Bem-aventuranças

Beatitudini evangeliche

Segunda beatitude

O clamor que vem do reconhecimento dos pecados é o fruto do arrependimento. A dor não quebra a fé, não seca a oração, muda sua natureza e da dor, torna-se consolo.

Bem-aventurados aqueles que choram porque serão consolados

Quando é o lamento de quem se arrepende, o choro é um ato consciente e doloroso; Todo pecador deve chorar. É verdade que aqueles que morrem geralmente são lamentados, mas, na verdade, o iníquo não é mais uma criatura viva, mas um morto. Chore, portanto, e voltará à vida; choro impulsionado pelo arrependimento sincero e consolado com o perdão amoroso. Nesta bem-aventurança, Jesus nos exorta a sermos livres do pecado, que está sempre à espreita com suas seduções; de modo que, tendo-se tornado leve e ágil no caminho para o topo, podemos nos aproximar cada vez mais, impulsionados pelo sopro da alma purificada, para a luz perfeita da verdade.

Bem-aventurado o choro que é uma conseqÜência da admissão dos pecados, aquele choro que é efeito e não causa os erros e desejos em que alguém caiu. A dor da alma não pode ser considerada estranha à própria essência da bem-aventurança, uma vez que a alma deplora a vida passada em vício.

A ausência de dor é um sinal de que o sopro de vida recebido pelo Criador é extinto, morto e enterrado sob o peso dos pecados; alguns, depois de terem se entregado a uma vida dissoluta sem dor, tornando-se insensíveis e inertes em relação à vida virtuosa, não percebem de maneira alguma o que fizeram e continuam a fazer. Até Paulo chia com a palavra que violou o leito nupcial de seu pai, até que ele se torna consciente de seu pecado: "Esta é realmente a vontade de Deus, a sua santificação: que você se abstenha da impureza, que cada um de vocês saiba como tratar o corpo de alguém com santidade e respeito, sem deixar-se dominar pela paixão, como os pagãos que não conhecem a Deus; que ninguém neste campo ofende ou engana seu irmão, porque o Senhor castiga todas essas coisas, como já dissemos e reiteramos. Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santificação"(1 Tess 4,3-7). Chorar é uma disposição obscura da alma, é a reação dolorosa à perda do que se gosta, à privação do que é desejado. Esta disposição não encontra espaço naqueles que passam uma vida feliz.

Quem quer que tenha sido capaz de contemplar o verdadeiro bem e se conscientizar da pobreza da natureza humana, considerará sua alma completamente infeliz, porque hoje a vida dos homens é conduzida em estradas que os distanciam desse bem. Jesus considera abençoado não a dor, mas o conhecimento do bem. O bem que fomos privados transcende nossas faculdades; consequentemente, torna-se fundamental pesquisar o que quer que o bem seja do qual a caverna escura da natureza humana, nesta vida diária, não possa ser iluminada. O nosso desejo não volta o nosso olhar para o que é indeterminável e incompreensível? Quanto mais acreditamos que o bem é, por sua natureza, superior ao nosso conhecimento, mais choro e desespero crescem em nós, porque o bem do qual somos separados por acaso é de uma natureza tão imensamente alta, que não podemos sequer conter o seu conhecimento.

Cada uma das paixões que incitam em nós, se assumiu, torna-se a amante da pessoa que fez dela uma escrava. Assumir a alma, a paixão maltratada daqueles que estão sujeitos a ela, fazendo uso de seu raciocínio pelo que ela gosta; assim raiva, medo, preguiça, ousadia, paixão de dor e prazer, ódio, vingança, falta de devoção, grosseria, inveja, lisonja, indolência e todas as paixões escravizam a alma ao seu próprio poder. Parece uma condenação sem esperança, mas não é assim: a alma volta seu olhar para o verdadeiro Bem e ressurgirá do engano da vida presente.

Os homens que não têm conhecimento dos bens dos quais nossa natureza foi privada passam a vida presente no prazer; e viver em tal deboche total leva a não buscar as melhores realidades. Jesus, portanto, chama as lágrimas abençoadas, não porque ele considera um momento de felicidade em si mesmo, mas por causa do efeito que tem na alma.

O Senhor diz: "Bem-aventurados os que choram", e o discurso não termina aqui, mas acrescenta "Porque eles serão consolados". Quem precedeu essa verdade foi Moisés nas observâncias místicas da Páscoa; Ele prescreveu pão sem fermento para seu povo nos dias festivos, isto é, pão sem sal, sem fermento e sem óleo, cozido rapidamente em pratos quentes, para logo estar pronto para seguir o Senhor: "Eis como você vai comer: com seus quadris cingidos as sandálias nos pés, o pau na mão; você vai comê-lo rapidamente"(Ex 12,8-11); para a refeição, então, como um companheiro, ele estabeleceu ervas amargas, para que as pessoas aprendessem, através de simbolismos semelhantes, que não se pode participar dessa festa mística senão acompanhando as amarguras da vida cotidiana com a simplicidade da verdadeira vida. Mesmo Davi, ao ver a culminação da fortuna humana à qual ele havia chegado, acrescentou as "ervas amargas" a sua vida, definhando no gemido e chorando pela extensão de sua permanência na carne.

