Verdadeira

A caridade

Caridade

Lanspergius
É uma grande coisa a caridade, sem a qual o homem não pode salvar-se e, em vez disso este não pode ser condenado. Com a caridade és dono de tudo, e aqueles que não a praticam nada possuem.

Nem a humildade pode ser aceita e agradável a Deus sem a caridade.

A verdadeira caridade

Não pode ser paciente, gentil, casto sem a caridade. Em uma palavra, nenhuma virtude é virtude sem a caridade. Portanto a caridade é essencial para todos.

Precisa entender o que é a verdadeira caridade, porque nem todos os tipos de amor são caridade. Os homens amam os homens, ou porque são do mesmo país ou nascidos do mesmo sangue, ou porque são da mesma natureza e com as mesmas ideias. De todas essas várias relações e circunstâncias diferentes são as qualidades de amor.

Em vez disso é a razão pela qual a caridade nasce: deve amar a Deus em Deus, deve amar a Deus por Deus, e não por qualquer outra razão. O vizinho então deve amá-lo por Deus. Portanto, Deus é a causa e a finalidade para a qual amamos a Deus e ao próximo. Aqui reside a verdadeira caridade. Esse amor deve mover a boca para falar, mãos ao trabalho, pés para andar, enfim observar os mandamentos de Deus. E se não ama não pode cumprir os mandamentos de Deus como deveria. A regra desta caridade é prescrita nas seguintes palavras: "Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma".

Este é o propósito e objetivo da nossa perfeição, para além do qual não se pode ir, mas mesmo assim nos é dado para alcançá-lo nesta vida, porque sempre descobrimos imperfeições, podendo sempre ir para a próxima etapa no amor. Há sempre liberdade para praticar mais caridade, porque nos é dito que devemos amar com todo o coração. "O Deus de amor, que é infinitamente digno de todo louvor, laudabiis nimis", nos convida a observar suas "nimis" preceitos, isto é, com grande cuidado, a fim de fazer-nos compreender que estamos sempre em falta no nosso dever, em seguida, sempre que deploramos nossas falhas, e vemos sempre novo espaço para ir.

Mas Deus não exige que tenha nesta vida a perfeição da caridade, no grau nos predestinando; não vamos chegar a isso na próxima vida. O que temos a fazer é esperar por um desejo constante viver e tomar este esforço para progredir e crescer continuamente na caridade divina.
(Sermones de tempore, Dominica XIII post SS. Trinitatem, Sermo, Opera omnia, t. 1, p. 560.

Isso por si só é suficiente
Não há nada que mostre a excelência da caridade para com os irmãos. Temos uma grande responsabilidade para vivê-la, tanto quanto o mandamento que o próprio Jesus Cristo deixou. Em primeiro lugar, esse preceito é uma obrigação: "Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda tua mente, com toda sua força." Este é o primeiro mandamento e o maior de todos. O segundo é semelhante a este: "Amarás o teu próximo como a ti mesmo".

Em segundo lugar, este preceito é muito rigoroso, porque me deu dor de morte: "Aquele que não ama permanece na morte." Em terceiro lugar, este preceito é muito expressivo, porque com expressões singulares me foi dada pelo legislador divino. E são certamente dignos de consideração especial àquelas palavras do Redentor: "Isto vos manda: amar uns aos outros." Mas não são os preceitos de Jesus Cristo todos os outros mandamentos do Decálogo? Por que então ele chamou o seu mandamento apenas de amor ao próximo? A razão é clara, especialmente porque este está perto de seu coração, e com especial solicitude quer que seja posto em prática.

Finalmente, este preceito é digno de ser proferido, porque foi renovado pelo meu divino Salvador no último dia de sua vida, quando ele já estava perto da morte para minha salvação. Naquele dia, fazendo o último discurso aos seus discípulos, deixou-os outro testamento. Numa instituição de caridade amigável e sincera para com o próximo. "Este é o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros como eu vos amei." Ele chama o novo mandamento, embora dado repetidamente, porque renovado em tais circunstâncias deve ter um novo vigor e maior força para impulsionar os homens para a caridade sincera e recíproca.

Portanto, se o preceito da caridade, que Jesus Cristo deu, é tão grande, tenho que tentar com todo o cuidado e com todos os esforços vivê-la, se quiser ser um verdadeiro discípulo e amigo de seu coração. São Jerônimo e São João Evangelista refere-se que, quando ele já estava muito velho, apenas a pregou nesta coisa: "Filhinhos, amai uns aos outros"; E quando se sentia cansado e entediado, repetia a mesma coisa, disseram-lhe uma vez: "Mestre, por que sempre diz isso?". Para isso, ele respondeu: "Porque este é o mandamento do Senhor, e se cumprir isso por si só é suficiente".

Pode interessar