Rainha do amor

Rainha

LANSPERGIUS (John Gerecht)

João Gerecht nasceu em Landsberg na Bavária em 1489. Ainda jovem foi para Colônia para frequentar a universidade, onde estudou filosofia. Em 1508 ele entrou para o mosteiro daquela cidade, e em 1509 ele exerceu sua profissão monástica, mais tarde, recebeu o sacerdócio.

Dedicou-se à oração, penitência e solidão, no silêncio de sua sela. Ele morreu em seu quinquagésimo ano de idade, depois de uma vida santa e digna de louvor.

Amor e Dor

Como a Virgem deu à luz ao seu Filho, sem intervenção humana, concentra em si mesmo o amor que nas outras crianças existe ao nascer distinta a de seus pais. Em seguida, no Filho, Maria ama o seu Deus e Criador: ama, com isto, em intensidade igual à fé absoluta que a reconhece.

A Virgem está ao lado da cruz em um mar de dor, com o rosto coberto de lágrimas, a alma sangrando das feridas do Filho. Seus olhos não podem conter esse corpo Massacrado que sangra: "Desde a planta do pé até a cabeça não há nele coisa sã, mas feridas e contusões". A violência assassina que se abateu sobre Cristo desfigurado ao ponto de quase apagar a forma humana. Um leproso, uma massa de feridas e contusões está diante dela: o mais abjeto dos homens. Esta é a cena que penetra o coração da Mãe como uma espada: ninguém aos detalhes do drama escapa ou é poupado. Mas Nossa Senhora está de pé sob a cruz, não só com o corpo, mas com sua fé inabalável. Maria acredita, acredita na íntegra, que tudo não termina com a morte de Cristo.

Como ele a amava tanto, tanto sofre com a Virgem. Na verdade neste amor, na dor, vê o amado sofrer. Martírio, sofrido pela Madonna da visão do Filho torturado, nascido em agonia pela imensidão de seu amor por ele. Jesus vê sua mãe ao pé da cruz. Não é a mãe de um homem, mas de Deus Mãe do esplendor diante da sua virgindade, mãe santíssima nossa. E no coração de Jesus sente-se o tormento. A Madonna dirige seu coração aos seus filhos os mesmos dardos de amor e compaixão que perfuram do Senhor com uma força mortal. E com as mesmas flechas de amor e paixão, o Filho sofre de lado a lado a alma de sua mãe. É uma troca que expande ao outro o tormento do amor. Cristo mostra-se a seu lado, é cooperador da nossa redenção com sua mãe, em seguida, dá-nos sua Mãe em sua Misericórdia. Assim, a doce Mãe de Cristo sob a cruz gera seus filhos em sua adoção: como, por natureza, a mãe de Cristo, adota seus filhos e torna-se nossa mãe. a Mãe espiritual de todos nós. Fomos constituídos em Cristo e nos é dito isto como a membros místicos; por isso também são filhos de Maria, não segundo a carne, mas por sua adoção.

Graças ao sofrimento de Cristo que sofre por nós, somos incorporados nele através da fé e do batismo; tornamo-nos seus irmãos: muitos membros sob uma cabeça que formam um só corpo. Os membros do corpo de Cristo, então somos filhos de Maria. Para suportar as dores deste parto espiritual, Maria, nossa Mãe, está ao pé da cruz. Dores e gerações que Simão no plano espiritual profetizava que uma espada, não material, mas espiritual, atravessaria sua alma.

Na verdade todos os tormentos que causaram o sofrimento de Cristo no seu corpo, ela experimenta na alma. No sofrimento de seu Filho na dor intolerável de mãe, no entanto, não consegue tirar os olhos dele. Estando lá, em pé, gemendo e sofrendo mil mortes. Enquanto isso, Jesus vê o fim se aproximando e quer cumprir as suas obrigações filiais para com Maria. Ele confia sua mãe a João; No entanto, a partir de outro ponto de vista confia João a Maria. O Evangelho refere corretamente que Maria "permaneceu" ao pé da cruz. De fato, os apóstolos fugiram, outros amigos divergiram. Quando Jesus volta o olhar para a direita e esquerda, não pode mais encontrar ninguém que o vê que o sinta. Ela sozinha, Maria, e os fiéis persistem, os que estão a sós com ele nos tantos tormentos.

"Jesus viu sua mãe...", isto é o que o Evangelho diz. "Eis o teu filho", apontando com seus olhos para João, e João, inclina-se: "Eis a tua mãe!". Recomendá-los uns aos outros, Cristo juntou essas duas almas puras; na pessoa de São João, todos nós, membros do corpo místico do qual é a cabeça, ele a confia a sua Mãe; E Maria se torna verdadeiramente a Mãe de todos nós.
(Homiliae in Passione Christi, horn. XLVIII, Opera omnia, t. 3, pp. 101-103).

Totus tuus

Quantas gotas do mar, estrelas do céu, miríades de anjos os bem-aventurados; quantas folhas de árvores e prados verdes, muitas vezes do fundo do meu coração te saudaram, ó Mãe Bela, digna da glória de Deus, Rainha do Céu clamando, minha senhora amável e doce Virgem Maria! Eu vos saúdo com o Coração de seu Filho amado, com o seu amor e com o amor de todos aqueles que vos amaram; Eu me coloco sob sua proteção e confio em vós como a um filho, na esperança de que me receba por Deus para ser todo seu (Totus Tuus) e vós toda minha, que depois de Deus és minha senhora, minha alegria, minha coroa minha fiel causa e minha mãe.
(Pharetra divini ainoris, lib. II, Opera omnia, t. 5, p. 159).

O místico a rosa e o lírio

A mais casta entre as mulheres, a mais pura entre as virgens, a Mãe de Deus, da à luz é a alegria dos anjos, traz a misericórdia para mundo, a redenção das almas, o fim do pecado, a autora da virtude, fonte de graças, o princípio da salvação, a destruição da morte; trouxe ao mundo a restauração da vida eterna, Virgem intata, Mãe imaculada, antes de dar à luz no parto e depois do parto, permanece incorrupta virginal.

Tida como a mais bonita e muito encantadora está acima de todas as mulheres, embora tendo, Deus dado a ela sua graça não desperta o desejo de nenhum homem com a sua beleza, ganha assim o mais casto dos muitos corações daqueles que refletem um estado puro e límpido de sua castidade.
Então José não há tem não a deseja humanamente, era casto. Este casamento era casto a união de José e Maria, união virgem de amantes de Deus, lírios do jardim de candura de rosas perfumadas de caridade, a mais santa e mais perfeita predileção de coexistência, fogueira dos corações do amor divino, corações cheios do Espírito Santo atuante, prediletos da comunhão santa a mais doce condição de coabitação da existência, Disputam respeito um pelo outro e se unem ao coração imaculado do Filho de Deus, Jesus Cristo!
Doce Maria, doce José, homenagens dos pais de Deus e predestinados a este evento, as honras, antes da constituição do mundo, em suas orações e em seus méritos obtém de Deus a graça, destroe erros enraizados da ausência das condições divinas Reúne condições assim poder, amor de todo coração, a Deus, em tudo e acima de todas as coisas. Atraindo na existência os tons verdes e violetas, Impetrando sob o meu, para todo o meu corpo e minha alma uma integridade mais que perfeita, a castidade impecável de uma pureza simples de coração, a fim de que fora do meu Deus nada me atraia e nada me encante. Que assim seja.
(Theoriae in vitam Jesu Christi, theoria ‘XXIX, Opera omnia, t. 5, pp. 182-183)

Temas do Mosteiro