Bem-aventuranças

Bem-aventuranças

Oitava Felicidade

Não olhe para o que você sai e corra para o bem.

Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus

A ordem dos preceitos nos leva ao oitavo passo no topo da colina. Uma vez "manchados" pelo pecado, pelo caminho da purificação e retornados ao estado de pureza natural, obteremos a recompensa do trabalho árduo, a recompensa de tanto suor com a reintegração no Céu: "Bem-aventurados os perseguidos por minha causa, por causa deles é o reino dos céus".

É uma fonte de felicidade ser perseguido por causa do Senhor, porque ser perseguido pelo mal se torna uma razão para se estabelecer no bem. O bem é o mesmo Senhor para quem ele é executado e perseguido pelo perseguidor. A vida humana está na fronteira entre o bem e o mal, equilibrada entre a alegria daqueles que esperam e o abismo daqueles em desespero. Uma vez que a perseguição aos mártires ocorre através do trabalho dos ímpios, a forma em que se manifesta, à primeira vista, é dolorosa para os sentidos, mas seu fim transcende todo sofrimento.

Muitas vezes o que parece doloroso se torna uma causa de felicidade para muitos, como evidenciado pela história de José, filho de Jacó. Ele foi minado por seus irmãos e removido de sua companhia; graças a sua venda, ele foi nomeado rei por aqueles que haviam conspirado contra ele; e ele não teria alcançado essa dignidade sem sua inveja, através da qual o caminho para o reino lhe foi aberto. Se alguém dissesse a Joseph: "porque você está sendo minado, você será abençoado", ele não teria parecido credível a seus olhos, porque naquele momento ele foi capaz de ver apenas o sofrimento do presente. Da mesma forma, mesmo a perseguição feita contra os fiéis, sendo muito dolorosa para os sentidos, é possível aceitar apenas com a esperança do Reino.

Stefano, apedrejado, regozijou-se e alegremente recebeu o lançamento de pedras em seu corpo e abençoou os assassinos, rezando para que nenhuma culpa fosse atribuída a eles, pois ele havia entendido a promessa do Senhor e viu que sua esperança de conquistá-lo estava se materializando. aceitação do que ele estava passando; tendo de fato ouvido que os perseguidos por causa do Senhor entrariam no Reino do Céu, vislumbraram - enquanto ele foi perseguido - o que o esperava: o céu aberto, a glória de Deus.

Não é fácil preferir, aos prazeres visíveis desta vida, o bem invisível de uma realidade ainda não experimentada; Não é fácil enfrentar essa escolha sem a ajuda do Senhor. Como o apóstolo diz: "E aqueles que ele predestinou, ele chamou lá; e aqueles que ele chamou de justificados; e os que ele justificou também glorificaram".(Rom 8:30). A alma, através das sensações do corpo, é atraída pelos prazeres da vida, com os olhos deleita-se com a beleza da matéria, com a audição é propensa aos sons lisonjeiros de seus chamados e, de acordo com o que é realmente por natureza de cada sentido, está predisposto às solicitações de olfato, paladar e tato; portanto, a alma, apegada às coisas agradáveis da vida através do poder dos sentidos, dificilmente se separa dos prazeres que a envolvem e a minam continuamente. Nesta situação, a alma se torna uma presa fácil para o mal.

As Escrituras, no entanto, nos ensinam isso e o Sermão do Monte sublinha ainda mais claramente: para todo mal, para toda ação ou disposição contrária ao bem, o Pai preparou para nós uma solução, uma escolha alternativa que nos permite libertar-nos de tais mecanismos. "A palavra de Deus, de fato, é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes: pode procurar dividir alma e espírito, articulações e medula, e para distinguir os pensamentos e intenções do coração" (Hb 4:12) . A Palavra penetra naqueles que realmente aceitaram a fé, cortaram as partes que cresceram mal e os laços do hábito, e deram força para superar os prazeres do mundo.

