Bem-aventuranças

Bem-aventuranças

Sexta Felicidade

Quem libertou o coração da disposição passional vê em sua própria beleza a imagem de Deus.

Bem-aventurados os puros de coração porque eles verão a Deus

Deus é prometido como uma recompensa pela contemplação daqueles que se purificaram em seus corações. "Deus nunca o viu" (Jo 1,18) porque, como testemunhou Moisés, "não podeis ver o meu rosto, porque o homem não pode me ver e viver" (Ex 33:20). E Paulo confirma: "o único que possui imortalidade e vive uma luz inacessível, que nenhum homem jamais viu ou pode ver" (1 Timóteo 6:16).

A promessa é tão grande que vai além do mais alto limite de felicidade. No uso habitual da Sagrada Escritura, "ver" deve ser entendido como significando "encontrar", "conquistar espiritualmente"; na passagem "Possas ver os bens de Jerusalém" (Sl 27.5), a expressão "você pode ver" significa "você pode encontrar"; e assim também é na afirmação "Deixe o ímpio ser levado, para que ele não veja a glória de Deus" [Is 26,10], que "não vê" indica "não conquiste", "não tem" a glória de Deus.

Quem viu Deus, graças a esse "ver", tudo o que é contemplado e prometido na lista das bem-aventuranças: vida infinita, incorruptibilidade eterna, bem-aventurança imortal, reinado sem fim, alegria incessante, luz verdadeira a doce voz do Espírito, a glória inacessível, a exultação perpétua; em suma, tudo de bom.

Uma condição necessária e indispensável para a conquista do "ver" Deus é a pureza do coração, um objetivo estonteante para o homem, que parece impossível de alcançar, especialmente em um mundo como o de hoje, permeado por todo tipo de mensagem e solicitude, longe de nos trazer ou nos fazer buscar pureza de coração. Talvez o Senhor nos exorte a algo que está além do alcance de nossa natureza e transcende a medida das faculdades humanas? A natureza divina supera todo o entendimento, sendo inacessível e inatingível aos pensamentos humanos: uma faculdade terrena que permite a percepção e a compreensão do impossível ainda não foi descoberta. É por isso que o apóstolo Paulo chamou inescrutável aquele caminho que leva ao conhecimento de Deus (cf. Rm 11.33) e que é inacessível ao raciocínio.

Contudo é possível "ver" por conjectura. Como nas obras criadas pelo homem, a mente reconhece o criador do produto através do próprio produto, pois inevitavelmente encontra a marca da inspiração e do espírito artístico do autor, observando e contemplando a ordem da criação, nós formamos uma noção não apenas de sua essência, mas também da sabedoria de quem fez tudo isso perfeitamente. Se, então, raciocinarmos sobre as razões que determinaram a criação de nossa vida, compreendemos que o Criador veio a originar o homem não por necessidade, mas por Sua vontade magnânima. Mais uma vez, dizemos que contemplamos a Deus, tendo entendido não a Sua essência, mas a Sua bondade.

Todas as considerações que elevam o pensamento ao ser superior derivam do próprio Deus, uma vez que cada um desses conceitos nos traz Deus diante de nossos olhos. Poder e pureza formam uma representação conceitual divina na alma. O Senhor, portanto, afirma a verdade - e só poderia ser assim - quando ele promete aos puros de coração que eles verão a Deus, visto que Aquele que é invisível por natureza se torna visível através de Sua atividade, quando é contemplado em algumas de Suas propriedades.

O Senhor não disse que ser feliz e abençoado é conhecer algo de Deus, mas é possuir Deus em si mesmo. Com "Bem-aventurados os puros de coração, porque eles verão a Deus", ele não propõe Deus como uma visão face a face, para aqueles que purificaram o olho de sua alma, mas ele sugere para nós o que o Logos apresenta em outro lugar de maneira mais evidente: dos céus está dentro de vós "(Lc 17, 21).

