Traduzido dam  
Vezio Nardini  
PAOLINO
un scîto do belin!
   Italiano
   English
   Français
   Español
  Português
  Nederlands
  Malta
  Türk


Falas de M. Cappello
Ma se ghe penso
Lanterna

O l'êa partîo sensa 'na palanca,
l'êa zâ trent'anni, fòrse anche ciù.
O l'aveiva lotòu pe mette i dinæ a-a banca
e poèisene un giorno vegnî in zù
e fâse a palasinn-a e o giardinetto,
co-o ranpicante, co-a cantinn-a e o vin,
a branda atacâ a-i èrboi, a ûzo létto,
pe dâghe 'na schenâ séia e matin.
Ma o figgio o ghe dixeiva: «No ghe pensâ
a Zena, cöse ti ghe veu tornâ?!»

Ma se ghe penso alôa mi veddo o mâ,
veddo i mæ monti, a ciassa da Nonçiâ,
riveddo o Righi e me s'astrenze o cheu,
veddo a lanterna, a cava, lazù o Meu...
Riveddo a-a séia Zena iluminâ,
veddo là a Fôxe e sento franze o mâ
e alôa mi penso ancon de ritornâ
a pösâ e òsse dôve ò mæ madonâ.

E l'êa pasòu do tenpo, fòrse tròppo,
o figgio o l'inscisteiva: «Stemmo ben,
dôve ti veu andâ, papà?.. pensiêmo dòppo,
o viâgio, o mâ, t'ê vêgio, no conven!».
«Oh no, oh no! me sento ancon in ganba,
son stùffo e no ne pòsso pròpio ciû,
son stanco de sentî señor caramba,
mi véuggio ritornâmene ancon in zù...
Ti t'ê nasciûo e t'æ parlòu spagnòllo,
mi son nasciûo zeneize e... no me mòllo!».

Ma se ghe penso alôa mi veddo o mâ,
veddo i mæ monti, a ciassa da Nonçiâ,
riveddo o Righi e me s'astrenze o cheu,
veddo a lanterna, a cava, lazù o Meu...
Riveddo a-a séia Zena iluminâ,
veddo là a Fôxe e sento franze o mâ
e alôa mi penso ancon de ritornâ
a pösâ e òsse dôve ò mæ madonâ.

E sensa tante cöse o l'é partîo
e a Zena o gh'à formòu torna o so nîo.

- Ler o texto original

Cantiga dos emigrados da Ligúria
Mas se eu penso nisso

Tinha partido sem um vintém,
já fazem trinta anos, talvez até mais.
Tinha lutado para guardar dinheiro no banco
e poder um dia voltar aqui
e construir a vila e o jardinzinho,
com a trepadeira, a cantina e o vinho,
a esteira pendurada nas árvores, utilização de cama,
para descansar à tarde e manhã.
Mas o filho lhe dizia: «Nem pense
em Gênova, o que quer voltar?»

Mas se eu penso então me vejo o mar,
vejo os meus montes, a praça da Anunciação,
revejo o Righi e me aperta o coração,
vejo o farol, a pedreira, lá embaixo o Cais...
Revejo à noitinha Gênova iluminada,
vejo lá a Foz e ouço a arrebentação do mar
e então eu ainda penso em voltar
a descansar os ossos junto da minha avó.

Já se passou algum tempo, talvez demais,
o filho insistia: «Estamos bem,
onde queres ir, papai?.. deixe pra lá,
a viagem, o mar, estás velho, não convém!».
«Não, não! me sinto ainda em forma,
estou cheio, já não agüento mais,
cansei de ouvir senhor caramba,
eu quero voltar ainda lá...
Tu nasceste e falaste espanhol,
eu nasci genovês e... não arredo!».

Mas se eu penso então me vejo o mar,
vejo os meus montes, a praça da Anunciação,
revejo o Righi e me aperta o coração,
vejo o farol, a pedreira, lá embaixo o Cais...
Revejo à noitinha Gênova iluminada,
vejo lá a Foz e ouço a arrebentação do mar
e então eu ainda penso de voltar
a descansar os ossos junto da minha avó.

E sem muitas histórias partiu
e em Gênova montou de novo seu ninho.

- Versão de Mario Cappello
Escutar (botão esquerdo do rato) ou Descargas (botão direito, salvar objeto)
Ma se ghe penso
:
Clique aqui

Assista no YouTube:
- Vídeo com voz de Mina (min.3:37)
- Vídeo cantado por Antonella Ruggiero en 2009 (min.7:15)
- Vídeo cantado por Björn Casapietra (2007 - min.3:50)
- Vídeo cantado por Mario Cappello (1926 - min.3:34)
- Vídeo cantado pelos Ricchi e Poveri (min.1:12)
- Vídeo cantado por Luca e Paolo e M.Ranieri (Sanremo 2011)
- Vídeo para Karaoke de Ma se ghe penso

  • Partição musical de  Ma se ghe penso >>


  • PRIMEIRA PÁGINA CULTURA e TRADIÇÕES LIGURIA GENOVESE