Sete passos

caridade

Caridade

É na suavidade da caridade, que se recebe o Espírito Santo, nos sete passos seguintes: Estimular a vigilância, guardar a confiança, determinar o fervor, deliberar o êxtase, do enlevo complacente tranquilo, graça sob graças, abraço conglutinante.

De acordo com esta sequência fará progressos, se quiser alcançar a perfeição da caridade e do amor do Espírito Santo.

Os sete passos que levam à caridade

São Boaventura de Bagnoregio – opúsculos místicos.

Devemos vê-lo ansioso, à espera da disponibilidade do noivo, ao ponto que se pode dizer: Ó Deus, meu Deus, por ti espero desde o amanhecer (Sl 62,2). Durmo, mas meu coração está desperto. A minha alma o deseja durante a noite, meu espírito e entranhas pela manhã, espero em ti.

Em segundo lugar, é necessário que o conforto lhe de confiança, a certeza de que assegura o Esposo. Que tu podes dizer: Em ti, Senhor espero, não serei confundido (Sl 30,2). Embora me extermine, espero em ti.
(Jó 13:15).

Terceiro, inflama com ardor, na fraqueza do Noivo, que pode dizer: Como o cervo anseia pelas fontes de água, então a minha alma anseia por ti, ó Deus (Sl 41,2) e como a noiva: o amor é forte como a morte. Pelo amor espero.

Em quarto lugar, Com êxtase estou, nas alturas com o Esposo, de modo que se pode exclamar: Oh, como sou querida em suas tendas, ó Senhor das virtudes; é como a esposa: Sonda-me em seus passos; e como Jó, minha alma pede por tudo terminar.

Em quinto lugar, a vontade é de dar-lhe a paz, na beleza do Esposo, porque é lícito repetir com a Noiva: O meu amado é para mim e eu para ele; O meu amado é alvo e rosado, escolhido entre mil.

Em sexto lugar, a alegria entusiasmada cortês do Esposo pode, dizer em separado: Uma parte das muitas dores que esteve em meu coração tem consolado e alegrado a minha alma (Ct 18.19). Como é grande pela tua grandeza a sua doçura, ó Senhor! (Cat., 30,20). Estou repleto de seu consolo; Minha alegria é transbordante.
(2 Cor 12,4).

Em sétimo lugar, é a sua íntima união, a força do Esposo; e dizer, é bom eu estar unido e perto de Deus (Sl 72,28); e repetir: Quem vai nos separar do amor de Cristo?
(Rm 8,35).

Aviso na ordem das linhas. Que não deve parar antes de chegar à última apreciação. Sem subir aos graus intermediários subjacentes e bem conectados, que não está em cima. É importante que primeiro considere predominantemente o afeto subsequente. Por supervisão considero como sempre honesto útil e doce amar a Deus. Súbito a partir desta confiança que gera cobiça, e êxtase. Finalmente chega-se à união, o beijo, o abraço. O que nos leva a Jesus. Assim seja!

Resumo
É fácil resumir todas estas as linhas. No purgatório se distingue por: Ignomínia, Vergonha, tremor, sabedoria, dor, pede ajuda e remédio, na turbulência com fome e luta contra o inimigo; pede para ganhar os prêmios anseia pelo martírio, na sombra refrigera-se e se aproxima de Cristo.

Nas linhas pertinentes relevantes para a iluminação de tal maneira assim são distinguidos. Considera que está sofrendo, e submete-se a fé; com aqueles que sofrem, e mesmo tarde; na grandeza dos que sofrem, com confiança; apaixonada, segue-o, e se assemelha a ele; das muitas variações escritas, e o abraça com fervor; com os efeitos da paixão, és inteligente, contempla.

Desta unidade se distingue da seguinte forma: assistir solicitar-lhe a disponibilidade do Esposo; a confiança irá corroborar a segurança do Esposo; o ardor que inflama a doçura dele; o arrebatamento transportará, por sua excelência; complacência e calma por sua beleza: a alegria o intoxicará, na plenitude absoluta do seu amor; na imagem que adere, em virtude do seu amor.

Oh dirá no seu coração! A alma devota diga assim! Sempre no Senhor: Procuro-te espero em ti. Para ti me volto para sempre.

Pode interessar