Nosso advogada

Maria di Nazaré

Maria

DA CONFIANÇA NO PATROCINIO DE MARIA SANTÍSSIMA.

Quanto devemos agradecer à misericórdia do nosso Deus em ter-nos dado Maria por advogada, que com as suas orações pode obter-nos todas as graças que desejamos.

S. ALFONSO M. DE LIGUORI

"Oh bondade tanto maravilhosa do nosso Deus, que designou tu Senhora, como advogada aos seus reis, a fim de que tu obtenhas tudo aquilo que queres! (exclama S. Bonaventura). "Pecadores, meus irmãos, se nós somos reis com a divina justiça e já condenados ao inferno pelos nossos pecados, não devemos desesperar-nos, recorremos a esta divina Mãe, colocamos-nos debaixo da sua capa e Ela nos salvarà. É preciso boas intenções em querer mudar de vida: boas intenções e grande confiança em Maria e seremos salvados. E porque? Porque Maria é uma advogada "poderosa", uma advogada "piedosa", uma advogada "que deseja a salvação de todos".

Em primeiro lugar consideramos que Maria é uma advogada "poderosa", que pode tudo intercedendo em benefício dos seus devotos. Este é um privilégio singular, concedido a Ela pelo juiz que é seu Filho: "Grande privilégio ser Maria potentissima ao lado do seu Filho. Diz Gio, Gersone que la Vergine Maria nada pede a Deus com absoluta vontade, que Ela não obtenha; e que Ela como rainha manda os anjos iluminar, purgar e perfeicionar os seus servos. Por isso a Igreja para dar-nos confiança nesta grande advogada, nos faz invocar-la com o nome de Virgem potente. E porque o apoio de Maria é assim potente? Porque Ela é Mãe de Deus, diz S. Antonino. As orações de Maria, sendo Ela mãe, teem uma certa razão de comando à Jesus Cristo: e por isso é impossível que Ela, quando reza, não seja acontentada.

Diz S. Jorge Arcivescovo de Nicomedia que o Redentor, quase para satisfazer a obrigação que Ele tem com esta mãe, por haver-lo dado o ser humano, acontenta todos os seus pedidos. S. Teofilo Vescovo d’Alessandria deixou escrito assim: "O Filhinho gostaria que sua Mãe rezasse por ele, porque quer dar-lhe aquilo que Ela pede, para assim recompensar ao favor recebido em ter-lhe dado a carne". E o martire S. Metodio exclamava: Alegra-te, alegra-te, o Maria, que tens a sorte de ter por debitor aquele Filho e que todos nós somos debitores, porque tudo aquilo que temos é um seu dom.

Dizia Cosma Gerosolimitano que a ajuda de Maria é onnipotente: Sim, é onipotente, o conferma Ricardo de S. Lorenço, enquanto é justo que a Mãe partecipe à potesta do filho; o Filho que é onipotente fez onipotente a Mãe. O filho é onipotente por natureza, a Mãe é onipotente por graça; Ela obtém com as suas orações aquilo que pede. E isso foi revelado a S. Brigida. Um dia essa Santa entendeu que Jesus falando com Maria lhe disse: Minha mãe, procura-me aquilo que tu queres, tu sabes que qualquer pedido seu serà concedido.

"Tu não me negastes nada vivendo aqui na terra, e eu nada te negarei agora que és comigo no céu. Não existe ninguém, por mais perverso que seja, que Maria não possa salvar com a sua intercessão. O Mãe de Deus, nada pode resistir à tua potência, já que o teu Criador estima a tua gloria como a própria. Tu tudo podes, diz S. Pier Damiani, enquanto podes ainda salvar os desesperados.

PONTO II

Em segundo lugar consideramos que Maria é uma advogada não só potente, mas "piedosa", que não sabe negar a sua ajuda às pessoas que a Ela recorrem. Os olhos do Senhor, diz Davi, contemplam os justos, mas esta Mãe de Misericórdia (como diz Ricardo de S. Lorenço) olha com admiração os justos, como acima dos pecadores, a fim de que eles não caiam ou se já caíram, com a sua intercessão Ela os ajudará, diz S. Bonaventura que olhando Maria lhe parecia de mirar a própria misericórdia. S. Bernardo nos incita a recomendar todas as nossas necessidades a esta potente advogada com grande cofiança, porque Ela è doce e boa com quem a suplica: "Porque a humana fragilidade faz dificuldade à aproximar-se de Maria?

Não existe nada de severo nela, nada de terrível, Ela é toda docilidade". Por isso Maria é chamada azeitona; " Como uma oliveira majestosa na planura". Se como da azeitona sai somente o ólio, simbolo da piedade, assim das mãos de Maria saem somente graças e misericórdias, que Ela dona a todos que se colocam ao seu patrocínio. E com razão Dionisio Cartusiano a chama a advogada de todos os pecadores, que a Ela recorrem.

Ó Deus, e qual castigo terá um cristão que se danará, pensando que podia em vida salvar-se com tanta facilidade, recorrendo a esta Mãe de Misericórdia e não o fez, e depois não terá mais tempos para fazê-lo! Disse a Virgem Maria um dia a S. Brigida: Eu sou chamada a Mãe da Misericórdia e assim sou, porque assim me fez a misericórdia de Deus. E na verdade quem nos deu esta advogada para defender-nos senão a misericórdia de Deus, porque nos quer salvados? Pobre disse, e pobre em eterno será quem podendo nesta vida recomendar-se a mim, que sou boa e piedosa com todos, o infeliz não recorre e se dana.

