Virtudes teologais

Caridade

Caridade

Os gregos usavam quatro verbos para expressar o amor. O vocabulário do novo testamento é estranho para eles o verbo que significava amor ardente, apaixonado, sensível e principalmente sensual.

È ainda mais estranho o verbo estrangeiro, que também indica o, amor natural sensível, forte, como o que existe entre cônjuges, entre pais e seus filhos.

Virtude teologal e Caridade

Usam estes verbos, que significa amor em geral e cujo oposto é o ódio genérico. Mas o Novo Testamento confere uma preferência inegável amor-ágape o verbo, indica um amor preferencial, escolha, que procede isto é, mais do que instinto e inclinação natural, a partir de uma atitude da razão e liberdade. A Vulgata traduz, geralmente, e de forma adequada, diligente (amor-terno). Os escritores sagrados cunharam o substantivo "ágape", que, nesse sentido, é exclusivo da Bíblia.

Especialmente familiar para o vocabulário de João e Paulo, os dois termos significam, antes de tudo o amor de Deus para com os homens, mas também o amor dos homens para com Deus e dos homens entre si, mas sempre em referência ao primeiro amor e fundamental, a fonte de toda a corrente de amor, que é o amor de Deus para com os homens. Portanto, esta é uma atitude interior antiética ao egoísmo. É uma abertura, um movimento no sentido, da vontade, certamente não passiva, mas dinâmica, cujo propósito, a razão, o prazo, o bem: o bem que é Deus, que está no outro homem, e que existe em todos.

O problema que angustiou as primeiras gerações cristãs do mundo judaico era dar a este, novo preceito divino da caridade ensinado por Jesus Cristo, com o antigo preceito divino da lei, ensinada por Moisés. Qual é a relação entre a caridade e a lei? Moisés ensinou que a salvação era para ser ligada a lei, Jesus, no entanto, ensinou a ser ligada à caridade. A história do povo judeu confirma o mosaico preceito, mostrando a sorte e azar com a observância dos preceitos. Na lei mosaica muitos preceitos são os mesmos preceitos da lei natural - como, por exemplo. Decálogo, pelo menos no essencial o problema da relação entre a caridade e a lei mosaica acaba também se estendendo para a relação entre a caridade e da lei, cada lei ou norma ou regulamento, seja divina ou natural.

No Formalismo condenado por Jesus não é a escrupulosa observância da lei, que atende pelo zelo e amor pela lei; mas proveniente de cálculo pela aridez, de hipocrisia. Observamos a lei escrupulosamente por fora, mas dentro não ama a lei, sem humildade, em vez precisamos da lei para seus próprios propósitos: ambição honra a injustiça e maldade. "Portanto, fora da lei é perfeito, então no oposto da lei, ou seja, a maldade é do mal. A lei, então ela pode tornar-se, em vez de uma fonte de vida, a fonte da morte, ocasião de pecado, significa perder a sua alma: "Jesus repreendeu os fariseus, ao transgredir o mandamento de Deus para a sua tradição".
(Mt. 15:3).

São. Paulo, em oposição aos judaizantes a Lei mosaica, ressalta com grande energia em que consiste a novidade do Evangelho. O Evangelho, isto é, a boa notícia é esta: que somos salvos por Jesus Cristo; só Jesus Cristo nos liberta do pecado, nos redime da morte, nos torna capazes de ser bom. Não é a lei que nos salva; nós não estamos salvos porque obedecemos à lei. Ele nos salva pela graça; somos salvos porque vivemos na caridade.

