O sofrimento em Santa Teresa de Lisieux

Sofrimento

O sofrimento em Santa Teresa de Lisieux
Sites a visitar
Grupo de oração
Oração e intercessão.
Santa Rita de Cássia
A Santa dos casos impossíveis.
Santa Elisabeth
A princesa santa.
Santa Gemma Galgani
Mística da redenção.
Santa Luzia
Grito de amor a Jesus.
São Antônio Galvão
com a alma repleta de amor.
Milagres Eucarísticos
As Ostias se transformam em carne.
Aparições marianas
Maria segue a humanidade.
Paradíso
Viver no Céu.
Decálogo
Os dez comandamentos.
  italiano español english français português Anterior  

O sofrimento de Teresa era atroz, porque além da doença ao peito se juntou a tubercolose aos intestinos, que trouxe com si a gangrena, enquanto se formavam chagas, causadas pela sua extrema magreza; males que não podiam em algum modo aleviar e se anunciaram dias ainda mais tristes. Foi ela mesma a acompanhar as irmãs dentro ao mistério da sua paixão que se preanunciava particularmente insuportável. "Não serdes tristes, minhas irmãzinhas, se sofro muito e se no momento da morte não vedreis em mim, como vos já disse, nenhum sinal de felicidade. Nosso Senhor morreu como vítima de Amor, e vedes qua foi a sua agonia!". (QC 4.6.1).

Quando a agonia de Teresa chegou foi terrível e longuíssima. Contou a irmã Celina (Irmã Genoveffa): "lá pela metada da tarde, ela sentiu dores estranhas em todos os membros. Pousando então o braço no ombros de Madre Agnese de Jesus, ela estendeu o outro em direção a mim para fazer-se apoiar e ficou assim por alguns instantes. Naquele momento tocou três horas... e nós sentimos uma certa emoção. Que coisa pensava ela naquele momento? A nós vinha a imagem surpreendente de Jesus na Cruz e aquela coincidência me pareceu cheia de mistério". (PO 310).

As cinco se deram conta que o fim era eminente: "Por mais de duas horas a falta de ar se fez sentir. O vulto era congestionado, as suas mãos roxas, tinha os pés gelados e tremia com todos os membros. Um suor intenso lhe descia pelo rosto com gotas enormes e banhava as suas bochechas. Era debaixo de uma opressão crescente, as vezes dava pequenos gritos involuntários. Às seis, quando tocou o Angelus, olhou longamente a estátua da S. Virgem...". (QG 30.9).

As últimas palavras que Teresa pronunciou sobre a terra, fixando o seu Crucifixo poucos instantes antes de expirar, colpiram os corações de muitos cristãos "Oh, eu o amo! Meu Deus... eu vos amo...". Palavras de amor em uma morte de amor, também se muitas vezes nos esqueçemos de qual terrível cruz essas palavras foram elevadas em direção ao Pai celeste.

Os últimos instantes antes de expirar foram uma dulcíssma extase que durou quanto o espaço de um Credo, a qual assistiram toda a comunidade ajoelhada perto da cama. Parecia que alguém as falasse e ela fazia pequenos movimentos como se quisesse responder: tinha nos seus olhos uma felicidade inexprimível. Uma infinita surpresa, come se as suas esperanças fossem estadas todas infinitamente superadas. Mas a surpresa maior era dada pelo que transparecia do seu vulto nasqueles instantes supremos: parecia que o acolhimento reservado a ela por Deus fosse um carinho e de uma misericórdia tais que nem ela, Teresa, conseguia imaginar.

Tinha dito um dia, para explicar a doçura com que se preparava a ir ao encontro com Deus: "Se Ele me chamará a atenção, mesmo só um pouquinho, eu não chorarei. Mas se Ele não me chamará a atenção, se me acolher com um sorriso, então chorarei!". (QC 21.7.2).

Por algumas horas o seu vulto aquistou uma comovente beleza, as mãos de Teresa apertavam forte o Crucifixo que não conseguiam tirá-lo da sua mão e o delicado corpo parecia aquele de uma moçinha de 12-13 anos. Assim como Jesus sobre a cruz, Teresa tinha revelado ao mundo toda a sua eterna filialidade, abandonando-se nas mãos de seu Pai.

Aquilo que comove na descrição da paixão da jovem carmelitana é a sua chamada a voltar a ser menina, até á própria substância do seu ser ou seja, no espírito, na alma e até no corpo.

Eu sou "uma pobre pequena nada" dizia Teresa, contemplando com frémito de paixão e de doçura o Amor que irresistivelmente se abaixava até a ela. E no leito de dor aquela pobre nada, torturada pelo sofrimento, sabia que toda a sua esperança consistia no deixar-se amar.

Aquilo que Teresa teria querido comunicar a todos, mesma reduzida naquele estado deplorável, era o seu sentimento assim resumido em um escrito: "O Deus, como és doce para a pequena vítima do Teu Amor".

Sites a visitar
Virgem MariaUm convite Irresistível.
São JoséA grande Patriarca.
Amor e Paixão A Paixão de Cristo.
São BentoContra doenças e maldições.
Os AnjosSeres que ardem de amor..
  A visitar:
 Inferno - A terrível realidade  Meditações - A respiração da alma
 O Pecado - Não é só a transgressão  Viagem interior - um caminho na psiche.
 Purgatório - Irmãos que estenderão suas mãos  Santuário de Oropa - O coração de Maria
Para informações:  monastery@tiscali.it Número de acessos desde 03/07/2006:visitas  
Santa Teresa de Lisieux - Doutora da Igreja