Maria Valtorta

#

Jesus cai

Um século de soldados está disposto em duas filas a três metros de distância uma da outra, e assim sai na praça onde outro século formou um quadrado para repelir a multidão para que ela não obstrua a procissão. Na pequena praça já há homens a cavalo: uma decúria cavalheiresca com um jovem graduado que a comanda e com sinais.

De acordo com as revelações de Maria Valtorta

Eles carregam as cruzes. Aqueles dos dois ladrões são mais curtos. A de Jesus a de Jesus muito maior comprimento. Eu digo que o eixo vertical não é inferior a quatro metros. Eu vejo isso já formado. Antes de entregar a cruz a Jesus a mesa com a inscrição "Jesus Nazzareno Rei dos Judeus" passa em volta do pescoço e a corda que a sustenta é apanhada na coroa que se move e arranha onde já não está arranhada e penetra em novos lugares dando nova dor e fazendo com que o sangue novo jorra. As pessoas riem de alegria sádica, insultos, blasfêmia...

... tropeça em pedras e buracos, e todo tropeço é dor porque move agudamente a cruz que atinge a coroa, que se move sobre o ombro ferido e alarga a ferida e aumenta a dor.

Os judeus não podem mais atingi-lo diretamente. Mas ainda chegam algumas pedras e alguns espancamentos. As primeiras espécies em praças cheias de multidões. Estes últimos, por outro lado, nas curvas, para os pequenos caminhos, todos com degraus que sobem e descem, agora um, agora três, agora mais, devido à irregularidade contínua da cidade. Lá, pela força, a procissão desacelera e sempre há alguma disposição para desafiar as lanças romanas, a fim de dar um novo toque à obra-prima da tortura que é agora Jesus.

Os soldados o defendem como podem. Mas, mesmo para defendê-lo, eles o atingiram porque as longas lanças das lanças, empunhadas em tão pouco espaço, o atingiram e o fizeram tropeçar. Mas a certa altura os soldados fazem uma manobra impecável e, apesar dos gritos e ameaças, a procissão desce abruptamente por uma estrada descendente que vai em direção às muralhas, uma estrada que encurta muito a jornada até o local de tortura.

Jesus continua ofegando. Cada buraco na rua é uma armadilha para seu pé vacilante e uma tortura para seus ombros atormentados, por sua cabeça coroada de espinhos sobre os quais ele desce perpendicularmente a um sol exageradamente quente que de vez em quando se esconde atrás de uma cortina de chumbo de nuvens. Mas isso, mesmo se oculto, não deixa de queimar Jesus é congestionado por fadiga, febre e calor.

Jesus se inclina mais e mais. O suor reveste seu rosto junto com o sangue que geme das feridas da coroa de espinhos. A poeira gruda nesse rosto molhado e o deixa manchado de pontos estranhos. Porque também há vento agora. Rajadas sincopadas em longos intervalos em que cai a poeira que a rajada subiu em vórtices, que carregam detritos nos olhos e nas mandíbulas.

Ele cai
Ele encontra uma pedra saliente e, exausto como está, levanta muito pouco o pé e cai sobre o joelho direito, mas consegue segurar-se com a mão esquerda. As pessoas gritam de alegria ... Levante-se novamente. Os rendimentos. Sempre mais curvado e ofegante, congestionado, febril...

O sinal balançando na frente dele obstrui sua visão, seu longo manto, que, agora que ele está curvado, está se arrastando no chão em frente, dificultando seu ritmo. Ele tropeça novamente e cai de joelhos, ferindo-se novamente onde já está ferido, e a cruz que escorrega de sua mão e cai, depois de ter golpeado com força nas costas, o força a abaixar para levantá-la e trabalhar duro para colocá-la sobre os ombros novamente. Ao fazer isso, parece claramente visível no ombro direito a ferida causada pela fricção da cruz, que abriu as muitas feridas dos flagelos e as unificou em uma que exsuda soro e sangue, de modo que a túnica branca fica naquele local toda manchada.

II queda
As pessoas ainda têm aplausos pela alegria de vê-lo cair tão mal...
Longino o impele a se apressar, e os soldados, com tacadas baixas dadas com os punhais, pedem ao pobre Jesus que proceda. A jornada é retomada com lentidão crescente apesar de todas as solicitações.

III queda
E então sofreu a dor do terceiro outono completo. E desta vez não é que você tropeça. Mas é que isso se deve a súbita flexão de forças, devido à sincopação. Ele demora muito batendo o rosto nas pedras soltas, permanecendo no pó sob a cruz que se debruça sobre ele. Os soldados tentam levantá-lo. Mas desde que parece morto eles vão reportar ao centurião. Quando vêm e vão Jesus volta a si e, lentamente, com a ajuda de dois soldados, um dos quais ergue a cruz e o outro ajuda o condenado a levantar-se, coloca-se no seu lugar. Mas está realmente esgotado. "Deixe-o morrer apenas na cruz!" a multidão grita. "Se você fazê-lo morrer à frente, você responderá ao procônsul, lembre-se dele. O agressor deve sobreviver à tortura", dizem os chefes dos escribas dos soldados...

Nesta estrada estão as pessoas que sobem, mas que não participam da indigna arrogância dos obcecados que seguem a Jesus para desfrutar de seus tormentos. As mulheres na maior parte, chorando e veladas, e alguns pequenos grupos de homens, muito pequenos, que, muito à frente das mulheres, estão prestes a desaparecer de vista quando, enquanto continuam, a estrada vira a montanha.

Jesus cambaleia cada vez mais alto, voltando a bater de uma linha a outra dos soldados e inclinando-se cada vez mais para o chão. Acham que resolvem bem passando uma corda ao cinto e segurando-a por duas pontas como se fossem rédeas. Sim. Isso suporta isso. Mas não o alivia do peso. De fato, a corda esbarrando na cruz faz com que ela se mova continuamente sobre o ombro e bata na coroa que já fez da testa de Jesus uma tatuagem sangrenta. Além disso, a corda se esfrega contra o cinto onde há tantos ferimentos, e certamente deve quebrá-los novamente, de modo que a túnica branca seja colorida com uma cintura vermelha pálida. Para ajudá-lo, eles o fazem sofrer ainda mais.

De "Il poema dell'Uomo-Dio" de Maria Valtorta Volume 9, pag.278 - Centro Editoriale Valtortiano..

Pode interessar