Se na salvação do Antigo Testamento foi atado à lei e sua observância, foi apenas porque a lei foi orientada para a vinda do Messias, e na observância da lei expresso uma fé obscura, esperança e caridade ao Messias. Mas agora que o Messias veio, agora que tem sido totalmente revelado o mistério da fé, esperança e caridade, observância da lei e da lei em si tornaram-se inúteis e, de fato, um obstáculo e danos. Nos termos da lei o homem era um escravo, sob a caridade é o mestre: "Jerusalém judaica é escrava, a Jerusalém celeste que ai está é livre" (Gl 4, 25.); nos termos da lei, uma vez que estava na prisão, sob a caridade é livre: "antes que viesse a fé, estávamos presos e mantidos na prisão: da lei" (Gal 3, 23); a lei era como o pedagogo que tem a função temporária e deve se aposentar quando vira a seu posto: "a lei nos serviu de apoio para nos conduzir a Cristo" (Gl 3, 24.); a lei era como "a letra que mata", a caridade é "o espírito que dá a vida".
(11 Cor. 3, 6).

Já escrevendo aos Romanos tinham fixa a pergunta: "Por isso, destruir a lei pela fé?". E ele respondeu: "não em tudo, na verdade, estabelecemos a lei." E um pouco mais tarde: "então pecará, porque não estamos sujeitos à lei, mas na graça Que isso nunca aconteça." Assim São Paulo denunciou o erro daqueles que pensavam que a abolição da lei mosaica e sua superação em liberdade cristã eram, em conjunto, a abolição de todas as leis e de toda norma ética, de modo que estivessem, portanto, permitiu que cada órgão seguisse em licenciosidade.

Tal erro circulava entre os Coríntios, à qual o apóstolo deve recordar-se, de forma clara e com autoridade, que a própria caridade é expressa em certas formas e exige cumprimento de determinadas regras e comportamentos. E fala especialmente nos capítulos cinco e seis da primeira letra. Erro semelhante circulava entre os Gálatas, que o apóstolo adverte de forma mais rigorosa: "Não quero invocar a liberdade (Cristã) como um pretexto para a conduta carnal." Mesmo São. João, que nada menos do que Paulo tinha insistido sobre a liberdade dos filhos de Deus, não mais sujeitos à lei, mas vivo na predileção do Pai, mesmo São. João em sua primeira carta de protesto: "Quem diz que sabe (Deus), mas não guarda os seus mandamentos é mentiroso... aqueles que obedecem à sua palavra, nele realmente estão o amor de Deus".

Falsa, então, é o contraste entre uma moral na caridade e uma lei moral. O apóstolo João diz que "o amor é caminhar de acordo com os seus mandamentos" (II Jo. 1 6). Então, nós entendemos como Jesus Cristo, para uma coisa enfatizou a relatividade e a transitoriedade da lei, para outra aparente afirmava a permanência e a estabilidade, "não achem que eu vim abolir a lei... Na verdade, digo-vos que até que o céu e a terra passem, não desaparecerá da lei nem um jota ou um til... "(MT. 5 18); e São Paulo, que tão calorosamente e insistentemente marcou a precariedade e fraqueza e inutilidade da lei, com igual calor professa que "a lei é santa, e santa, justa e boa é o preceito" (Rom. 7, 12). Se a lei é, por vezes mortal, é apenas porque nós abusamos dela, "nós sabemos que a lei é boa, desde que seja legítima" (I Tim. 1.8) e, mais precisamente, explica que o preceito da lei não será abolido, mas permanecem na nova economia da saúde: "não adulterarás, não matarás, não furtarás, não cobiçarás, e todos os outros se resumem nesta sentença". amarás o teu próximo como a ti mesmo". (Rm. 13:9).

Estas palavras, como as da carta aos Gálatas "toda a lei se resume neste único mandamento: amar o próximo como a si mesmo", que já está preparado para compreender de forma que podemos dizer que a graça e caridade não eliminam a lei, mas as confirmam. Confirmamo-la como a autenticação de se aprofundar no mais alto e no espírito; os preservados no além do aperfeiçoamento: "Não pense - Jesus diz aos seus discípulos - que vim destruir a lei... não vim para destruir, mas para aperfeiçoar" (MT 5, 17). Aqui não é um conservadorismo estático, não é um legalismo meticuloso, que considera todos os preceitos em máximo e mínimo, no mesmo plano, a pretexto de que todos são iguais perante a lei; mas de uma atitude que, penetrando até o direito dos diversos preceitos, dimensiona a importância e o valor; estando transigente e articulada mesmo com aqueles cujo carácter puramente provisional e preparatório empunham a vinda do Messias, que circulavam.

