Medita

José

Santo Alfonso

Meditações tiradas dos escritos de Santo Afonso Maria de Ligório.

Considere as conversações doces entre Maria e José, durante esta viagem. Talvez eles falassem da misericórdia de Deus, que enviou o Seu Filho para redimir a humanidade, e do Filho vindo para este vale de lágrimas para reparar os pecados da humanidade.

A viagem para Belém

Considere também vale a pena ir a José, na noite em que nasceu a Palavra divina, ter sido expulso de Belém com Maria; então foram forçados a refugiar-se em um estábulo. O sofrimento que teve de suportar José para ver a sua santa noiva, menina de quinze anos, grávida dar à luz, tremendo naquela caverna, molhada e exposta ao clima. "Mas, então, o quanto tinha de ser seu consolo quando Maria o chamou, dizendo: "Vamos, José, adorar o nosso Deus, menino, apenas inclinado nesta caverna. Olha como é bonito Eis o Rei do mundo em uma manjedoura! "Poucas faixas tremendo frio, mas acende o amor de serafins! chorando, as felicidades do céu".

Agora, vê o que era o amor e a ternura de José quando viu com seus próprios olhos o Filho de Deus tornar-se uma criança, e, ao mesmo momento ouviu os anjos cantarem em torno de seu Senhor nasceu e viu a luz encher a caverna! Então, ajoelhado e chorando de alegria, José disse: "Eu te adoro, meu Senhor e Deus Que grande graça é minha! Ser o primeiro a vê-lo, depois de Maria, e saber que no mundo quer ser conhecido e respeitado meu filho Deixe, portanto, a partir de agora dizer-lhe o seu nome: "meu filho e meu Deus, consagra-me a ti". Minha vida nunca vai ser minha, mas toda sua, e eu viverei apenas para servi-lo, meu Senhor!".

A alegria de José nesta noite cresceu ainda mais quando viu os pastores, chamados pelo anjo para ver seu Salvador nascer. E, mais tarde, até mesmo os três reis magos vieram do oriente a reverenciar o Rei do céu vindo a terra para salvar suas criaturas.

A viagem para Egito

Os Santos dos Reis Magos tinham informado a Herodes, o rei dos judeus já nasceu. Então o príncipe bárbaro ordenou que todas as crianças fossem mortas as que nasceram perto de Belém. Deus, para salvar seu filho da morte, enviou um anjo para dizer a José que levasse o menino e sua mãe em fuga para o Egito.

Considere a pronta obediência de José que, embora o anjo não dissesse o quando devesse sair, sem fazer perguntas sobre o tempo ou o caminho da viagem, e sem saber em qual lugar do Egito parar, está prestes a sair imediatamente. Avisa imediatamente Maria e, como Gerson escreve, na mesma noite, recolheu as ferramentas pobres de seu comércio, que então tinham que servir no Egito para apoiar a sua família pobre, e parte, juntamente com sua esposa Maria. Eles vão para o Egito sozinho, sem um guia, de frente para uma viagem tão longa, em estradas difíceis através de montanhas e desertos. Imaginem o sofrimento de José nesta jornada, em ver o sofrimento de sua amada noiva, não acostumada a andar, com aquela terna criança nos braços no seu tempo agora para ele, com o medo de encontrar a cada passo soldados de Herodes, no pior do inverno, com chuva, vento e neve. Ao longo da viagem para comer tinha nada, mas um pedaço de pão trazido de casa, ou aceitar esmolas! À noite, tiveram de dormir em casebres humilde ou ao ar livre debaixo de uma árvore!

José foi, certamente, conformado com a vontade do Pai eterno, que queria aquela criança como seu filho começa a sofrer em reparação pelos pecados dos homens. No entanto, o coração cheio de amor de José foi obrigado a sofrer ao vê-lo tremer e o ouvir chorando de frio e outras dificuldades que sentiam.

Finalmente, considera que José teve de sofrer nos sete anos de residência no Egito, no meio do povo idólatra, estrangeiros e desconhecidos. Não tinha nem parentes nem amigos que poderiam ajudá-lo. Portanto, São Bernardo disse que o Santo Patriarca para apoiar a sua pobre noiva e a criança divina, fornece comida para os homens e os animais, foi forçado a trabalhar duro dia e noite.

A vida de José juntamente com Jesus

Jesus, depois de sua descoberta no templo por Maria e José, voltou com eles para sua casa em Nazaré, e vivia com José até a morte dele, obedecendo a ele como seu pai. Considere a vida santa que José levou na companhia de Jesus e Maria. Nesta família ninguém se importava com nada menos que a glória de Deus; os seus pensamentos e desejos únicos foram para agradar a Deus; seus discursos exclusivos em causa do amor que os homens têm de Deus e que Deus traz para os homens, especialmente por ter enviado à terra o seu Filho unigênito para sofrer e morrer em um mar de dor e desprezo pela salvação da humanidade. Com muitas lágrimas, Maria e José, que conheciam as Escrituras divinas, falaram na presença de Jesus, de sua paixão dolorosa e a morte! Como ternamente falaram de seu amado, que, de acordo com Isaías, seria o homem das dores e do desprezo. Ele, belo como era, teria sido açoitado e abusado até o ponto que parecia um leproso, todo cheio de chagas e feridas. Mas o seu amado filho sofreria tudo pacientemente, sem sequer abrir a boca e queixas de tantos tormentos, como um cordeiro, seria deixado à morte; e, finalmente, terminou sua vida à força de tormentos, pendurado em uma madeira infame entre dois ladrões. Portanto, considere os sentimentos de tristeza e amor que em conversações com Maria deve ter sentido o coração de José.

