St. Augustine

Caridade

Caridade

Se você conhece o amor, você sabe algo que também depende do que nós ainda não podemos saber.

No significado das Escrituras, é a caridade que se manifesta; no que não é dito, no amor escondido.

St. Augustine e a caridade

Qualquer um, pois, que segue sua caridade em vida, possui o que é óbvio e que está escondido na Escritura divina. Portanto, irmãos, praticar a caridade, é um vínculo doce e saudável das almas, sem o qual o rico é pobre e com a qual os pobres são ricos. Na adversidade que perdura, na prosperidade moderada, em meio ao sofrimento duro é forte, em boa obra hilariante; nas tentações muito seguros, muito grandes em hospitalidade, entre os prazeres de irmãos, vigente. Como é grande o amor! É a alma dos livros sagrados, o poder da profecia, a salvação dos mistérios, o poder da ciência, o fruto da fé, a riqueza dos pobres, a vida das pessoas que morrem.

Há algo tão magnânimo como morrer pelos ímpios? Há boa vontade do amor de inimigos?Sozinho não sofre a prosperidade de outras pessoas, porque não é ciumento. É o único que não si ensoberbece da sua prosperidade, não se preocupa. É o único que não sente a inclinação da má consciência, porque não trabalha de forma imprudente. No meio dos insultos é seguro; alvo de ódio nos benefícios; enfrenta a raiva é pacífico; entre as armadilhas, é incapaz de fazer o mal; nas iniqüidades, geme; na verdade, transpira. O Que é mais forte do que a caridade, não substitui a maioria de crimes, mas tratá-os? O que o faz ser mais fiel, sem a vaidade, na eternidade?

Para esta caridade suporta todas as coisas nesta vida, porque tudo acredita estar na sua vida futura; e tudo suporta dos erros na terra, pois vive na esperança das promessas no céu: justamente, pois nunca falha. Siga, portanto, a caridade: cultive pensamentos sagrados que inspirão a justiça. E se em louvor da caridade souber beneficiar materialmente as intenções mais do que fui capaz de expor, sua conduta será aprovada. Deve-se, na verdade, admitir um discurso velho sério, que foi entendido.

Todo mundo é o que é seu amor.
Se há em vós o amor do mundo, não pode haver amor de Deus. Mantenha o amor de Deus para que permaneça para sempre, com o Deus eterno.
Cada um é tal igual ao amor que. Ama na Terra? Pare um pouco. Você ama a Deus? Devo concluir: você é Deus Não posso ouzar a dizê-lo e escutar a Escritura: "E disse: Vós sois deus, e todos vós filhos do Altíssimo".. Então, se você quer ser deus, e todos vós filhos do Altíssimo, não busque amar o mundo e o que está no mundo.

Todos vivam no que ele ama.
É onde temos o coração habitando: Quem ama o mundo, portanto, merece ser chamado de "mundo", a partir do nome "habitare". Como quando dizemos que uma casa é boa ou ruim, nós não queremos condenar ou elogiar as paredes de uma casa, mas dizendo que uma casa é boa ou ruim, nós nos referimos aos que vivem lá; assim, é o mundo que queremos para designar aqueles que vivem lá e lá estão ligados. Quem são eles? São aqueles que amam o mundo: os que são e que vivem com o coração no mundo. Aqueles, porém, que não gostam do mundo, que estão no mundo, segundo a carne, mas com o coração no céu, como diz o apóstolo, "a nossa pátria está nos céus".

Ele ama e faz o que quer.
Encontramos um homem que se enfurece por motivo caridoso e um do tipo iniqüo à razão. Um pai que bate em seu filho e um comerciante de escravos tem mais respeito. Se você se colocar em frente destas duas coisas, espancamentos e zêlo, quem não prefere o zêlo e foge dos espancamentos? Se encontrar pessoas, em visitas de caridade, verá que eles persuadem as iniqüidades. Considere agora os que ensinam aqui, ou seja, que de fato aos homens não difere, exceto a partir da base da caridade. Há muitas coisas, na verdade, até com uma boa aparência, mas não procede a partir da base da caridade: mesmo as flores com espinhos; parecem duras e difíceis; mas o fazem, para estabelecer uma disciplina, sob o comando da caridade. Uma vez por todas, forme breves preceitos: ame e faça "o que quer"; se calar a boca, cale-se para o amor; se falar, fale de amor; se corrigir corrige para o amor; se perdoar perdoa por amor; É à base do amor, porque a partir desta base não pode prosseguir sem o que é bom.

