Summa Theologiae

Maria de Nazaré

De Thomas d'Aquin

O Summa Theologica, frequentemente chamado Summa Theologica, é a mais famosa das obras de Tomás de Aquino. É o mais famoso tratado de teologia medieval e sua influência na filosofia e teologia, especialmente no catolicismo, é incalculável.

Santidade da Virgem

  1. A igreja não celebra a festa de quem não é santo; na Igreja se celebra a festa da natividade de Maria: Maria nasce com a santidade.

  2. A virgem não podia ser santificada antes da sua esaltazione, porque a graça é um dom da alma; esta também deveria ser santificada, porque Cristo é redentor de todos, e dela também.

  3. Por estímulo se entende a desordenada concupiscência do apetite sensitivo; desordenado, porque contrário à razão: na Virgem Santa o estímulo que havia antes permaneceu na sua essência, mofou como se fosse unido nos seus efeitos e foi retirado quando se tornou Mãe do Redentor, quase como reflexo da imunidade do pecado própria de Cristo.

  4. A santificação obtida da Virgem fez com que Ela não cometesse nenhum pecado, nem mortal nem venial, porque foi pré-anunciada como Tota pulchra.

  5. Além disso, para a divina maternidade, encontrando-se a Virgem perto de Cristo, princípio de graça, mais que os próprios anjos, dele obteve o ápice de cada graça, como definiu o anjo chamando-a: Cheia de graça.

  6. Da Escritura sabemos que antes do nascimento foram santificados Jeremias e o Batista, os quais pré-figuraram Cristo, um na Paixão e o outro no Batismo.

Virgindade de Maria Santíssima

  1. A Escritura diz que Maria Santíssima era Virgem antes do parto e isto foi conveniente para a dignidade do Pai, do Filho que é o Verbo do Pai e da humanidade de Cristo, vindo para distruir o pecado e para fazer renascer os homens à graça com a potência de Deus. E uma Virgem conceberà... diz Isaías.

  2. A Escritura acrescenta que Maria Santíssima era Virgem no momento do parto e isto foi conveniente para a dignidade do Verbo de Deus que dela nascia, com o propósito da Encarnação, que deveria ser aquele de abolir a corrupção, e para a honra da mãe que Cristo nascendo deveria conservar. E uma Virgem partorirá.

  3. A Escritura ensina que Maria Santíssima era Virgem depois do parto; pensar o contrário é derrogar à perfeição de Cristo, que sendo unigénito como Deus deveria ser unigénito também como homem; e é ultrajar a dignidade do Espírito Santo, à santidade da Beata Virgem e à modéstia de São José. Esta porta ficará fechada.

  4. As virtudes são mais apreciadas se são unidas com voto: deve por isso considerar conforme à santidade de Maria, que convém por tantas razões a virgindade, que Ela as unisse com voto quando se uniu em matrimonio com São José.

Perfeição da Prole de Maria

A prole de Maria foi pré-anunciada santa, por isso se no início do concebimento era vivente, teve também aqueles dons da alma nos quais consiste a grandezza da graça.
Cristo no momento do seu concebimento era perfeito e vivente, por isso teve ao mesmo tempo o uso do livre arbítrio. No mesmo instante foi também santificado, a sua foi uma santificação com o livre arbítrio, e por isso, merecida, assim que Cristo no instante do seu concebimento mereceu; e jà que a graça que Cristo conseguiu e conseguiu no mesmo instante, foi graça sem medida e por isso abrangendo também a graça de beato contemplado, Cristo foi contemplado e teve a visão beatífica no mesmo instante do seu concebimento.

Temas do Mosteiro