Catecismo

Maria di Nazaré

Igreja Católica

"Fu giusto che la Beata Vergine Maria, per mezzo della quale è stata allontanata da noi la vergogna, schiacciasse il diavolo, perché non gli fu sottomessa nemmeno per un istante".
San Bonaventura

MÃE DE CRISTO, MÃE DA IGREJA

963 Depois de ter falado do papel da Virgem Maria no Mistério de Cristo e do Espírito Santo, convem considerar agora Seu lugar no Mistério da Igreja. "Maria é reconhecida e venerada como verdadeira MÃE DE DEUS e do REDENTOR. [...] Mais ainda [...] como sendo a que colabora, com Seu amor, com o nascimento dos Filhos de Deus na Igreja; como membros da cabeça de Cristo.".

I. A maternidade de Maria com relação à Igreja

Inteiramente unida a Seu Filho...

964 O papel de Maria com relação à Igreja é inseparável de Sua união com Cristo. Seu papel é decorrente desta união. "A união da MÃE e do FILHO na obra da Salvação se manifesta desde o momento da concepção virginal de Cristo até a Sua morte". Manifesta-se particularmente na hora de Sua Paixão.

A Bem-aventurada Virgem caminhou em Sua peregrinação de fé e esteve fielmente unida a Seu Filho até a cruz. Aí, pela vontade de Deus, manteve-se firme, sofreu intensamente com Cristo e fez do sacrifício de Seu Filho, devido a Seu coração de Mãe, o Seu próprio sacrifício. Cheia de amor, consentiu que Jesus fosse imolado como vítima. Finalmente, Jesus Cristo, agonizando na cruz, disse a Sua Mãe: "Mulher, eis aí teu filho." (Jo 19,26-27).

525 Essa viene particolarmente manifestata nell'ora della sua passione: "La beata Vergine ha avanzato nel cammino della fede e ha conservato fedelmente la sua unione col Figlio sino alla croce, dove, non senza un disegno divino, se ne stette ritta, soffrì profondamente col suo Figlio unigenito e si associò con animo materno al sacrificio di lui, amorosamente consenziente all'immolazione della vittima da lei generata; e finalmente, dallo stesso Cristo Gesù morente in croce fu data come madre al discepolo con queste parole: "Donna, ecco il tuo figlio"
(cf 1 Gv 19,26-27).

965 Após a ascensão de Seu Filho, Maria "esteve presente no comêço da Igreja com Suas orações". Com os apóstolos e algumas mulheres, "Maria pediu, em Suas orações, o dom do Espírito Santo, que, na Anunciação a cobriu com Sua Sombra".

... também na Assunção de Maria...

966 "Finalmente, a Virgem Imaculada, preservada de qualquer mancha do pecado original e, terminada a Sua vida na terra, foi elevada de corpo e alma, à glória celestial e enaltecida por Deus como Rainha do Universo, para estar plenamente conforme a Seu Filho, Senhor dos Senhores, que venceu o pecado e a morte". A Assunção da Virgem Santíssima constitue uma participação singular na ressurreição de Seu Filho e a anticipação da ressurreição dos demais cristãos:

"Permaneceste Virgem no parto, quando de Tua Assunção não desamparaste o mundo, Ó Mãe de Deus. Retornaste à vida porque és Mãe da Vida, e, pela Tua intercessão, salvas nossas almas da morte."

... Ela é nossa MÃE na ordem da graça

967 Pela Sua total adesão à vontade do Pai e à obra redentora de Seu Filho, e por sempre atender a voz do Espírito Santo, a Virgem Maria é, para a Igreja, o modelo de fé e de caridade. Por isso é "membro eminente e de todo singular da Igreja, sendo inclusive "a figura" [typus] da Igreja.

968 Mas Seu papel com relação à Igreja e a toda a humanidade vai ainda mais longe. «Colaborou de maneira totalmente particular, por Sua fé, esperança e amor ardente, na obra do Salvador para restabelecer a vida dos homens. É por esta razão que é considerada nossa MÁE na ordem da graça».

969 "A maternidade de Maria continua exixstindo na trajetória da graça: desde o Seu "SIM" na anunciação, que manteve, sem vacilar, ao pé da cruz, até a realização plena e definitiva de todos os escolhidos. De fato, com Sua assunção ao céu, não abandonou Sua missão salvadora. Continua procurando-nos e, pela Sua intercessão, derramando dons de salvação eterna... Por isso a Virgem Santíssima é invocada na Igreja sob títulos como Advogada, Auxiliadora, Socorro, Mediadora".

970 "A missão maternal de Maria para com os homens, de maneira nenhuma, diminue ou faz sombra à obra de Cristo, ao contrário mostra sua eficácia. Efetivamente, toda influência da Virgem Maria na salvação dos homens brota da abundância dos méritos de Cristo, se baseia e depende totalmente de Sua obra, de onde tira sua eficácia". "Criatura alguma pode ser posta na altura do Verbo Encarnado e Redentor. Mas, assim como no ministério de Cristo tanto os ministros como o povo que crê, como a bondade de Deus se manifesta nas pessoas de diferentes maneiras, a obra de Cristo não exclue, mas suscita nas pessoas uma colaboração variada que provem de uma única fonte.".

II. O culto à Virgem Santíssima

971 "Todas as gerações me chamarão de Bem-aventurada" (Lucas 1,48): "O culto da Igreja com relação à Virgem Santíssima é um elemento inerente do cristianismo". A Virgem Santíssima é honrada com razão pela Igreja Católica de maneira muito especial. E, de fato, desde muito tempo, venera-se a Virgem Santíssima sob o título de "Mãe de Deus", sob cuja proteção os fieis se colocam nas horas de perigo e necessidade. Este culto, apesar de totalmente singular, é essencialmente diferente do culto de adoração ao Verbo Encarnado, igual ao do Pai e do Espírito Santo. É poderoso e encontra sua expressão nas festas litúrgicas dedicadas à Mãe de Deus e na oração mariana como o Santo Rosário, "síntese de todo o Evangelho".

III. Maria – ícone escatológico da Igreja

972 Depois de ter falado da Igreja, de sua origem, de sua missião e de seu destino, não se pode concluir outra coisa senão que, olhando para Maria, contempla-se en Sua pessoa o que é a Igreja no seu Mistério, em sua peregrinação da fé e o que será no final de sua caminhada onde a espera, "para a glória da Santíssima e indivisível Trindade", "em comunião com todos os Santos", Aquela que a Igreja venera como Mãe de seu Senhor e como sua própria Mãe:

"Entretanto, a Mãe de Jesus, já glorificada nos céus de corpo e alma, é a imagem e começo da Igreja que chegará a sua plenitude no futuro. Também neste mundo, até a chegada do Dia do Senhor, Ela brilha diante do Povo de Deus em marcha, como sinal de esperança e consolo".

Resumo

973 Ao pronunciar o "Fiat" da Anunciação e ao consentir o Mistério da Encarnação, Maria já colabora com toda a obra que Seu Filho Jesus deve realizar. Ela é Mãe onde Jesus é Salvador e Cabeça do Corpo Místico.

974 A Santíssima Virgem Maria, terminada a Sua vida terrena, foi levada de corpo e alma para a glória do céu, onde Ela já participa da glória da ressurreição de Seu Filho, antecipando a ressurreição de todos os membros de Seu Corpo.

975 "Acreditamos que a Santíssima Mãe de Deus, nova Eva, Mãe da Igreja, continua no céu exercendo Seu trabalho de Mãe com respeito aos membros de Cristo".

Temas do Mosteiro