver se era como parecia, foi e tomou uma brasa de fogo, e então ele a colocou em seu pé descalço: e o irmão Simon não sentiu nada disso, e não deu nenhum sinal em seu pé, embora ele estivesse nele por um grande espaço, tanto que ele saiu de ele mesmo. Quando o referido Irmão Simão sentou-se à mesa, antes de comer o alimento corporal, ele tomou para si e deu o alimento espiritual falando de Deus.

Por cujo discurso devoto se converteu um jovem de San Severino, que no século era um jovem muito vaidoso e mundano, e era nobre de sangue e muito delicado de seu corpo. E quando o Irmão Simão recebeu o dito jovem na Ordem, ele manteve suas vestes seculares para si, e ele ficou com o Irmão Simão para ser informado por ele nas cerimônias regulares. Portanto o diabo, que se esforçou para paralisar todo bem, colocou sobre ele um estímulo tão forte e tão ardente tentação da carne, que de forma alguma ele poderia resistir. Pelo que se dirigiu ao irmão Simão e disse-lhe: "Devolva-me as minhas roupas que nos trouxe do século, porque já não agüento a tentação carnal». E o irmão Simão, tendo grande compaixão por ele, disse-lhe: "Senta-te aqui, filho, um pouco comigo". E ele começou a falar-lhe de Deus, para que toda tentação fosse embora; e então, com o tempo, a tentação voltou, e ele pediu as roupas, e o irmão Simão a expulsou falando de Deus.

E tendo feito isso várias vezes, finalmente uma noite a mencionada tentação a assaltou tão fortemente mais do que ela solea, que por uma razão no mundo não ser capaz de resistir, ela foi até o irmão Simon, despindo completamente suas roupas seculares, que não um deixou ele poderia ficar lá mais tempo. Então o irmão Simão, de acordo com o que costumava fazer, fez com que se sentassem ao seu lado; e falando com ele sobre Deus, o jovem abaixou a cabeça no colo do irmão Simão devido à melancolia e tristeza. Então o irmão Simão, por grande compaixão por ele, levantou seus olhos para o céu e orando a Deus com muita devoção por ele, ele foi sequestrado e ouvido por Deus; portanto, voltando a si mesmo, o jovem sentiu-se completamente livre daquela tentação, como se nunca a tivesse sentido.

Com efeito, tendo mudado o ardor da tentação para o ardor do Espírito Santo, por mais que ele se aproximasse da brasa, isto é, do irmão Simão, tudo se inflamava com Deus e com o próximo; entretanto, tendo uma vez capturado um criminoso, a quem ambos os olhos devem ter sido atraídos, ele, por compaixão, corajosamente foi ao reitor em pleno conselho, e com muitas lágrimas e orações devotas, admitiu que um olho havia sido atraído para ele, e ao malfeitor outro, para que não seja privado de emenda. Mas vendo o Reitor e o Conselho o grande fervor da caridade deste frade, eles se perdoaram.

Enquanto um dia o referido irmão Simão na floresta em oração e sentindo grande consolo em sua alma, um grupo de corvos com eles começou a aborrecê-lo aos gritos, o que ele ordenou em nome de Jesus Cristo que eles deveriam partir. E nunca ir de volta. E como as ditas aves então partiram, a partir de então nunca mais foram vistas ou ouvidas, nem ali nem em todo o distrito circunvizinho. E este milagre foi manifestado a toda a guarda de Fermo, em que se encontrava o referido local.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 42

Dos belos milagres que Deus fez pelos santos frades frei Bentivoglia, frei Pietro da Monticello, frei Currado da Offida e como frei Bentivoglia trouxe um leproso quinze milhas em muito pouco tempo, e ao outro falou São Miguel, e a Virgem Maria aproximou-se do outro e colocou o filho nos braços. A província da Marca d'Ancona foi em tempos antigos, de modo que o céu de estrelas, adornado de santos e frades exemplares, que, de maneira que as luzes do céu, iluminavam e enfeitavam a Ordem de São Francisco e o mundo com exemplos e com doutrina. Entre os outros estavam a princípio frei Lucido Antico, que realmente brilhava pela santidade e ardia pela caridade divina; cuja gloriosa linguagem, informada pelo Espírito Santo, deu frutos maravilhosos na pregação.

Outro foi Frei Bentivoglia da Santo Severino, que foi visto por Frei Masseo da San Severino sendo erguido no ar por um grande espaço enquanto rezava na floresta; por qual milagre o devoto frade Masseo, sendo então Piovano, deixou o piovanato, fez Frate Menor; e ele era de tal santidade, que ele realizou muitos milagres na vida e na morte, e seu corpo é colocado em Murro. O citado frade Bentivoglia, uma vez residindo sozinho na Trave Bonanti, vigiando e servindo a um leproso, foi ordenado pelo Prelado a partir e ir para outro lugar, que ficava a quinze milhas de distância, não querendo abandonar o leproso, com grande fervor de caridade ele pegou-o e puxou-o pelo ombro e carregou-o de madrugada até ao nascer do sol por toda aquela estrada de quinze milhas até ao referido local, para onde fora enviado, que se chamava Monte Sancino. Viagem que, se fosse uma águia, não teria podido voar em tão pouco tempo: e deste milagre divino foi grande o espanto e a admiração por todo aquele país.

Outro foi Frei Pietro da Monticello, que foi visto por Frei Servodio da Urbino (então guardião no antigo lugar de Ancona) levantado corporalmente do chão cinco ou seis braços até o pé do Crucifixo da igreja, em frente ao que ele estava em oração. E este frade Pedro, jejuando uma vez a Quaresma por São Miguel Arcanjo com grande devoção, e no último dia daquela Quaresma enquanto estava sentado na igreja em oração, foi ouvido por um jovem frade, que estava cuidadosamente escondido sob o altar-mor para ver alguns ato de sua santidade, e ouviu falar com São Miguel Arcanjo, e as palavras que eles disseram foram essas. Disse São Miguel: "Irmão Pedro, você trabalhou fielmente por mim e de muitas maneiras afligiu seu corpo; aqui venho para consolá-lo, para que peça a graça que quiser, e quero implorar a Deus . " O irmão Pedro respondeu: "Santíssimo Principe da milícia celeste e zelador fiel do amor divino e protetor compassivo das almas, concedo-te esta graça, que pedes a Deus a remissão dos meus pecados". São Miguel respondeu: "Peça mais graça, porque aceitarei muito facilmente". E o irmão Pedro nada mais pedindo, Arcanjo concluiu: "Eu, pela fé e pela devoção que tens em mim, procuro esta graça a que me referes e muitas outras». E quando terminaram de falar, que durou muito tempo, o santo Arcanjo Miguel partiu, deixando-o supremamente consolado.

