Canonização

Antonio

Santo Antônio

Nos dias que se seguiram à bendita passagem de Frei Antônio, numerosos e sensacionais milagres foram atribuídos à intercessão do muito popular frade.

Eventos prodigiosos

Os acontecimentos prodigiosos aumentaram a devoção entre todas as camadas de cidadania, nos países vizinhos e nos bairros mais distantes, e favoreceram a corrida implacável de muitos peregrinos, a multiplicação de contos de fatos milagrosos, o crescimento do entusiasmo, a difusão de um verdadeiro culto, que correspondeu a uma canonização de fato do povo e à mobilização geral para ver a santidade de Antônio reconhecida pelo papa.

Atendendo a este desejo unânime, ainda antes de decorrido um mês da morte do Santo, as autoridades religiosas e civis enviaram a Roma uma delegação composta por eminentes religiosas e personalidades leigas, para apresentar ao pontífice a petição de toda a cidade, bispo, clero, podestà, nobres e pessoas, para obter o início de um processo regular sobre a santidade e milagres atribuídos a Antônio.

A delegação foi recebida por Gregório IX, o papa que conhecia bem Antônio, que tinha ido a Roma pedir o julgamento do papa sobre algumas questões debatidas entre os frades, e ficou tão fascinado por sua eloqüência e profundidade de doutrina que ele mesmo definiu "Arca do Testamento" e "Caixão das Sagradas Escrituras". O velho pontífice só podia alegrar-se ao ouvir a fama de santidade que rodeava o irmão Antônio e ver amadurecer tão admiráveis frutos. Assim, o colégio cardinalício se reuniu imediatamente para discutir o pedido da embaixada de Padua e iniciar o processo de canonização.

A primeira fase desse "iter" canônico, que estava entre as mais curtas lembradas por ter durado menos de onze meses (julho de 1231 - maio de 1232), foi o estabelecimento de um tribunal diocesano em Pádua, para formar o qual o papa escolheu o bispo da da cidade de Jacopo, do prior beneditino Giordano Forzaté e do prior dos dominicanos Giovanni da Vicenza, encarregando-os de ouvir e examinar os testemunhos sobre as virtudes de Antônio e de recolher e avaliar todos os episódios considerados milagrosos e atribuídos à sua intercessão.

Quando o trabalho do tribunal foi concluído em fevereiro de 1232, conduzido com diligência e rapidez pelos três comissários, o bispo e o podestà enviaram uma nova delegação ao papa, composta por cônegos, frades, magistrados e nobres, que transmitiu o "dossiê" e defendeu com eficácia a causa.
Gregório IX, imediatamente passou à segunda fase da causa, estabelecendo o processo apostólico e confiando a presidência ao cardeal de S. Sabina, Giovanni d'Abbeville, ex-monge beneditino de Cluny e abade do mosteiro de S. Pietro d ' Abbeville. Ele concluiu o processo em um tempo muito curto e com um resultado favorável. O papa, que estava em Spoleto desde o início de maio de 1232, estabeleceu que a canonização de Frei Antônio seria realizada no dia 30 de maio, festa de Pentecostes, na esplêndida catedral de Spoleto, erguida das ruínas de Barbarossa e consagrada por cerca de trinta anos antes (1198) por Inocêncio III.

Rito de canonização

O rito solene da canonização. O dia tão esperado finalmente chegou. Spoleto, que já havia experimentado uma extraordinária animação nos dias anteriores, viveu uma experiência inesquecível e única, tanto pelo fato em si quanto pelas muitas pessoas ilustres reunidas na catedral para prestar as primeiras honras dos altares ao Irmão Antônio: antes de tudo Gregório IX, envolto em toda a magnificência das vestes papais e acompanhado pelos membros da corte pontifícia; depois os cardeais, bispos e altos prelados, que coroaram o papa; depois, além dos chefes das várias ordens religiosas, uma grande representação da família franciscana liderada pelo frade Elia - eleito poucos dias antes do Ministro geral em Rieti na presença do Papa - e particularmente feliz por ver o primeiro santo do Papa a Ordem reconhecida após o fundador; além disso, os representantes do clero e das autoridades de Pádua e de muitas outras cidades próximas e distantes; enfim, uma multidão de pessoas exultantes que a grande catedral, decorada de forma totalmente excepcional, não pôde conter.