Jesus, então, explica, por exemplo, O mandamento do sábado, enquanto o Senhor é honrado, não importa se é sábado ou outro dia (cfr. Mc. 2 27). Daqui resulta que o cristão terá de observar uma lei maior e mais perfeita do que o observado pelos judeus, e especialmente o observado pelos fariseus. Jesus pode, portanto, exortar seus ouvintes com este aviso: "Se a vossa justiça não for maior que a dos escribas e fariseus, não entrará no Reino dos Céus.".
(MT. 5 20).

A conformidade deve ser acima de tudo interna. Isso significa amar a lei. Para amar os preceitos não racionalizem, é como Jesus assegura seus fiéis, "meu peso é leve, meu jugo é suave" (MT. 11 30). É a mesma caridade que atua sob_ peso e isso suaviza, uma vez que vem do Espírito Santo (cfr. Rom. 5: 5.). Que infunde no intelecto ilumina e fortalece a vontade. E assim a lei antiga coloca no preceito e o preceito era bom (Rom. 7, 12), mas não dando com a capacidade de observar, facilmente torna-se uma ocasião de pecado. O que lamentou São Paulo: "É um pecado a lei? É claro que não Mas eu não conheci o pecado senão pela lei?". (Rom. 7: 7). Na verdade, não me dando esta ajuda e deixando-me preso de meus desejos, aconteceu que "o mandamento, dado a mim que eles doaram a vida, levou-me ao invés peso de morte" (Rom. 7, 10). A lei foi, portanto, impotente para fazer o homem fiel observá-la. Agora, no entanto, "foi o que a lei não poderia... Deus realizar enviando seu próprio Filho.. que poderia dar a capacidade de cumprir a lei em nós, que estão de acordo com o Espírito". (Rom. 8, 3-4).

A lei é entendida pelos cristãos como uma lei divina sábia, é obsequiada como índice vontade divina, está finalmente amada como uma expressão da bondade divina. Tanto para a lei natural e muito mais para a lei divina positiva de que o autor é o Deus-homem, Jesus Cristo. A lei, portanto, é amada, porque ele é amado Jesus Cristo; e obediência à lei torna-se o ato de amor à vida cristã mais normal, que se parece como isto, através da execução dos mandamentos, como uma relação pessoal com Jesus Cristo: "Aquele que tem os meus mandamentos, Jesus diz no seu discurso. Na última ceia, aqueles que realmente me amam" (pl. 14, 21). Amor à lei do Senhor aqui é a raiz de conformidade: o amor é o novo espírito da nova lei: é o espírito do Novo Testamento. Não tão novo, no entanto, que sente uma premonição, é mais do que um palpite, já no Antigo Testamento.

Eu não devo encontrá-lo inferior no judaísmo, judaísmo dos escribas e fariseus, mas de autêntico povo escolhido no Judaísmo, o fiel e piedoso israelita, que coloca a lei do Senhor na vanguarda de seus pensamentos. De seus lábios vêm às calorosas expressões do Salmo 118: "Com todo o meu coração eu te procuro... no meu coração eu guardo os teus preceitos em seus decretos que encontro a minha felicidade que o escrute a sua lei e o observe de todo o meu coração... que é melhor para mim a lei da sua boca que montes de ouro e prata Oh! quanto eu amei a sua lei, ó Senhor! Eu faço todo objeto dia da minha reflexão... os teus mandamentos são mais doces ao meu palato que o mel à minha boca, eles são a alegria do meu coração". Assim, o Salmo 118, que é toda uma meditação sobre a lei e a alegria de vê-la.