Na época deste santo frade Pedro, era o santo frade Currado da Offida, que estando reunido na família no lugar de Forano sob custódia de Ancona, o dito frade Currado foi um dia ao bosque para contemplar a Deus, e frei Peter secretamente foi atrás dele para ver o que aconteceu com ele. E o irmão Currado começou a rezar com muita devoção à Virgem Maria com grande pena que ela recebesse esta graça de seu bendito Filho, que sentisse um pouco daquela doçura que sentiu Santo Simeão no dia da Purificação. quando ele carregava o bendito Jesus Salvador em seus braços. E, feita esta oração, a misericordiosa Virgem Maria ouviu-o: eis que a Rainha do Céu apareceu com o seu Filho bendito nos braços, com grande claridade de luz; e aproximando-se do Irmão Currado, colocou nos braços aquele bendito Filho que recebia, abraçando-o com devoção, beijando-o e apertando-o contra o peito, tudo derretido e resolvido no amor divino e na inexplicável consolação. E o irmão Peter da mesma forma, que tudo via em segredo, sentiu em sua alma uma grande doçura e consolação. E deixando a Virgem Maria do irmão Currado, o irmão Pietro voltou apressadamente ao local, para não ser visto por ele; mas desde quando o Irmão Currado voltou feliz e alegre, o Irmão Pietro disse-lhe: "Ó Deus do céu, hoje gozaste de grande consolação"; disse o Irmão Currado: "O que você diz, Irmão Pietro, e que você sabe o que eu tive?". "Bem eu sei, bem eu sei, disse o irmão Pedro, como a Virgem Maria com seu bendito filho os visitou". Então o irmão Currado, que, como verdadeiramente humilde, desejava guardar segredo nas graças de Deus, rogou-lhe que não o dissesse pessoalmente. E tão grande era o amor entre os dois desde aquela época, que um coração e uma alma pareciam existir dentro deles em tudo. É o dito Frei Currado uma vez, no lugar de Siruolo, com suas orações ele libertou uma mulher endemoninhada orando por ela a noite toda e aparecendo para sua mãe; e pela manhã ele fugiu para não ser encontrado e honrado pelo povo.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 43

Como frade Currado da Offida converteu um jovem frade, molestando os outros frades. E como o dito jovem frade morrendo, apareceu ao dito frade Currado, implorando-lhe que rezasse por ele. E como ele o libertou para sua oração das grandes dores do purgatório.
O dito frei Currado da Offida, admirável zelador da pobreza evangélica e do governo de São Francisco, era de uma vida tão religiosa e de tão grande mérito para Deus, que o bendito Cristo o honrou, na vida e na morte, com muitos milagres.
Entre os quais, uma vez, tendo vindo para o lugar de custódia estrangeira, os frades oraram a ele, por amor de Deus e da caridade, que advertisse um jovem frade que estava naquele lugar, que era carregado tão infantilmente e em desordem. E dissolutamente, que os velhos e os jovens daquela família perturbavam o ofício divino, e das outras observâncias regulares, ele pouco ou nada se importava. Da qual frei Currado, por compaixão pelo jovem e pelas orações dos frades, um dia chamou o dito jovem à parte e com fervor de caridade disse-lhe tão eficazes e devotadas palavras de instrução que com a operação da graça divina ele de repente tornou-se, de uma criança, velho em moral e tão obediente e gentil e solícito e dedicado, e ao lado dele tão pacífico e servo e virtuoso para tudo tão estudioso, que como antes toda a família se preocupava com ele, assim para ele todos estava feliz e confortado e o amava fortemente.

Aconteceu, como aprouve a Deus, que poucos dias depois de sua conversão, o dito jovem morreu, o que os ditos frades sofreram; e poucos dias depois de sua morte, sua alma apareceu ao Irmão Currado, ele estando devotamente em oração diante do altar do referido convento, e assim o saúda com devoção como um pai; e o irmão Currado lhe pergunta: "Quem é você?". Ele responde: "Eu sou a alma daquele jovem frade que morreu nestes dias". E o irmão Currado: "Oh, meu filho querido, e você?". Ele responde: "Querido Pai, pela graça de Deus e por sua doutrina, é bom, porém, que eu não seja condenado, mas por alguns dos meus pecados, que não tive tempo de purificar suavemente, apoio muito grande dores do purgatório, mas eu te imploro, pai, que por tua pena tu me ajudaste, quando eu era vivo, agora tu gostas de me ajudar nas minhas dores, dizendo por mim algum pai, porque a tua oração é muito aceitável em à vista de Deus ". Então o irmão Currado, consentindo gentilmente com as suas orações e uma vez rezando o paternostro con requiem aeternam, disse aquela alma: "Ó querido Pai Nosso, como me sinto bem e como me revigorante! E o irmão Currado diz isso novamente; e tendo dito que o possuía, a alma diz: "Santo Padre, quando tu ouro para mim, sinto-me aliviado; por isso te peço não pare de orar por mim". Então o irmão Currado, vendo que aquela alma era tão ajudada com suas orações, disse cem paternostri por ele; e completou o que tinha, disse aquela alma: "Agradeço-te, querido pai, do lado de Deus pela caridade que tens por mim, estou fortalecido que pela tua oração estou livre de todas as dores e sim vou-me embora para o reino celestial ". E, tendo dito isso, aquela alma foi embora. Então Frei Currado, para dar alegria e conforto aos frades, recitou-lhes toda esta visão por encomenda..
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 44

Como a mãe de Cristo e São João Evangelista e São Francisco apareceram ao Irmão Currado; e disse-lhe qual deles suportou mais dor do que a paixão de Cristo.

Na época em que os citados Frei Currado e Frei Pietro (que eram duas estrelas brilhantes na província de Marca e dois homens celestiais) residiam juntos sob a custódia de Ancona, no lugar de Forano; de modo que havia tanto amor e caridade entre eles que o mesmo coração e a mesma alma pareciam neles dois, e estavam unidos nesta aliança, que todo consolo que a misericórdia de Deus lhes daria, eles se deviam juntos revelem uns aos outros na caridade.
Feito este pacto juntos, chegou a ser que um dia o Irmão Peter em oração e com o pensamento mais devoto da Paixão de Cristo; e como a Santíssima Mãe de Cristo e João Evangelista discípulo mais querido e São Francisco foram pintados aos pés da cruz, por dor mental crucificado com Cristo, ele queria saber qual dos três tinha sofrido mais do que a Paixão de Cristo , ou a Mãe que o gerou, ou o discípulo que dormiu em seu peito ou São Francisco que estava com Cristo crucificado. E, segundo este pensamento devoto, a Virgem Maria apareceu-lhe com São João Evangelista e com São Francisco, vestida com as vestes mais nobres da Bem-aventurada Glória: mas já São Francisco parecia vestido mais lindamente do que São João. E quando o Irmão Pedro ficou completamente assustado com esta visão, São João confortou-o e disse-lhe: "Não tenha medo, caro irmão, ele determinou que viemos para consolá-lo e lhe declarar sua dúvida. Saiba, pois, que a Mãe de Cristo e de mim, acima de todas as criaturas, lamentamos a paixão de Cristo; mas depois de nós, São Francisco sofreu mais dor do que qualquer outro; no entanto, você o vê em tanta glória". E o Irmão Pedro pergunta: "Santíssimo Apóstolo de Cristo, por que a veste de São Francisco parece mais bela que a sua?". São João responde: "A razão é esta: dominava que, quando estava no mundo, usasse roupas mais vis que eu". E, tendo dito estas palavras, São João deu ao irmão Pedro uma veste gloriosa que ele usava nas mãos e disse-lhe: "Toma esta veste que trouxe para te dar". E querendo que São João o vestisse com aquela vestimenta, o Irmão Pedro caiu ao chão espantado e começou a gritar: "Irmão Currado, querido Irmão Currado, ajuda-me depressa, vem e vê coisas maravilhosas!". E com essas palavras, essa visão sagrada desapareceu. Então, quando o irmão Currado veio, ele lhe contou tudo em ordem, e eles agradeceram a Deus.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 45

Da conversão e vida e milagres e morte do santo frade Giovanni della Penna.

