Oração

#

Em 1970, uma revista médica publicou um artigo intitulado "A frequência à igreja e a saúde" (Presença na igreja e saúde), no qual ele alegou que havia uma relação significativa entre o hábito de assistir locais de culto e o estado de saúde, afirmando mesmo que aqueles que iam à missa toda semana foram propensos a morrer de doença arterial coronariana 50% menos do que aqueles que não participaram na missa.

Fé e Recuperação

Em 1991, em um Escritório de Medicina Alternativa (uma comissão de médicos nomeados pelo Congresso dos Estados Unidos para investigar a validade das terapias alternativas) inseriram algumas práticas religiosas e meditações entre os remédios mais eficazes para a cura. Seguidos por dezenas e dezenas de estudos sobre as ligações entre saúde e oração, alguns dos quais certamente mereceram atenção especial.

"Mais tarde, os Institutos Nacionais de Saúde, o centro de pesquisa mais importante no mundo, operado pelo governo dos EUA, financiou a criação de uma instalação dedicada aos estudos sobre a relação entre medicina e espiritualidade, NCCAM". Foi esta instituição que, em 1998, realizou uma pesquisa a partir do qual se verificou que aqueles que rezavam regularmente, participando dos locais de culto e leitura de textos sagrados lidos regularmente, apresentaram níveis significativamente mais baixos de pressão arterial do que as pessoas, por outro lado, que não a praticavam.

Em 2006, um estudo conduzido no Hospital Geral de San Francisco pelo cardiologista Randolph Byrd e publicado na revista The Lancet, tratou do impacto da oração no caminho da cura em pacientes com problemas cardíacos graves, para alguns dos quais haviam sido encarregados alguns dos invocados grupos de oração de intercessão divina. Como parte da análise mostrou que os pacientes para os quais a bênção celestial foi pedida, mostraram significativamente melhora da saúde do que o resto dos pacientes.

De acordo com Herbert Benson, cardiologista e professor de medicina na Harvard, bem como pai e terapeuta da oração, a coisa toda, seria apenas uma questão de relaxamento. Quanto ao fato de meditar, a oração intervém neste mecanismo bioquímico de relaxamento, afetando os chamados "hormônios do estresse" e, portanto, causando redução da pressão arterial e abrandamento do ritmo cardíaco (com os benefícios derivados dele). Na Emblemática palavra de Benson: "A oração é como a penicilina: Devem-se seguir os cuidados ministrados." Continua a ser crucial em apontar que não é para substituir os antibióticos à leitura de um curto trecho de textos sagrados; as orações devem sim ser complementadas com a medicina tradicional, que, infelizmente, muitas vezes, é rejeitada entre estes benefícios óbvios...

"Em nosso tempo, o homem perdeu a forma ideológica - afirmou Sir John Eccles (Nobel de neurofisiologia em 1963) - A ciência foi longe demais na destruição da confiança no homem e de sua grandeza espiritual.".

Uma pesquisa da Fundação de Saúde Pública da Califórnia em Berkeley, que seguiu 5.000 adultos de 30 anos, mostrou, por exemplo, que uma participação estreita nos serviços religiosos, pode reduzir o risco de mortalidade em 36%. O mesmo surgiu a partir de uma pesquisa da Universidade do Texas de 20 mil norte-americanos, cujo compromisso com os serviços religiosos lhes daria até 14 anos mais de vida. Uma meta-análise de 42 estudos realizados pela Universidade de Miami em uma amostra de 126 mil pessoas, destacou que "foram os religiosamente ativos 29% mais chances de sobreviver a um longo período, em comparação com o resto da população". A relação positiva entre espiritualidade e tratamento resulta, tem um "resultado", em particular na hipertensão, doenças cardiovasculares, complicações cirúrgicas, doenças endócrinas e imunológicas, nas dependências dos transtornos mentais e dor crônica ao qual tem um destaque a mais em várias ocasiões pelas revistas da Associação de médicos de família norte-americanos.

Na Universidade do Texas o efeito positivo da oração é encontrado em um grupo de 84 mulheres com câncer de mama sobre o seu bem-estar físico, e psicológico, das pacientes. E o resultado surpreendente do professor docente Gunther Brown do Departamento de Estudos Religiosos da Universidade de Indiana, Bloomington é que, rezar para a cura de outra pessoa, especialmente se é feito em estreito contato com o paciente, provoca uma inexplicável, reais, melhorias tangíveis na sua saúde, melhorias muito mais significativos do que aqueles típicos da sugestão ou hipnose.

Nesta nova evidência experimental o efeito das práticas espirituais sobre o cérebro, também provenientes da disciplina emergente da neurociência contemplativa: "Tem sido demonstrado nos sistemas biológicos periféricos com um papel decisivo na saúde de um indivíduo, podendo ser modulados por circuitos cerebrais sobre o qual atua a meditação”, diz Richard Davidson, um pesquisador da Universidade de Wisconsin. A Meditação, as experiências em cuidados de saúde desde o início dos anos 60, nas mãos de Herbert Benson, cardiologista da Universidade de Harvard, seria, com efeito, capaz de influenciar os ritmos elétricos do cérebro, a frequência cardíaca e respiração, mesmo sobre o metabolismo. Ao longo dos anos, têm sido utilizadas com sucesso no tratamento de dor crónica, na insónia, nos estados de ansiedade-depressão, síndrome pré-menstrual, infertilidade e terapia complementar no campo da oncologia.

Pode interessar