Mater

Mater

Guido II

Eleito o procurador do Grande Chartreuse em 1173 na sequência da renúncia de Basil. Guido II, já em idade avançada demitiu-se do cargo de Prior em 1180 e voltou à vida de Mônaco em sela simples. Ele morreu 06 de abril de 1192.

Mater Misericórdia

"Ó Virgem das virgens, minha senhora, bela na aparência", no qual os anjos desejam seu bom alento", por sua vez, por favor, a mim volva seus olhos virginais; dignando-se a molhar a ponta do seu dedo de seu frasco, para molhar mesmo com apenas uma gota de água, a minha língua cansada e ressecada. "Em Tudo és linda, minha amiga, não há falha em vós"; rosto belo, corpo casto, espírito santo, e o que particularmente tens ao brilho e na prontidão de nos ajudar e as necessidades dos pobres. Na verdade, é a primeira efusivamente a ir às fontes mais profundas de misericórdia, trazendo-nos de seu ombro um frasco de graças e de suas compreensões poderosas. O que, então, faz esta menina fulgurante, e minha senhora?
"Com apresso – as Escrituras dizem - que derramou de seu braço e jarro graças" e, não contente deste de beber a um pedinte ", também o dá aos camelos - disse -. "Atrai-los-ei, até que acabem de beber" Isto significa, ó Virgem Santa, que quem bebe de seu frasco até eu, um pecador deformado corcunda e tortuoso. Compadeceu-se de nossas misérias, muito além do que podemos pedir, com esperança ou pesar.

ó Virgem, de belo rosto e pureza virginal, dá-me mais do que muito peço-lhe, desta bebida, que preparou para mim e de um lugar em morada noturna, para que, e como diz, exista um vasto lugar para ficar. Esta terra em que morremos é estreita, e os homens retiram-lhes o que podem e argumentam: Minha é a terra, a minha fonte, a minha floresta. Mas contigo o espaço para habitar é vasto. Introduzi-me, Mãe de Misericórdia, na casa de teu pai, por que não ficarei fora, não serei consumido pela geada e o frio e não serei atacado pelos terrores da noite. Introduzi-me, porque depois eu lavarei os meus pés descansarei até que "respire na brisa do dia, e afugente-se de mim as sombras".

Isaac como marido recorda-se. Na verdade é verdadeiro aquele a quem o Senhor tem preparado para ser seu filho e seu Mestre, para ser sua mãe, sua esposa e irmã. "É realmente escolhido e eleito entre as mulheres; estas cheia de graça", o Senhor está contigo." O Senhor Deus, prepara para vós, em Deus e no seu Filho, para que em vós se prepare para ele. É digno de tomar um lugar mesmo ajoelhado como a um camelo antes preparado como para seu próprio Filho e para nós; favoravelmente rendidos até o dia em que se levantará para ferir a terra com o sopro da sua boca.
(Meditatio VII, pp. 158-163).

Augustin Guillerand

Transparência da Trindade.
I encontrar em seu todo o abismo deste mistério divino que me atrai tanto tempo e tão fortemente: Encontrando os três que são um e, antes deles, esta alma de simples camponês da Galileia, por eles escolhido para gerar um deles. A relação de Maria com a Santíssima Trindade, a vida que se desenrolava em seu coração desde o primeiro momento, quando a sua alma se juntou ao seu corpo, perdido e cheio de emoções, em constante crescimento levando seu coração em Deus, que detém cativo, mergulhado nele, com todos os seus pontos de vista e sua vontade, com todos os seus pensamentos e sentimentos, o desejo que tem para derramar isso em nossos corações, para nos falar desta união e desta vida, para nos tornar um com ela, através dele com Jesus, e através de Jesus com o Pai, do Filho e do Espírito Santo, como o tema da meditação, contemplação, olhar intenso, que começa sem o fim, e que é renovado a partir do novo.

Imensa profundidade.
É difícil escrever sobre Maria. Ela nos leva imediatamente à imensa profundidade, onde uma palavra diz tudo, e esta palavra não pode ser expressa como nós escrevemos. Obviamente não podemos, não devemos pensar em entrar neste abismo; É um mistério, o mistério dos mistérios. No entanto, não devemos temer a contemplação, porque é um mistério de luz e de amor; Deus quer que você olhe para ele, que se estenda nesse olhar, tanto quanto possível e que se renove frequentemente; dando-se a tal ponto no olhar de sua pureza.
Não vá a criança gaguejar. Mas que devemos nos contentar. À própria Virgem como tal elevada era sua contemplação, concorda em seguir nossos caminhos escuros de vida e de fé: sigamos como ela, mas com ela, com a mão em sua mão doce, coração em seu coração puro e cheio de bondade.

