O santo eremita

Charbel

Ele viveu para Deus

O padre Charbel era como a lua entre as estrelas.
Ele impôs uma prática radical de virtudes e penitência desta forma ele superou todos os outros eremitas.
Ele foi capaz de viajar admiravelmente o ascetismo para o céu, porque seu coração batia e ardia com o amor de Deus.

Penitência como forma de vida

O padre Charbel infligiu a si mesmo todo tipo de penitências e nunca se queixou de nada, permanecendo sempre sereno tanto no sofrimento quanto na adversidade.

Quando vieram as tribulações, ele não ficou triste. Ele confiou cegamente no Senhor e repetiu: Deus faz as coisas certas, é a sua vontade! Ou: Somos peregrinos viajando para a eternidade.
Ele não preferia a saúde à doença e não sofria por problemas. Ninguém nunca o ouviu dizer: "Estou com fome, estou com sede, estou cansado". Quando ele foi acusado injustamente, mesmo não sendo culpado, ele se ajoelhou e pediu perdão sem se esclarecer.

Ele aceitou a dor como forma de fazer penitência. Ele sofria de fortes dores de estômago, mas se recusou a tomar analgésicos sem a permissão de seu superior, mesmo quando a dor se tornou insuportável. Ele também sofria de cólica renal crônica, que piorava no inverno, mas escondia a saúde sem reclamar e não pedia consulta médica. Ele nunca pediu bebidas frescas no verão ou bebidas quentes no inverno.

Um dia, enquanto frei Elias A1-Mahrini, encarregado dos trabalhos agrícolas, trabalhava na vinha com o padre Charbel, o santo teve cólica renal. Ele começou a se contorcer e dobrar as costas, deixando escapar alguns gemidos. Frei Elias o convidou a voltar à sua cela, mas o eremita respondeu: "Não posso porque gostaria de ter um descanso na minha consciência contrário à pobreza", e ele continuou a trabalhar o dia todo, suportando silenciosamente a dor.

À noite, enquanto os trabalhadores comiam lentilhas e salada, ele comia os talos dos vegetais. Ao amanhecer, a cólica o atingiu novamente. Apesar do mal, ele se recusou a descansar. Apesar da insistência do irmão Elias, o santo trabalhou o dia todo no campo como se estivesse bem.

Quando o Padre Makarios lhe ofereceu arroz com manteiga, ele se recusou a respeitar a regra dos eremitas que limitava esse tempero a solenidades. Em seguida, trouxeram-lhe uma decocção de ervas amargas para acalmar as dores. O santo aceitou, com a condição de não o adoçar: porque "o Senhor Jesus bebeu vinagre e mirra na cruz quando estava no auge da sede e do sofrimento».

O padre Charbel usava um saco de pele de cabra e um cinto de ferro sob o manto. Às vezes, ele envolvia a testa com uma videira e apertava o pulso com uma pulseira, ou pisava nos arbustos espinhosos com os pés descalços e açoitava a si mesmo, para infligir penitências voluntárias a si mesmo. Ninguém notou suas dores e doenças, que ele escondeu cuidadosamente.

Quatro anos antes de sua morte foi acometido de hemiplegia, ou seja, paralisia de metade de seu corpo, do qual se recuperou, como diz sua sobrinha. Para problemas de estômago, o superior ordenou-lhe que usasse meias de lã, mas ele as usou apenas uma vez por obediência.

No inverno, os irmãos dormiam na cozinha perto da lareira, para se proteger do frio intenso. O santo, por outro lado, permaneceu apenas alguns momentos perto do fogo, depois retirou-se imediatamente para a sua cela fria.

O leito do santo era um catre de folhas de carvalho, coberto com um tapete de cabra. Um tronco enrolado em um trapo servia de travesseiro. O padre Charbel dormia no verão e no inverno sem colchão ou cobertores e muitas vezes preferia deitar-se no chão.

O padre Chabel comia uma vez por dia, ele nunca consumia vinho ou bebidas para matar a sede. Sua refeição foi uma sopa de leguminosas e cereais.

O padre Charbel na prática das virtudes e penitência superou todos os outros eremitas. Necessitava-se de mortificações não obrigatórias, como jejum permanente, vigília incessante, trabalho durante a doença, noites geladas, recusa de remédios.
Já na época do noviciado em Maifouq era chamado: "o Espírito Santo" da comunidade.

Pode interessar