Da mesma forma, Jesus não perde a oportunidade de alertar seus discípulos sobre os efeitos e as conseqüências futuras de uma vida terrena vivida apenas entre prazeres e riquezas: "Havia um homem rico, vestido de púrpura e bisão e todo dia festejava profusamente. Um mendigo chamado Lázaro estava deitado à sua porta, coberto de feridas, ansioso por se alimentar do que caía da mesa do homem rico. Até os cachorros vieram lamber suas feridas. Um dia o pobre homem morreu e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão. O homem rico também morreu e foi enterrado. De pé no inferno atormentado, ele levantou os olhos e viu Abraão e Lázaro a uma distância ao lado dele. Então, gritando, ele disse: Padre Abraão, tem piedade de mim e manda Lázaro molhar a ponta do dedo na água e molhar minha língua, porque essa chama me tortura. Mas Abraão respondeu: Filho, lembra-te de que recebeste as tuas posses durante a tua vida e Lázaro também os seus males; mas agora ele é consolado e você está no meio de tormentos"(Lc 16,19-25).

E isso é certo, já que a ausência de vontade ou, melhor, o mau compromisso nos afasta do bom desígnio que Deus estabeleceu para nós suas criaturas favoritas de toda a Criação. De fato, Deus prescreveu que nosso gozo do bem estava isento do mal e proibira a mistura do bem com a experiência do que é mau (Gn 2: 16-17); mas nós, por nossa voracidade e orgulho tolo, nos enchemos voluntariamente com o contrário. É por isso que a natureza humana deve experimentar ambos, tanto participando do choro como se regozijando de alegria. Como existem duas dimensões de existência, e nossa vida é medida de acordo com a conduta de ambos, há também dois tipos de alegria: um efêmero nesta mesma existência, o outro eterno ligado à perspectiva e esperança da vida futura.

Não é difícil agora entender o significado dessas palavras: "Bem-aventurados os que choram"; de fato, eles serão consolados por infinitos séculos; o consolo acontece por meio da participação do Consolador. O dom da consolação é uma ação própria do Espírito, da qual também podemos ser dignos pela graça de nosso Senhor Jesus Cristo. Jesus diz: "Bem-aventurados os aflitos". A aflição não é a condição exclusiva das pessoas que têm necessidades, porque são pobres, porque estão com fome. Para o Senhor, os aflitos são aqueles que experimentam a dificuldade de viver de acordo com as leis de Deus precisamente nesta terra, entre os homens e todas as suas estratégias errôneas de conquistar poder e prazer.

O próprio Jesus sente aflição na cruz quando exclama "meu Deus, meu Deus, por que me desamparaste?" Com essa exclamação, ele parece querer sublinhar quão difícil foi esse momento, porque as últimas fases de Sua história humana estavam obscurecendo o rosto do Pai, eles estavam tentando arrancá-lo da harmonia de intenções com o "Meu Pai que está no céu". O obstáculo para alcançar a bem-aventurança é precisamente este: ver que este mundo faz tudo para nos separar, para nos distanciar da certeza de Deus. "A aflição é o esforço do crente na luta diária contra esta difícil batalha. A felicidade é alcançada derrotando a aflição, apesar da dificuldade de tentar permanecer fiel no serviço ao Senhor.

Jesus então nos diz que se quisermos continuar a segui-lo, se quisermos ouvir sua voz e viver sua palavra, todos nós devemos experimentar esta aflição, mesmo sabendo que dos homens ao nosso redor, nunca receberemos ajuda para permanecermos fiéis a sua palavra. Quando Jesus cercado pela multidão diz: "vem a mim todo aquele que trabalha e está sobrecarregado, eu lhe darei descanso" (Mt 11,28), ele quer dizer que a aflição não deve nos desanimar, porque ele veio justamente para nos apoiar neste batalha: "você terá tribulação no mundo, mas confie; Eu venci o mundo"(Jo 16,33). Aqui está a vitória sobre a aflição! Não há necessidade de cair na bondade com que essas bem-aventuranças são usualmente interpretadas: a aflição está relacionada à fé e não está ligada às condições humanas, terrenas, econômicas ou sociais. Como tal devemos amá-lo e desejá-lo, porque a sua vitória é mais um passo no caminho da "Montanha" que nos leva à conquista do cume do Reino dos Céus.

Somente aqueles que choram ou que choraram sabem amar e entender, porque entenderam que a dor cessa se o choro está no coração de Deus, porque entenderam que o choro não quebra a fé, não seca a oração, mas muda a natureza e da dor, torna-se consolação abençoada.

Pode interessar