Frei Giovanni dalla Penna sendo menino e estudante na província da Marca, uma noite apareceu-lhe um menino muito bonito e o chamou dizendo: "Giovanni, vá a Santo Stefano onde prega um dos meus frades, cuja doutrina você acredita e cujas palavras você espera, mas eu as enviei para você; e depois disso, você terá que fazer uma grande viagem e então você virá para mim. " Do qual este imanente se levantou e sentiu grande mudança em sua alma. E indo para Santo Stefano, ele encontrou ali uma grande multidão de homens e mulheres que estavam prestes a ouvir o sermão. E quem devia pregar ali era um frade de nome Frade Filippo, que foi um dos primeiros frades que vieram à Marcha de Ancona; e ainda poucos lugares foram ocupados na Marca. Monte neste irmão Filipe para pregar e pregar com devoção, não palavras de sabedoria humana, mas em virtude do espírito santo de Cristo, anunciando o reino da vida eterna. E quando o sermão acabou, a dita criança foi até o dito Irmão Filipe, e disse-lhe: "Pai, se queres receber-me na Ordem, de bom grado faria penitência e servia a Nosso Senhor Jesus Cristo". Vendo o irmão Philip e conhecendo no dito menino uma maravilhosa inocência e vontade de servir a Deus, disse-lhe: "Assim virás ter comigo em Ricanati, e eu te deixarei receber". Onde aconteceria o capítulo provincial? Portanto a criança, que era muito pura, pensou que esta era a grande jornada que ela deveria fazer, de acordo com a revelação que ela havia recebido, e então ir para o céu; assim ele acreditou fazer, desde que ele foi recebido na Ordem. Por isso foi e foi recebido, e vendo que os seus pensamentos não se cumpriam na altura, disse ao ministro no capítulo que quem quisesse ir à província da Provença, pelo mérito da santa obediência, lhe daria permissão; ele tinha um grande desejo de ir para lá, pensando em seu coração que esta era a grande jornada que ele teria que fazer antes de ir para o céu. Mas, envergonhado de dizê-lo, por fim confiando no predito do irmão Filipe, que o fizera receber a Ordem, rogou-lhe ternamente que recebesse aquela graça para ele ir para a província da Provença. Então o irmão Philip, vendo sua pureza e sua santa intenção, aceitou aquela licença dele para que o irmão John com grande alegria se dispusesse a ir, tendo esta opinião com certeza de que, tendo completado aquele caminho, ele iria para o céu. Mas como aprouve a Deus, ele permaneceu na referida província vinte e cinco anos nesta expectativa e desejo, vivendo em grande honestidade e santidade e exemplaridade, sempre crescendo na virtude e graça de Deus e do povo, e foi supremamente amado por frades e por secular.

Um dia o irmão João sentou-se devotamente em oração e chorando e lamentando, porque seu desejo não foi satisfeito e sua peregrinação desta vida foi prolongada demais: bendito Cristo apareceu a ele, em cuja aparência sua alma estava toda liquefeita, e Cristo disse a ele: "Filho, irmão John, pergunte-me o que você quer." E ele responde: "Meu Senhor, eu não sei o que me pedir outra coisa além de você, mas eu não desejo outra coisa, mas disso apenas te imploro, que me perdoe todos os meus pecados e me dê a graça que te vejo de novo quando mais preciso ". Cristo disse: "Sua oração foi cumprida". E, dito isso, foi embora, e o Irmão Giovanni ficou completamente consolado.

Por fim, ouvindo a fama de sua santidade dos frades da Marca, tanto fizeram com o General, que este lhe enviou a obediência para voltar à Marca, cuja obediência, recebendo-o de bom grado, partiu, pensando que, tendo cumprido esse caminho, se ele fosse para o céu, de acordo com a promessa de Cristo. Mas quando voltou para a província da Marca, lá viveu trinta anos, não foi reconhecido por nenhum dos seus familiares e todos os dias aguardou a misericórdia de Deus, que cumpriria a sua promessa. E durante esse tempo ele repetidamente desempenhou o cargo de guardião com grande discrição, e Deus realizou muitos milagres por ele.

E entre os outros dons que recebeu de Deus, ele tinha o espírito de profecia; portanto, uma vez, ao sair do lugar, um de seus noviços foi combatido pelo demônio e tão fortemente tentado, que consentiu na tentação, decidiu por si mesmo deixar a Ordem, assim que o Irmão John voltou para fora: o Que tentação e deliberação, conhecendo o irmão John pelo espírito de profecia, ele imediatamente volta para casa e chama o dito noviço para si, e diz que quer que ele confesse. Mas antes de se confessar, recitou sua tentação na ordem, conforme Deus lhe revelou, e concluiu: "Filho, é imperativo que você me esperasse e não quisesse ir embora sem a minha bênção, Deus você esta graça, que você nunca vai deixar esta Ordem, mas você vai morrer na Ordem, com a graça divina ". Depois o dito noviço foi confirmado de boa vontade e permanecendo na Ordem tornou-se santo frade. E todas essas coisas que Frei Ugolino me recitou.

Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 46

Como irmão Pacific, enquanto orava, ele viu o ar do irmão Umile, seu irmão, ir para o céu.

Na dita província da Marca, depois da morte de São Francisco, havia dois irmãos na Ordem; um se chamava irmão Umile e o outro se chamava irmão Pacific; eram homens de grande santidade e perfeição: e um, isto é, o irmão Umile, estava no lugar de Soffiano e morreu ali, e o outro era de uma família em outro lugar muito distante dele. Como aprouve a Deus, um dia o irmão Pacific, estando orando em um lugar solitário, foi estuprado em êxtase e viu a alma de seu humilde irmão ir direto para o céu, sem qualquer outra retenção ou impedimento; que então deixa o corpo.

