São Tomás

Amizade

Amizade

É uma inclinação emocional mútua, que surge a partir de uma perfeita conformidade no ouvir e a consequente disponibilidade mútua para revelar os aspectos mais íntimos da personalidade.

Virtude

Na amizade Bíblica considera-se como a forma perfeita da gratuidade, caracterizada pela participação e solidariedade incondicional. Deus é amigo do homem, revelado de um modo especial para com aqueles que escolhem os cooperadores determinantes da história da salvação. Aristóteles admite três tipos de amizade que são divididos por sua vez em inúmeros tons: um é baseado no prazer; um que se baseia no interesse e um que se baseia no bem moral.
(Ética 1156b, 7).

A amizade é, essencialmente, um amor mútuo entre semelhantes: é uma troca com outros de nós mesmos. "O amor com que se ama a si mesmo é moldado na raiz da amizade: na verdade, temos amizade para com os outros como nos comportamos com eles como a nós mesmos".

A amizade é distinta tanto pelo amor como pela caridade. Não há distinção entre amizade e amor e não amar qualquer um pode ser amizade: "Eu não amo qualquer um, mas somente aquela benevolência natural da amizade. Que é quando amamos uns e amamos bem. Se não queremos o bem para as coisas que amamos, mas o seu próprio bem o mesmo bem que queremos para nós, como quando amamos o vinho ou outras coisas como isso, não tem um amor, um amor de amizade, mas de luxúria. É ridículo dizer que é amigo do vinho ou do cavalo. De fato, para amizade não é suficiente até mesmo à benevolência, que requer amor mútuo, porque um amigo é um amigo ao seu amigo. E este bem mútuo baseia-se em algo comum".

Mas há também uma distinção entre amizade e amor. Na verdade, o escopo da amizade é maior do que o da caridade, de modo que se pode dizer que a caridade é uma amizade subespécies: "A caridade é a amizade do homem com Deus, e depois, com os seres que a ele pertencem", e entre as coisas que pertencem a Deus em primeiro lugar, os homens, mas depois também com os anjos. Mas só o homem bom pode ter comunhão com Deus e esta amizade exige obediência.

Amizade é acima de tudo o poder de Deus para com Suas criaturas dotadas de inteligência. "Essência da amizade que o amante quer do amado o desejo é realizado, porque na verdade quer o bem e a perfeição dele, e por isso se diz que os amigos são um só coração (Salústio, Catil. 20). Agora, temos visto que Deus ama a sua criatura, e tudo o mais, ama tanto quanto participa da sua bondade que é o primeiro e principal objeto amado por ele. Por isso, ele quer o cumprimento dos desejos da criatura racional, que as criaturas participem da forma mais perfeita da bondade divina".

A amizade é essencialmente baseada na comunhão e partilha. Então, sendo todo tipo de amizade, uma vez que existem vários tipos de comunhão e de partilha. St. Thomas enumera quatro tipos de amizade: amizade entre parentes de sangue (amicitia patris e Filii e aliorum consanguineorurn) com base na comunhão natural, devido à mesma semente; amizade entre "trabalhadores", com base na partilha econômica, como na participação da mesma indústria; amizade entre concidadãos, como a participação na própria vida política: Finalmente amizade entre os crentes, incluindo os cristãos, "é a comunhão divina pela qual eles fazem parte do corpo da Igreja realmente e potencialmente". A última é a amizade da caridade (amicitia Caritatis) e também do inimigo.

Para amizade é preciso certa igualdade entre dois termos: apenas certa igualdade, não uma igualdade perfeita; amicitia não requirit aequaliatem aequiparantiae, sed aequa1itatem proportionis. Se há grande desproporção entre os dois termos é o fim para a amizade é impossível. Há que ter pelo menos uma analogia uma afinidade. Entre o homem e Deus, de acordo com St. Thomas essa afinidade (analogia) existe, e por isso pode-se dizer que "o homem naturalmente ama a Deus com amor amigo, ainda mais do que ele".

Esta igualdade não é suficiente: não o suficiente para que os dois sejam idênticos, duas plantas idênticas: é necessário que os dois termos estabeleçam alguma comunicação, uma troca. A partir disso o homem não pode tratar como amigos animais ou coisas, e até mesmo as virtudes ou qualidades: "Na verdade, não se comunicam em nossa vida humana, nem na ação, por isso nem podemos alimenta-los com boa vontade".

.

Pode interessar-te