O solene pontifício com o rito da canonização aconteceu segundo a prática da época, que incluiu cinco momentos. Em primeiro lugar, o pontífice fez um discurso para exaltar as virtudes e méritos de Antônio. Em seguida, um cardeal ou um clérigo da corte papal declamava os milagres obtidos por meio da intercessão da canonização e autenticados nos julgamentos. Neste ponto, e foi o momento culminante da cerimônia, Gregório IX se levantou e em nome da SS. Trinity pronunciou a fórmula solene com a qual atribuiu Antônio no registro dos santos: "Para o louvor e glória do Deus Todo-Poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo, e para a honra da Igreja Romana, veneramos na terra o Pai bendito Antônio, que o Senhor glorificou no céu, depois de ter acatado o parecer favorável dos nossos irmãos e outros prelados, decretando que o seu nome fosse inscrito no catálogo dos santos e que a sua festa fosse celebrada no dia 13 de junho".

Durante a cerimónia de canonização, em Lisboa, cidade natal do Santo, os sinos da igreja tocaram em festa, sem que ninguém os movesse por mão, para surpresa e alegria de todos os habitantes.

Pio XII, com a sua carta apostólica "Exulta, Lusitania felix, o felix Padua gaude", de 16 de janeiro, proclamou-o solenemente médico universal da igreja, confirmando e estendendo a toda a Igreja o culto ao médico de que o santo já gozava desde então o dia de sua canonização; ou recentemente, por ocasião do oitavo centenário do nascimento do santo (1995), quando os frades de Pádua organizaram uma "peregrinação" de algumas relíquias de Santo Antônio por toda a Itália, passando também por sete cidades da Úmbria: Terni, Foligno, Assis, Perugia, Gubbio, Città di Castello e Spoleto, onde os venerados restos mortais pararam no dia 13 de setembro.

A devoção a Sant Antônio cresceu em um crescendo irreprimível, está mais viva do que nunca se espalhou por todo o mundo, San Antônio continua atraindo grandes multidões e oferecendo a todos, como um verdadeiro amigo, sua mensagem, sua proteção e sua bênção.

(Bula de Canonização).
"... Pois o Senhor diz através do Profeta: Farei com que todos os povos celebrem os teus louvores e te coroem de glória e honra, e porque Ele promete que os justos brilharão como o sol diante de Deus; é piedoso e justo que na terra nos envolvamos com nossa veneração e louvor e honremos aqueles a quem Deus coroa com santidade e honra no céu.
Deste número está o beato Antônio de santa memória, da Ordem dos Frades Menores, que, enquanto viveu na terra, apareceu adornado com as mais belas virtudes, e agora que está no céu brilha com o esplendor de inúmeros milagres, de modo que ele demonstrou claramente sua santidade.
Tendo estado certos das virtudes dele e de seus distintos milagres, e tendo nós mesmos mais uma vez apreciado a santidade de sua vida e as maravilhas de seu ministério, achamos certo e bom inscrevê-lo no Catálogo dos Santos.
Visto que o beato Antônio se tornou uma lâmpada tão brilhante neste mundo que, pela graça de Deus, ele mereceu ser colocado não sob maio, mas no castiçal imortal da Igreja Católica, todos nós oramos a você e sinceramente exortamos você com estes Cartas apostólicas, aliás, ordenamos que, promovendo a devoção dos fiéis e a veneração a ele, celebrem a sua festa todos os anos no dia 13 de junho e cuidem de que seja celebrada com grande solenidade.

Dado em Spoleto a 23 de junho de 1232, sexto ano do Nosso Pontificado. Gregório Papa IX.

Pode interessar