Penitência

#

Tradições

Santo Inácio Mártir para alinhar os fiéis escreve: "O Senhor perdoa aqueles que se arrependem, desde que o seu arrependimento possa trazê-los de volta à unidade de Deus e da comunhão com o bispo".

Referência mais específica terá no segundo século: Dionísio de Corinto recomenda "acomodar aqueles que se convertem de qualquer pecado ou crime, ou mesmo de um desvio herege".

Tradições cristãs

Restam dois documentos pendentes: Um longo intitulado: Il Pastore escrito por Erma, irmão do Papa São Pio I no ano de 150. O anúncio proposto foi desenvolvido, para reivindicar a legalidade da confissão, ou seja, do perdão sacramental; dos pecados após o batismo. A proclamação é proposta com circunspeção, talvez para evitar ofensas demasiado próximas à dos confessores mal intencionados. Afirma-se da singularidade da confissão depois do batismo que dá a confissão, sendo só uma vez.

A mesma reivindicação, com a mesma intenção, faz Tertuliano em uma obra intitulada De Poenitentia: fato há uma segunda penitência (sendo primeiro o batismo), mas apenas uma vez. "E não só desta vez? - Adiciona Tertuliano - Tu recebes o que não merecia receber, porque perdeu o que já havia recebido, e a melhor maneira de dar o que recebeu, é perder o que não recebeu".

No entanto, nos Evangelhos que estão escritas essas palavras do perdão das ofensas: "Quanta vez deve perdoar? Pedro perguntou a Jesus, para meu irmão quando ele pecar contra mim até sete vezes?" Jesus respondeu: "não sete vezes, mas até setenta vezes sete." A generosidade do homem pode ser maior que a de Deus? Se o homem deve sempre perdoar, Deus nem sempre perdoa?

Com Tertuliano estamos no início do terceiro século, quando outra controvérsia é levantada, e não sobre a possibilidade de ser absolvido após o batismo, mas sobre o tipo de pecados a serem pagos. Esta controvérsia foi mais longa e mais resistente.

A princípio as objeções foram especialmente contra os grandes pecados da carne, em um momento posterior especialmente contra o pecado de apostasia. No primeiro os confessores desviados por heresia, Montanismo, que também se uniu a Tertuliano. Alegaram irremissíveis os pecados mais graves da carne. Tertuliano se levanta contra a decisão do Papa São Calisto, que prescreveu absolver esses pecados a quem eles foram feitos com, até mesmo por um presbítero. O conteúdo do decreto do Papa Calisto é conhecido precisamente através das duas obras polêmicas de Tertuliano (De dicitia) de Hipólito (Filosofumeni). Este decreto reiterou doutrina e práticas sempre mantidas pela Igreja de Roma, o poder das chaves que relacionam ou na espécie de pecado.

Um pouco mais tarde a controvérsia penitencial foi polarizada apostasia. A perseguição de Décio é a primeira realmente sistemática e astuta. Décio professava sua vontade em separar os cristãos dos não mártires, ele colocou em prática às maneiras para induzir os cristãos a pratica do ato em homenagem à religião do Estado e desta homenagem foi lançado um certificado normal (libellus). Certamente, poderia ser emitida com o libello, sem completar o ato, era o libellatici. Muitos foram então os libellatici e muitos lapsi (caídos) Assim que morto Décio, a Igreja enfrenta esse problema, que assumiu proporções inesperadas. Admiti-los ao perdão, readmitir na Igreja? Muitos recusaram, opondo-se a apostasia com alguma resistência, aos sofrimentos, e o martírio de outros. O perdão e a readmissão do primeiro não era uma injuria. Para este último? Aqui também o confessor terminou em heresia: a heresia de Novatian, que opondo-se à Igreja e poder da absolvição. Para defender a doutrina e prática romana entrou em campo o bispo de Cartago São Cipriano.

Desde o final do século III pode ser considerado ultrapassado o período das controversas teorias e incertezas funcional: agora a doutrina e prática sempre vivem em Roma, tornou-se doutrina e prática universal: todos os pecados perdoados sem qualquer limite, desde que encontre condições subjetivas e objetivas dos quais o sacramento é válido e legal.

