Dez mandamentos


Decálogo

decalogo

Sétimo Mandamento

"Não furtarás".
(Ex 20,15; Dt 5,19).

"Não furtarás".
(Mt 19-18). .

Junte-se a nós

Não furtarás

O sétimo mandamento faz parte dos preceitos necessários para ter a vida eterna. Lemos no Evangelho de Mateus: "Se queres entrar na vida, observa os mandamentos: Não matarás, não adulterarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, honra teu pai e tua mãe, e amarás o teu próximo como a ti mesmo".
(Mt 19,17-19).

O mandamento de não roubar é baseada em um princípio que vai para baixo nas profundezas: "Não cobiçarás a casa do teu próximo ... nem qualquer dos seus bens" (Ex. 20:17). É uma lei espiritual, que busca a alma, a fonte dos pensamentos e intençôes. De acordo com as palavras do Senhor: "Desde o início, no coração dos maus pensamentos, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos" (Mt.15: 19). A justiça deve ser, amado, vivido dentro do seu coração, que ele estava morando também em obras. Deve amar a justiça para ser justo. O comportamento habitual deste tempo permite que você tire proveito de ingenuidade, fraqueza, distração para o próximo tolo, unicamente com a finalidade de ganho econômico máximo.

O roubo é realmente um roubo de propriedade de outras pessoas contra a vontade razoável do mestre e é uma afronta à justiça e ainda mais para a caridade. O sétimo mandamento proíbe injustamente captura ou detenção de bens e de dano ao próximo em seus bens de forma alguma.

O roubo pode cometer de muitas maneiras. O que é o assalto final, mas também existem outras formas menos comuns como observar plenamente os contratos, acordos, obrigaçôes profissionais, seja por dolo ou culpa, seja por incompetência. Especialmente fácil a tentação quando se trata de contratos comerciais, compra e venda, locação ou contratos profissionais, tais como os de cuidados médicos ou advogados.

Mesmo aqueles que cometem o roubo de dinheiro carpiscono com palavras fingidas e simulado, ou com falsa beggary, mas o pecado deles é mais grave, porque eles adicionam ao roubo mentiras. Mesmo aqueles que não dão os salários devidos aos trabalhadores são ladrôes e St. James convida-los para arrependimento, com estas palavras: "Chore, ou rico, uivando sobre os desastres que vão pranteá-lo".
(Tiago 5:1).

Roubo não é só de coisas, o dinheiro, a propriedade, o trabalho. Ela também pode estar relacionada com o pensamento, a liberdade, coração, fé, paz, amor. Por isso, é roubo para aumentar a honra de um homem para uma mulher a dignidade, a tranqüilidade de uma família, a fé em um crente, a inocência de uma criança, paternidade ou maternidade de nascer, a esperança de um idoso, esposa de um marido, amor para uma pessoa necessitada.

O arrependimento envolve o retorno de ganhos ilícitos, e é a única garantia do perdão de Deus, não só aqueles que cometeram o roubo deve devolver os bens roubados para aqueles que têm roubado, mas também todos aqueles que participaram no roubo são obrigados a retornar. Sobre não ser capaz de voltar a restaura ilícitos, não pode esperar ser perdoado o mal feito e divino perdão de sua culpa.

"Aquele que furtava, não furte mais agora, mas sim trabalhar fazendo com as mãos o que é bom, para o que você precisa para dar àqueles que sofrem" (Ef 4,2-8). Exclama o profeta Amós: "Olha, vocês que pisam sobre os pobres e os miseráveis da terra fazer perecer dizendo: Quando será o mês e vender a mercadoria Então, podemos diminuir o tamanho, aumentar o shekel e uso balanças romanas enganador?".
(Am 8.4 -5).

Se machuquei alguém, Deus nos manda como podemos reparar os danos causados, e não fazer isso de novo (Jo 8:11). Desta forma, obter o perdão do Senhor, porque não há verdadeiro arrependimento somente quando não há um bom propósito. Então Zaqueu: "Se defraudei alguém em qualquer coisa, lho restituo quadruplicado".
(Lucas 19:08).

"Não se preocupe em ajuntar tesouros na terra, onde a traça ea ferrugem corroem, onde os ladrôes arrombam e tirar. Ajuntai para vós tesouros no céu, onde a traça ea ferrugem não consomem, nem os ladrôes e assaltantes tirar. Fato, onde está o teu tesouro, aí estará o seu coração também "(Mt 6, 19-21). Quem rouba faz para adquirir os meios para desfrutar, mas a alegria adquiridos por meio ilegal gera insatisfação e remorso na alma, e também obteve o dinheiro é mal gasto injustamente quase sempre: "Veja que você mantenha longe de toda a ganância, porque, embora uma é muito rica, a vida não consiste dos seus bens"(Lucas 12:15). "Quem recebe riquezas é o mais pobre dos pobres, porque ele não é senhor de si mesmo: parece um titular, mas na verdade é dinheiro mantido".
(Santo Antônio de Pádua).

Reflexão

Não furtarás

Nossa vida não depende dos bens que possuímos, mas da graça que nos é concedida. É o próprio Jesus que nos aconselha a não nos apegarmos demais às coisas materiais e a fugir da avareza, que é um roubo dos necessitados. Lembremo-nos de que nada trouxemos a este mundo e nada podemos trazer ao outro. Nós usamos o que possuímos, mas sem sermos possuídos por ele: "Aquele que acumula riqueza é o mais pobre dos pobres, porque ele não é dono de si mesmo: ele parece um possuidor, mas na realidade ele é possuído pelo dinheiro".
Santo Antônio de Pádua.

A riqueza, quando é desonesta, sempre leva à insatisfação na alma e à ruína do corpo, porque o dinheiro injustamente obtido é sempre mal gasto. Aqueles que roubam, na verdade, estão destinados a gastar para desfrutar e não para desfrutar do que gastam. Ele parece feliz, mas na realidade ele traz remorso em sua alma e desprezo e desperdício de bens, que devem ser considerados uma ofensa a Deus.

Às vezes, aqueles que se esforçam para tomar posse das coisas dos outros são a inveja e a ganância que compartilham o desejo de ganância imperiosa e insaciável para alcançar todas as nossas ambições mais ocultas. A inveja e a ganância são mutuamente aumentadas, alimentadas pelo lucro sem limites, pelo egoísmo, pela ganância de ter, pelo prazer, pela vaidade, pela riqueza, que é caída como vento impetuoso destruindo sentimentos e toda moralidade e então tudo se torna legítimo para fins próprios, compreendeu o roubo, e como um ídolo exerce um poderoso encanto que nos empurra em um caminho sem retorno. Para sair dessa escravidão, devemos importar uma escolha radical, entre a riqueza, o desperdício, o gozo e Deus, entre o egoísmo e o amor, entre as coisas mais baixas da terra e as coisas do céu. Para nós a escolha.