Aconteceu então que, passados muitos anos, este frade Pacifico que permaneceu, foi colocado na família na dita localidade de Soffiano, onde morrera o seu irmão. Nessa altura os frades, a pedido dos senhores de Bruforte, mudaram o referido local para outro; então, entre outras coisas, eles transferiram as relíquias dos santos frades que morreram naquele lugar. E vindo do enterro do irmão Umile, seu irmão, irmão Pacific, pegou seus ossos e os lavou com bom vinho e então os envolveu em uma toalha de mesa branca e com grande reverência e devoção os beijou e feriu; que os outros frades se maravilharam e não tiveram um bom exemplo dele, ele entendeu que sendo um homem de grande santidade, parecia que por amor sensual e secular ele feriu seu irmão, e que ele mostrou mais devoção às suas relíquias do que a as de outros frades que não eram menos santos do que o irmão Umile, e eram tão dignos de reverência quanto os seus.

E conhecendo o irmão Pacífico, a imaginação sinistra dos irmãos humildemente os satisfez e disse: "Meus queridos irmãos, não se surpreendam se fiz aos ossos do meu irmão o que não fiz aos outros; é imperativo que, bendito seja Deus, é que ele não me atraiu, como você acredita, o amor carnal, mas eu o fiz, porém, que quando meu irmão passou esta vida, orando-me em um lugar deserto e remoto dele, vi sua alma subindo direto para o céu; portanto, tenho a certeza de que os seus ossos são santos e devem estar no paraíso. E se Deus me tivesse concedido tanta certeza dos outros frades, a mesma reverência eu teria feito aos seus ossos". Pelo que os frades, vendo sua intenção santa e devota, foram bem edificados por ele e louvaram a Deus, que faz coisas tão maravilhosas aos seus santos frades.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 47

Daquele santo frade a quem a Mãe de Cristo apareceu, quando ele estava doente, e lhe trouxe três conchas de lactovaro.

No lugar apelidado de Soffiano, ele era antigamente um frade menor de tamanha santidade e graça, que tudo parecia divino e muitas vezes era estuprado em Deus. Aves de diferentes modos vinham a ele e familiarmente pousavam em seus ombros e em sua cabeça e em suas mãos, e cantou maravilhosamente. Ele era muito solitário e raramente falava, mas quando perguntado sobre qualquer coisa, ele respondia tão graciosamente e tão sabiamente que parecia mais anjo do que homem, e ele era de grande oração e contemplação, e os frades o tinham em grande reverência.

Ao levar a cabo este frade ao longo de sua vida virtuosa, segundo a disposição divina adoeceu de morte, enquanto não podia tomar nada, e com isso não queria receber nenhum remédio carnal, mas toda a sua confiança estava no celestial bendito doutor Jesus Cristo e em sua Mãe bendita; pelo qual ele mereceu a clemência divina para ser misericordiosamente visitado e medicado. De onde, uma vez na cama, disposto à morte com todo o seu coração e com toda devoção, a gloriosa virgem Maria, mãe de Cristo, apareceu-lhe, com uma grande multidão de cordeiros e santas virgens, com esplendor maravilhoso, e aproximou-se de sua cama. Então ele, olhando para ela, sentiu grande conforto e alegria, quanto à alma e quanto ao corpo, e começou a orar humildemente para que ela implorasse a seu Filho amado que por seus méritos ele pudesse puxar a prisão da carne miserável. E perseverando nesta oração com muitas lágrimas, a virgem Maria respondeu chamando-o pelo nome: "Não duvide, filho, devo dizer que a tua oração foi ouvida e vim confortá-lo um pouco, antes de deixar esta vida".

Ao lado da Virgem Maria estavam três santas virgens, que carregavam nas mãos três conchas de lactovaro de odor e suavidade incomensuráveis. Então a Virgem gloriosa pegou e abriu uma dessas caixas, e toda a casa se encheu de odor; e tomando com uma colher daquele lactovaro, deu-o ao doente, que assim que o provou sentiu tão logo o provou, sentiu tanto conforto e tanta doçura, que a sua alma sentiu não parece ser capaz de permanecer em seu corpo; daí ele começou a dizer: "Não mais, ó Santíssima Virgem Virgem Santíssima, ou Doutor bendito e salvador da geração humana; não mais, porque Eu não posso suportar tanta suavidade". Mas a miserável e benigna Mãe, também entregando mais grosso do Lactovariano ao enfermo e obrigando-o a tomá-lo, votou o cartucho inteiro. Então, tendo votado a primeira caixa de cartucho, a Santíssima Virgem pega a segunda e você coloca a colher dentro para dar a ele um pouco; do qual ele gentilmente se arrepende de dizer: "Ó bendita Mãe de Deus, ou se minha alma está quase toda liquefeita pelo cheiro e suavidade do primeiro lactovaro, como posso sustentar o segundo? santos e acima de todos os cordeiros, que vocês vestem não quer me dar mais ". A gloriosa mulher responde: "Prove, filho, ainda que um pouco desta segunda cápsula". E dando-lhe um pouco disse-lhe: "Hoje em dia, filho, tens tanto que te basta. Consola-te, filho, que em breve virei por ti e irei ao reino do meu Filho, a quem tens sempre desejado e procurado".

E, tendo dito isso, despedindo-se dele, ele partiu, e ele estava tão consolado e confortado pela doçura deste doce, que por mais dias ele sobreviveu cheio e forte sem qualquer alimento corporal. E depois de alguns dias, falando alegremente com os frades, com grande alegria e júbilo ele partiu desta vida miserável.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 48

Como frei Iacopo dalla Massa, ele viu em visão todos os Frades menores do mundo, em visão de uma árvore, e conheceu a virtude e os méritos e vícios de cada um.

Frei Iacopo della Massa, a quem Deus abriu a porta de seus segredos e lhe deu perfeito conhecimento e compreensão da Escritura divina e das coisas futuras, era de tal santidade que Frei Egidio de Sciesi e Frei Marco da Montino e Frei Ginepro e Frei Lucido eles disse dele que eles não conhecem ninguém no mundo além de Deus maior do que este irmão Tiago.

Tive muita vontade de vê-lo, e ele me obrigou a pedir ao Irmão Giovanni, companheiro do referido Irmão Egidio, que me declarasse certas coisas do espírito, ele me disse: "Se quiseres ser bem informado no vida espiritual, procure falar com o Irmão Iacopo della Massa, quando o Irmão Egidio quis ser iluminado por ele, e suas palavras não podem ser adicionadas ou diminuídas; ele entendeu que sua mente passou aos segredos celestiais e suas palavras são as palavras do Santo Espírito, e ele não é um homem acima da terra que eu tanto desejo ver ". Este frade Iacopo, no início do ministério do frade Giovanni da Parma, rezando uma vez, foi raptado em Deus e passou três dias em êxtase, suspenso de todas as sensações corporais; e ele permaneceu tão entorpecido que os frades duvidaram que ele não estivesse morto. E nesse rato foi revelado a ele por Deus o que havia de ser e o que seria em nossa religião; por isso, quando o ouvi, tive o desejo de ouvi-lo e de falar com ele.