O adultério e apostasia poderia reconectar dois dos três pecados canônicos, que é explicitamente relatado nas primeiras regras (cânones), emitidos. Do conselho dos Apóstolos realizado em Jerusalém, em 54, quando foi deliberado não submeter os gentios, e cristãos, as obrigações da lei mosaica, mas para convidá-los a "abster-se das contaminações dos ídolos, da prostituição, dos animais sufocados e do sangue" (At 15, 20). Ao significado exato destas disposições e seus valores jurídicos legais e éticos a seus exegetas. Os tomadores de penalidade, sumariamente, atribuíram seu significado específico e sua avaliação ética precisa. Próximo ao adultério e apostasia parece que alguns apoiam o assassinato, mesmo a falta de perdão, quase um terço do pecado cânon. Duas coisas são certas. O primeiro, que lista os pecados irremissíveis é bastante variável: o mesmo Tertuliano acaba dizendo irremissíveis, bem como a prostituição, outro dois pecados canônicos, e também fraude e blasfêmia. A segunda coisa é que, em relação a esses pecados eram longos a confessores. No entanto, em alguns conselhos particulares do século IV não reafirma absolver certos pecados. Assim, alguns cânones de um conselho de Elvira em 300 negam a absolvição a certas formas de idolatria e prostituição; e outros cânones de um conselho de Arles, em 314, negam apóstatas. Ainda assim, o Concílio de Nicéia teve de lidar com a questão e pôr fim às incertezas, afirmando em uma resolução geral que devia negar a comunhão a qualquer pessoa, em perigo de morte, eminente. O que implica nos pecados que a Igreja não quer ou não pode cumprir, pelo menos no momento da morte.

Note-se que mesmo os puristas, que negavam seu poder para absolver certos pecados, não é o pecador condenado à danação eterna: mesmo eles admitindo a absolvição da Igreja, mesmo no momento da morte, se comprometendo ao seu poder mesmo naquele ponto extremo, protestam, mas para confiar o pecador a misericórdia de Deus. Da Igreja, por ela se recusar seu ofício de mediação eficaz, oferecem seus serviços mendicante e eficaz.

Em Mateus falamos dos pecados e da blasfêmia contra o Espírito Santo, na Primeira Carta de João, fala dos pecados que levam à morte e pecados que não levam à morte. Esta é a distinção entre pecados mortais e veniais, em nossa linguagem atual. Dois passos difíceis de interpretar: o que constitui blasfêmia contra o Espírito Santo? Pecados de morte? Que relação existe entre os pecados canônicos e os pecados de morte? Não parece, no entanto, que um dia João fale de morte ou perdão dos pecados mencionado por Mateus devendo ser interpretados de forma a constituir um limite intransponível ao poder da Igreja sobre a remissão dos pecados.

No entanto, permanece a compreensão do pensamento cristão primitivo, o início da longa exegética estrada, estes textos pesam sobre a doutrina e as práticas penitenciais. Assim, Orígenes, afirma poder a Igreja perdoar todos os pecados, em uma etapa De oratione fala de pecados incuráveis, ou seja, irremissíveis e os três pecados canônicas, e o pecado que leva à morte. Mesmo Cipriano, que foi um dos mais polêmicos combatentes desta heresia, mesmo Cipriano permanece perplexo ante do texto de Mateus, que fala da irremissibilidade.

"No entanto, no Evangelho o poder de Cristo cura todos os males", e todos os que ele tocou diz Marco foram curados", e nem mesmo a morte é um obstáculo ao seu poder: a filha de Jairo que acaba de falecer, o filho da viúva de Naim trazido para sepultamento, e até mesmo Lázaro no túmulo já em decomposição e sem vida. Se existe esta ordem na vida física ordinária, como será o poder de Cristo na ordem da vida sobrenatural, isto é, em relação ao qual exatamente o Cristo foi enviado como um restaurador, como o salvador?.

Renovamos o convite

Se você sente em seu coração o convite de Jesus, ou apenas quer tentar orar a partir de sua casa, clique aqui e você vai encontrar um grupo maravilhoso de oração. Assim, você pode espiritualmente se juntar aos muitos irmãos e irmãs maravilhosos em todos os continentes, e sua vida vai mudar.

Se você deseja receber o livreto de oração preencha o formulário e você receberá a sua entrega, sem incorrer em despesas ou qualquer tipo de responsabilidade e oração. A informação apresentada é protegida por lei e considerados altamente confidenciais.

Pode interessar