Então você ficará surpreso ao ver que não mais olha para o que você deixa, mas para o que você quer; não vire os olhos para o que é agradável, mas corra com os olhos para o bem; não sofram pela perda de tesouros terrenos, mas exultem pela conquista dos celestiais. É neste exato momento que, sem qualquer hesitação adicional, você começará a aceitar prontamente toda forma de tortura como meio e ajuda para a alegria prometida; fogo como meio de purificar a matéria; a espada como um meio que separa a união formada entre a mente e o que é material ou carnal. Tudo o que pode ser doloroso e doloroso torna-se agradável a você, reconhecido como o único antídoto capaz de neutralizar o veneno nocivo e prejudicial do prazer. Quem é perseguido pelo inimigo e foge para Deus, aceita voluntariamente todas as provações dolorosas que lhe são apresentadas, porque elas são a água que extingue o fogo indomável do prazer. Desde que o pecado foi introduzido por prazer, por isso será banido do seu oposto; e aqueles que perseguem outros homens por causa de sua confissão de fé no Senhor, nada fazem senão oferecer, através das penas infligidas, um remédio para as almas dos últimos. Assim Paulo recebe a cruz, Tiago a espada, Estêvão as pedras, Pedro a crucificação de cabeça para baixo; assim como todos os santos, que os sucederam, alegremente aceitaram as várias formas de tortura como um meio de purificação do pecado (feiras, abismos, incêndios, despojos, cabeças furadas, olhos desfeitos, dedos cortados, corpos desmembrados ou divididos) em, e todas as outras formas de tortura), de modo a não deixar qualquer traço dos prazeres impressos em seus corações, ciente de que este julgamento doloroso e amargo é o único capaz de apagar todas as cicatrizes de prazer na alma.

A aflição é a flor da fruta esperada. Então nós também escolhemos a flor para pegar a fruta. Vamos perseguir depois de correr! Correndo nós não corremos em vão, mas deixe nossa raça ser endereçada ao prêmio de nossa vocação superior; nós corremos para Cristo, que é o prêmio da corrida da fé. Ele é a coroa de louros para quem ganha.

Se, portanto, formos perseguidos, não nos entristeçamos, antes nos regozijaremos, porque, graças ao afastamento das honras do mundo, seremos levados ao bem celestial, segundo a promessa daquele que elegeu os que serão perseguidos por amor Dele, porque o Reino de Deus O céu é para eles.

Os perseguidos por causa da justiça são aqueles que experimentam diretamente o que Jesus disse: "Eu não vim para trazer paz, mas divisão" (Mt 10:34). Para tal posição, em seu tempo na terra, ele foi odiado ao ponto de ser morto: "você negou o Santo e o Justo, e pediu que um assassino fosse perdoado. Você matou o autor da vida "(Atos 3,14-15). Assim será para os seus discípulos, porque, falando dele, eles se exporão à perseguição: "Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça".

Mas o que é isso justiça? É Jesus, a única certeza de Deus; isso é justiça! Defender isso significa expor-se à perseguição, mas também significa ter o conforto e a ajuda de Jesus que conforta seus imitadores, encoraja-os, estimula-os com palavras reconfortantes sussurradas em seus corações: "regozije-se e seja feliz, porque você alcançou a Bem-aventurança, e você pode ter certeza de ser abençoado porque você vai desfrutar da minha presença, porque você vai sentir a minha presença, porque você vai viver da minha presença, mesmo no meio de toda essa realidade que é seu inimigo". Jesus, de fato, já disse aos seus primeiros discípulos: "Eu vos envio como ovelhas no meio de lobos; portanto, seja prudente como serpentes e simples como pombas.



Cuidado com os homens, pois eles te entregarão às suas cortes e te açoitarão nas sinagogas deles; e sereis levados perante governadores e reis por minha causa, para dar testemunho a eles e aos gentios [...]. E você será odiado por todos por causa do meu nome; mas quem perseverar até o fim será salvo "(Mt 10,16-22). Aqui, então, é que os perseguidos, os insultados, aqueles que receberão todo o tipo de maldade porque defenderão a Sua justiça, a verdade, a certeza de que no filho do homem há a plenitude de Deus, serão então consolados pela Sua intervenção salvadora. Seu último abraço e eles serão abençoados por toda a eternidade.

O caminho para alcançar esta bem-aventurança é, portanto, o que Jesus nos ensinou, acompanhando-nos neste caminho rumo ao cume da montanha: pobreza de espírito, aflição, mansidão, sede de justiça, misericórdia, pureza de coração e pacificadores. Este é o caminho sobre o qual devemos nos treinar para nos tornarmos capazes de alcançar a plenitude da bem-aventurança porque, apesar das adversidades e incompreensões, apesar das coisas que continuarão a nos opor, temos a certeza do que nos espera: regozijemo-nos e nos sustentemos uns com os outros, porque sempre seremos abençoados no Reino dos Céus.

Pode interessar