Invadida pelo Espírito.
A tarefa de Maria se estende muito a de Jesus, aplica-se e exerce onde e quando ao papel do Redentor. Nosso Senhor dá a si mesmo e chega até nós através de Maria. Ela está sempre entre ele e em nós: este é o plano divino. O que está em um deve, portanto, ter um impacto no outro antes de ressoar em nós é capaz de ressoar no outro. Na verdade, uma nova vida começa a partir dele, e, em seguida, uma nova geração para ela. O que precisamos ver no Calvário é essa nova vida e esta nova Mãe dos viventes. "Mulher, eis o teu filho... Eis a tua mãe". O papel de Maria nesta situação não poderia ser mais claro, Jesus neste momento deixa de gerar o nós. Maria atende a esse ato de geração. Ela o auxilia como uma mãe; uma mãe que perdeu um filho para ter outro. O amor, o imenso amor que invadiu o Dia da Anunciação e tomou posse de sua carne realizando o seu trabalho nesta carne, tomou conta de Maria porque ela reuniu os gêneros em sua alma. "É por isso que ela se tornou a nova "mulher". "Mulher, eis aí o teu filho" Ela agora começa a desempenhar um papel de mulher que até agora não suportara: começa a gerar os vivos, cuja vida será a vida do Espírito, o Espírito do Verbo feito carne. Seu trabalho não muda, ele se expande. Uma nova geração começa a partir da Cruz, abraçando todos aqueles que acreditaram e que crerem. "Mulher, eis o teu filho"; esta palavra imediatamente dilatada tão imensa no ventre de Maria, onde todos encontram lugar. Seu efeito é imediato, total. Nenhuma resistência ao Espírito de amor que lhe é dito. Ela interiormente repete a palavra de sua existência "Fiat". "Faça para mim segundo a tua palavra." E assim foi feito. E ela se tornou a mãe de todos aqueles a quem Jesus iria comunicar seu Espírito de amor. Ela recebe este Espírito de amor de uma maneira especial, neste momento, através do trabalho destas palavras, e por este motivo estará novamente presente no dia de Pentecostes recebendo-o como sendo membro da Igreja. Sob a cruz como a mãe o recebe. Maria está de pé, calma e serena, calma para aceitar plenamente o Espírito, porque nada interrompe diante deste obstáculo; vê nesse amor, que permeia que penetra; e toma conta, transporta-o para fora de si mesma a partir deste sopro que se torna chama de amor, por sua vez, baluarte de graças recebidos como que derramados sobre todos.

Ela, aparentemente, desaparece interiormente. Mas, dá lugar a um principio ativo que embora distante tenha um papel que não pode ser esquecido. Está sob sombra mediada retirada de luz fecunda é assim baluarte de graças e à sombra do Todo-Poderoso envolvida do Espírito Santo que desce sobre ela, e ela da à luz ao "Santo, chamado filho de Deus". Essa sombra é expressa em Cana como em Nazaré: "Eis aqui a serva do Senhor estou disponível para o Senhor". Mas que agora se volta para os seus servos. Derrama a sua luz, gerada espiritualmente. Torna-se a mãe da santidade, santidade que o Espírito produz nela e através dela. Sua tarefa na Igreja ou em toda a história cristã está toda aqui, em seu caráter humilde que confia nos sinais tão claros de seus verdadeiros filhos. Ela repete estas palavras especialmente para aqueles que se entregam em suas mãos: "Fazei o que Ele vos disser" A Jesus, como eu mesmo fiz o que o Espírito me disse, e como eu, dará à luz; nele encontramos relacionamentos recíprocos nas palavras de amor vislumbrados, que nunca dissemos.
(Marianas Contemplações)

Dionísio, o cartuxo

Mãe e Rainha doce O gloriosa Rainha, Virgem Puríssima, grande Mãe de todas as mães, doce Maria, sob nuvens, de felicidade, te vejo desde sua gloriosa intercessão! Pois eis que em vós, o mais feliz, o mais brilhante, o mais admirável de todas as criaturas, eis que tu és verdadeiramente Mãe, associada com a autoria do Pai, tendo com ele o mesmo Filho. És a mais excelente Mãe do Filho unigênito de Deus, tu tenda única do adorável Espírito Santo Consolador e Mãe d'Aquele de quem ele procede. Amiga próxima da Trindade essencial e Escolhida, a guardiã dos segredos, a melhor, partilha de sua regra de vida. E sua glória. Deus, o Criador, o primeiro autor, que tem feito grandes coisas, tão amoroso e tão perfeito que a ama em sua beleza e em seu esplendor.