Talvez tememos, diz S. Bonaventura, que procurando a ajuda de Maria, Ela nos a negue? Não, diz o Santo; Não, ele não sabe e nunca soube que Maria tenha deixado de consolar e de ajudar qualquer mísero que a Ela recorreu. Não sabe, nem pode faze-lo, porque Ela nos foi designada da Deus como rainha e mãe de misericórdia: como rainha de misericórdia Ela deve ter atenção com os míseros. Além da Mãe de Deus, sois a rainha de misericórdia, doveis ter mais cuidado de mim que com os pecadores mais míseros.

E como mãe de misericórdia deve esperar em liberar da morte os seus filhos doentes, dos quais somente a sua piedade faz com que seja mãe. Portanto S. Basilio a chama; hospital público.. Os hospitais públicos são feitos para os doentes pobres e para quem é mais pobre, tem maior direito de ser acolhido; e assim, segundo S. Basilio, Maria deve acolher com maior piedade e atenção os que pecam mais e que recorrem a Ela.

Mas não devemos duvidar da piedade de Maria. Um dia S. Brigida entendeu que o Salvador dizia à Mãe: Lucífero, o suberbo, nunca se humilharà a isto, mas se o mísero se humilhasse a esta divina Mãe e rezasse pedindo a Ela de ajudá-lo, Maria com a sua intercessão o mandaria ao inferno. Com isso Jesus Cristo nos faz entender, (que depois Ela mesma disse à santa,) que quando um pecador recorre a Ela, não importa quanto seja grande os seus pecados, mas a intenção com que vem a Ela, que se vem com boa vontade de corrigir-se, Ela o acolhe e o cura da todas as chagas que tiver.

Pobres pecadores perdidos, não vos desesperais, levantais os olhos a Maria e respirais confiando na piedade desta boa mãe. Procuramos (diz S. Bernardo) Esta graça perdida, Ela encontrou, diz Ricardo de S. Lorenço; então à Ela devemos nos dar para recuperá-la. Quando S. Gabriel foi anunciar à Maria a divina maternidade, entre outras coisas disse: "Não tema Maria, porque encontraste a graça". Mas se a Maria não foi nunca negada a graça, aliás foi sempre cheia, como poderia dizer-lhe que Ela a tinha reencontrada?

Responde Ugon Cardinal: que Maria não reencontrou a graça para si, porque Ela sempre a tinha gozado, mas para nós que a tínhamos perdida: Diz Ugone que devemos ir e dizer a Ela: Senhora, se deve restituir as coisas a quem as perdeu; essa graça reencontrada tu sempre a possuiste; Ela é nossa, nós a temos por nossa culpa perdida e a nós deves restituir.." ... não desdenho de medicar e sanar as suas chagas; por isso venho chamada e sou verdadeiramente a mãe de misericordia.

PONTO III

Consideramos em terceiro lugar que Maria é uma advogada tanto piedosa que não somente ajuda a quem a Ela recorre, mas Ela mesma vai procurando os míseros para defende-los e salvá-los. O demonio vai sempre rodando, diz S. Pietro, procurando a quem devorar. Mas esta divina Mãe, diz Bernardino da Bustis, vai procurando a quem pode salvar. Maria é mãe de misericórdia, porque a misericórdia que Ela tem por nós, faz que Ela tenha pena e tenta de salvar-nos; como uma mãe que não pode ver os seus filhos no perigo, Ela nos ajuda. E quem, diz S. Germano, depois de Jesus Cristo, tem mais cuidado da nossa saúde, que Tu, o Mãe de Misericordia? Acrescenta S. Bonaventura que Maria é sempre pronta em socorrer os míseros. Este é o seu maior desejo.

Maria certamente nos socorre quando recorremos a Ela e ninguém nunca foi por ela afastado. Ma isto não satisfaz o coração piedoso de Maria, acrescenta Ricardo de S. Vittore, Ela prevê as nossas preces e nos ajuda antes que a supliquemos. Além disso, diz o mesmo autor, que Maria é tanto cheia de graça que quando vê as nossas misérias no mesmo momento vem a socorrer-nos. Assim Ela fazia desde que vivia na terra, como sabemos do que aconteceu no casamento de Canaã da Galileia, quando faltanto o vinho Ela não esperou que a suplicassem, mas entendendo a aflição dos esposos, procurou o Filho e dizendo: "O vinho acabou" logo obteve dele um milagre, transformando a água em vinho. S. Bonaventura diz que a piedade de Maria era tão grande para com os aflitos enquanto estava ainda neste mundo que muito maior serà a sua piedade agora que está no céu, da onde vê melhor as nossa misérias. E acrescenta o Novarino que se Maria se demonstrou pronta a socorrer àqueles que não a imploram, imagina como serà atenta em consolar a quem pede a sua ajuda?

Ah Não devemos deixar de recorrer à divina Mãe quando temos necessidade. Ela é sempre disponível a ajudar quem a implora. E acrescenta Bernardino da Bustis que o seu desejo de doar-nos graças é maior do que o nosso desejo de recebe-las. E por isso diz que quando recorremos a Ela, a encontraremos sempre com as mãos cheias de graças e de misericórdias. E’ tão grande o desejo, diz S. Bonaventura, que Maria tem de ajudar-nos e de ver-nos salvados, que se ofende não so com quem faz algum insulto positivo, mas também com quem não a procura. E ao encontro afirma o santo que quem recorre a Maria (se entende sempre com a vontade de corrigir-se) ele é jà salvado; "Saúde de quem a invoca". Então recorremos sempre a esta divina Mãe e dizemos a Ela o que este santo contava: "O Senhora, o Mãe de Deus Maria, não me danarei, tendo colocado em Ti as minhas esperanças".

Temas do Mosteiro