E quando agradou a Deus que eu me sentisse confortável falando com ele, orei-lhe desta forma: "Se é verdade que ouvi falar de você, imploro que não esconda de mim. Eu ouvi isso, quando estavas quase morto há três dias, entre outras coisas que Deus te revelou era o que tinha de acontecer nesta nossa religião; e isto foi dito pelo irmão Matteo ministro da Marcha, a quem o fizeste por obediência". Então o irmão Iacopo, com grande humildade, concedeu-lhe que o que o irmão Matthew dizia era verdade.

As suas palavras, isto é, do dito Frei Matteo ministro da Marca, foram estas: "Conheço Frei Iacopo a quem Deus revelou o que será das nossas coisas que Deus lhe revelou no estado da Igreja militante, viu em visão uma árvore bela e muito grande, de raiz dourada, seus frutos eram homens e todos eram Frades menores, seus ramos principais se distinguiam de acordo com o número de províncias da Ordem, e cada ramo tinha tantos frades quantos na província marcada naquele ramo: e então ele soube o número de todos os frades da Ordem e de cada província, e também seus nomes e idades e as condições e os grandes ofícios e as dignidades e as graças de todos e as faltas . E ele viu o irmão John de Parma no lugar mais alto do galho do meio desta árvore; em torno deste galho do meio estavam os ministros de todas as províncias. E depois disso ele viu Cristo sentado em um trono muito grande e branco, que Cristo chamou de São Francisco, e deu-lhe uma taça cheia do espírito da vida e a enviou dizendo: "Vá visitar seus frades e dê-lhes de beber deste cálice do espírito da vida, deu poder para que o espírito de Satanás se levantasse contra eles e os atingisse, e muitos deles cairiam e não seriam detectados". E deu Cristo a São Francisco dois Anjoa que o acompanhavam.

E então São Francisco veio oferecer o cálice da vida aos seus frades e começou a entregá-lo a Frei Joao, que, tomando-o, bebeu tudo rápido e com devoção e de repente ficou todo brilhante como o sol. E depois dele, São Francisco posteriormente o entregou a todos os outros, e poucos deles foram os que, com a devida reverência e devoção, o tomaram e beberam tudo. Aqueles que o tomaram com devoção e beberam tudo, imediatamente se tornaram tão esplêndidos quanto o sol; e aqueles que despejaram todo o dinheiro e não o tomaram com devoção tornaram-se negros e escuros e sem forma para ver e horríveis; aqueles que beberam parte dele e derramaram parte dele tornaram-se parcialmente luminosos e parcialmente escuros, e mais e menos de acordo com a medida de beber e derramar. Mas, acima de todos os outros, resplandecia o citado Irmão Joao, que bebeu mais completamente o cálice da vida, por meio do qual contemplou mais profundamente o abismo da luz divina infinita, e nele compreendeu a adversidade e a tormenta que devia surgir contra a dita árvore, e desabar e mover seus galhos. Pelo que o referido frade Joao parte do alto do galho em que se encontrava e, descendo por baixo de todos os galhos, esconde-se na firmeza do caule da árvore e fica todo pensativo. E o irmão Boaventura, que tinha tomado parte do cálice e derramado parte dele, subiu naquele galho e naquele lugar onde o irmão Joao havia descido. E estando no dito lugar, as unhas de suas mãos tornaram-se cravos de ferro afiados como navalhas: então ele se moveu daquele lugar onde havia subido, e com ímpeto e fúria ele quis se lançar contra o dito frei João por prejudicá-lo. Mas o irmão João, vendo isso, clamou alto e recomendou-me a Cristo, que estava sentado no trono: e Cristo ao seu grito chamou São Francisco e deu-lhe uma pederneira afiada e disse-lhe: "Vá com esta pedra e corte o prego de um irmão. Boaventura, com o qual quer arranhar o irmão João, para que não o faça mal". Então São Francisco veio e fez como Cristo lhe ordenou. E feito isso, veio uma tempestade de vento e atingiu a árvore com tanta força, que os frades caíram no chão, e primeiro caíram aqueles que haviam derramado todo o cálice do espírito da vida, e foram carregados pelos demônios para dentro lugares escuros e dolorosos. Mas o referido irmão Joao, junto com os outros que beberam o cálice inteiro, foram transferidos pelos Anjos para um lugar de vida e luz eterna e esplendor feliz. E assim o referido Irmão Jacopo compreendeu e discerniu, quem teve a visão, particular e distintamente o que viu, quanto aos nomes, condições e estados de cada um claramente. E aquela tempestade foi suficiente contra a árvore, que ela caiu e o vento a carregou. E então, assim que a tempestade cessou, da raiz dessa árvore, que era dourada, saiu outra árvore toda dourada, que produziu folhas e flores e frutos dourados. Sobre qual árvore e sua expansão, profundidade, beleza e cheiro e virtude, é melhor calar do que falar sobre isso no presente.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 49

Como Cristo apareceu ao irmão Joao della Vernia.

Entre os outros frades e santos frades e filhos de São Francisco, que, segundo diz Salomão, são a glória do Pai, esteve nos nossos tempos na dita província da Marca o venerável e santo frade Joao da Fermo, que, pelo grande tempo que viveu no lugar sagrado de Vernia e lá passou desta vida, também foi chamado de frei Joao della Vernia; no entanto, que ele foi um homem de vida singular e grande santidade. Este frei João, sendo uma criança secular, desejou de todo o coração o caminho da penitência, que mantém a pureza do corpo e da alma; portanto, sendo um menino muito pequeno, ele começou a trazer o coretto de cota de malha e o círculo de ferro para a carne e fazer grande abstinência; e sobretudo quando conviveu com os cónegos de São Pedro de Fermo, que viveu esplendidamente, escapou às delícias do corpo e macerou o corpo com grande rigidez de abstinência. Mas tendo nisto os companheiros muito opostos, os que lhe tiraram o coretto e sua abstinência de diferentes maneiras o impediram; e ele, inspirado por Deus, pensou em deixar o mundo com seus amantes, e se oferecer tudo nos braços do Crucifixo, com o hábito de São Francisco crucificado. E foi o que ele fez.

E sendo recebido na Ordem como uma criança e entregue aos cuidados do mestre dos noviços, ele se tornou tão espiritual e devoto, que às vezes, ouvindo o referido mestre falar de Deus, seu coração se derrete como cera pelo fogo; e com tamanha suavidade de graça ele se aqueceu no amor divino, que ele, incapaz de se manter firme para sustentar tanta suavidade, levantou-se e embriagado de espírito flui ora para o jardim, ora para a floresta ou para a igreja, como a chama e o espírito do espírito suspiraram para ele. Então, no decorrer do tempo, a graça divina continuamente fez este homem angelical crescer de virtude em virtude e em dons celestes e elevações divinas e ratos, de modo que ora a mente se elevava aos esplendores dos Querubins, ora aos ardores dos Serafins, às vezes a 'gaudii de' Beati, às vezes aos abraços amorosos e excessivos de Cristo, não apenas pelos gostos espirituais internos, mas também pelos sinais expressos dos gostos externos e corporais. E, singularmente, de maneira excessiva, uma vez que a chama do amor divino acendeu seu coração, e essa chama durou nele três anos; em que tempo ele recebeu consolações maravilhosas e visitações divinas e muitas vezes ele foi estuprado por Deus; e brevemente no referido tempo ele parecia todo inflamado e inflamado com o amor de Cristo. E isso foi na montanha sagrada de Vernia.