Ele a ungiu, sem mudar nada de lugar, entra na história, no centro de seu coração, enche-o em abundância de toda a graça, de todas as virtudes, de toda a perfeição, forma com ela a substância da carne humana, em um corpo santo de seu sangue puro no seu seio virginal. Ele a faz sua habitação e descansa como a um trono digno de uma corte real, de uma célula celeste e santa.

Na eternidade, e que nasce sob estas circunstâncias. Coração de Pai fiel escolhe nascer a seu tempo do seio de sua fertilidade, como o noivo vai ao seu aposento, verdadeiro Deus e verdadeiro homem na unidade indivisível. Este Rei do céu, este Senhor dos anjos, nasce puro, aquecido em seus braços, alimentado a partir de seu peito, acariciado com mãos maternais, para viver em uma intimidade maravilhosa nesta terra por trinta anos, até a hora que deixa de pregar, e depois segue até sua morte na cruz. E agora, ó doce Virgem, pode entender o que a abundância da graça faz com ela, com plenitude de dons divinos deu o seu Filho, verdadeiro Deus e seu Criador, em tudo isso? é evidente que o tem e ao fazê-lo a enriqueça em tudo, que a levantou acima de todos os eleitos e em todas as virtudes e todos os benefícios, como convinha a uma mãe, uma rainha, tão nobre noiva adornada, cheia, e alta acima de tudo, nas necessidades de Deus. Eis que, ó Mãe amável e venerável, desde sempre associada com Deus, com o Pai, torna-se uma verdadeira Mãe do verdadeiro Deus, torna-se parte de uma infinita dignidade. De direito, e graças dos privilégios desta maternidade divina, tendo autoridade para controlar toda criatura celestial e terrena. Digo "a toda criatura" quando sob certa autoridade sobre o que o verdadeiro Deus nascido de ti de acordo com sua natureza humana que toma, desde sua submissão até mesmo agora e para sempre a honra como sua amada Mãe.

Ó Mãe, não podemos compreender a sua dignidade, a sua santidade, a sua glória, somos indignos de contemplar-te, não podemos sabê-lo, dos presentes dignos de vós. Mas, nesta vida sabendo-se de alguma forma, do Criador das criaturas, dá-nos um grau eminente de tudo o que há de perfeito e bondoso e da exclusão de todas as criaturas imperfeitas, da mesma forma, doce Maria, contempla todas as outras mulheres.

Por isso, recomendamo-nos fervorosamente a Deus, veneramo-la com a maior reverência, Invoquemo-la com a maior devoção porque Deus nos tornou como são as coisas, porque ela é grande em si mesma, porque as temos e recebemos o tempo todo, as suas graças, de tão grande bem, porque nós precisamos mais da sua misericórdia e do seu resgate, e por causa do reino dos céus da sua presença e dos seus pontos de vista vimos aumentar as recompensas acidentais tão inefáveis dos bem-aventurados. Precisamos elogiá-la e cumprimentá-la assiduamente, de coração alegre e na sua felicidade, nela e por ela bendizer louvar e dar graças a Deus, ao Altíssimo, que se nos mostra tão destacada toda com a sua caridade, a sua generosidade, a sua bondade e sua sabedoria neste trabalho incomparável e bom, em Maria, os nossos corações se alegram como quantas vezes nos lembrarmos. Nela, depois de Deus, está sempre a nossa consolação.

E eu, minha boa Rainha, minha defensora tão misericordiosa, minha Mãe tão carinhosa, sempre me mantenha; ajuda-me, governai, mantenha-nos, e, finalmente, leva-nos ao porto da salvação eterna.
(De laude et commendatione solitariae vitae, art. XXIX, Opera omnia, t. 38, p. 366)

Temas do Mosteiro