Serva de Deus

Serva

Alphonse-Antoine Baudin

Ele nasceu em Louvigny em 1868. Aos vinte anos ele entrou para o Monastery Bosserville em Nancy, tomando o nome de Louis Marie. Em 1901, ele teve que deixar a França e passou alguns meses na Suíça. No mesmo ano, ele foi enviado para o Monastery de Montalegre, perto de Barcelona, onde permaneceu até 1919.
Em seguida, ele foi nomeado superior no Charterhouse Cervara em S. Margherita Ligure, de onde saiu em 1923 para assumir o convento do Monastery de San Marco, em Vedana (Belluno). Finalmente ele voltou a Cervara em 1924, onde permaneceu até sua morte em 1926.

Bondade do amor

Maria é bonita de uma beleza que é mais do que o céu e a terra. Santa Maria é uma santidade que nos enche de graça. Maria é boa de uma bondade que um dia sacrificará por amor o seu filho. Maria é pura de uma pureza que passa da neve branca. Maria é forte de uma força que aceita todos os martírios.

Maria é a Mãe de Deus

A devoção à Santa Mãe de Deus é tão antiga quanto a Igreja e, diria mesmo, tão antiga quanto à humanidade, porque desde o início do mundo os homens dirigiram o olhar para a promessa de uma Virgem que criou o Salvador. Este culto, no entanto, tem desempenhado ao longo dos séculos várias formas, mais ou menos gloriosas para Maria, e mais ou menos santificadas pelas almas.

Mas o ponto de importância dessas formas, a plena luz é a do Espírito Santo. A Igreja o faz pouco a pouco; e reservou para um grande apóstolo a revelação plena desses desejos do céu e a este respeito do século XVII: St. Grignon de Montfort. Escreveu "Sou predestinado no segredo que o Todo-Poderoso ensinou e que eu não posso encontrar em qualquer livro antigo ou novo, trago esta confiança no Espírito Santo" (O Segredo de Maria). Este segredo é ser escravo do amor de Jesus em Maria, em confiar totalmente, com tudo o que se é e tem, à Virgem Santíssima, Rainha do coração, a melhor parte de nosso Senhor, rei soberano.

O que fazer para responder a este apelo? Aplicamo-nos a viver em uma dependência habitual de nossa rainha, oferecendo todos os nossos atos internos e externos. Esta imagem de Maria, que Montfort coloca ênfase especial e que ele quer ver honrada é o serviço de escravo do amor, é o meio por excelência para glorificar a realeza de Cristo. Uma vez que, em virtude da nossa santa escravidão, tudo em nós tornou-se verdadeiramente a propriedade de Maria, tudo o que ela apresentará então a Jesus, apesar de vir de nós, pertence inteiramente a ela; e assim Jesus, glorificado diretamente em Maria, recebe toda a sua glória.

Para sempre

Entre todas as mulheres só ela merece com toda a justiça o título de "Serva do Senhor". É seu nome verdadeiro, e ela em sua vida terrena viveu toda a sua em plenitude. O verdadeiro servo é aquele que é usado totalmente, que sempre é útil, e cuja tarefa essencial é servir. Então era Maria o mais alto olhar. Como seu filho, ela veio ao mundo para servir a Deus: "Eis que venho para fazer, a tua vontade." E esta primeira inclinação de seu coração que faz nada além de expandir toda a sua vida terrena.

Maria viveu em obediência a Deus, como seu divino Filho: "Meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou." Ela estava pronta para toda a palavra de Deus, a todos os pedidos possíveis. Ela sempre disse "sim" ao convite do Altíssimo, sob qualquer forma assegurada. E tudo o que ela tem feito até este dia em que ele contemplou a Palavra tornou-se nela, pode-se dizer, a obediência encarnada, ela o prolonga, a seguir com seu exemplo, até que veio o seu chamado.

Alma de uma criança

Maria ama almas simples porque reflete, em seus olhos tão penetrantes e transparentes, algo de infinito na simplicidade de Deus e da bondade indizível de Jesus, que, querendo fazer essas almas como ele, as tem preservado ou libertado de tudo o que poderia torná-las em ofuscação pesada ou ideológica E ela pode não olhando para elas em virtude resumir toda a sua santidade em si? Maria é comparação simples em seus pensamentos, em seus sentimentos, em suas ações. Jesus era tudo para ela. Vê-lo, amá-lo, servi-lo e segui-lo, foi toda a sua vida, sem retorno sobre si mesmo. O que quer que possa ser uma evidência interna ou externa de Sabedoria encarnada oferece a ela, ela disse que sim, sempre, e completamente abandonada à vontade divina.

A alma de Maria foi à plenitude do significado do Evangelho desta expressão, uma alma de criança, e é por isso que é a Rainha dos Santos "Quem não receber o reino de Deus como uma criança não entrará nele." E o príncipe dos apóstolos nos exorta a imitar essa simplicidade perfeita de nossa Mãe Divina "Como crianças. Recém-nascidas".

As crianças sentem a necessidade de se agarrarem a sua mãe e seguir seus passos. Nós caminhamos desta maneira simples vamos encontrar o lado como que da santidade de Maria a uma abundância de favores celestiais: "Eu ando nos caminhos da justiça... para equiparar os bens daqueles que me amam e enchem os seus cofres". Somos tão pobres! O recurso que temos, graças a esta simplicidade é a dos méritos no ser rico de Maria! Merecimentos íntimos dos presentes da Virgem, sempre simplificado, mais, especialmente dessas nossas relações, vividas com Maria realmente como crianças completamente abandonadas em sua orientação.

Aberta ao Infinito

O primeiro movimento do Coração de Maria é entregue a Deus, esperança de Infinito, seu centro e o seu fim. O coração da Virgem nunca conheceu qualquer hesitação de luta ou de retorno; desde o primeiro momento de sua existência, ela viu que Deus era tudo e escolheu como sua única propriedade: "Toma posse... na porção do Senhor". Seu coração tinha uma sede deste bem no excesso de qualquer outro bem e aspira a possuí-lo com toda a força de seus desejos; quisera a união mais íntima com ele, que no amor pode desejar: "Beija-o com os seus lábios!". O beijo da personificação divina que responde a seu apelo.

Abertura ao Infinito, que é o único que pode preencher a atração e a salvação do mundo, no objetivo final da humanidade. Seu coração é todo chamas para os interesseiros, aqueles, que gerariam o Calvário; No fogo onde os filhos do pobre Adão foram aquecidos, na expectativa de arder no coração inflamado de Jesus.

Finalmente abençoou a hora Do Verbo eterno, em obediência à palavra da mulher, que supostamente joga nela a autoridade de mãe, desce em seu ventre para apreciar os deliciosos frutos de sua caridade e repousa entre os lírios que apressa e exerce o dom de suas criaturas perdidas. "Venha o meu amado - suspira a humilde Virgem - em meu jardim, e coma de meus frutos excelentes"; e o Amado respondeu com a voz de seu arcanjo: "Abre-me, minha irmã, meu amor, minha pomba, minha perfeita". Maria não está fechada em si mesma. Como Jesus, ela é dom de Deus para a terra; sua ação é universal.
Meditações cartusiennes, Retraite

Temas do Mosteiro