Só a caridade distingue as boas obras daquelas que não são boas.
Você bate palmas com os nós dos dedos às vasilhas de barro, para garantir que não levam rachaduras e não pareçam ruins: verifique se procede bem isto veja se é caridoso.
Veja as grandes obras que o orgulho faz: olhe como é tão semelhante e quase igual aos da caridade. A caridade oferece comida ao faminto, mas também faz o orgulhoso: a caridade faz para que o Senhor seja louvado, o orgulhoso faz isso para louvar a si mesmo. A caridade se desnuda no orgulho; jejua, mas também o faz o orgulhoso; a caridade enterra os mortos, mas enterra o orgulhoso também. Toda a boa obra que a caridade quer fazer acontece, está em movimento, pelo contrário, Com o orgulhoso, trota como que aos cavalos. O que significa quê?O que não entendemos se examinam nas obras. Quem não gosta de sentir o que o Apóstolo diz: "Se distribuir todos os meus bens aos pobres e, se der o meu corpo para ser queimado, mas não tivesse amor, nada vale a pena para mim.".
A Sagrada Escritura, então, por essa manifestação externa-nos convida-nos ao retorno dentro de nós mesmos; de volta em nosso íntimo na superficialidade ostentada diante dos homens. Na intimidade de sua consciência, pergunte. Não olhe para o que floresce fora, mas o que é está na base que está escondida na terra. Ela tem raízes e você ganância de dinheiro? Pode ser que haja uma aparência de boas obras, mas realmente a boa obra não vai estar lá. Ela tem raízes e você caridade? Tenha certeza, nenhum mal pode resultar. Daí.

Só o amor distingue os filhos de Deus dos filhos do diabo. Dos que são marcados, com cantos de Aleluia, dos que recebem o batismo e entram nas igrejas, dos que edificam junto aos pórticos das basílicas, só a caridade distingue os filhos de Deus. Este é o grande critério do discernimento. A caridade é a pedra preciosa, não ter quaisquer bem donativos; mas se tem caridade, por si só será o suficiente.
Faça a sua escolha: ame! Esta é, de fato, a fé que distingue os cristãos de demônios.. Este fogo irá impulsiona-lo para cima, leva-lo, para o céu... Onde quer que se submeta e transforme um objeto será queimada, sua chama não conhece outra direção que não o céu. Portanto, seja inflamado no espírito e queime com o fogo da caridade. Esforce-se para ser fervoroso nos louvores divinos e na condução da vida, seja bom no mais alto grau. Pode ser que um seja quente e um frio. Bem, os que são quentes e aqueles que são frios, queimam na esperança de seu calor crescer e oram pedindo ajuda. O Senhor está pronto para dar, abre nossos corações e quer receber.

Como podem realmente estar em paz, aqueles que sinceramente amam?Quem pode ser lento para a cólera, permanecendo firme na boa nova, com aquele que ama fervorosamente? Como pode não dizer ser uma benção aquele que resgata? Quem é bom se não aqueles que tomam amor? Quem pode ser um crente saudável, se não têm uma fé que opera pelo amor? O que encontrar para ser manso, se a mansidão não é inspirada pelo amor? E como será este espaço contaminado, se não amar o que o enobrece? ... Sem amor, todo o resto é inútil, enquanto o amor é inconcebível sem outras boas qualidades com as quais 'o homem se torna bom.

A caridade é um dom que o Espírito Santo derrama em nossos corações.
De onde vem nos homens o amor de Deus e do próximo, se não do próprio Deus? Na verdade, se não vem de Deus, mas dos homens, seria a vitória do pelejador; mas se vem de Deus, ganhamos dos pelejadores. Então é como um juiz em nosso meio, o apóstolo João, diz: "Amados, amemo-nos uns aos outros". É sobre este preceito de João que os pelejadores elevam o seu orgulho e dizem: Como pode ser este preceito raro, se não está em nós mesmos, porque temos de amar uns aos outros? Mas sofre o mesmo João e os confunde com as seguintes palavras: "Porque o amor vem de Deus." Portanto, ele não vem de nós, mas de Deus.

Elevações.
Ó Deus, amado por todos os seres que amam conscientes ou não; Ó Deus, estou abandonado à decadência, esforço-me para amar, possui-lo; Ó Deus, que nos estimula na fé, levanta-nos na esperança, na caridade nos una: agora, e seguindo-o apenas nos dispomos nos sujeitarmos somente a ti, nos exercícios da Justiça de seu lado direito. Seguindo seu Comando e pedindo o que quer de mim, por favor, me cura e abre meus ouvidos para que eu possa ouvir a sua voz. Cura e abre os meus olhos para que vejam os seus sinais. Separa de mim movimentos irracionais para que eu possa te reconhecer. Diga-me o caminho que tenho que seguir para vê-lo, e espero ser capaz de realizar tudo o que me ordenar. Cubra, por favor, o seu escravo fugitivo, ó Senhor, e Pai misericordioso.

Pode interessar