Milagres

Signos

Jesus ressuscita a filha de Jairo

Quando ele entrou, disse-lhes: Por que estão fazendo tanto barulho e chorando? A menina não está morta, mas está dormindo.

Evangelho - Marcos [5, 21-43]

Quando Jesus passou para a outra margem novamente, uma grande multidão se reuniu ao redor dele, e ele estava de pé à beira-mar. Um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo, foi até ele e, ao vê-lo, atirou-se a seus pés e rezou com insistência: "Minha filhinha está no fim; venha e coloque suas mãos sobre ela para que ela seja curada e vivo ". Jesus foi com ele. Uma grande multidão o seguia e se amontoava em torno dele ... Enquanto ele ainda falava, vieram da casa do chefe da sinagoga para dizer-lhe: "Sua filha está morta. Por que você ainda está incomodando o Mestre?". Mas Jesus, ouvindo o que eles diziam, disse ao chefe da sinagoga: "Não tenha medo, continue tendo fé!". E ele não permitiu que ninguém o seguisse, exceto Pedro, Tiago e João, irmão de Tiago.

Eles foram até a casa do líder da sinagoga e ele viu agitação e pessoas chorando e gritando. Quando ele entrou, disse-lhes: "Por que vocês estão fazendo tanto barulho e chorando? A criança não está morta, mas está dormindo." E eles zombaram dele. Mas ele mandou todos sair e levou consigo o pai e a mãe da menina e os que estavam com ele, e entrou onde a menina estava. Pegando a mão da criança, disse-lhe: "Talità kum", que significa: "Menina, te digo, levanta!". Imediatamente a garota se levantou e começou a andar; ele tinha doze anos. Eles ficaram maravilhados. Jesus insistentemente os aconselhou que ninguém descobrisse e ordenou que a alimentassem.

Exegese - Marcos [5, 21-43]

Esta história conta um dos mistérios da existência humana, aquele que mais tememos: a doença e a morte. Ao despertar uma menina, Marcos nos apresenta a Jesus como Senhor da vida e da morte: os milagres que Jesus realiza tornam evidente a presença entre os homens do poder salvador de Deus. No capítulo 4, Marcos resume a evangelização de Jesus por meio de parábolas: a semeador, a lâmpada sob o alqueire, a semente de mostarda; depois o evangelista nos apresenta a obra milagrosa de Jesus descrevendo uma série de prodígios: expulsa demônios e agora até rompe a barreira da morte, demonstrando que seu poder não tem limites e nada pode detê-lo. As testemunhas deste imenso poder são apenas os seus discípulos: lhes foi concedido conhecer os segredos do reino e tiveram a oportunidade de testemunhar a sua eficácia salvadora.

Neste relato da ressurreição de uma menina, o evangelista destaca o que é a fé cega, então condição indispensável para fazer Jesus agir. A situação descrita é desesperadora: a menina já está nos extremos, porém aquele pai pede o milagre com insistência atirar-se aos pés de Jesus; sua incapacidade de fazer alguma coisa, de restaurar a saúde de sua filha, não lhe permite ver nada em seu futuro além da morte, então ele se coloca nas mãos de Jesus. Milagre em público. E o milagre acontece e a menina moribunda acorda!

Não foi a forma de pedir nem o conteúdo do pedido que determinou a cura desejada, mas a forma como o pai pediu a Jesus aquela cura: a pergunta o melhor que pode, porque quer a vida para a filha e reza com consciência da necessidade urgente do que requer, conhecendo bem a gravidade do mal e o pouco tempo que falta para agir, para que o irreparável não aconteça.

Jairo é o primeiro dignitário a confiar em Jesus, chefe da sinagoga, membro importante da sociedade judaica, certamente observador da lei. Seu discurso a Jesus está em contraste com a atitude de hostilidade para com ele, que prevalecia entre os líderes religiosos judeus. Jairo não só procura Jesus, mas, em público, perante a multidão, lança-se a seus pés num gesto que é ao mesmo tempo um apelo e um reconhecimento da sua autoridade, ele o implora.

Este relato de Marcos nos traz de volta a pensar também na ressurreição de Lázaro descrita por João: Lázaro já estava morto e enterrado há quatro dias quando foi chamado de volta à vida por Jesus. Com estes sinais, Jesus quer manifestar uma realidade que de outra forma estaria oculta e que então teria sido confirmada com a sua própria ressurreição. Nestes acontecimentos, Jesus faz-nos compreender que a vida não se esgota na existência terrena, mas continua, e agora ele o prova: ao seu chamado, a menina desperta, assim como Lázaro sai ao comando de Jesus. Esta é a prova certa de que além da morte não há vazio, nada além de vida.

Nós também devemos caminhar para Jesus, clamar a ele sobre as nossas necessidades e nos apegar a Ele. Ele não se importa com a maldade que nos obriga a ir em busca dele, nem com as palavras que lhe dizemos: a fé que o move. nós é suficiente para ele, mesmo que não tenhamos nada para lhe oferecer, e isso nos leva a agarrar-nos a ele como nossa última esperança; um coração angustiado e consciente é suficiente para ele, ao qual somente Ele pode vir em seu auxílio. Devemos encontrar forças para pedir nossa libertação pessoal, para obter a vitória sobre o mal e a morte.

Fé é ir além da dimensão humana para poder acreditar naquele Jesus que realizou todos os milagres, para demonstrar que a força de Deus atua nele. A resposta da fé deve ser buscada no silêncio: peçamos ao Senhor com humildade e intimidade para nos dar uma fé forte, capaz de acreditar Nele, no Seu amor e na Sua fidelidade, mesmo quando nos sentimos oprimidos pelo sofrimento. Pedimos uma fé inabalável que nos impeça de perder a esperança, mesmo quando a razão gostaria de nos lançar ao desespero gritando sua desaprovação.

Pode interessar