O cumprimento da lei é uma fonte de alegria. E o que é mais para o cristão, que é plenamente revelado em Jesus Cristo, o que é para o povo judeu escondido no véu de sua própria história e da sua esperança: ao obedecer à lei e amar a Deus, e o que é maior alegria do que a alegria de amar? E o amor mais inebriante que o amor de Deus? A moral cristã é, portanto, uma moral de alegria, porque é uma moralidade de amor.

Ele prega bem a essência da moral cristã S. Agostino, no mesmo acórdão "ama e faze o que quiser" Se realmente ama, pode fazer o que cobiça a sua vontade, pois então o seu não vai apreciar nada além de prazer ' ele ama, para fazer tudo isso e só o que agrada o amado. A fórmula é perfeita, mas é a fórmula Cristã excepcional, a fórmula do cristianismo escatológico, o cristianismo que se vive no estado prazeroso. Cristianismo da Terra, o homem no teste do estado, o homem que sempre sente o dualismo da carne e do espírito, ou, como diz São Paulo, o homem que sente em seus membros uma lei para combater a lei da mente (cfr. Rom. 7, 23), é sempre na necessidade de se apresentar a uma autoridade da lei.

Não a crie, de acordo com a fórmula agostiniana, mas traga-a (junto de si) para levá-la e torná-la sua própria alegria, de acordo com a fórmula Evangélica será um jugo suave, será um peso leve. Como a ordem da natureza do amor da mãe torna luz o jugo suave e o fardo de cuidados quando cuida de seu filho, que também compõem o seu dever como cristão a amá-la no jugo leve e suave e no fardo da lei do evangelho.

Apenas para momentos excepcionais presente nos privilegiados, o místico, o santo, Deus concede essa emoção de amor, que o jugo e o peso desaparecem cultivados na alegria, alegria pura do amor. Mas este não é o lugar que foi dado pelo Senhor: é a perfeição do amor, e da perfeição aqui na terra na perfeição da alegria, que o amor pode ser tão perfeito no sofrimento como na alegria. Para nós, homens; na verdade, é mais fácil de ser perfeito em sofrimento, que por sua alegria.

O que é o verdadeiro amor é como ensinado por São Paulo aos Coríntios, que, o espírito da lei Gospel, resume o todo. Não só ele pode dizer que a caridade é a "rainha de todas as virtudes do sistema moral cristã", mas mesmo os que têm a caridade tem tudo: bondade, tolerância, humildade, dedicação, desinteresse, paciência, etc.. (Cf. I Cor. 13: 4-7). "Quem tem caridade, não tem, no entanto, nada", mesmo que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, mas se não tivesse essa ciência para conhecer todos os mistérios, que a fé pode mover montanhas, se eu não tiver caridade, não sou nada".
(I Cor. 13: 1-2).

E mesmo se observar os preceitos evangélicos a quem Jesus permitiu recompensa, e se fizer àqueles que dizem serem as obras de caridade, mas não ter amor à alma, não terei o espírito de caridade, entre os cristãos não é muito diferente daqueles fariseus que estavam cumprindo a lei não lucrando nada "Mesmo que eu distribua todos os meus bens aos pobres, mesmo que eu entregasse o meu corpo para ser queimado - escreve São Paulo - se eu não tiver caridade, tudo isso não me ajuda em coisa alguma".
(I Cor. 13: 3).

A novidade do Evangelho, a Boa Nova, a ordem da vida moral, então, é a caridade. Então entenda como São. Paulo poderia dizer um tanto enigmático, que "a caridade é o vínculo da perfeição" (Cl 3, 14), ou, ainda, que "o cumprimento da lei é o amor" (Rom. 13, 10). Timóteo, em seguida, escreve que "o fim do mandamento é o amor".
(I Tim. 1:5).

Onde se quiser entenda o preceito no sentido genérico da lei divina parece que o Apóstolo quer insinuar que a observância da lei tem um objetivo, antes mesmo de seu trabalho ser concluído, o fim da caridade, o aumento da caridade, o aumento da graça.

Pode interessar