Mas é importante que Deus tenha um cuidado particular com seus filhos, dando-lhes, de acordo com os diferentes tempos, ora consolo, ora tribulação, ora prosperidade, ora adversidade, pois vê que eles precisam se manter na humildade, ou acender mais o seu desejo por coisas celestiais; agradou à bondade divina, depois de três anos, roubar este raio e essa chama do amor divino do dito frei João, e privá-lo de toda consolação espiritual: da qual frei Giovanni ficou sem luz e sem amor a Deus e todos desconsolados e aflitos e entristecido. Por essa razão ele foi embora angustiado na floresta, falando aqui e ali, chamando com voz e com pranto e com suspiros a amada esposa de sua alma, que se escondeu e o deixou, e sem cuja presença sua alma não encontrou descanse; mas em nenhum lugar, nem de forma alguma, ele poderia encontrar o doce Jesus, nem ficar com aqueles gostos espirituais muito doces do amor de Cristo, como era usado para ele. E essa tribulação o durou muitos dias, nos quais ele perseverou em continovo chorando e suspirando e orando a Deus para que o fizesse o marido amado de sua alma por sua piedade.

Finalmente, quando aprouve a Deus ter provado muito sua paciência e acendido seu desejo, um dia, quando o irmão Joao passou pela dita floresta tão aflito e perturbado, ele pôde sentar-se para ficar à vontade, aproximando-se de uma faia, e com com o rosto todo molhado de lágrimas, ele olhava para o céu; eis que Jesus Cristo apareceu de repente perto dele no caminho de onde o irmão John tinha vindo, mas não disse nada. Vendo-o frei João e reconhecendo-o bem que ele era o Cristo, ele imediatamente se pôs de pé e com um choro incomensurável, orou humildemente e disse: "Ajuda-me, meu Senhor, pois sem ti, meu querido Salvador, estou nas trevas e em lágrimas; e sem ti, manso Cordeiro, estou na angústia e na dor e no medo; sem ti, Filho do Deus Altíssimo, estou em confusão e vergonha; sem ti estou despojado de todo o bem e cego, é imperativo que se 'Jesus Cristo, verdadeira luz das almas; sem ti estou perdido e condenado, domina que és a vida das almas e a vida das vidas; sem ti sou estéril e árido, mas tu és a fonte de todos os presentes e 'toda a graça; e sem você estou completamente consolado; mas que você é Jesus nossa redenção, amor e desejo, pão e vinho reconfortante que alegra os corações dos Anjos e os corações de todos os Santos, eu, gracioso professor e pastor muito plano porque sou a tua ovelhinha, embora seja indigna".

Mas porque o desejo dos homens santos, que Deus tarda em conceder, os leva a um maior amor e mérito, bendito Cristo parte sem cumpri-lo e sem falar com ele de forma alguma, e segue pelo referido caminho. Então o irmão Joao se levanta e corre atrás dele e se põe de pé novamente, e com uma importunação sagrada ele o considera e com lágrimas mais devotas ele ora e diz: "Ó doce Jesus Cristo, tem misericórdia de mim perturbado. A multidão de a tua misericórdia e pela verdade da tua saúde, e dá-me a alegria do teu rosto e do teu olhar plano, capacitado para que toda a terra esteja cheia da tua misericórdia". E Cristo ainda parte e não lhe fala nada, nem lhe dá qualquer consolo; e ele se certifica de que a mãe da criança quando ela o faz almejar a popa, e fazê-la vir atrás dela chorando, para que então ela aceite com mais vontade..

Dos quais o irmão John seguiu a Cristo com ainda maior fervor e desejo; e quando ele veio a ele, o bendito Cristo voltou-se para ele e olhou para ele com um rosto alegre e gracioso, e abrindo seus braços santíssimos e misericordiosos, ele o abraçou com muita ternura: e naquele abrir de seus braços ele viu o irmão John chegar do mais sagrado baú do Salvador resplandeciam raios de luz, que iluminavam toda a floresta e até mesmo ele na alma e no corpo.

Então o irmão John se ajoelhou aos pés de Cristo; e bendito Jesus, para que a Madalena, ele lhe oferece benignamente seu pé para beijar; e o irmão Joao, tomando-o com grande reverência, banhou-o com tantas lágrimas que ele realmente parecia uma outra Madalena, e tão devotamente disse: "Rogo-lhe, meu Senhor, que não leve em consideração os meus pecados, mas pelo seu santíssimo paixão e através da difusão do teu santo precioso sangue, ressuscita a minha alma na graça do teu amor, para que este seja o teu mandamento, que te amemos com todo o nosso coração e com todo o carinho; mandamento que ninguém pode cumprir sem a tua ajuda. Ajuda-me pois, amado Filho de Deus, para que te ame com todo o meu coração e com todas as minhas forças".

E sendo assim o irmão John falando aos pés de Cristo, ele foi ouvido e recebeu dele a primeira graça, isto é, a chama do amor divino, e tudo se sentiu renovado e consolado; e sabendo que o dom da graça divina havia retornado a ele, ele começou a agradecer ao bendito Cristo e a beijar seus pés com devoção. E então se levantando para olhar o rosto de Cristo, Jesus estendeu Suas mãos santíssimas para beijar, e beijou o que o irmão John tinha, então ele se aproximou do peito de Jesus e abraçou e beijou, e Cristo igualmente abraçou e beijou ele. E nesse abraço e beijo, o irmão Joao sentiu tanto odor divino, que se todas as especiarias aromáticas e todas as coisas perfumadas do mundo tivessem sido reunidas, teriam parecido um fedor em comparação com aquele odor; e nela o irmão Joao foi devastado, consolado e iluminado, e aquele odor permaneceu em sua alma por muitos meses.

E a partir de então, de sua boca regada da fonte da sabedoria divina no baú sagrado do Salvador, saíram palavras maravilhosas e celestiais, que mudaram os corações, que produziram grandes frutos para a alma que as ouvia. E no caminho da floresta, em que se erguem os benditos pés de Cristo, e por um bom espaço ao seu redor, o irmão John podia sentir aquele cheiro e ver aquele esplendor sempre, quando lá ia em grande momento depois.

Retornando a si mesmo então o irmão John depois daquele estupro e do desaparecimento da presença corporal de Cristo, ele permaneceu tão iluminado na alma, no abismo de sua divindade, que era bom que ele não fosse um homem letrado para o estudo humano, no entanto, ele maravilhosamente resolveu e declarou as questões muito sutis da Trindade divina e os mistérios profundos da sagrada inscrição. E muitas vezes então, falando perante o Papa e os cardeais e reis e barões e mestres e doutores, ele os surpreendeu muito com as palavras elevadas e frases muito profundas que proferiu.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 50

Ao celebrar a missa no dia dos mortos, o irmão Joao della Vernia viu muitas almas libertadas do purgatório.

