Bem-aventuranças

Bem-aventuranças

Quinta felicidade

Deus não quer a morte do pecador, mas deseja que ele seja convertido e viva.

Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles encontrarão misericórdia

A misericórdia é um sentimento gerado pela compaixão pela miséria dos outros, seja moral ou espiritual. O termo misericórdia, do latim misericors -ordis, é dado pela união do verbo misereor (ter piedade) e pela palavra cord-cordis (coração); tem, portanto, inerente ao seu significado aquele sentimento de compaixão pelas fraquezas e aflições dos outros, o que leva a agir para aliviá-los.

No hebraico bíblico, deriva de duas palavras diferentes: do rehamîm, que literalmente significa "entranhas" e indica o sentimento profundo entre duas pessoas por razões de sangue e coração (pais e filhos, ou irmãos), expressando assim um amor quase instintivo e, de fato, visceral; e da hesed, que designa "bondade", "piedade", "compaixão" e também se refere à fidelidade de Deus.

Na língua grega, a misericórdia deriva do verbo veléo, que no Antigo Testamento geralmente traduz o hebraico eshed e significa "ter ou agir com misericórdia", geralmente referindo-se a Deus. Sempre no grego antigo, a misericórdia é freqüentemente associada com oiktirmòs ( "comiseração"), que pode ser feito para corresponder ao hebraico rehamîm, e para splanchna, muitas vezes referido como o Novo Testamento para indicar a sede dos sentimentos, isto é, as entranhas e o coração que são considerados o lugar das paixões instintivas: raiva, desejo, amor.

Em seu significado mais amplo, "misericórdia" define a manifestação do amor de Deus por suas criaturas, que consiste não apenas em aliviar o homem da miséria do pecado, mas também em admiti-lo à participação da natureza de Deus através da graça. Deus não quer a morte do pecador, mas deseja que ele seja convertido e viva. A Misericórdia de Deus é a perfeição de Sua atuação que se inclina para os seres inferiores para tirá-los da pobreza e completar suas deficiências. É Sua vontade fazer o bem a todos aqueles que sofrem de algum defeito e não são capazes de remediá-lo por si mesmos. Um ato particular de Misericórdia é compaixão, enquanto o estado contínuo de compaixão é a própria Misericórdia.

No Antigo Testamento, "misericórdia" é às vezes encontrada com referência ao comportamento do homem (Gn 43,10; Sir 16,14), mas no sentido apropriado refere-se a Deus. Já no Pentateuco ele designa a atitude de Deus antes pecar e trair o homem; assim o Senhor volta-se para Moisés: "Eu vou fazer graça a quem eu vou fazer graça e vou ter misericórdia de quem eu vou ter misericórdia" (Es 33,19). É acima de tudo em outras partes da Escritura de Israel que a palavra "misericórdia" é satisfeita: assim Davi proclama que "a misericórdia do Senhor é grande" (2Sm 24,14), à qual são acrescentadas as numerosas citações no livro de Macabeus ( "Ele nunca remove sua misericórdia de nós ...", 2Mc 6,16) e em Sirach. Os próprios profetas cantam a misericórdia de Deus: "Mesmo que as montanhas se movessem e as montanhas vacilassem, meu amor não se afastaria de você ... o Senhor diz que ele usa a sua misericórdia" (Is 54, 10). Mas talvez sejam os Salmos que contêm as mais belas páginas do Antigo Testamento sobre o amor incondicional de Deus, mesmo em face do pecado: nas palavras daqueles que se voltam para Deus angustiados, lemos toda a confiança do homem em direção a um Deus "cheio de misericórdia com aqueles que o invocam".

Os Evangelhos nos dizem como Jesus não permanece insensível à miséria humana. Quando se viu perante a viúva de Naim, uma mãe dilacerada pela dor e chorando pelo enterro de seu único filho, Jesus teve grande compaixão: "Não chore!", Disse ele. Então ele tocou o caixão e levantou seu filho. Para o leproso que implorou a ele de joelhos "se você quiser, pode me purificar", ele concedeu a cura. Até mesmo para o mendigo cego que implorou a ele que chorava "Tende piedade de mim!" Ele restaurou sua visão; e novamente, diante da profunda expressão de amor do pecador que com as lágrimas de seu arrependimento chorava, banhava seus pés e depois secava-os com seus cabelos, movia-se e perdoava todos os seus pecados. Os Evangelhos nos dizem que multidões de pessoas usaram Sua ajuda: "quando a noite chegou, depois do pôr do sol, eles trouxeram todos os doentes e os possuídos. A cidade inteira estava reunida na porta. Ele curou muitos que sofriam de várias doenças e expulsou muitos demônios".
(Mc 1: 32-34).

Jesus ajudou toda enfermidade, prontamente respondeu a todo pedido de ajuda, ficou comovido por toda miséria. Os cegos recuperaram a visão, os surdos ouviram, os mudos a palavra, os paralíticos, a saúde e a vida morta. E, como se tudo isso não fosse um sinal tangível de Sua misericórdia, além de Sua ação salvadora, "Deus, rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, pela morte que éramos pelos nossos pecados, nos fez reviver com Cristo: pela graça você é salvo "(Ef 2: 4-5). Que outra prova ele ainda tinha para dar de Sua Misericórdia?

Mas há uma condição inevitável: não é possível sentir o impulso de cuidar do infortúnio do próximo, se a misericórdia não despertou na alma um tal instinto de amor fraterno compassivo. Assim, o homem misericordioso é levado aos necessitados, oferecendo aos aflitos o que seu espírito angustiado procura, por sua disposição de coração. A misericórdia se origina do amor, que impulsiona a vontade de compartilhar dores. A misericórdia é um impulso irreprimível e desinteressado para o amor. Portanto, aquele que está nesse estado de espírito é abençoado, pois é como se ele tivesse tocado o cume da virtude. Ninguém considera a virtude apenas na dimensão material; se fosse esse o caso, a retidão de comportamento semelhante seria possível apenas para aqueles que estão na posição ou na possibilidade de fazer o bem; em vez disso, qualquer um, por escolha, inclina-se para o fraco, o aflito ou o necessitado é misericordioso.

Pode interessar