Convite

A caridade

Caridade

O irmão realmente deve amar uns aos outros, atenciosos para com os outros de forma inteligente, em comunhão recíproca e compartilhando suas próprias coisas, confortado suavemente, sendo percebidos com cuidado, usando a solidariedade, defendendo-se com coragem: estes são na verdade funções de irmãos.

Convite para a caridade

Uma das coisas que são agradáveis a Deus é, de fato, a "harmonia dos irmãos" (Sir 25,1). Isto expressa, em excelente forma, o que é "bom e agradável quando os irmãos vivem juntos"
(Sl 132,1).

A este respeito, Girolamo escreveu: "irmãos aqui é entendida no sentido espiritual, sem vínculos carnais com o espírito, no corpo para os irmãos segundo a carne é viver junto muito frequentemente com fonte de discórdia". Para estes irmãos, o apóstolo Paulo recomenda: "Levar uma vida digna da vocação que você recebeu", isto é, porque vós sois irmãos. Ele continua: "Com toda a humildade, mansidão e paciência, suportando uns aos outros em amor, ansiosos para manter a unidade do Espírito pelo vínculo da paz. Há um só corpo e um só Espírito, como uma é a esperança para a qual você é chamado, a sua vocação".
(Ef 4,14).

Comentando estas palavras, St. Gregório escreve: "De nenhuma maneira chegamos à esperança da vocação, se não executá-la com a alma unida ao próximo." A caridade é realmente o vínculo da perfeição, que o apóstolo Paulo exorta a ter acima de tudo (cf.. Col. 3:14). "E, na Epístola aos Filipenses diz:". Completam a minha alegria em estar de uma única mente, um em amor, com os mesmos sentimentos Nada façais por contenda ou vanglória, mas cada um de vós, com toda a humildade, considerem os outros superiores a si mesmos. Não buscando seu próprio interesse, mas também o dos outros".

Portanto, Deus odeia muito, aqueles que espalham mentiras e semeiam a discórdia entre irmãos. Ele, na verdade, rasga a túnica de Cristo, que os mesmos carrascos não ousaram dividir. Por que Santo Agostinho escreve: "Não pode haver nenhum obstáculo na pessoa que ama seu irmão, pois quem ama o seu irmão tudo suporta a salvaguardar a unidade". A unidade da caridade é o maior amor. Lembre-se Salmo (118,165): "Muita paz têm os que amam o seu nome". Onde sem caridade, não há paz "e São Jerônimo, comentando sobre o mesmo versículo do Salmo: "Muita paz têm os que amam o seu nome e não há nenhum obstáculo para ele", ele escreve: "Aqueles que amam a Deus devem, necessariamente, viver em paz com os irmãos; na verdade, ama a Deus enganosamente quando cria obstáculos com seu irmão".

A partir deste fato, reconhecemos os discípulos de Cristo, se tiverdes amor uns pelos outros. Cristo tem repetidamente sublinhado a importância do amor. E na Primeira Epístola de João, lemos: "A partir dele temos este mandamento: quem ama a Deus ama também a seu irmão".

Este amor fraternal era exortado quando Paulo em sua segunda carta aos Coríntios escreve: "Quem é fraco, como eu Que sofre escândalo, que não se indigna?". Tornou-se tudo para todos para ganhar tudo a Cristo; E querendo tudo de si foram consumidos generosamente para a salvação de outros.

Ele estava disposto até mesmo a tornar-se separado de Cristo, por amor dos irmãos. No entanto, isto não é para ser entendido num sentido absoluto, mas apenas em termos relativos, isto é, uma vez que é viável. Assim, o mesmo apóstolo escreve: "Aqueles que querem ser imitadores de Deus, como filhos amados, devem caminhar em amor, como Cristo nos amou e se entregou por nós" Para salvar seu irmão, não deve temer qualquer risco ou perigo para o seu corpo. A este respeito, João escreve: "Nisto conhecemos o amor de Deus, que Cristo deu a sua vida por nós. E nós devemos dar a vida pelos nossos irmãos".
(1 Jo 3,16).

"Um amigo sempre bom, nasce para ser um irmão na desgraça", diz o livro de Provérbios. E Santo Agostinho recorda: "N’outro homem devem ser amados mais do que nosso corpo".

"Toda a Escritura, tanto do Antigo Testamento e do Novo, estimula-o para o amor de Deus e do próximo tanto com palavras do que com depoimentos". "Isso, na verdade, é o primeiro e maior mandamento, do qual dependem toda a lei e os profetas: Amará o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a sua força; amarás o teu próximo como a si mesmo". Um fato que é enviado e decorrem da lei natural. Assim diz o Senhor: "Tudo o que quereis que os homens façam a vós, fazei vós também a eles". Porque esta é a lei e os profetas "No que diz respeito ao" texto do Eclesiástico "levante-se na frente de sua ciência e de sua herança e da lei da vida".

Uma luz de Rábano diz: "A lei escrita foi feita para complementar à lei natural Este insinua a lei da letra e da lei". Da natureza, isto é, que devemos amar a Deus com todo o teu coração, com toda a sua alma, isto é, que devemos amar a Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a sua força, e que devemos guardar os mandamentos divinos no amor de Deus e do próximo".

E por esta razão o texto bíblico continua: "E disse-lhes. Cuidado com toda a injustiça e deu em todos os preceitos do próximo". Deve, portanto, aceitar o seu próximo e seus irmãos, que carregam a imagem de Deus, que é Pai no céu. Pois também Cristo morreu por todos os homens, sem preferência por pessoas e todos redimiu o suficiente sem exclusões. Portanto, ao longo da passagem do Levítico: "Amarás o teu próximo como a ti mesmo", diz a Glosa: "O próximo não para ser entendido pelos laços de sangue, mas para a união das mentes". E Agostinho diz: "Todo homem, o ser humano, deve ser amado pelo amor de Deus".

Pode interessar