Amor de José por Maria e Jesus

Considere-se primeiro de todo o amor que José tem à sua santa noiva. Ela era a mulher mais bonita que já existiu. Ele foi o mais humilde, o mais suave, o mais puro, o mais obediente, o mais amoroso pai de Deus que houve e nunca haverá sobre a terra e entre os anjos do céu. Por isso ele mereceu todo o amor e José, era o amante da virtude. No amor se vê amado por Maria, que definitivamente é preferido o marido por todas as criaturas. Ele então viu como o amado de Deus, escolhido por Deus e sua mãe de seu Unigênito, agora imagina o que deve ter sido o amor, por todas estas razões, José e seu coração justo grato e abrigado vão em direção a sua linda noiva.

Considere também o amor de José por Jesus. Ao confiar o nosso Santo Padre à atribuição putativa de Jesus, Deus certamente infunde no coração, o amor de um pai. Mas o amor de José por Jesus, o filho amoroso e Deus, não era apenas humano, como a de outros pais. Foi também um amor "super-humano", porque na própria pessoa de Jesus ele viu seu filho e seu Deus. José sabia, com certeza, e teve a revelação divina do anjo, que a criança que estava vivendo com ele era o Verbo Divino, feito homem por amor do homem, especialmente por causa dele. Ele sabia que ele próprio o havia escolhido como o guardião de sua vida e queria ser chamado teu filho.

Imagine-se então, qual o fogo do amor santo deveria queimar nos corações de José isto considerando tudo; para ver o seu Senhor que, como um menino, serviu-lhe abrindo e fechando a loja, ajuntando a viu madeira, lidando do avião ao machado, para recolher as fichas, para varrer a casa. Em suma, ele obedeceu em tudo o que foi dito.

A morte de São José

Considere como São José, depois de ter servido fielmente a Jesus e Maria, estava no fim da vida na casa de Nazaré. Rodeada por anjos e apoiado pelo Rei dos anjos Jesus e Maria, sua esposa, foi colocado ao lado dos dois lados da cama, com esta empresa doce e nobre, com uma paz de paraíso saiu desta vida miserável.

A morte de José foi feito ainda mais doce e preciosa pela presença da noiva e do Redentor, que se dignou ser chamado teu filho. Como a morte poderia ser amarga para ele, morrendo nos braços da vida? Quem pode explicar ou entender a pura doçura, o consolo, esperanças, atos de renúncia, as chamas da caridade, que as palavras de vida eterna de Jesus e Maria, então despertaram no coração de José?

A morte de nosso santo foi realmente calma e gentil, sem ansiedades e medos, porque sua vida sempre foi sagrada. Não pode ser a morte daqueles que uma vez ofendido a Deus merecem o inferno. Grande em vez disso, em seguida, conforto para aqueles que se colocam sob a proteção de São José. Ele, que em vida havia ordenado Deus, certamente vai comandar os demônios desviá-los e impedi-los de perseguirem seus adoradores no momento da morte. Abençoada é a alma que é assistida por este bom advogado! Ele, que assistiu Jesus à morte em criança vendo o seu perigo no Egito e em sua agonia assistido por Jesus e Maria, ele tem o privilégio de ser o patrono de uma morte feliz e libertar da morte eterna os seus devotos.

A glória de São José

A glória que Deus dá aos Seus santos no céu corresponde à santidade com a qual eles viveram na Terra. E a santidade de São José é a partir destas palavras do Evangelho: José, seu esposo, era justo (MT 1:19). Puro apenas significando aquele que possui todas as virtudes; que não tem uma virtude que não pode ser dita para ser justa. Agora, se o Espírito Santo chamado de "direito", quando José se tornou marido de Maria, a quem consideramos uma abundância de amor divino e de todas as virtudes obteve nosso santo das negociações e da coexistência com a sua santa noiva, que lhe deu um exemplo perfeito em todas as virtudes. Se a única voz de Maria foi o suficiente para santificar Batista e preencher Isabel do Espírito Santo, para o que o comprimento da santidade existisse, veio à bela alma de José através da empresa e da familiaridade que teve com Maria por cerca de trinta anos?

Além disso, devemos supor em José um aumento na virtude e mérito, acima de tudo, porque ele tinha vivido muitos anos em contato com a mesma santidade, isto é, com Jesus, ele mantido, nos serviços e apoiados ao chão. Se Deus promete uma recompensa para aqueles que dão por causa dele um simples copo de água para um pobre, pensamos que terá dado glória no céu com José, que o salvou das mãos de Herodes, trouxe-lhe comida e roupas, muitas vezes levou a ele e criou-o com muito carinho! Certamente a vida de José, com Jesus e Maria, foi uma oração contínua, rica em atos de fé, de confiança, de amor, de resignação oferecida.

Agora, se o é prémio corresponde aos méritos da vida, o que acha que vai ser a glória de José no céu. Santo Agostinho compara os outros santos às estrelas, mas São José ao sol. E de acordo com Padre Suarez São José, depois de Maria, é a glória de todos os outros santos. O venerável Bernardino de Bustis conclui que São José no Céu comanda, de alguma forma, a Jesus e Maria, quando ele quer para implorar graças de seus devotos.

Pode interessar