Dizendo certa vez o dito Frei João a Missa no dia seguinte a Todos os Santos por todas as almas dos mortos, segundo as ordens da Igreja, ofereceu com tanto carinho de caridade e com tanta pena de compaixão aquele altíssimo Sacramento (que por sua eficácia, as almas dos mortos desejam acima de todos os outros bens que podem ser dados a eles, acima de tudo) que ele parecia ansiar pela doçura da piedade e da caridade fraterna. Por isso, naquela missa tomando devotamente o corpo de Cristo e o oferecendo a Deus Pai e rogando-lhe que por causa de seu bendito filho Jesus Cristo, que foi pendurado na cruz para resgatar almas, ele gostaria de libertá-lo de as dores do purgatório, almas dos mortos criadas e resgatadas por ele; Imediatamente ele viu almas quase infinitas saindo do purgatório, de modo que inúmeras faíscas de fogo saem de uma fornalha acesa, e as viu subir ao céu pelos méritos da paixão de Cristo, que é oferecido a cada um pelos vivos e para eles, morto naquela hóstia sagrada, digno de ser adorado in secula seculorum.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 51

Do santo frade Iacopo da Fallerone; e como, depois de morrer, ele apareceu ao irmão Joao della Vernia.

Na época em que o Irmão Iacopo da Fallerone, homem de grande santidade, estava gravemente enfermo no lugar de Molliano sob custódia de Fermo; frei Giovanni della Vernia, que então vivia no lugar de Massa, ao saber de sua enfermidade, declarou que o amava como seu querido pai, orou por ele orando com devoção a Deus com oração mental para que o dito frei Jacopo restaurasse a saúde de o corpo, se fosse o melhor da alma. E enquanto ele estava nesta oração devota, ele foi estuprado em êxtase e viu no ar um grande exército de Anjos e santos acima de sua cela, que estava na floresta, com tal esplendor, que todo o distrito ao redor foi iluminado por ele. E entre estes Anjoa viu este frade doente Iacopo, por quem ele estava orando, em pé com roupas brancas todo resplandecente. Tornou a ver entre eles o beato padre São Francisco adornado com os sagrados instimas de Cristo e com muita glória. Você voltou a ver e reconhecer Frei Lucido como santo, e Frei Matteo ancião do Monte Rubbiano e mais outros frades, que você nunca tinha visto ou conhecido nesta vida. E ao considerar assim o irmão Joao com grande deleite aquele bendito exército de santos, a salvação da alma do dito irmão doente foi certamente revelada a ele, e que ele deveria morrer daquela enfermidade, mas não tão imediatamente, e após a morte ele teve que ir para o paraíso, mas que é melhor se purificar um pouco no purgatório. De cuja revelação o dito frei Joao teve tanta alegria pela saúde da alma que nada sentiu pela morte do corpo, mas com grande doçura de espírito chamou-a a si dizendo: "Frei Iacopo, meu doce pai; Frei Iacopo, meu doce irmão; Irmão Iacopo, servo fiel e amigo de Deus; Irmão Iacopo, companheiro dos Anjos e consorte do Beato". E assim, nesta certeza e alegria, recobrou o juízo e, incontanente, deixou o local e foi visitar o referido frade Iacopo em Molliano.

E achando-o tão oprimido que assim que pôde falar, anunciou-lhe a morte do corpo e a saúde e glória da alma, segundo a certeza que tinha disso por revelação divina, da qual o irmão Joao, todos se alegraram na mente e no rosto, recebeu-o com grande alegria e risos alegres, agradecendo-lhe as boas novas que trouxera e recomendando-se a ele com devoção. Então o irmão João implorou-lhe muito que depois de sua morte ele voltasse para lhe contar como estava; e o irmão Jacopo prometeu-lhe, se aprouve a Deus. E quando disse estas palavras, à medida que se aproximava a hora do seu falecimento, o irmão Jacopo começou a dizer com devoção o verso do salmo: "In pace in idipsum dormiam et requiescam", quer dizer: "Em paz na vida eterna adormecerei e descansarei"; e tendo dito este versículo, com rosto alegre e feliz ele passou desta vida.

E logo que foi reprimido, o Irmão Joao voltou ao lugar de Massa e esperou a promessa do Irmão Iacopo, de que o que ele havia falado voltaria para ele. Mas, ao dizer que estava orando, Cristo apareceu a ele com grande companhia de Anjos e Santos, entre os quais não estava o irmão Joao; portanto o irmão Joao, muito maravilhado, recomendou-o devotamente a Cristo. Então, no dia seguinte, enquanto rezava o Irmão Joao na floresta, o Irmão Iacopo apareceu a ele acompanhado dos Anjos, todo glorioso e todo feliz, e o Irmão Joao lhe disse: "Meu querido pai, por que você não voltou para mim o dia que você me prometeu? ". O irmão Iacopo respondeu: "Mas eu precisava de uma purgação; mas naquela mesma hora em que Cristo apareceu a você e você o recomendou a mim, Cristo ouviu você e me libertou de toda dor. E então eu apareci ao irmão Joao. Della Massa, leigos santo, que servia a missa e viu a hóstia consagrada, quando o padre a tomou, converteu-se e transformou-se na forma de uma bela criança viva, e disse-lhe: "Hoje com aquela criança vou para o reino da vida eterna, ao qual ninguém pode ir sem ele. "E, tendo dito essas palavras, o irmão Iacopo desapareceu e foi para o céu com toda aquela bendita companhia dos Anjos, e o irmão Joao ficou muito consolado.

O referido frei Iacopo da Fallerone faleceu na véspera do Apóstolo São Tiago, no mês de julho, na já mencionada localidade de Molliano; no qual, por seus méritos, a bondade divina empregou muitos milagres após sua morte.
A laude di Gesù Cristo e del poverello Francesco. Amen.

Capítulo 52

Da visão do Irmão Joao della Vernia, onde conheceu toda a ordem da Santíssima Trindade.

O citado frade Joao della Vernia, determinou que ele havia afogado perfeitamente todo deleite e consolo mundano e temporal, e havia colocado todo o seu deleite e toda a sua esperança em Deus, a bondade divina deu-lhe maravilhosas consolações e revelações, e especialmente nas solenidades de Cristo ; pelo que, aproximando-se da solenidade do Natal de Cristo, na qual certamente esperava consolação de Deus para a doce humanidade de Jesus, o Espírito Santo colocou em sua alma tão grande e excessivo amor e fervor pela caridade de Cristo, pelo qual foi humilhado para tomar nossa humanidade, que realmente lhe parecia que a alma lidava com o corpo e que queimava como uma fornalha. Este ardor, não podendo sofrer, angustia-se e derrete tudo e clama em voz alta, regido que pelo ímpeto do Espírito Santo e pelo próprio fervor do amor não pode conter o grito. E naquela hora em que aquele fervor incomensurável, com ele vende com ele tão forte e certa a esperança de sua saúde, que ponto do mundo ele não acreditou que, se estivesse então morto, teria que passar pelo purgatório. E esse amor durou bem seis meses, embora aquele fervor excessivo não contasse tanto, mas o prenda em certas horas do dia.

