Alma

La carità

O invejoso

Para os invejosos, a felicidade dos outros é uma fonte de frustração pessoal, porque o sucesso dos outros os atribui à sorte ou ao acaso e afirma que eles são o resultado da injustiça. Como conseqüência, leva os invejosos a um constante estado de desconforto.

Inveja

A centelha da inveja acende quando, assumindo uma igualdade, o invejoso pode argumentar, mais ou menos de boa fé: "De que maneira ele é melhor que eu por ter conseguido isso ou aquilo"; "Porque ele faz e eu não". Então, ficamos tristes se o vizinho tiver um bem maior ou igual ao nosso, mesmo que não tire de nós o que temos; nessa inveja nos faz pensar que o bem dos outros é ruim para nós. É o orgulho, desapontado e frustrado, que se transforma em ódio e continuamente nos leva a procurar alguém para jogar a nossa malevolência. É o ódio que corrói ao olhar para a felicidade dos outros e passa a desejar e querer o mal dos outros.

A inveja é um câncer que corrói a alma e desintegra qualquer virtude. É também a primavera que desencadeia a raiva, cega o intelecto, alimenta o orgulho, destrói a tranquilidade e a paz. Gera na alma um estado de agitação perene, que flui de sua insaciável sede de desejo.

Nenhuma situação a satisfaz como qualquer coisa, ela tem uma queimação que a queima perpetuamente e não pode ser acalmada. A razão pela qual ela desencadeia não é importante, como não é a chama que agita seu fogo, mas uma vez ativada, ela libera o vento impetuoso do ódio que queima e destrói qualquer bom sentimento. Ele luta vigorosamente contra todas as formas de amor, sentimento e fraternidade.

Louco de posse, ele arrebata até a coisa mais pequena e insignificante dos outros para possuí-la. Insinua-se disfarçado de maneiras diferentes para não ser reconhecido e nos faz cair sem o saber em seus cadarços.

A inveja é o efeito de um orgulho delicado que se sente diminuído pelo menor brilho dos outros e que não pode suportar a luz mais fraca. É o veneno mais perigoso do amor-próprio, que começa por se consumir, vomita nos outros e leva-o às intenções mais más. A inveja é filha do orgulho e, por sua vez, gera pecados piores que ela, como ciúmes, rivalidades, mentiras, críticas, murmúrios, calúnias, ódio, crimes e assassinos.

Seus efeitos são desastrosos, talvez seja o vício que mais atormenta a alma e o corpo, queima o coração, seca a carne, enfraquece o intelecto, tira a paz da consciência, entristece os dias da vida e exila toda alma satisfação e toda alegria. Na sociedade, a inveja desperta o ódio entre si, empurra a busca desenfreada por riquezas e honras, semeia divisões entre as famílias.

Os antigos personificavam a inveja com as feições de uma mulher lívida e parecida com um cadáver que, preocupada, olha por toda parte, tem dentes amarelos e uma língua cheia de veneno. Alimenta-se de fel e carrega uma cobra que roe continuamente o peito. Ela nunca dorme e nunca ri e sempre sofre.

A inveja é um dos sete pecados capitais e, por natureza - diz São Tomás - é um pecado mortal porque se opõe diretamente à caridade, que é o novo mandamento que Jesus Cristo nos deu: "Ame-se como eu. amados, amem-se uns aos outros" (Jo 13,34).

O livro da Sabedoria declara: "Por inveja do diabo, a morte entrou no mundo". De fato, o diabo sentiu inveja da felicidade de nossos antepassados e tentou Eva a levar a humanidade à ruína. Por inveja, Caim matou Abel, Esaú perseguiu Jacó; o rei Achaz matou Nabote; José foi vendido por seus irmãos; Faraó teve todos os filhos nascidos dos judeus lançados no Nilo, e Saul tentou matar Davi.

Santo Agostinho diz: "quando o orgulho toma posse de um servo de Deus, ele imediatamente inveja. O orgulhoso não pode deixar de ser invejoso. Porque a inveja é filha do orgulho e esta mãe não sabe. infertilidade; logo que nasce já dá à luz".

Em cada um de nós o demônio da inveja e do ciúme cessa; o último pode acordar a qualquer momento e sob circunstâncias em que, por exemplo, estamos insatisfeitos e frustrados em nossa sede por possuir e ser reconhecido e gratificado.

Há uma tendência a confundir ciúme e inveja; na realidade, são dois sentimentos muito distintos: embora a inveja seja a tristeza ou frustração de não ter o que o outro possui, o ciúme é um amor afetivo e egoísta que não permite nenhum compartilhamento. A inveja diz respeito aos bens que pertencem ao vizinho, enquanto o ciúme diz respeito ao próprio vizinho; por exemplo, alguém sente inveja de alguém quando tem inveja de sua herança, talentos ou habilidades. Inveja e ciúme destroem, em fogo baixo, aqueles que sucumbem às suas seduções. De fato, a inveja empurra o homem a desviar o bem dos outros; enquanto o ciúme, mais astuto que a inveja, pode levá-lo a cometer atos sérios, que o ódio e a vingança lhe permitirão realizar.

Se você deseja remediar o flagelo da inveja e do ciúme, deve:

  • Considerar a si e aos outros como uma bênção;
  • Graças a Deus pelos talentos que todos receberam.
  • Desista de se comparar com os outros;
  • Liberte-se de críticas, julgamentos, animosidades que dividem uma da outra;
  • Evite qualquer comportamento que possa provocar ou provocar ciúmes nos outros.

É possível sair do círculo vicioso de inveja e ciúme! A fim de alcançar a liberdade do coração, superando todo ressentimento e tumulto interno, aprendemos, portanto, a nos agradar da felicidade do próximo e a agradecer a Deus pelo bem que a Providência lhe ofereceu.

O tempo não espera, um dia terminará seu curso e não deixaremos nem uma lembrança doce nem um coração triste por amor. Eles sabem muito bem que o ódio gera rancor e indiferença; portanto, se nos reconhecermos nessa situação, devemos lutar contra o orgulho e sua expressão máxima que é inveja. Vamos nos livrar desse veneno sutil e pérfido que intoxica a alma e congela o coração. Lutamos com humildade contra as armadilhas da inveja e do orgulho: nossa alegria de viver dependerá da vitória. Somente o amor dá alegria, felicidade e caridade, e com eles poderemos descobrir muitos irmãos e irmãs em nosso próximo; então não ficaremos mais sozinhos porque teremos encontrado a força avassaladora do amor de Deus.

Temas do Mosteiro