Quem quer que tenha purificado o coração da corrupção e da disposição passional vê em sua própria beleza a imagem de Deus.A medida que é concedida a você na concepção de Deus está de fato em você: Deus imprimiu bens de sua própria natureza em sua essência; quem impede você de vê-los é o vício, que obscurece ou mesmo enterra a marca divina. Se você conseguir remover a sujeira que se incrustou em seu coração, a beleza divina brilhará em você e fora de você. Você vai recuperar a felicidade porque aqueles que são puros de coração, olhando e se tornando conscientes de sua própria pureza, reconhecerão o arquétipo, Aquele de quem ele é gerado. Como acontece para aqueles que olham para o sol em um espelho que, embora você olhe fixamente para o céu, veja o sol no esplendor do espelho de modo algum inferior àqueles que olham diretamente para ele, assim também acontecerá com você que se encontrará e reconhecerá em si mesmo Deus, na semelhança de que você foi criado. A divindade é pureza, ausência de paixões e irrelevância para todo mal: se, portanto, tudo isso está em você, Deus certamente está em você.

Quando seu pensamento é purificado de todo vício, livre de paixão, estranho a toda mancha, você será feliz pela clareza da visão, porque, purificado, você será capaz de perceber e possuir o que é invisível para aqueles que não são purificados; removeu o obscurecimento material dos olhos da alma, você verá a visão abençoada no céu puro do seu coração A pureza, a santidade, a simplicidade e todos os reflexos luminosos deste tipo são frutos da natureza divina através da qual nos é permitido contemplar o próprio Deus.

No entanto, a purificação não pode ser alcançada apenas através do esforço humano. As virtudes são difíceis de alcançar: elas custam mil penalidades e suores, dificuldades e dificuldades. Jesus nos ensina com seus ensinamentos sobre como erradicar a raiz do vício: colocando seus preceitos em prática, você descobrirá a pureza do coração. A renúncia ao vício não pode, portanto, ser uma força, uma imposição do Criador à criatura, mas uma livre escolha da criatura que busca e deseja "ver" o seu Criador.

E o Senhor vai além da cura dos pecados, comprometido em satisfazer os prazeres da carne: afugenta o tolo desejo de adultério do coração; proíbe o desafio injusto, nem mesmo admitindo autodefesa; bane a paixão da ganância, ordenando que aqueles que foram roubados também se despojem do que deixaram; cura o medo, ordenando que seja desdenhoso da morte. A palavra incisiva do Senhor destrói, como um arado, as raízes perversas do pecado das profundezas do nosso coração e, através dos preceitos, permite-nos nos purificar dos maus frutos dos vícios, cheios de espinhos.

A conduta moral do homem é sempre o reflexo de uma "face": ou é a do Pai ou a do adversário do Pai. Se os puros de coração são abençoados, indubitavelmente são os impuros do espírito, porque olham e são o reflexo da face de seu oponente. Colocamos a máscara do mal, resumimos a imagem divina e nos tornamos puros de coração: seremos abençoados para sempre porque, devido ao estilo de vida puro recapturado, seremos um reflexo da imagem divina em Cristo Jesus nosso Senhor.

Deus dá o prêmio para o que ele vê em seu coração. Tudo o que te encanta é dentro do teu coração; portanto, se uma paixão doentia o estimular, não consinta com isso; e se ele é muito ardente, ele ora a Deus para rejeitá-lo, de modo que em seu coração um efeito puro é produzido e o coração sai purificado. Às vezes a língua fica em silêncio, mas a alma geme: ela tenta de todo modo orar em seu Deus íntimo.Você pode se encontrar em dificuldade para purificar seu coração: então invoca Quem não se recusa a purificar um lugar para si mesmo e terá prazer em viver você. Ele mesmo será a vossa comida, pois foi Ele mesmo quem disse: "Eu sou o pão vivo que desceu do céu" (Jo 6,41). Esse pão restaura e não se deteriora, dá a lucidez do discernimento entre o bem e o mal e prodigamente prodigaliza todas as forças necessárias para purificar o corpo e o coração, para voltar a ser à sua imagem e semelhança. Abençoados, portanto, são os puros de coração, porque eles verão a Deus.

Pode interessar