E durante esse tempo ele recebeu maravilhosas visitações e consolações de Deus; e ele foi repetidamente estuprado, desde que viu aquele frade que primeiro inscreveu essas coisas. Entre os quais, uma noite ele foi tão elevado e estuprado em Deus, que viu nele o criador de todas as coisas criadas e celestiais e terrestres e todas as suas perfeições distintas, graus e ordens. E então ele sabia claramente como cada coisa criada se apresentava ao seu Criador, e como Deus está acima e dentro e fora e do lado de todas as coisas criadas. Mais tarde ele conheceu um Deus em três pessoas e três pessoas em um Deus, e a infinita caridade que ele fez o Filho de Deus encarnar pela obediência do Pai. E finalmente ele soube naquela visão que nenhum outro caminho era, pelo qual a alma pode ir a Deus e ter a vida eterna, se não fosse pelo bendito Cristo, que é o caminho e a verdade e a vida da alma.
Para o louvor de Jesus Cristo e do pobre Francisco. Um homem.

Capítulo 53

Como, rezando a missa, o irmão Joao della Vernia caiu como se estivesse morto.

Ao dito frei Joao na citada praça de Molliano, segundo o que os frades ali presentes recitaram, veio uma vez este admirável caso, que na primeira noite após a oitava de São Lourenço e infra a oitava da Assunção da Mulher, tendo dito matinas na igreja com os outros frades, e a unção da graça divina ocorrendo nele, ele foi ao jardim para contemplar a paixão de Cristo e se preparar com toda a devoção para celebrar a missa, que era pela manhã para cantar. E estando na contemplação da palavra da consagração do corpo de Cristo, isto é: "Hoc est corpus meum", e considerando a infinita caridade de Cristo, pela qual quis não só nos comprar com seu precioso sangue, mas também para nos deixar como alimento das almas seu corpo e sangue meritíssimo; o amor do doce Jesus começou a crescer com tanto fervor e doçura, que já não podia sustentar sua alma com tanta doçura, mas gritava alto e como se embriagado de espírito não conseguia parar de dizer: "Hoc est corpus meum" : no entanto, dizendo essas palavras, ele parecia ver Cristo abençoado com a virgem Maria e com a multidão de Anjos. E com esta palavra ele foi iluminado pelo Espírito Santo de todos os mistérios profundos e elevados desse Santíssimo Sacramento.

E quando amanheceu ele entrou na igreja com aquele fervor de espírito e com aquela ansiedade e com isso dizer, não acreditando ser ouvido ou visto por alguém; mas no coro havia um frade em oração que tudo ouvia e via. E não sendo capaz de se conter naquele fervor por causa da abundância da graça divina, ele clamou alto; e assim ele permaneceu assim, que era hora de dizer missa; então ele foi se defender no altar e começou a missa. E quanto mais avançava, mais crescia o amor de Cristo e aquele fervor de devoção, com o qual recebia um sentimento inefável de Deus, que ele mesmo não conhecia nem podia expressar na língua. Portanto, temendo que o fervor e o sentimento de Deus crescessem tanto que seria conveniente para ele deixar a missa, ele ficou em grande perplexidade e não sabia que lado tomar, ou prosseguir na missa ou esperar. Mas estava claro que em outra ocasião um caso semelhante tinha ocorrido com ele, e o Senhor moderou aquele fervor a tal ponto que não era adequado para ele deixar a missa; confiante de ser capaz de fazê-lo desta vez, com grande medo, ele começou a prosseguir na missa; e chegando até o Prefácio da Mulher, a iluminação divina e a graciosa doçura do amor de Deus começaram a crescer tanto que quando ele veio a "Qui pridie quam", ele mal podia suportar tanta doçura. Chegando finalmente ao ato de consagração, e tendo dito metade das palavras acima da hóstia, isto é "Hoc est enim", pois de maneira alguma ele poderia prosseguir, mas ele também repete essas mesmas palavras, isto é, "Hoc est enim"; e a razão pela qual ele não pôde prosseguir, foi que ele sentiu e viu a presença de Cristo com uma multidão de Anjoa, cuja majestade não poderia sofrer; e viu que Cristo não entrou na hóstia, nem que a hóstia não transubstanciava no corpo de Cristo se ele não proferisse a outra metade das palavras, isto é, "corpus meum". De que estando ele nesta ansiedade e não avançando mais, o guardião e os outros frades e mesmo muitos seculares que estavam na igreja para ouvir a missa, se aproximaram do altar e ficaram com medo de ver e considerar os atos do irmão Joao; e muitos deles choraram de devoção. Finalmente, depois de muito tempo, isto é, quando aprouve a Deus, o irmão Joao pronunciou "Corpus meum" em voz alta; e imediatamente a forma do pão desapareceu, e na hóstia Jesus Cristo bendito encarnado e glorificado apareceu, e mostrou-lhe a humildade e a caridade que o fez encarnar da virgem Maria e que o faz cair nas mãos do sacerdote quando ele consagra o anfitrião. Por isso ele foi elevado na doçura da contemplação. Então, quando ele tomou a hóstia e o cálice consagrado, ele foi tirado de si mesmo; e estando a alma suspensa das sensações corporais, seu corpo caiu para trás e, exceto por ser sustentado pelo guardião, que estava atrás dele, ele caiu em decúbito dorsal no chão. Portanto, quando os frades e os seculares que estavam na igreja, homens e mulheres correram para lá, ele foi levado à sacristia como morto. Eles mal podiam se esticar ou se mover. Desta forma, ele ficou atordoado ou rato até o terceiro; e era de estado.

E como eu, que estava neste momento, queria muito saber o que Deus tinha usado para ele, logo que voltou a si, fui até ele e pedi-lhe o amor de Deus que me devia. Diga tudo. Então ele, por confiar muito em mim, me deu tudo em ordem; e entre outras coisas ele me disse que, considerando-se o corpo e o sangue de Jesus Cristo mesmo antes, seu coração era líquido como uma cera muito curada, e sua carne parecia-lhe que não tinha ossos dessa maneira, que ele poderia não levante os braços nem as mãos para fazer o sinal da cruz sobre a hóstia ou sobre o cálice. Ele também me disse que, antes de se tornar sacerdote, fora revelado a ele por Deus que ele teria que faltar na missa; mas, no entanto, que já tinha rezado muitas missas e não era a que tinha vindo a ele, pensava que a revelação não tinha vindo de Deus. Revelou-se que nesse caso tinha que girar em torno da dita festa de a Assunção; mas então ele não se lembrou da dita revelação.
A laude di Gesù Cristo e del poverello Francesco. Amen.

Pode interessar